Dracena

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Para a planta de mesmo nome, veja Dracena (planta).
Dracena
  Município do Brasil  
Campus de Dracena da (UNESP)
Campus de Dracena da (UNESP)
Símbolos
Bandeira de Dracena
Bandeira
Brasão de armas de Dracena
Brasão de armas
Hino
Apelido(s) "Cidade Milagre"
Gentílico dracenense
Localização
Localização de Dracena em São Paulo
Localização de Dracena em São Paulo
Mapa de Dracena
Coordenadas 21° 28' 58" S 51° 31' 58" O
País Brasil
Unidade federativa São Paulo
Municípios limítrofes Piquerobi, Ribeirão dos Índios, Junqueirópolis, Tupi Paulista, Presidente Venceslau e Ouro Verde.
Distância até a capital 650 km[1]
História
Fundação 8 de dezembro de 1945 (75 anos)
Administração
Distritos
Prefeito(a) André Kozan Lemos[2] (Patriota, 2021 – 2024)
Vereadores 13
Características geográficas
Área total [3] 488,041 km²
População total (estimativa IBGE/2020[4]) 47 043 hab.
Densidade 96,4 hab./km²
Clima Tropical semiúmido (Aw)
Altitude 421 m
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
Indicadores
IDH (PNUD/2010[5]) 0,776 alto
PIB (IBGE/2011[6]) R$ 720 338 mil
PIB per capita (IBGE/2011[6]) R$ R$ 16 570,93
Sítio www.dracena.sp.gov.br (Prefeitura)
www.camaradracena.sp.gov.br (Câmara)

Dracena é um município brasileiro no interior do estado de São Paulo, Região Sudeste do país. Pertencente à Microrregião de Dracena e Mesorregião de Presidente Prudente, localiza-se a oeste da capital do estado, distando desta cerca de 650 km. Ocupa uma área de 488,041 km²[3] e a sua população era de 47 043 habitantes, de acordo com a estimativa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2020[4]. O município é formado pela sede e pelos distritos de Jaciporã e Jamaica[7][8].

Dracena foi emancipada de Gracianópolis (atualmente Tupi Paulista), por meio de uma proposta apresentada pelo deputado estadual Ulisses Guimarães. A versão de sua etimologia é que o nome seja uma referência a uma planta ornamental, cujas folhas têm a coloração verde e amarela, pertencente à família das liliáceas. O nome fora escolhido por meio de um concurso organizado pelos fundadores de Dracena.[9][10][11] Atualmente sua principal fonte de renda é o setor de prestação de serviços, tendo o comércio como importante atividade econômica.[6]

Seu principal e mais tradicional clube de futebol é o Dracena Futebol Clube, fundado em julho de 1948.[12] Dracena é sede também de diversos eventos anuais, como a Feira de Artesanato de Dracena e a Feira de Agropecuária de Dracena, que são importantes exposições culturais e econômicas.

História[editar | editar código-fonte]

O nome do município, escolhido em um concurso, está ligado à planta de mesmo nome.

A fundação de Dracena ocorreu em 8 de dezembro de 1945, quando Irio Spinardi, João Vendramini, Virgílio e Florêncio Fioravanti tomaram uma iniciativa de estabelecer um núcleo na zona da mata, localizada no Oeste Paulista. Nesse dia ocorria uma cerimônia, cerimônia, que contou com uma grande número de pessoas; nela, estava sendo lançada a pedra fundamental (após o término da construção de um rancho de pau-a-pique) que originou o município.[11] Dracena se tornou oficialmente município de São Paulo através da Lei Estadual n.º 233, por meio de uma proposta apresentada pelo deputado estadual Ulisses Guimarães, que o desmembrou de Gracianópolis (atualmente Tupi Paulista). Ao ser desmembrada, o município era composto de três distritos: Dracena, Jaciporã e Ouro Verde. A instalação oficial ocorreu em 4 de abril de 1949, quando tomava posse o primeiro prefeito do município, Írio Spinardi, um dos fundadores de Dracena, e o primeiro presidente da Câmara de Vereadores, Messias Ferreira da Palma.[9][10]

Após o planejamento do município, a gleba passou a ser subdividida em pequenas propriedades, dando melhores oportunidades de aquisição, e houve, ao mesmo tempo, a construção de um hotel a partir de um prédio com dois pavimentos, constituindo assim o povoamento.[9] A construção de uma ferroviária, e de casas e a doação de terras a pequenos proprietários[11] foram os principais motivos que levaram Dracena a um importante progresso, em dezembro de 1948, data de sua fundação. Cinco anos depois, em 30 de dezembro de 1953, a lei estadual nº 2456 desmembra de Dracena o distrito de Ouro Verde, tornando-se município de São Paulo. A mesma lei criou o distrito de Jamaica, cuja terra foi desmembrada do distrito de Ouro Verde. Em 1960, Dracena era formada pelos distritos de Dracena, Jaciporã e Jamaica. A partir daí, o município não sofreu mais nenhuma alteração em seu território.[9][11]

O nome "Dracena" veio de um concurso organizado pelos desbravadores Irio Spinardi, João Vandramini, Virgílio e Florêncio Fioravanti, fundadores do município. Esse concurso foi organizado em Tupã, a cerca de 120 quilômetros do local. O nome faz referência a planta ornamental de mesmo nome, cujas folhas têm a coloração verde e amarela, pertencente à família das liliáceas.[9]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Dracena, em vermelho, e municípios limítrofes, em azul.

Dracena está localizado na mesorregião de Presidente Prudente e microrregião homônima, no estado de São Paulo, Região Sudeste do Brasil, distante 650 km de São Paulo,[1] e 949 km de Brasília, capital federal.[13] Ocupa uma área territorial de 488,041 km²[3] e se limita com os municípios de Tupi Paulista a norte; Piquerobi, Presidente Venceslau, Ribeirão dos Índios a sul; Junqueirópolis a leste e Ouro Verde a oeste.[14]

Situado a uma altitude de aproximadamente 400 metros acima do nível do mar, o relevo do município está encravado no Planalto Ocidental Paulista, com topografia entre suave e ondulada.[14] O solo é predominantemente arenoso.[15]

O município pertence às sub-bacias dos rios Aguapeí e do Peixe, localizadas na bacia do rio Paraná. É cortado pelo Rio do Peixe, que nasce no município de Garça e desemboca no Rio Paraná, divisa de São Paulo com Mato Grosso do Sul. Também está localizado no Aquífero Guarani, uma das maiores reservas de água doce subterrâneas do planeta. Um importante curso de água de Dracena é o Córrego Prado, afluente do Rio do Peixe. Grande parte da água utilizada no abastecimento da população vem de poços artesianos ou semiartesianos.[14][16][17][18][19]

A cobertura vegetal é formada pela capoeira, cerrado, mata e várzea. A mata é a predominante e cobre uma área 1 530 hectares (3,05% da área total do município). Existem ainda 18,39 hectares de áreas de reflorestamento (0,04%).[19] Abriga, juntamente com os municípios de Ouro Verde, Piquerobi e Presidente Venceslau, uma unidade de conservação estadual, o Parque Estadual do Rio do Peixe, que cobre uma área de 7 720 hectares e foi instituído pelo decreto 47 095 de 18 de setembro de 2002, com o intuito de preservar a fauna e flora locais.[18][20]

Clima[editar | editar código-fonte]

Maiores acumulados de precipitação em 24 horas registrados
em Dracena por meses (DAAE-SP, 1950-2014)[21]
Mês Acumulado Data Mês Acumulado Data
Janeiro 223,1 mm 28/01/2009 Julho 64,4 mm 11/07/2004
Fevereiro 146,3 mm 17/02/1951 Agosto 66,5 mm 10/08/1998
Março 94,4 mm 07/03/1991 Setembro 77,4 mm 14/09/1989
Abril 96,3 mm 01/04/1978 Outubro 92,2 mm 03/10/1991
Maio 111 mm 09/05/1954 Novembro 110,4 mm 21/11/1963
Junho 76,6 mm 22/06/2012 Dezembro 111,2 mm 02/12/1984

O clima de Dracena é caracterizado tropical semiúmido (tipo Aw na classificação climática de Köppen-Geiger). As temperaturas médias mensais superam 18 °C, sendo mais elevadas nos meses de verão e mais baixas nos meses de inverno. Nessa mesma época, quando é mais comum a entrada de massas de ar polares, podem ocorrer dias de frio intenso, com mínimas de 10 °C ou menos.[22][23] Porém, é também o inverno a estação mais seca do ano, quando os eventos chuvas se tornam mais escassos e a umidade do ar (URA) despenca, podendo pode ficar abaixo de 30% ou mesmo de 20%, especialmente durante as tardes.[24][25] Durante o período chuvoso, eventualmente são registradas quedas de granizo em algumas áreas.[26]

Segundo dados da estação meteorológica automática do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) em Dracena, que funciona dentro do câmpus da Universidade Estadual Paulista (UNESP), entre novembro de 2016 e janeiro de 2021 a menor temperatura registrada em Dracena foi de 3,6 °C em 7 de julho de 2019 e a maior chegou a 42,4 °C em 6 de outubro de 2020,[27] sendo esta uma das dez maiores temperaturas registradas pelo instituto no estado de São Paulo.[28] A rajada de vento mais forte alcançou 30,7 m/s (110,5 km/h) em 4 de novembro de 2017 e o menor índice de URA chegou a apenas 12% em 2020, nos dias 30 de setembro e 6 de outubro.[27] Entre 1950 e 2014, o maior acumulado de chuva em 24 horas registrado em Dracena pelo Departamento de Águas e Energia Elétrica do Estado de São Paulo (DAEE-SP) foi de 223,1 mm em 28 de janeiro de 2009.[21]

Dados climatológicos para Dracena
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima média (°C) 30,2 30,2 29,9 28,6 25,8 24,8 25,3 27,2 28,1 29 29,8 30,2 28,3
Temperatura média (°C) 24,9 24,9 24,2 22,5 19,4 18 18,1 19,9 21,6 22,9 24 24,4 22,1
Temperatura mínima média (°C) 19,6 19,7 18,5 16,4 13 11,3 11 12,6 15,1 16,9 18,3 18,8 15,9
Precipitação (mm) 193 167 122 71 73 51 30 29 52 130 116 170 1 204
Fonte: Climate-data.org[29]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Crescimento populacional
Censo Pop.
197035 347
198035 9731,8%
199139 69310,3%
200040 5002,0%
201043 2586,8%
Censos demográficos do
IBGE (1970-2010)[32][33]

A população de Dracena de acordo o censo brasileiro de 2010 era de 43 258 habitantes, sendo 40 941 no distrito-sede (94,64%), 1 646 no distrito de Jamaica (3,8%) e 671 no distrito de Jaciporã (1,56%). Em termos populacionais, era o 142º município mais populoso do estado, apresentando uma densidade populacional de 88,64 km². Desse total, 21 405 eram do sexo masculino (49,48%) e 21 853 do sexo feminino (50,52%), tendo uma razão de sexo de 97,95. 39 946 habitantes viviam na zona urbana (92,34%) e 3 312 na zona rural.[33][34] Quanto à faixa etária, 8 618 pessoas tinham menos de 15 anos (19,92%), 29 500 entre 15 e 64 anos (68,2%) e 5 140 possuíam 65 anos ou mais (11,88%).[35] Ainda segundo o mesmo censo, a população étnica era formada por 30 048 brancos (69,46%), 10 393 pardos (24,03%), 1 504 amarelos (3,48%), 1 305 pretos (3,02%) e sete indígenas (0,02%).[36]

Considerando-se a nacionalidade, 43 100 habitantes eram brasileiros natos (99,63%), 82 eram naturalizados brasileiros (0,19%) e 76 eram estrangeiros (0,18%).[37] Em relação à região de nascimento, 39 628 eram nascidos no Região Sudeste (91,61%), 1 804 no Nordeste (4,17%), 736 no Centro-Oeste (1,7%), 727 no Sul (1,68%), 82 no Norte (0,19%) e outros 123 sem especificação (0,28%). 38 929 habitantes eram naturais dO Estado de S. Paulo (89,99%) e, desse total, 22 151 eram nascidos em Dracena (51,21%). Entre os naturais de outras unidades da federação, a Bahia era o estado com maior presença, com 899 habitantes residentes (2,08%), seguido pelo Paraná, com (1,62%), por Minas Gerais, com 593 (1,37%), por Mato Grosso do Sul, com 416 (0,96%).[38][39] Para 2013, a estimativa populacional é de 45 346 habitantes.[40]

O Índice de Desenvolvimento Humano do município é considerado alto, de acordo com dados do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Segundo dados do relatório de 2010, divulgados em 2013, seu valor era de 0,776, sendo o 83º maior de São Paulo e o 168 º do Brasil. Considerando-se apenas o índice de longevidade, seu valor é de 0,842, o valor do índice de renda é de 0,752 e o de educação é de 0,717.[5] Em 2003, o índice de pobreza era de 20,44% (o índice subjetivo era de 16,27%).[41] De 2000 a 2010, a proporção de pessoas com renda domiciliar per capita de até 140 reais reduziu em 73,1%. Em 2010, 97,2% da população vivia acima da linha de pobreza, 2,3% encontrava-se entre as linhas de indigência e de pobreza e 0,5% estava abaixo da linha de pobreza.[42] No mesmo ano, os 20% mais ricos eram responsáveis por 51,08% no rendimento total municipal, valor quase 9,3 vezes superior à dos 20% mais pobres, que era de 5,51%.[35]

Religião[editar | editar código-fonte]

De acordo com a atual divisão feita pela Igreja Católica, o município está situado na região pastoral III da Diocese de Marília, e é sede de três paróquias, cujas padroeiras são Nossa Senhora Aparecida, Nossa Senhora de Fátima e São Francisco de Assis.[43] No censo 2010 o catolicismo romano era a religião predominante no município, com 30 273 adeptos, ou 69,98 % da população total.[44]

Dracena possui os mais diversos credos protestantes ou reformados. Do total de evangélicos, 4 589 pertenciam às evangélicas de origem pentecostais (10,61%), 1 479 às de missão (3,42%) e 3 130 a evangélicas não determinadas (7,24%). Entre as pentecostais, 1 689 pertenciam à Assembleia de Deus (3,93%), 897 à Congregação Cristã do Brasil (2,07%), 282 à O Brasil para Cristo (0,65%), 149 à Deus é Amor (0,34%), 86 à Universal do Reino de Deus (0,2%), setenta ao Evangelho Quadrangular (0,16%) e 1 407 a outras igrejas pentecostais (3,25%). Entre as de missão, 891 eram batistas (2,06%), 373 adventistas (0,86%), 169 presbiterianos (0,39%), 34 metodistas (0,08%) e doze luteranos (0,03%).[44]

Além do catolicismo romano e do protestantismo, também existiam 1 086 espíritas (2,51%), 253 budistas (0,58%), 201 testemunhas de Jeová (0,47%), 95 seguidores de novas religiões orientais (0,22%), 35 judaístas (0,08%), dezesseis umbandistas (0,04%), quatorze pertencentes a tradições indígenas (0,03%), doze candomblecistas (0,03%), nove esotéricos (0,02%). Dentre as novas religiões orientais, a Igreja Messiânica Mundial, com 53 seguidores (0,12%). Outros 1 587 eram sem religião (3,67%), dos quais 77 eram ateus (0,18%); 314 possuíam religiosidade não determinada ou mal definida (0,73%); 144 pertenciam a outras religiosidades cristãs (0,33%) e 21 não souberam (0,05%).[44]

Política[editar | editar código-fonte]

O poder executivo do município é representado pelo prefeito e seu gabinete de secretários, seguindo o modelo proposto pela Constituição Federal.[45][46] O primeiro prefeito foi Irio Spinardi, que esteve à frente do cargo entre 1949 e 1953.[10][47]

O poder legislativo é constituído pela câmara, formada por treze vereadores eleitos para mandatos de quatro anos.[46] Seu primeiro presidente foi Messias Ferreira da Palma, entre 1949 e 1953.[48] Cabe à casa elaborar e votar leis fundamentais à administração e ao executivo, especialmente o orçamento municipal (conhecido como Lei de Diretrizes Orçamentárias).[46]

Dracena se rege por sua lei orgânica, promulgada em 1990,[46] e é sede de uma comarca do poder judiciário estadual, cujos termos são os distritos de Jamaica e Jaciporã e município de Ouro Verde.[49] De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), possuía, em dezembro de 2013, 32 807 eleitores, o que representa 0,104 % do total do estado de São Paulo.[50]

Administração[editar | editar código-fonte]

Economia[editar | editar código-fonte]

O Produto Interno Bruto (PIB) de Dracena é o maior de sua microrregião,[6] destacando-se na área de prestação de serviços. 43 443 mil são de impostos sobre produtos líquidos de subsídios a preços correntes.[6] De acordo com dados do IBGE, relativos a 2008, o PIB do município era de R$ 496 763,983 mil.[6] O PIB per capita é de R$ 11 292,91[6]

O setor primário é o segundo mais relevante da economia de Dracena. De todo o PIB do município, 15 420 mil reais é o valor adicionado bruto da agropecuária.[6] Segundo o IBGE em 2009 o município possuía um rebanho de 43 162 bovinos, 955 equinos, 1 905 suínos, 132 caprinos, três asininos, dezoito muares, 2 100 ovinos, e 57 000 aves, dentre estas 32 000 galinhas e 25 000 galos, frangos e pintinhos.[51] Em 2009 a cidade produziu 2 830 mil de litros de leite de 2 520 vacas. Foram produzidos 640 mil dúzias de ovos de galinha e 750 quilos de mel-de-abelha.[51] Na lavoura temporária são produzidos feijão (935 mil toneladas), abacaxi (69 mil frutos), tomate (2,4 mil toneladas), milho (1,65 mil toneladas), mandioca (995 toneladas), feijão (900 toneladas), melancia (191 toneladas), mamona - baga - (30 toneladas).[52]

O setor secundário é o menos relevante para a economia do município. 76 982 reais do PIB municipal são do valor adicionado bruto da indústria (setor secundário).[6] Já setor terciário é o mais relevante para a economia municipal. A prestação de serviços rende 360 919 reais ao PIB municipal.[6] O setor terciário atualmente é a maior fonte geradora do PIB dracenense. De acordo com o IBGE, a cidade possuía, no ano de 2008, 1 616 unidades locais, 1 580 empresas e estabelecimentos comerciais atuantes e 18 526 trabalhadores, sendo 10 251 pessoal ocupado total e 8 275 ocupado assalariado. Salários juntamente com outras remunerações somavam 100 938 reais e o salário médio mensal de todo município era de 2,2 salários mínimos.[53]

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

O serviço de abastecimento de água de toda o município é feito pela Empresa de Desenvolvimento, Água, Esgoto e Pavimentação de Dracena (EMDAEP).[54] Já o abastecimento de energia elétrica é feito pela Eletricidade e Serviços (ELEKTRO), que atende ainda a alguns municípios do interior paulista.[55] Ainda há serviços de internet discada e banda larga (ADSL) sendo oferecidos por diversos provedores de acesso gratuitos e pagos. Na telefonia fixa a cidade foi atendida pela Cia. Telefônica Alta Paulista[56] até 1975, quando passou a ser atendida pela Telecomunicações de São Paulo (TELESP)[57], que construiu a central telefônica utilizada até os dias atuais. Em 1998 esta empresa foi privatizada e vendida para a Telefônica[58], sendo que em 2012 a empresa adotou a marca Vivo[59] para suas operações. O serviço telefônico móvel, por telefone celular, é oferecido por diversas operadoras. O código de área (DDD) de Dracena é 018[60] e o único Código de Endereçamento Postal (CEP) do município é 17900-000.[61]

Saúde e educação[editar | editar código-fonte]

Educação de Dracena em números[62]
Nível Matrículas Docentes Escolas (total)
Ensino pré-escolar 759 36 12
Ensino fundamental 4 889 347 15
Ensino médio 1 796 139 2

Em 2009, o município possuía 24 estabelecimentos de saúde, sendo doze deles privados e outros doze públicos entre hospitais, pronto-socorros, postos de saúde e serviços odontológicos. A Santa Casa de Dracena possui 153 leitos para internação, dos quais 35 são privados e 118 são do Sistema Único de Saúde (SUS), além de 10 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI). A cidade também conta com atendimento ambulatorial com atendimento médico em especialidades básicas, atendimento odontológico com dentista e presta serviço ao SUS.[63]

No ano de 2009, o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) das escolas estaduais era de 4,7, enquanto que o índice das escolas municipais era de 6,0.[64] O município contava, em 2009, com 7 444 matrículas, 522 docentes e 34 escolas nas redes públicas e particulares.[62] Há ainda algumas instituições de ensino superior, como a Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP),[65] Faculdades de Dracena (FADRA)[66] e o Centro de Ensino Superior de Dracena (CESD)[67] No ano de 2000, a taxa de analfabetismo era de 10,7% e a média de anos de estudo era 6,2. Nesse mesmo ano, 29% da população possuía menos de quatro anos de estudo e outros 61,2% possuíam menos de oito anos de escolaridade.[68]

Criminalidade e segurança pública[editar | editar código-fonte]

Como na maioria dos municípios médios e grandes brasileiros, a criminalidade ainda é um problema em Dracena. Em 2008, a taxa de homicídios no município foi de 11,4 para cada 100 mil habitantes, ficando na 137ª posição a nível estadual e no 1570° lugar a nível nacional.[69] O índice de suicídios naquele ano para cada 100 mil habitantes também foi de 6,8, sendo o 66ª a nível estadual e o 735° a nível nacional.[70] Já em relação à taxa de óbitos por acidentes de transito, o índice foi de 52,3 para cada 100 mil habitantes, ficando na décima primeira posição a nível estadual e no 109° lugar a nível nacional.[71]

A queda de homicídios por causas relacionadas à violência urbana se deve às medidas tomadas pela Polícia Militar do Estado de São Paulo (PMSP), como o Registro Digital de Ocorrência (RDO), adotado em mais 46 municípios do estado de São Paulo. O RDO permite que os boletins de ocorrência (BOs) feitos nas unidades policiais sejam padronizados via intranet, armazenados em bancos de dados e consultados por outros órgãos policiais.[72]

Transportes[editar | editar código-fonte]

O município é servido pela hidrovia Tietê-Paraná, que facilita o escoamento dos produtos para os países do Mercosul.[73][74] A frota municipal no ano de 2010 era de 24 960 veículos, sendo 13 520 automóveis, 944 caminhões, 255 caminhões-trator, 1 895 caminhonetes, 46 micro-ônibus, 5 276 motocicletas, 1 027 motonetas, 121 ônibus, apenas um trator de roda e 43 veículos utilitários. Outras tipos de veículos incluíam 1 401 unidades.[75]

As avenidas duplicadas e pavimentadas e diversos semáforos facilitam o trânsito da cidade, mas o crescimento no número de veículos nos últimos dez anos está gerando um tráfego cada vez mais lento de carros, principalmente na Sede do município. Além disso, tem se tornado difícil encontrar vagas para estacionar no centro comercial da cidade, o que vem gerando alguns prejuízos ao comércio. As principais rodovias que passam pelo município são a SP-294, que liga Bauru, no centro do estado, a Panorama, na divisa entre São Paulo e Mato Grosso do Sul;[76] e a SP-563, que liga Teodoro Sampaio, na divisa entre São Paulo e Paraná, a Andradina, no noroeste paulista.[76] Entre a SP-294 e a SP-563, também existe a BR-158, próximo a Dracena, que vai do Pará até o Rio Grande do Sul.[76]

O município é cortado pela Linha Tronco Oeste da antiga Companhia Paulista de Estradas de Ferro, que liga Dracena às cidades de Itirapina e Panorama e atualmente se encontra concedida à Rumo Logística para o transporte de cargas. Pela ferrovia, o município também era atendido pelo transporte de passageiros de longa distância operado na Estação Ferroviária de Dracena, entre 1941 e meados dos anos 90. Os últimos trens de passageiros ainda trafegariam pela última vez na cidade em março de 2001, porém já não realizavam mais paradas em sua estação ferroviária. [77]

Cultura[editar | editar código-fonte]

A Fundação Dracenense de Educação e Cultura (FUNDEC) é o órgão responsável pela educação e pela área cultural e esportiva do município de Dracena.[78]

Artesanato e arquitetura[editar | editar código-fonte]

O artesanato também é uma das formas mais espontâneas da expressão cultural dracenense. Em várias partes do município é possível encontrar uma produção artesanal diferenciada, feita com matérias-primas regionais e criada de acordo com a cultura e o modo de vida local. Alguns grupos, como o Grupo de Artesãs de Dracena, reúnem diversos artesãos da região, disponibilizando espaço para confecção, exposição e venda dos produtos artesanais. Normalmente essas peças são vendidas em lojas de artesanato, feiras, exposições. Um exemplo ocorre na Feira de Artesanato de Dracena, realizada todos os anos do mês de agosto, que conta com uma importante participação popular.[79] Nessa feira, os expositores vêm de várias regiões do país, associados e vinculados à Associação de Executores de Artesanato.[80]

Na praça Arthur Pagnozzi, foi fundado um jardim japonês, como homenagem em comemoração aos cem anos da imigração japonesa no Brasil, sendo esta obra fruto de parceria entre a Associação Dracenense de Esporte e Cultura e da Comissão Organizadora dos Festejos dos 100 anos da Imigração Japonesa (ADEC) e a prefeitura, inspirado nos jardins do Japão; a área total do jardim é de 600 metros quadrados, cujo principal arquiteto envolvido nesse projeto foi Maurício Beretta.[81]

Principais eventos e esporte[editar | editar código-fonte]

Todos os anos, milhares de eventos são organizados no município.[82] Anualmente, os principais eventos organizados são a festa da Páscoa em abril (que também é comemorada em todo o Brasil, logo após a Semana Santa), a Festa da Bondade (também no mês de abril), a Festa de Maio (em maio), a festa de Corpus Christi (em junho), a Feira Agropecuária de Dracena (FAPIDRA - em agosto), o Salão de Artes Plásticas (também realizada em agosto), a Festa do Peão de Dracena (em setembro), a festa de emancipação política, comemorada no dia do aniversário do município (8 de dezembro) e a Feira de Artesanato (também em dezembro).[79] Festas realizadas anualmente no Brasil também são comemoradas em território dracenense, como o Ano-Novo, o Carnaval e o Natal.[83][84] Também são populares no município a realização da festa junina (Dracena Celebra - Festa Junina).[85] Novos eventos também vêm sendo criados e popularizados em Dracena, como a Festival de Música Popular Brasileira de Dracena, criado em 2010.[86][87]

O principal clube de futebol do município é o Dracena Futebol Clube, fundado em 2 de julho de 1948.[12] Seu principal estádio é o Estádio Írio Spinardi, que recentemente passou por obras em 2009[88] e foi reaberto em março de 2010.[89]

Feriados[editar | editar código-fonte]

Em Dracena, existem dois feriados municipais. O primeiro é o 12 de outubro, dia de Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil, que é também padroeira do município;[90][91] e o outro é o dia 8 de dezembro, dia de emancipação política do município, onde também é comemorado o dia de Nossa Senhora da Conceição.[92] De acordo com a lei federal n.º 9.093, aprovada em 12 de setembro de 1995, os municípios podem ter no máximo quatro feriados municipais, já incluída a Sexta-Feira Santa.[93][94]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «Distância entre São Paulo e Dracena». Consultado em 21 de julho de 2014 
  2. Prefeito e vereadores de Dracena tomam posse Portal G1 - acessado em 2 de janeiro de 2021
  3. a b c «Consulta por Município». Resolução Nº 01, de 15 de janeiro de 2013. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 10 de outubro de 2002. Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  4. a b «Estimativa populacional 2020 IBGE». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 28 de agosto de 2020. Consultado em 28 de agosto de 2020 
  5. a b «Ranking IDH-M 2010» (PDF). Atlas do Desenvolvimento Humano do Brasil. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 16 de fevereiro de 2014. Cópia arquivada (PDF) em 1 de Agosto de 2013 
  6. a b c d e f g h i j «Produto Interno Bruto dos Municípios 2011». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 16 de fevereiro de 2014 
  7. «Municípios e Distritos do Estado de São Paulo» (PDF). IGC - Instituto Geográfico e Cartográfico 
  8. «Divisão Territorial do Brasil». IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 
  9. a b c d e IBGE. «Histórico de Dracena-SP» (PDF). Biblioteca IBGE. Consultado em 29 de abril de 2011 
  10. a b c «BREVE HISTÓRIA DE DRACENA». Consultado em 29 de abril de 2011 
  11. a b c d Prefeitura Municipal de Dracena (26 de novembro de 2009). «Dracena em seu 64º aniversário no próximo dia 8 de dezembro». Consultado em 29 de abril de 2011. Arquivado do original em 11 de Janeiro de 2012 
  12. a b «Clubes». Interior Paulista Futebol Clube. Consultado em 1 de maio de 2011 [ligação inativa]
  13. «Distância entre Brasília e Dracena». Consultado em 21 de julho de 2014 
  14. a b c «Características geográfica». Prefeitura de Dracena. Consultado em 22 de julho de 2014. Arquivado do original em 22 de julho de 2014 
  15. City Brazil. «Dados Gerais: Relevo». Consultado em 29 de abril de 2011. Arquivado do original em 17 de janeiro de 2012 
  16. «Dados Gerais: Hidrografia». CityBrazil. Consultado em 29 de abril de 2011. Arquivado do original em 17 de janeiro de 2012 
  17. «O Parque Estadual do Rio do Peixe abriga uma diversidade grande da fauna e da flora brasileira». Assembleia Legislativa de São Paulo. 26 de janeiro de 2011. Consultado em 22 de julho de 2014 
  18. a b «Sobre o Parque». Sistema Ambiental Paulista. Consultado em 22 de julho de 2014. Arquivado do original em 29 de julho de 2014 
  19. a b «Mapa Florestal dos Municípios do Estado de São Paulo» (PDF). Inventário Florestal do Estado de São Paulo. Consultado em 29 de abril de 2011. Cópia arquivada (PDF) em 29 de Abril de 2012 
  20. «DECRETO Nº 47.095, DE 18 DE SETEMBRO DE 2002» (PDF). 18 de setembro de 2002. Consultado em 22 de julho de 2014 
  21. a b Departamento de Águas e Energia Elétrica do Estado de São Paulo (DAEE-SP). «Código da Estação: 002151010». Agência Nacional de Águas (ANA). Consultado em 8 de junho de 2021 
  22. «Dados Climatológicos - JUNHO/2008». 2008. Consultado em 17 de fevereiro de 2015. Cópia arquivada em 17 de fevereiro de 2015 
  23. «Dracena registra madrugada mais fria do ano». Prefeitura. 17 de junho de 2008. Consultado em 17 de fevereiro de 2015. Arquivado do original em 17 de fevereiro de 2015 
  24. «Estado sofre com a baixa umidade do ar». Portal Regional. 26 de agosto de 2012. Consultado em 17 de fevereiro de 2015. Cópia arquivada em 17 de Fevereiro de 2015 
  25. «Sem chuva há 14 dias, situação da umidade do ar começa a preocupar». Portal Regional. 27 de agosto de 2014. Consultado em 17 de fevereiro de 2015. Arquivado do original em 17 de fevereiro de 2015 
  26. «Princípio de granizo é registrado em chuva da tarde na área central da cidade». Portal Regional. 29 de maio de 2013. Consultado em 17 de fevereiro de 2015. Cópia arquivada em 17 de Fevereiro de 2015 
  27. a b Instituto Nacional de Meteorologia (INMET). «Banco de dados meteorológicos». Consultado em 8 de junho de 2021 
  28. NONATO, Viviane Samara Barbosa (8 de outubro de 2020). «RECORDE HISTÓRICO DE TEMPERATURA NOS ESTADOS DO MATO GROSSO DO SUL E SÃO PAULO». Instituto Nacional de Meteorologia (INMET). Consultado em 8 de junho de 2021. Cópia arquivada em 9 de outubro de 2020 
  29. «Clima: Dracena». Consultado em 15 de fevereiro de 2014. Cópia arquivada em 17 de fevereiro de 2015 
  30. «Clima: Jaciporã». Consultado em 15 de fevereiro de 2014. Cópia arquivada em 17 de fevereiro de 2015 
  31. «Clima: Jamaica». Consultado em 15 de fevereiro de 2014. Cópia arquivada em 17 de fevereiro de 2015 
  32. «População Total - Dracena - SP». Associação Paulista de Municípios. Consultado em 12 de abril de 2012. Cópia arquivada em 13 de Abril de 2012 
  33. a b «Tabela 608 - População residente, por situação do domicílio e sexo - Sinopse». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 16 de fevereiro de 2014 
  34. «Razão de sexo, população de homens e mulheres, segundo os municípios – 2010». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 16 de fevereiro de 2014 
  35. a b «Dracena, SP». Atlas Brasil. 2010. Consultado em 16 de fevereiro de 2014 
  36. «Tabela 2093 - População residente por cor ou raça, sexo, situação do domicílio e grupos de idade - Amostra - Características Gerais da População». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 16 de fevereiro de 2014 
  37. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010). «Tabela 1497 - População residente, por nacionalidade - Resultados Gerais da Amostra». Sistema IBGE de Recuperação Automática. Consultado em 16 de fevereiro de 2014 
  38. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010). «Tabela 631 - População residente, por sexo e lugar de nascimento». Sistema IBGE de Recuperação Automática. Consultado em 16 de fevereiro de 2014 
  39. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010). «Tabela 1505 - População residente, por naturalidade em relação ao município e à unidade da federação - Resultados Gerais da Amostra». Sistema IBGE de Recuperação Automática. Consultado em 16 de fevereiro de 2014 
  40. «ESTIMATIVAS DA POPULAÇÃO RESIDENTE NOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS COM DATA DE REFERÊNCIA EM 1 DE JULHO DE 2013» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 2013. Consultado em 16 de fevereiro de 2014 
  41. «Mapa de Pobreza e Desigualdade - Municípios Brasileiros 2003». Consultado em 18 de janeiro de 2014 
  42. «1 - acabar com a fome e a miséria». Portal ODM. 2010. Consultado em 18 de janeiro de 2014 [ligação inativa]
  43. «Paróquias da Região Pastoral III - Diocese de Marília». Diocese de Marília. Consultado em 16 de fevereiro de 2014 
  44. a b c «Tabela 2094 - População residente por cor ou raça e religião». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 16 de fevereiro de 2014 
  45. «Governo Municipal». Guia de direitos. Consultado em 12 de setembro de 2011. Cópia arquivada em 11 de outubro de 2011 
  46. a b c d «LEI ORGÂNICA DE DRACENA». Câmara Municipal de Dracena. 1990. Consultado em 21 de julho de 2014. Arquivado do original em 5 de julho de 2014 
  47. «Prefeitos». Portal Dracena. Consultado em 8 de maio de 2011. Arquivado do original em 11 de janeiro de 2012 
  48. «Ex-Presidentes». Câmara Municipal de Dracena. Consultado em 21 de julho de 2014. Cópia arquivada em 22 de Julho de 2014 
  49. «RELAÇÃO DAS COMARCAS E MUNICÍPIOS». Ministério Público do Estado de São Paulo. Consultado em 21 de julho de 2014 
  50. «Quantidade de eleitores por município/região - Região/UF/Município». Tribunal Superior Eleitoral. Consultado em 30 de maio de 2014 
  51. a b Cidades@ - IBGE (2008). «Pecuária 2009». Consultado em 28 de fevereiro de 2011 
  52. Cidades@ - IBGE (2008). «Lavoura Temporária 2009». Consultado em 30 de abril de 2011 
  53. Cidades@ - IBGE (2008). «Estatísticas do Cadastro Central de Empresas». Consultado em 30 de abril de 2011 
  54. «EMDAEP». Consultado em 30 de abril de 2011 
  55. «Municípios por concessionária» (PDF). Consultado em 30 de abril de 2011. Arquivado do original (PDF) em 11 de janeiro de 2012 
  56. «Relação do patrimônio da Cia. Telefônica Alta Paulista incorporado pela Telesp» (PDF). Diário Oficial do Estado de São Paulo 
  57. «Área de atuação da Telesp em São Paulo». Página Oficial da Telesp (arquivada) 
  58. «Nossa História». Telefônica / VIVO 
  59. GASPARIN, Gabriela (12 de abril de 2012). «Telefônica conclui troca da marca por Vivo». G1 
  60. «Estado: São Paulo (SP)». Web Busca. Consultado em 30 de abril de 2011. Cópia arquivada em 11 de Janeiro de 2012 
  61. City Brazil. «Sobre Dracena». Consultado em 3 de maio de 2011. Arquivado do original em 11 de janeiro de 2012 
  62. a b Cidades@ - IBGE (2009). «Ensino, matrículas, docentes e rede escolar 2009». Consultado em 30 de abril de 2011 
  63. Cidades@ - IBGE (2009). «Serviços de Saúde 2009». Consultado em 30 de abril de 2011 
  64. Governo Federal. «Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) - Resultados e Metas». Consultado em 30 de abril de 2011. Arquivado do original em 9 de Outubro de 2007 
  65. UNESP. «Conheça a UNESP de Dracena». Consultado em 30 de abril de 2011 
  66. FADRA. «Faculdades de Dracena». FADRA. Consultado em 30 de abril de 2011 
  67. «Centro de Ensino Superior de Dracena». Consultado em 28 de fevereiro de 2011 
  68. «Perfil Municipal - Dracena (SP)» (PDF). Consultado em 29 de abril de 2012. Arquivado do original (PDF) em 29 de abril de 2012 
  69. Sangari (2011). «Número e taxas (em 100 mil) de homicídio nos municípios com 10.000 habitantes ou mais». Consultado em 30 de abril de 2011. Arquivado do original (xls) em 28 de fevereiro de 2011 
  70. Sangari (2011). «Número e taxas (em 100 mil) de suicídio nos municípios com 10.000 habitantes ou mais». Consultado em 30 de abril de 2011. Arquivado do original (xls) em 28 de fevereiro de 2011 
  71. Sangari (2011). «Número e taxas (em 100 mil) de Óbitos Ac.Transporte nos municípios com 10.000 habitantes ou mais». Consultado em 30 de abril de 2011. Arquivado do original (xls) em 28 de fevereiro de 2011 
  72. Secretaria de Estado da Segurança Pública (27 de maio de 2010). «Sistemas de inteligência criam o mapa da criminalidade». Consultado em 30 de abril de 2011. Arquivado do original em 10 de junho de 2012 
  73. Rosana Baeninger, Gisela Leonelli e Claudia Bolliger. «Municípios da Hidrovia Tietê-Paraná: regionalização e dinâmica sócio-espacial» (PDF). Consultado em 1 de maio de 2011. Arquivado do original (PDF) em 11 de janeiro de 2012 
  74. «Bolsa de Parcerias e Arrendamento de Terras de Dracena». Consultado em 1 de maio de 2011. Arquivado do original em 11 de janeiro de 2012 
  75. Cidades@ - IBGE (2009). «DRACENA - SP». Consultado em 1 de maio de 2011. Cópia arquivada em 11 de Janeiro de 2012 
  76. a b c «Google Maps». Consultado em 1 de maio de 2011 
  77. «Dracena -- Estações Ferroviárias do Estado de São Paulo». www.estacoesferroviarias.com.br. Consultado em 13 de setembro de 2020 
  78. FUNDEC. «FUNDEC - Fundação Dracenense de Educação e Cultura». Consultado em 1 de maio de 2011 [ligação inativa]
  79. a b BrasilChannel (2007). «DRACENA-SP». brasilchannel.com. Consultado em 1 de maio de 2011 
  80. Grupo de Notícias (8 de agosto de 2010). «Feira de Artesanato prossegue neste domingo em Dracena». Regional. Consultado em 3 de maio de 2011. Arquivado do original em 19 de janeiro de 2012 
  81. FUNDEC (18 de julho de 2008). «Jardim Japonês é inaugurado em Dracena». Consultado em 3 de maio de 2011 [ligação inativa]
  82. Prefeitura (2011). «Cultura». Consultado em 1 de maio de 2011. Arquivado do original em 11 de janeiro de 2012 
  83. «Lei nº10.607». Presidência da República Federativa do Brasil. 19 de dezembro de 2002. Consultado em 1 de maio de 2011 
  84. «Lei nº9.093». Presidência da República Federativa do Brasil. 12 de setembro de 1995. Consultado em 1 de maio de 2011 
  85. Prefeitura (7 de junho de 2010). «Fotos do evento "Dracena Celebra - Festa Junina 2010"». Consultado em 1 de maio de 2011. Arquivado do original em 11 de janeiro de 2012 
  86. Prefeitura (25 de abril de 2011). «2° Festival de Música Popular Brasileira de Dracena - 2011». FUNDEC. Consultado em 1 de maio de 2011 [ligação inativa]
  87. Prefeitura (30 de abril de 2011). «2° Festival MPB de Dracena - Resultados». FUNDEC. Consultado em 1 de maio de 2011 [ligação inativa]
  88. Oeste Paulista Notícias (11 de março de 2009). «Obras no Estádio Irio Spinardi são retomadas». Prefeitura Municipal. Consultado em 1 de maio de 2011 [ligação inativa]
  89. «Semelju reabre o estádio Írio Spinardi». portalregional.net.br. 6 de março de 2010. Consultado em 1 de maio de 2011 
  90. Paróquia Nossa Senhora Aparecida. «Frei Alberto é o novo pároco da Paróquia Nossa Senhora Aparecida». Igreja Matriz de Dracena. Consultado em 3 de maio de 2011 
  91. «Datas Comemorativas - Nossa Senhora Aparecida (Dia de Nossa Senhora Aparecida - 12/10)». Consultado em 3 de maio de 2011 
  92. Prefeitura (dezembro de 2010). «Programação - 65° Aniversário de Dracena». Consultado em 3 de maio de 2011 [ligação inativa]
  93. Sérgio Ferreira Pantaleão. «Carnaval - é ou não feriado? folga automática pode gerar alteração contratual». Guia Trabalhista. Consultado em 3 de maio de 2011 
  94. Presidência da República. «Lei n.º 9.093, de 12 de setembro de 1995». Consultado em 3 de maio de 2011 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]