Piquerobi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Município de Piquerobi
Bandeira indisponível
Brasão de Piquerobi
Bandeira indisponível Brasão
Hino
Aniversário 20 de março
Fundação 1917 (101 anos)
Gentílico piquerobiense
Prefeito(a) Valdir Aparecido Lopes (PMDB)
(2017 – 2020)
Localização
Localização de Piquerobi
Localização de Piquerobi em São Paulo
Piquerobi está localizado em: Brasil
Piquerobi
Localização de Piquerobi no Brasil
21° 52' 04" S 51° 43' 44" O21° 52' 04" S 51° 43' 44" O
Unidade federativa São Paulo
Mesorregião Presidente Prudente IBGE/2008 [1]
Microrregião Presidente Prudente IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Santo Anastácio, Ribeirão dos Índios, Presidente Venceslau, Dracena e Marabá Paulista.
Distância até a capital 619 km
Características geográficas
Área 482,506 km² [2]
População 3 686 hab. Estimativa: IBGE/2016[3]
Densidade 7,64 hab./km²
Altitude 440 m
Clima Não disponível
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,744 elevado PNUD/2000 [4]
PIB R$ 33 281,977 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 8 861,02 IBGE/2008[5]

Piquerobi é um município do estado de São Paulo, Brasil. Localiza-se a uma latitude de 21º52'03" sul e a uma longitude de 51º43'43" oeste, estando a uma altitude de 440 metros. Possui uma área de 483,72 quilômetros quadrados.

Topônimo[editar | editar código-fonte]

"Piquerobi" deriva do tupi antigo pikyroby, que significa "piquiras (uma espécie de peixe miúdo) verdes", através da composição de pikyra (piquira) e oby (verde).[6]

No século XVI, os colonizadores portugueses João Ramalho e António Rodrigues, quando aportaram em São Vicente, casaram-se respectivamente com Bartira, filha de Tibiriçá, e com uma das filhas do cacique Piquerobi, sendo este, portanto, um dos patriarcas paulistas.

A denominação dada ao município, contudo, é decorrente de homenagem que se quis prestar a um dos engenheiros que demarcavam terras na região, Artur Piquerobi de Aguiar Whitaker, que foi secretário da justiça do Estado de São Paulo em 1946.

História[editar | editar código-fonte]

O oeste do estado de São Paulo era ocupado até o século XIX pelos caingangues. Estes foram massacrados devido ao avanço do café na região.[7]Não de sabe ao certo a data da fundação do Município entretanto parece tratar-se do ano de 1917., quando chegaram os primeiros moradores não índios ou fundadores foram Miguel Carmona, Domingos Tacone, Ambrósio Garcia e seu irmão Julián García e Mário Fairbanks, que chegaram em 1917. A área, contudo, foi loteada por Artur Ramos e Silva Júnior, coronel Manuel Pinheiro e Sooma Issamo. A estação de estrada de ferro Sorocabana foi inaugurada em 14 de julho de 1921, o que fez aumentar o número de moradores. Em 1928, o povoado foi elevado à categoria de distrito de paz. Em 1948, foi elevado a município. A instalação somente se deu no ano seguinte, no dia 20 de março, data que passou a ser considerada a data do aniversário da cidade.[8] Foi adotada a data de  29 de setembro, como dia consagrado a São Miguel Arcanjo.

Religião[editar | editar código-fonte]

Piquerobi, há mais de 40 anos, realiza uma famosa festa religiosa no dia de Corpus Christi. O padroeiro da cidade é são Miguel Arcanjo.[9]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Dados do Censo - 2010

População total: 3 537

  • Urbana: 2 669
  • Rural: 868
  • Homens: 1 753
  • Mulheres: 1 784

Densidade demográfica (hab./km²): 7,33

Mortalidade infantil até 1 ano (por mil): 19,56

Expectativa de vida (anos): 69,36

Taxa de fecundidade (filhos por mulher): 2,03

Taxa de alfabetização: 84,49%

Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-M): 0,744

  • IDH-M Renda: 0,664
  • IDH-M Longevidade: 0,739
  • IDH-M Educação: 0,829

(Fonte: IPEADATA)

Rodovias[editar | editar código-fonte]

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

Administração[editar | editar código-fonte]

Turismo[editar | editar código-fonte]

  • Procissão Anual de Corpus Christi incluída no Calendário anual da Secretaria de Turismo do Estado de São Paulo.
  • Praça da Matriz
  • Rio do Peixe
  • Lagoa dos Patos e Lagoa do Jacaré
  • Rio Ribeirão Claro

Lazer[editar | editar código-fonte]

Piquerobi conta com várias praças espalhadas pela cidade, sete no total, sendo três delas no bairro Barra Funda, e quatro delas no Centro. Há, também, o Parque "Mario Covas", um grande parque municipal com academia de ginástica, parquinho infantil e uma pista de caminhada com cerca de 400 metros. O parque é totalmente público. O parque está localizado atrás do Velório Municipal, no Centro.

Esporte[editar | editar código-fonte]

Piquerobi tem um ginásio de esportes, o Ginásio de Esportes Municipal "Guido Raysaro". Há, também, o Estádio Municipal "Arthur Ramos" e a Praça de Esportes "Conrado Isadoro Paludetto", além de quadras espalhadas pela cidade, uma na praça "Lídio de Sousa Santos", no bairro da Barra Funda, outra no bairro do Jardim Alvorada e outra na escola estadual Professora Maria Aparecida Queiroz Casari.

Educação[editar | editar código-fonte]

O município conta com três estabelecimentos de ensino: EE Prof. Maria Aparecida Queiroz Casari na Rua Armando Salles, 466; a EMEIF Maria Aparecida Dassie Vergani na Rua Barão do Rio Branco, 151; e a Cemei Tia Maura.

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008. 
  2. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 dez. 2010. 
  3. «Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2010. 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008. 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 dez. 2010. 
  6. NAVARRO, E. A. Dicionário de Tupi Antigo: a Língua Indígena Clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 593.
  7. BUENO, E. Brasil: uma história. Segunda edição. São Paulo. Ática. 2013. p. 282.
  8. Piquerobi. Disponível em http://www.piquerobi.sp.gov.br/historia.html. Acesso em 6 de fevereiro de 2017.
  9. Piquerobi. Disponível em http://www.piquerobi.sp.gov.br/historia.html. Acesso em 6 de fevereiro de 2017.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Piquerobi