Juquitiba

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Juquitiba
  Município do Brasil  
Símbolos
Bandeira de Juquitiba
Bandeira
Brasão de armas de Juquitiba
[[Brasão|Brasão de armas]]
Hino
Apelido(s) "Terra de Muitas Águas"
Gentílico juquitibense
Localização
Localização de Juquitiba em São Paulo
Localização de Juquitiba em São Paulo
Juquitiba está localizado em: Brasil
Juquitiba
Localização de Juquitiba no Brasil
Mapa de Juquitiba
Coordenadas 23° 55' 55" S 47° 04' 04" O
País Brasil
Unidade federativa São Paulo
Região intermediária[1] São Paulo
Região imediata[1] São Paulo
Região metropolitana São Paulo
Municípios limítrofes Ibiúna, São Lourenço da Serra, Embu-Guaçu, São Paulo, Itanhaém, Pedro de Toledo e Miracatu
Distância até a capital 70 km[2]
História
Fundação 1887
Emancipação 28 de fevereiro de 1964 (55 anos)
Aniversário 28 de março
Administração
Prefeito(a) Ayres Scorsatto (PR, 2017 – 2020)
Características geográficas
Área total [3] 521,598 km²
População total (IBGE/2019) 31 444 hab.
Densidade 60,28 hab./km²
Clima Subtropical (Cfb)
Altitude 685 m
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
Indicadores
IDH (PNUD/2010 [4]) 0,789 alto
PIB (IBGE/2008[5]) R$ 397 311,510 mil
PIB per capita (IBGE/2008[5]) R$ 13 658,00

Juquitiba é um município localizado na Região Metropolitana de São Paulo, no estado de São Paulo, no Brasil. Sua população é de 31.444 habitantes, distribuída em um área de 521,598 quilômetros quadrados. O município é formado pela sede e pelo distrito de Barnabés[6][7]. É conhecido como destino de ecoturismo e turismo de aventura, principalmente pela atividade de rafting.[8]

Topônimo[editar | editar código-fonte]

O topônimo Juquitiba é proveniente do tupi guarani e significa "terra de muitas águas". O nome do município seria uma referência à abundância de mananciais existentes na região. [9]

História[editar | editar código-fonte]

Por volta de 1887, o fazendeiro Manoel Jesuíno Godinho e sua esposa construíram uma capela dedicada a Nossa Senhora das Dores e doaram dois alqueires de terra ao redor da capela para moradores locais construírem suas residências. A partir de então, o povoado ali criado passou a ser conhecido como "Capela Nova da Bela Vista do Juquiá". Em 1903, o engenheiro Henrique Boccolini projetou uma ferrovia que deveria ligar São Paulo a Santo Antônio do Juquiá (atual Juquiá), passando seu traçado por esta localidade.[10] O projeto da ferrovia, porém, não prosperou. Com os rumos tomados pelo governo brasileiro de Juscelino Kubitschek, o traçado originário da ferrovia foi utilizado para a construção de uma rodovia, primeiramente denominada BR-2, logo em seguida (1970) denominada BR-116, com o nome nesse trecho de Rodovia Federal Régis Bittencourt. Juquitiba se tornou município em 1964, quando se emancipou de Itapecerica da Serra.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Seus limites são: Ibiúna a oeste e norte, São Lourenço da Serra e Embu-Guaçu a nordeste, São Paulo a leste, Itanhaém a sudeste, Pedro de Toledo e Miracatu a sul.

  • Área em km²: 521,598
  • Posição no Estado de São Paulo: 157º(sudeste)

Demografia[editar | editar código-fonte]

Dados do Censo 2010:

  • População Total: 28 737
  • Homens: 14 543
  • Mulheres: 14 194

(Fonte: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística)

  • IDH: 0,754 (médio)
  • IDH-M Renda: 0,666
  • IDH-M Longevidade: 0,750
  • IDH-M Educação: 0,845

(Fonte: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada)

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

Juquitiba integra uma região rica em nascentes e cursos d'água, o que faz o município ter todo seu território abrangido pela Lei de Proteção dos Mananciais. Entre os principais cursos d'água que cortam o município, estão:

Em 2018, a Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) inaugurou o Sistema Produtor São Lourenço para captação de água da Represa Cachoeira do França e abastecimento de municípios da Região Metropolitana de São Paulo.[11]

Rodovias[editar | editar código-fonte]

O principal acesso ao município se dá pela Rodovia Régis Bittencourt (BR 116).

Clima[editar | editar código-fonte]

O clima da região é considerado subtropical. A temperatura média anual gira em torno dos 18ºC. O clima tem as quatro estações definidas, e chuvas o ano todo, principalmente no verão.

Vegetação[editar | editar código-fonte]

Juquitiba apresenta vegetação ombrófila densa, típica de regiões de Mata Atlântica próximas ao litoral. O município abrange parte do Parque Estadual da Serra do Mar (Núcleo Curucutu) e da zona de amortecimento do Parque Estadual do Jurupará.

Relevo[editar | editar código-fonte]

A região é montanhosa, a altitude média é de 685 metros. O ponto mais alto fica no Bairro das Laranjeiras (900 metros) e o mais baixo no Bairro do Engano (550 metros).

Comunicações[editar | editar código-fonte]

A cidade era atendida pela Companhia de Telecomunicações do Estado de São Paulo (COTESP), que construiu em 1974 a central telefônica que é utilizada até os dias atuais. Em 1975 passou a ser atendida pela Telecomunicações de São Paulo (TELESP)[12], até que em 1998 esta empresa foi privatizada e vendida para a Telefônica. Em 2012 a empresa adotou a marca Vivo para suas operações de telefonia fixa[13][14][15][16].

Turismo[editar | editar código-fonte]

Juquitiba possui diversos atrativos relacionados ao ecoturismo e turismo de aventura, como arvorismo, tirolesa, trekking, canoagem, birdwatching, entre outros. A cidade também abriga o percurso de rafting mais antigo do Brasil, no Rio Juquiá, que é explorado pelas operadoras de aventura Canoar Rafting e Rio Abaixo Rafting. A Represa Cachoeira do França, localizada na divisa de Juquitiba e Ibiúna, é um famoso ponto turístico para visitantes em busca de atividades náuticas e pesca esportiva. Por essa razão, é rodeada de pesqueiros, marinas e outros empreendimentos de lazer.

A cidade conta com uma única agência de turismo receptivo, de atuação via internet, chamada Juquitiba Turismo. A empresa presta serviço de reservas online para atividades de ecoturismo em Juquitiba e é certificada pelo Cadastur, do Ministério do Turismo.[17]

Em 2018, visando aprimorar o setor de turismo na cidade, foi criado o Observatório do Turismo de Juquitiba. A instituição, gerida por uma organização não-governamental, é dedicada a atividades de educação ambiental, pesquisa, conservação da Mata Atlântica e ecoturismo.[18]

Administração[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Juquitiba

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2017). «Base de dados por municípios das Regiões Geográficas Imediatas e Intermediárias do Brasil». Consultado em 10 de fevereiro de 2018 
  2. «Como chegar em Juquitiba». Consultado em 7 de junho de 2013 
  3. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil» (PDF). Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 31 de julho de 2013 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  6. «Municípios e Distritos do Estado de São Paulo» (PDF). IGC - Instituto Geográfico e Cartográfico 
  7. «Divisão Territorial do Brasil». IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 
  8. «Conheça Juquitiba, "Terra de muitas águas"». Governo do Estado de São Paulo. 20 de maio de 2016. Consultado em 17 de outubro de 2019 
  9. «Conheça Juquitiba, "Terra de muitas águas" | Governo do Estado de São Paulo». Governo do Estado de São Paulo. 20 de maio de 2016 
  10. Cartorio de Juquitiba
  11. «Sabesp». site.sabesp.com.br. Consultado em 17 de outubro de 2019 
  12. «Área de atuação da Telesp em São Paulo». Página Oficial da Telesp (arquivada) 
  13. «Telesp vai servir mais 86 cidades do estado». Acervo Folha de São Paulo 
  14. «Patrimônio da COTESP incorporado pela TELESP» (PDF). Diário Oficial do Estado de São Paulo 
  15. «Nossa História». Telefônica / VIVO 
  16. GASPARIN, Gabriela (12 de abril de 2012). «Telefônica conclui troca da marca por Vivo». G1 
  17. «Juquitiba Turismo | Serviço de reservas online para ecoturismo». Juquitiba Turismo. Consultado em 17 de outubro de 2019 
  18. «Observatório do Turismo de Juquitiba» 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]