Piquerobi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Piquerobi
Bandeira indisponível
Brasão de Piquerobi
Bandeira indisponível Brasão
Hino
Aniversário 20 de março
Fundação 1917 (100 anos)
Gentílico piquerobiense
Prefeito(a) Valdir Aparecido Lopes (PMDB)
(2017–2020)
Localização
Localização de Piquerobi
Localização de Piquerobi em São Paulo
Piquerobi está localizado em: Brasil
Piquerobi
Localização de Piquerobi no Brasil
21° 52' 04" S 51° 43' 44" O21° 52' 04" S 51° 43' 44" O
Unidade federativa  São Paulo
Mesorregião Presidente Prudente IBGE/2008 [1]
Microrregião Presidente Prudente IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Santo Anastácio, Ribeirão dos Índios, Presidente Venceslau, Dracena e Marabá Paulista.
Distância até a capital 619 km
Características geográficas
Área 482,506 km² [2]
População 3 686 hab. Estimativa: IBGE/2016[3]
Densidade 7,64 hab./km²
Altitude 440 m
Clima Não disponível
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,744 elevado PNUD/2000 [4]
PIB R$ 33 281,977 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 8 861,02 IBGE/2008[5]
Página oficial

Piquerobi é um município do estado de São Paulo, Brasil. Localiza-se a uma latitude de 21º52'03" sul e a uma longitude de 51º43'43" oeste, estando a uma altitude de 440 metros. Possui uma área de 483,72 quilômetros quadrados.

Topônimo[editar | editar código-fonte]

"Piquerobi" deriva do tupi antigo pikyroby, que significa "piquiras (uma espécie de peixe miúdo) verdes", através da composição de pikyra (piquira) e oby (verde).[6]

No século XVI, os colonizadores portugueses João Ramalho e António Rodrigues, quando aportaram em São Vicente, casaram-se respectivamente com Bartira, filha de Tibiriçá, e com uma das filhas do cacique Piquerobi, sendo este, portanto, um dos patriarcas paulistas.

A denominação dada ao município, contudo, é decorrente de homenagem que se quis prestar a um dos engenheiros que demarcavam terras na região, Artur Piquerobi de Aguiar Whitaker, que foi secretário da justiça do Estado de São Paulo em 1946.

História[editar | editar código-fonte]

O oeste do estado de São Paulo era ocupado até o século XIX pelos caingangues. Estes foram massacrados devido ao avanço do café na região.[7]Não de sabe ao certo a data da fundação do Município entretanto parece tratar-se do ano de 1917., quando chegaram os primeiros moradores não índios ou fundadores foram Miguel Carmona, Domingos Tacone, Ambrósio Garcia e seu irmão Julián García e Mário Fairbanks, que chegaram em 1917. A área, contudo, foi loteada por Artur Ramos e Silva Júnior, coronel Manuel Pinheiro e Sooma Issamo. A estação de estrada de ferro Sorocabana foi inaugurada em 14 de julho de 1921, o que fez aumentar o número de moradores. Em 1928, o povoado foi elevado à categoria de distrito de paz. Em 1948, foi elevado a município. A instalação somente se deu no ano seguinte, no dia 20 de março, data que passou a ser considerada a data do aniversário da cidade.[8] Foi adotada a data de  29 de setembro, como dia consagrado a São Miguel Arcanjo.

Religião[editar | editar código-fonte]

Piquerobi, há mais de 40 anos, realiza uma famosa festa religiosa no dia de Corpus Christi. O padroeiro da cidade é são Miguel Arcanjo.[9]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Dados do Censo - 2010

População total: 3 537

  • Urbana: 2 669
  • Rural: 868
  • Homens: 1 753
  • Mulheres: 1 784

Densidade demográfica (hab./km²): 7,33

Mortalidade infantil até 1 ano (por mil): 19,56

Expectativa de vida (anos): 69,36

Taxa de fecundidade (filhos por mulher): 2,03

Taxa de alfabetização: 84,49%

Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-M): 0,744

  • IDH-M Renda: 0,664
  • IDH-M Longevidade: 0,739
  • IDH-M Educação: 0,829

(Fonte: IPEADATA)

Rodovias[editar | editar código-fonte]

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

Administração[editar | editar código-fonte]

Turismo[editar | editar código-fonte]

  • Procissão Anual de Corpus Christi incluída no Calendário anual da Secretaria de Turismo do Estado de São Paulo.
  • Praça da Matriz
  • Rio do Peixe
  • Lagoa dos Patos e Lagoa do Jacaré
  • Rio Ribeirão Claro

Lazer[editar | editar código-fonte]

Piquerobi conta com várias praças espalhadas pela cidade, sete no total, sendo três delas no bairro Barra Funda, e quatro delas no Centro. Há, também, o Parque "Mario Covas", um grande parque municipal com academia de ginástica, parquinho infantil e uma pista de caminhada com cerca de 400 metros. O parque é totalmente público. O parque está localizado atrás do Velório Municipal, no Centro.

Esporte[editar | editar código-fonte]

Piquerobi tem um ginásio de esportes, o Ginásio de Esportes Municipal "Guido Raysaro". Há, também, o Estádio Municipal "Arthur Ramos" e a Praça de Esportes "Conrado Isadoro Paludetto", além de quadras espalhadas pela cidade, uma na praça "Lídio de Sousa Santos", no bairro da Barra Funda, outra no bairro do Jardim Alvorada e outra na escola estadual Professora Maria Aparecida Queiroz Casari.

Educação[editar | editar código-fonte]

O município conta com três estabelecimentos de ensino: EE Prof. Maria Aparecida Queiroz Casari na Rua Armando Salles, 466; a EMEIF Maria Aparecida Dassie Vergani na Rua Barão do Rio Branco, 151; e a Cemei Tia Maura.

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Piquerobi

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  2. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 dez. 2010 
  3. «Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 dez. 2010 
  6. NAVARRO, E. A. Dicionário de Tupi Antigo: a Língua Indígena Clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 593.
  7. BUENO, E. Brasil: uma história. Segunda edição. São Paulo. Ática. 2013. p. 282.
  8. Piquerobi. Disponível em http://www.piquerobi.sp.gov.br/historia.html. Acesso em 6 de fevereiro de 2017.
  9. Piquerobi. Disponível em http://www.piquerobi.sp.gov.br/historia.html. Acesso em 6 de fevereiro de 2017.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]