Sertãozinho (São Paulo)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde maio de 2018). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Município de Sertãozinho
Imagem aérea de Sertãozinho em 2016

Imagem aérea de Sertãozinho em 2016
Bandeira de Sertãozinho
Brasão de Sertãozinho
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 5 de dezembro
Fundação 5 de dezembro de 1896 (121 anos)
Gentílico sertanezino
Lema Fides et Labor
"Fé e Trabalho"
Padroeiro(a) Nossa Senhora da Conceição Aparecida
Prefeito(a) José Alberto Gimenez (PSDB)
(2017 – 2020)
Localização
Localização de Sertãozinho
Localização de Sertãozinho em São Paulo
Sertãozinho está localizado em: Brasil
Sertãozinho
Localização de Sertãozinho no Brasil
21° 08' 16" S 47° 59' 24" O21° 08' 16" S 47° 59' 24" O
Unidade federativa São Paulo
Mesorregião Ribeirão Preto IBGE/2013[1]
Microrregião Ribeirão Preto IBGE/2013[1]
Região metropolitana Ribeirão Preto
Municípios limítrofes Sul: Barrinha;
Sudeste: Dumont;
Norte: Pontal;
Leste: Jaboticabal;
Oeste: Ribeirão Preto;
Noroeste: Pitangueiras;
Nordeste: Jardinópolis.
Distância até a capital 335 km
Características geográficas
Área 403,089 km² [2]
Distritos Cruz das Posses e
Sertãozinho (sede)
População 124 453 hab. (SP: 59º) –  Estimativa Populacional IBGE/2018[3]
Densidade 308,75 hab./km²
Altitude 601 m
Clima tropical Aw
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,761 (SP: 160°) – elevado PNUD/2010[4]
PIB R$ 4 743 324 mil IBGE/2015[5]
PIB per capita R$ 39 477,70 IBGE/2015
Página oficial
Prefeitura www.sertaozinho.sp.gov.br

Sertãozinho é um município Brasileiro no interior do estado de São Paulo, localizado na Região Metropolitana de Ribeirão Preto (RMRP), com distância de 21 km da metrópole. Fundado em 5 de dezembro de 1896, localiza-se a uma latitude 21°8′16″ sul e a uma longitude 48°58′22″ oeste, estando a uma altitude de 601 metros. Sua população estimada em 2018 era de 124.453 habitantes (IBGE), sendo a 3ª maior cidade da região nordeste do estado de São Paulo, o 61ª município mais populoso de São Paulo e a 242ª maior cidade do país.

Sua economia é baseada no comércio, prestação de serviços, indústrias diversas e agricultura, tendo um campo industrial muito forte, Sertãozinho é considerada a capital mundial do setor sucroalcooleiro, a cidade possui a tradicional e inovadora feira Fenasucro & Agrocana, que movimentou em 2018, mais de R$ 4 bilhões, atraindo público (nacional e internacional) de 40 mil visitantes.[6][7]. Possui um Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) de 0,761 (PNUD/2010)[8].

História[editar | editar código-fonte]

A cidade foi fundada por Antônio Malaquias Pedroso, em 1877.

Em 1876, Malaquias fez a doação de 12 alqueires de suas terras, em torno de sua residência. Bem próximo de sua casa, no lugar atualmente denominado Praça 21 de Abril (o marco zero da cidade), Antônio Malaquias ergueu uma capela em homenagem a Nossa Senhora Aparecida. Hoje essa capela é a Igreja Nossa Senhora Aparecida, matriz de Sertãozinho.

Outras doações de terras aumentaram o patrimônio, que chegou a 148 alqueires e cuja posse foi efetivada pelos sertanejos Antônio José Rodrigues e Manoel Jacinto de Pontes e pelo negro africano conhecido como Pai Chico, no dia 21 de julho de 1880 através de uma escritura pública outorgada no 1º Cartório de Ribeirão Preto.

O núcleo de povoação foi elevado ao Distrito de Paz, com o nome de "Freguesia da Aparecida de Sertãozinho". Já o município, criado em 5 de dezembro de 1896, foi instalado no dia 21 de abril de 1897.

A primeira denominação de Sertãozinho foi "Capela", passando posteriormente para "Engenho Nossa Senhora Aparecida de Sertãozinho", "Aparecida de Sertãozinho" e, finalmente "Sertãozinho". O primeiro prefeito foi o Dr. José Onofre Muniz Ribeiro.

A comarca foi criada em 26 de outubro de 1906 e sua instalação ocorreu em 12 de dezembro do mesmo ano.

Antônio Malaquias Pedroso faleceu em Sertãozinho em 1883, em sua propriedade agrícola.

Política[editar | editar código-fonte]

Com sede no Paço Municipal "Antônio Almussa Filho", centro, o prefeito atual é José Alberto Gimenez (PSDB), eleito no primeiro turno em outubro de 2012 e novamente em outubro de 2016 tomando posse em 1 de janeiro do ano seguinte, a atual presidente da Câmara Municipal é a vereadora Márcia Moreira de Sousa Perassi (PSDB).

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

Além da administração geral o município tem a administração da subprefeitura do distrito de Cruz das Posses.

Geografia[editar | editar código-fonte]

O município possui uma área de 402,803 km² e está situado no domínio geomorfológico do planalto Cerrado. Com aproximadamente 121 mil habitantes, a cidade é a terceira maior do nordeste de São Paulo, atrás apenas de Ribeirão Preto e Franca. Sua altitude é de 579m. O relevo do município é bem diversificado, verificando-se desde uma topografia com declives suaves até o relevo de aclives mais vigorosos.

A vegetação que cobria o município era a tropical, campo cerrado. Devido à extensa atividade cafeeira e outras atividades, como a constante colheita da cana-de-açúcar foi devastada.

O município de Sertãozinho está situado na bacia do rio Mogi-Guaçu. Pelo município passa também o rio Pardo.

Atualmente existe um projeto de lei que tornará sertãozinho parte da região metropolitana de Ribeirão Preto.[9][10]

Clima[editar | editar código-fonte]

O clima é tropical de altitude com inverno seco (Köppen: Aw).

Segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), referentes ao período de 1961 a 1967 e 1969 a 1977 (até 30 de abril), a menor temperatura registrada em Sertãozinho foi de -2 °C em 6 de agosto de 1966 e 7 de julho de 1975,[11] e a maior atingiu 39 °C em setembro de 1961, nos dias 14, 18 e 27, e em 20 de novembro de 1974.[12] O maior acumulado de precipitação observado em 24 horas foi de 120,5 mm (milímetros) em 3 de janeiro de 1966. Outros grandes acumulados foram 105 mm em 18 de dezembro de 1967, 103,5 mm em 26 de novembro de 1975 e 100 mm em 24 de janeiro de 1964.[13] O menor índice de umidade relativa do ar foi de 15%, nos dias 5 de setembro de 1965, 14 de agosto de 1967, 11 de setembro de 1974 e 12 de setembro de 1975.[14]

Dados climatológicos para Sertãozinho (1961-1990)
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima recorde (°C) 37,8 37,6 37 35,4 34,2 33,2 35 37 39 38,2 39 37,4 39
Temperatura máxima média (°C) 31,1 31,5 31,5 30,4 28,4 27,8 27,6 30,1 31,4 30,8 31 30,7 30,2
Temperatura média (°C) 24 23,9 23,6 21,7 18,6 17,4 17,1 19,2 21,7 22,5 23,2 23,4 21,4
Temperatura mínima média (°C) 17,8 17,8 17,3 14,9 11,5 10,3 9,8 10,9 13,4 15,2 16,4 17,6 14,4
Temperatura mínima recorde (°C) 8,4 5,8 9,4 3,4 3,4 0,2 0 -2 0,4 6 5,8 7,6 0
Precipitação (mm) 247 192,3 148,4 91,2 43,2 31,7 28,3 24,1 56,8 152 171,9 266 1 452,8
Dias com precipitação (≥ 1 mm) 13 13 11 6 4 3 2 2 5 10 12 15 96
Umidade relativa (%) 75,7 75,7 76,6 75,7 76 74,1 70,4 64,2 62,6 69,1 70,4 75,4 72,2
Fonte: Instituto Nacional de Meteorologia (recordes de temperatura: 01/1961 a 12/1967 e 01/1969 a 04/1977).[11][12][15][16][17][18][19][20]

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

  • Rio Pardo;
  • Rio Mogi-Guaçu;
  • Rio Ribeirão da Onça (Rio da Onça);
  • Córrego Água Vermelha;
  • Córrego Norte;
  • Córrego Sul;
  • Córrego da Vendinha;
  • Riacho Boa Vista (Distrito de Cruz das Posses);
  • Riacho Tabocas (Distrito de Cruz das Posses).

Demografia[editar | editar código-fonte]

Histórico populacional
ano População

1940 48.609
1960 61.287
1980 88.245
2000 94.560
2010 110.094
Est. 2018 124.453

Grupos étnicos[editar | editar código-fonte]

Mais da metade da população é descendente de italianos. O restante é composta principalmente por descendentes de espanhóis, sírio-libaneses, portugueses, africanos, alemães e japoneses embora muitos tenham origem mista.

Cor/Raça Percentagem
Brancos 78,7%
Negros 4,2%
Pardos 15,7%
Amarelos 0,8%

Fonte: Censo 2000

Comunicações[editar | editar código-fonte]

A cidade foi atendida pela Companhia Telefônica Brasileira (CTB) até 1973[21], quando passou a ser atendida pela Telecomunicações de São Paulo (TELESP), que construiu a central telefônica utilizada até os dias atuais. Em 1998 esta empresa foi privatizada e vendida para a Telefônica[22], sendo que em 2012 a empresa adotou a marca Vivo[23] para suas operações de telefonia fixa.

Economia[editar | editar código-fonte]

Sertãozinho hoje tem um perfil industrial ativo, possuindo unidades de produção de várias empresas multinacionais. Em contrapartida, o setor agrícola mantém-se ativo, com a produção de leite e lacticínios, cana-de-açúcar e laranjas, entre outros produtos.

Na cidade está localizado o maior centro de negócios do Interior de São Paulo, o Centro Empresarial Zanini. A cidade tem enfrentado no momento uma forte crise financeira, pois ofertas de emprego em Sertãozinho e poucas casas para comprar e alugar, construtoras da região estão investindo em imóveis no município.[24][25] O Governo do Estado de São Paulo esta instalando no município o Laboratório de Caracterização, Seleção e Análise de Falha, que deve começar a funcionar em maio de 2010 e servir para micro, pequenas e médias empresas do polo de indústria metal-mecânica.

Indústria[editar | editar código-fonte]

Usina Santo Antônio em Sertãozinho

O Governo do estado de São Paulo implantou o Laboratório de Caracterização, Seleção e Análise de Falha para a Indústria Metal-Mecânica de Sertãozinho e Região. Em Sertãozinho está situado um dos maiores polos industriais do país, tendo nele pouco mais de 500 indústrias se estendendo ao longo das rodovias Armando de Salles Oliveira e Atillio Balbo, e possuindo também três polos isolados denominados distritos industriais, com mais de 90 indústrias e crescendo cada dia mais.

Comércio[editar | editar código-fonte]

Centro comercial de Sertãozinho, foto tirada no mês de dezembro na rua Barão do Rio Branco (Rua Principal da Cidade).

Polo e Referência Comercial, Sertãozinho é uma das poucas cidades médias a possuir tantas opções comerciais. O ponto principal do comercial se dá na Rua Barão do Rio Branco, no Largo da Matriz, com ruas afluentes como Epitácio Pessoa, Washington Luis indo até o na Avenida Antônio Paschoal. Em 2013 foram anunciados projetos de 2 novos shoppings centers na cidade. O North Shopping Sertãozinho e o Pátio Sertãozinho serão os primeiros shoppings centers da cidade, colocando Sertãozinho de vez como um centro regional de referência.

O North Shopping Sertãozinho é um projeto do grupo North em parceria com a SG Participações.Planejado para ter 136 lojas,4 salas de cinema,sendo 1 em 3D,1 play,1 boliche ampla área de alimentação e mais de 1000 vagas de estacionamento,sendo 31.951,10m² de área construída,sendo 20.800M² de área bruta locável(ABL).O Shopping que ficaria localizado as margens da rodovia Armando de Sales Oliveira,tinha previsão de ser inaugurado em 2015,mas devido a crise nacional não começou a ser construído,os investidores analisam a viabilidade do empreendimento.[26]

O Patio Sertãozinho Shopping é um projeto desenvolvido pela Muller Partners,conta com 18.395,24 m² de área bruta locável,com previsão de 4 salas de cinema,hipermercado,play,lojas lifestyle e 784 vagas de estacionamento.Com previsão de estar localizado próximo ao parque do Cristo,o Shopping ainda não saiu do papel,devido a crise econômica que o país enfrenta. [27]

PIB per capita[editar | editar código-fonte]

Conta com um PIB per capita elevado de R$ 39.477,70, sendo o maior da região.

Turismo[editar | editar código-fonte]

Museu Nacional do Açúcar e do Álcool, popularmente chamado de Museu da Cana. O museu conta a história da industrialização no setor sucroenergético desde 1903

Pontos de interesse[editar | editar código-fonte]

Eventos[editar | editar código-fonte]

Rede de Hotéis
Período Quantidade

década de 50 3
década de 60 4
década de 70 9
década de 80 12
década de 90 15
Década de 2000 21
Década de 2010 30
Entardecer na FENASUCRO em Sertãozinho.

Acontecem anualmente na cidade diversos eventos, tais como a Festa da Paz, o Rodeio de Sertãozinho, a Feira Nacional do Livro de Sertãozinho, Fest cana, Grito Rock, Saci Rock, Mostra Mix de Música, Carnaval Comunitário, Fenasucro, Agrocana, ForInd, Feirão de Sertãozinho, Festa do Peão de Cruz das Posses. Dentre os eventos mais conhecidos, estão a "Fenasucro", feira tecnológica e agropecuária e sucroalcooleira, considerada a maior feira do setor sucroenergético do mundo, reunindo empresas de armazenamento, agricultura, produção industrial, caldeiraria, automação, logística e, mais recentemente, ajudou a conferir à cidade o título de "Capital brasileira do Etanol", em substituição ao antigo "Califórnia brasileira".[carece de fontes?]

Entre os dias 30 de Outubro e 2 de Novembro de 2015 a cidade foi sede décima edição do torneio esportivo universitário "INTERFATEC", que reuniu estudantes das FATEC's de todo o estado de SP.

Educação[editar | editar código-fonte]

Sertãozinho possui um dos melhores níveis de educação do Brasil, tendo diversas escolas que servem de modelo nacional.

Escolas[editar | editar código-fonte]

  • 29 escolas públicas municipais
  • 10 escolas públicas estaduais
  • 19 escolas particulares
  • 11 colégios particulares

Faculdades e universidades[editar | editar código-fonte]

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo. Campus Sertãozinho
  • FATEC Sertãozinho[28]
  • Faculdade Brasiltec
  • Faculdade Interativa COC agora é UniSeb Interativo
  • Faculdade Anhanguera
  • ULBRA Universidade Luterana do Brasil
  • Unicastelo
  • Universidade Corporativa do Setor Sucroenergético (UNICEISE)[29]

Instituições federais[editar | editar código-fonte]

Saúde[editar | editar código-fonte]

Sertãozinho é um dos municípios escolhidas a título de referência nacional em saúde devido a alta qualidade de seus serviços e a aprovação da população.

A Santa Casa[editar | editar código-fonte]

Prédio da Santa Casa, um dos prédios mais antigos da cidade, erguido em 13 de maio de 1903.

A Irmandade da Santa Casa de Sertãozinho tem seu marco inicial na promessa do Sr. Elpídio Gomes, em que doaria a quantia de 20 contos de réis para a cidade que primeiro conseguisse constituir como pessoa jurídica a Irmandade de Misericórdia que construiria e manteria a Santa Casa.

Um grupo de moradores de Sertãozinho atingiu esse objetivo antes de Ribeirão Preto. Entre os dias 05 de julho e 15 de outubro de 1896, o tenente Francisco José dos Anjos Gaia e mais outros 52 moradores de conseguiram realizar a assembléia para a eleição da mesa diretora, empossar a mesma, publicar o compromisso de constituição da Irmandade de Misericórdia de Sertãozinho no Diário Oficial e registrá-la em cartório de Ribeirão Preto.

A posse da primeira mesa diretora da Irmandade de Misericórdia de Sertãozinho ocorreu no dia 05 de setembro de 1896 e ficou assim constituída: Dr. Onofre Muniz Ribeiro, provedor; tenente Francisco José dos Anjos Gaia, mordomo; Octacílio de Oliveira Tupaberaba, secretário; Antônio Augusto de Souza Amaral, procurador; Francisco Pereira da Costa, tesoureiro; José Leite de Abreu, Eduardo Pedreschi, José Marques da Motta Guimarães, Euzébio Augusto Machado, João Pedro de Andrade Júnior, Aprígio Rello de Paula Araújo, José Antônio de Carvalho, Pedro Bauch, tenente Francisco José Ferreira Júnior, José Marciano de Aguiar, Gustavo Syllos e Antônio José Fernandes, mesários.

A data de 05 de setembro, que marca a posse da primeira diretoria, foi escolhida como a de inauguração da Irmandade de Misericórdia de Sertãozinho, mantenedora da Santa Casa, que mantém a saga de ter sido construída, reformada e mantida à custa de doações, de eventos e de muita dedicação dos irmãos, através de trabalho voluntário.

O recebimento da herança de Elpídio Gomes foi oficializado em 12 de agosto de 1904, mas a Santa Casa já funcionava em prédio improvisado. O edifício próprio da Santa Casa foi inaugurado no dia 13 de maio de 1903. Ele tinha um gradil de madeira na frente, que delimitava um belo jardim. Havia um pomar no quintal. O prédio, concluído em 1906, possuía oito compartimentos: um salão para assembléia, uma sala de espera, um consultório, dois quartos ocupados pela família do administrador, uma cozinha e duas espaçosas enfermarias. Uma delas recebeu o nome de Elpídio Gomes e a outra, o de Aprígio de Araújo, em reconhecimento aos relevantes serviços que ambos prestaram à instituição.

Evolução da Santa Casa[editar | editar código-fonte]

Durante quase 50 anos a Santa Casa permaneceu em estado deficitário. Houve um período em que teve de fechar suas portas e, durante essa época, as pessoas mais necessitadas foram socorridas pelo Dr. Antônio Furlan Júnior na Casa de Saúde Santa Terezinha, de sua propriedade. Por isso, esse médico recebeu o apelido de pai dos pobres.

A Santa Casa começou a melhorar com a chegada, por volta de 1950, das irmãs de caridade da Congregação Jesus Maria José que, juntamente com os integrantes da Irmandade de Misericórdia e grande parte da comunidade, imprimiram uma nova dinâmica ao único hospital público da cidade.

Dali em diante, a Santa Casa acompanhou os diferentes ciclos econômicos de Sertãozinho. As dificuldades foram sempre superadas pelo esforço das diversas diretorias, mas atingiram um grau insuportável no final de 1992. No ano seguinte, ao assumir novamente o cargo de prefeito, o médico Dr. Waldyr Trigo convidou um engenheiro civil e empresário do ramo de supermercados para assumir a provedoria da Santa Casa.

Reunindo um grupo de colaboradores, com a ajuda da população, de empresários, de prestadores de serviços de saúde, das irmãs, dos funcionários e da própria Irmandade de Misericórdia deu-se a recuperação do hospital.

No ano de 1996, quando a iniciativa do Ten. Gaia completou seu primeiro centenário, a Santa Casa de Sertãozinho inaugurou o Ambulatório Médico que recebeu o nome de João Maciel de Lima, a UTI Neonatal (Dr. Walfrido Ismael Assan), a Pediatria, o Banco de Sangue e outras benfeitorias.

Graças a isso, a Santa Casa tornou-se um modelo de eficiência totalmente diferente da situação enfrentada pela maioria dos centros médicos semelhantes de todo o País.

Em 2002, com verbas dos governos Estadual e Municipal, a UTI GERAL foi equipada e inaugurada, iniciando suas atividades em setembro do mesmo ano. Com essas adequações a Santa Casa de Sertãozinho passou então a ser referência da microrregião composta pelas cidades de Barrinha, Pontal e Pitangueiras.

No mês de agosto de 2007, a Santa Casa de Sertãozinho, com sua excelente estrutura para atendimentos, transformou-se em centro de referência da região para atendimentos SUS (Sistema Único de Saúde), como foi determinado pelo Departamento Regional de Saúde (DRS XIII). A partir daí, passou a integrar o “Horizonte Verde”, como referência para mais oito municípios: Barrinha, Dumont, Jaboticabal, Guariba, Monte Alto, Pitangueiras, Pontal e Pradópolis, totalizando mais de 378 mil habitantes.

Em fevereiro de 2011, a Santa Casa de Sertãozinho inaugurou sua primeira UTI Pediátrica. Construída com recursos municipais, estaduais e do próprio hospital, o centro de terapia intensiva recebeu o nome do saudoso secretário estadual de saúde, "Dr. Luiz Roberto Barradas Barata", que sempre se mostrou receptivo e se empenhou em atender as solicitações da Santa Casa

No dia 05 de setembro de 2016 a Santa Casa de Sertãozinho completou 120 anos de existência, adquirindo cada vez mais experiência e profissionalismo, além de passar por diversas evoluções e benfeitorias para garantir sempre o melhor atendimento, com qualidade e respeito a todos.

Hospitais[editar | editar código-fonte]

Postos de saúde[editar | editar código-fonte]

  • UBS Alvorada
  • UBS Jamaica
  • UBS Central
  • UBS Shangri-lá
  • UBS São João
  • UBS Recreio
  • UBS Atenas
  • UBS Palmeiras
  • UBS Cruz das Posses
  • UBS Vila Garcia
  • UBS Campo Belo
  • UBS Alto do Ginásio

Unidade de Pronto Atendimento[editar | editar código-fonte]

Foi inaugurada no segundo semestre de 2015 com a sede regional do SAMU.[1]

Desenvolvimento urbano[editar | editar código-fonte]

A cidade de Sertãozinho ao longo de sua história sempre esteve na vanguarda do desenvolvimento estadual e nacional, mas nada comparado ao que esta acontecendo nos últimos anos, sendo que a cidade esta em pleno desenvolvimento urbano, tendo recebido investimentos em diversos segmentos por toda a área do município, veja a seguir alguns projetos que estão acontecendo ou já foram implantados em cada região da cidade.

Zona Sul[editar | editar código-fonte]

Bairro nobre e tradicional da cidade. Concentra um modesto comércio com lojas, mercados, farmácias e postos de combustíveis. Nessa região está localizado um hotel da rede Ibis. Em 2015 foi iniciada a construção do bairro "Alto dos Bandeirantes", o primeiro bairro planejado da cidade. Atualmente estão em construção diversos prédios residenciais e inclusive comerciais, na prolongação da avenida Eliseu Guerra, que corta todo o bairro vizinho, "Recreio dos Bandeirantes. A região também sofreu um boom residencial depois da inauguração do Parque do Cristo Salvador, onde está localizada a estátua do cristo redentor. São pelo menos 4 novos bairros sendo implantados na região do parque, sem contar os bairros já existentes na região. Foi a região que mais cresceu na cidade em 2014-2015. Em 2013 foi anunciado um projeto de um shopping center na região, o Pátio Sertãozinho Shopping, com aproximadamente 100 lojas, fortalecendo de vez a zona sul como região mais nobre e mais desenvolvida da cidade.

Zona Leste[editar | editar código-fonte]

A zona leste compreende vários bairros da cidade, entre eles os bem conhecidos Alvorada e Paraíso. Durante anos a zona leste enfrenta problemas com violência, tendo o maior índice que violência entre as outras regiões da cidade. A zona leste é bem abastecida com escolas, mercados e postos de saúde, além de ter em processo uma extensão de novos bairros em direção a zona norte da cidade.

Zona Norte[editar | editar código-fonte]

Segunda região que mais cresce na cidade, desde 2010 a zona norte vem passando por um processo de urbanização, iniciado principalmente depois da entrega dos novos conjuntos habitacionais pela prefeitura em parceria com a CDHU. É a região mais distante do centro da cidade, motivo que ocasionou um grande boom comercial, sendo bem servida com farmácias, praças, além de um grande supermercado. Nela está localizada também a primeira UPA da cidade, inaugurada em 2015. Já existem em andamento a criação de novos bairros, acima da região popularmente conhecida como "Prédinhos" (devido aos apartamentos da CDHU), na extensão da Avenida Aléssio Mazer.

Zona Oeste[editar | editar código-fonte]

A zona oeste de Sertãozinho é a maior e com o maior número de habitantes também. Nessa região existe uma gama muito intensa de comércio, deixando a região totalmente abastecida com serviços básicos. O SESI/SENAI está localizado na zona oeste, próximo do Complexo Esportivo Maria Zeferina Baldaia. Também nessa região foi inaugurado em 2015 um hotel da rede Ibis, a linha econômica "Budget". Em 2013 foi anunciado o projeto do primeiro shopping center da cidade. A North Shopping Empreendimentos anunciou a construção do North Shopping Sertãozinho, com 136 lojas, na região do bairro Nova Europa. O mesmo bairro é o mais próximo do Parque Ecológico da cidade, grande atração turística da região.

Centro[editar | editar código-fonte]

A Construção civil está aquecida em Sertãozinho. Estão em andamento a construção de vários novos prédios residenciais. Existem diversos grupos famosos no centro entre eles a Casas Bahia, Magazine Luiza,Pernambucanas, entre outros. A Praça 21 de Abril foi totalmente revitalizada. A Rua Barão do Rio Branco - principal rua comercial da cidade - também foi totalmente revitalizada, ganhando várias novidades e ficando mais moderna. Uma das principais marcas da revitalização do centro foi a retirada dos postes de energia - aterrando os fios - e a padronização das calçadas e uma leve ampliação das mesmas. Dessa forma, só é possível estacionar de um lado da rua, ao contrário de antes que era permitido estacionar dos dois lados. Existe uma infinidade de agências bancárias no centro, inclusive um supermercado. Também a região é abastecida com pelo menos cinco hotéis, entre eles o Hotel Comfort Sertãozinho, da rede internacional Atlântica Hotels. Foi inaugurado em 2015, um projeto de um pequeno centro comercial na região do antigo ginásio da cidade. As obras já estão em andamento e o "Metropolitan Mall" será o primeiro grande centro comercial do centro da cidade.

Meio ambiente[editar | editar código-fonte]

O serviço de água e esgoto é por conta do "Serviço Autônomo de Água, Esgoto e Meio Ambiente de Sertãozinho" (SAEMAS).

  • rede de água: 100% da população
  • rede de esgoto: 100% da população
  • tratamento de esgoto: Foi construída pela atual administração da cidade o Centro de Tratamento de Esgoto, que proporciona tratamento de todo o esgoto produzido.

Segurança pública[editar | editar código-fonte]

Brasão da PMSP.

Como na maioria dos municípios médios e grandes brasileiros, a criminalidade ainda é um problema em Sertãozinho. Em 2008, a taxa de homicídios no município foi de 36,3 para cada 100 mil habitantes, ficando na 5ª posição a nível estadual e no 332° lugar a nível nacional.[30] O índice de suicídios naquele ano para cada 100 mil habitantes também foi de 5,5, sendo o 118ª a nível estadual e o 1071° a nível nacional.[31]

A queda de homicídios por causas relacionadas à violência urbana se deve às medidas tomadas pela Polícia Militar do Estado de São Paulo (PMSP), como o Registro Digital de Ocorrência (RDO), adotado em mais 46 municípios do estado de São Paulo. O RDO permite que os boletins de ocorrência (BOs) feitos nas unidades policiais sejam padronizados via intranet, armazenados em bancos de dados e consultados por outros órgãos policiais.[32]

Empresas locais de ônibus[editar | editar código-fonte]

  • Sertran - transporte coletivo
  • Viação Sertanezina
  • Brunattur Turismo
  • Viação Ramazini
  • Autoviação Sebrasca
  • Irmanda Turismo

Cultura[editar | editar código-fonte]

Banda Marcial da Juventude - Campeonato de Bandas e Fanfarras do Estado de São Paulo
Banda Marcial Da Juventude de Sertãozinho (BMMJS) e o Regente, No XIII Campeonato De Fanfarras e Bandas do Estado de São Paulo (FFABESP) em Santa Rita do Passa Quatro, 2016.

Sertãozinho tem destacada participação cultural, como por exemplo a realização da Mostra Nacional de Teatro realizada todos os anos por uma comissão organizadora designada para este fim, no mês de abril; projeto Teatro A Gosto, evento nacional no mês de agosto; mostras de dança e seu rico carnaval. No Teatro destacam-se os Grupos de Teatro Rabugentos Cia Teatral, criado pelos atores Gilberto Bellini, Arthur Zanini, Fernanda Cornetta, Rogéria Saiani e Manoela de Carvalho, que atua ainda na produção de eventos e editando obras de autores locais como om poeta Zéluiz de Oliveira, atual presidente da Academia Sertanezina de Letras, Dalapagarapa, idealizado por Toninho Costa e Juliano José, Grupo de Iniciação ao Teatro, coordenado por Américo Rosário de Souza e o Gravata Prosa e Verso. Mais recentemente temos o Ponto de Cultura ParaVoar que atua na formação de atores e produção de espetáculos e a ContraCena Cia Teatral, criada por Otávio Sarti.

A cidade conta também com a atuação da Academia Sertanezina de Letras, na Literatura; nas artes visuais a cidade produziu grandes artistas como por exemplo Rodrigo Mazer, Edivaldo de Abreu, Fernando Corneta, Tiago Peixoto e outros. Na Dança várias academias cumprem o papel de difundi-la, no setor público destaque deve ser dado ao Ballet Municipal. O Município mantém também uma excelente banda marcial, que reúne jovens da cidade toda que compõem a banda marcial da juventude, trazendo vários títulos em concursos de bandas e fanfarras do estado de São Paulo

Esportes[editar | editar código-fonte]

Lance da partida Sertãozinho x Santos, realizada no estádio Frederico Dalmaso.

O município é conhecido como a "capital brasileira do hóquei sobre patins", um esporte popularizado localmente graças ao principal clube de hóquei sobre patins da cidade, o Sertãozinho Hóquei Clube. Clube que foi o pioneiro no profissionalismo do esporte no Brasil e conquistou vários títulos estaduais e nacionais, além de três sul-americanos e dois mundialitos. Sertãozinho também já foi sede de vários campeonatos nacionais e mundiais de hóquei sobre patins, incluindo o XXVII Campeonato Mundial.[33][34]

No futebol, a cidade é representada pelo Sertãozinho Futebol Clube, clube fundado em 6 de agosto de 1944. Durante a década de 2000, o clube foi conquistado diversos acessos, após o vice-campeonato da Série A2 de 2006, o Sertãozinho estreou na elite do estadual sendo derrotado pelo São Paulo em 2007.[35] A equipe, porém, acabou sendo rebaixada em 2008. Em 2009, voltou a conquistar o acesso após um empato por 0x0 na cidade de Araras, contra equipe local, o União São João de Araras, entretanto, sofreu dois rebaixamentos consecutivos nos anos de 2010 e 2011. Em 2016, o Sertãozinho conquistou o título da Série A3, após quatro anos disputando a divisão.[36]

Estádio Frederico Dalmaso (Fredericão)

Sertãozinho também se destaca pelo moderno complexo esportivo que possui, com quadras de futebol, tênis, basquete, vôlei, piscinas olímpicas e uma das melhores pistas de atletismo do país. Isso permitiu que a cidade fosse escolhida como a sede dos Jogos Olímpicos Regionais por três vezes. Uma das atletas de destaque da cidade é a campeã da Corrida de São Silvestre, Maria Zeferina Baldaia.

No município também nasceu o tenista João Pedro Sorgi. O atleta fez parte da equipe brasileira que representou o Brasil, nos jogos da Copa Davis, em Santo Domingo, na República Dominicana, em fevereiro de 2018. Sorgi, foi fundamental no confronto ao vencer a quinta e decisiva partida contra o dominicano Roberto Cid Subervi, por 2 sets a 1. As parciais foram 6/7(10), 6/1 e 6/4. Na ocasião, o local, ocupava a posição de número 365 do ranking da ATP, Associação de tenistas profissionais. O resultado obtido pelo tenista foi excepcional, por marcar a estréia do atleta na competição e colocar o Brasil na luta para voltar a elite do tênis mundial.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais (19 de julho de 2013). «Divisão Territorial do Brasil». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 8 de julho de 2014. 
  2. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (15 de janeiro de 2013). «Área territorial oficial». Consultado em 7 de setembro de 2014.. Cópia arquivada em 7 de setembro de 2014 
  3. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de agosto de 2018). «Estimativas da população residente nos municípios brasileiros com data referência em 1º de julho de 2018» (PDF). Consultado em 30 de agosto de 2018.. Cópia arquivada em 29 de agosto de 2018 
  4. Atlas do Desenvolvimento Humano (29 de julho de 2013). «Ranking IDH-M Municípios 2010». Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Consultado em 31 de julho de 2013.. Cópia arquivada em 4 de dezembro de 2013 
  5. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2015). «Tabela 1 - Produto Interno Bruto a preços correntes e Produto Interno Bruto per capita segundo as Grandes Regiões, as Unidades da Federação e os municípios - 2015». Consultado em 13 de janeiro de 2018. 
  6. Por G1 Ribeirão Preto e Franca. «Fenasucro & Agrocana confirma alta de 7% com R$ 4 bilhões negociados na 26ª edição». Consultado em 26 de agosto de 2018. 
  7. Jornal Cidades. «FENASUCRO & AGROCANA confirma expectativas da 26ª edição». Consultado em 26 de agosto de 2018. 
  8. «IDHM Municípios 2010». PNUD Brasil. Consultado em 9 de julho de 2018. 
  9. «POLÍTICA: Alckmin sinaliza região metropolitana em Ribeirão Preto em 2015». www.viaeptv.com. Consultado em 16 de julho de 2015. 
  10. «População: Região de Ribeirão Preto tem quase 2 milhões de habitantes». www.jornalacidade.com.br. Consultado em 16 de julho de 2015. 
  11. a b «BDMEP - Série Histórica - Dados Diários - Temperatura Mínima (°C) - Sertãozinho». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 7 de julho de 2015. 
  12. a b «BDMEP - Série Histórica - Dados Diários - Temperatura Máxima (°C) - Sertãozinho». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 7 de julho de 2015. 
  13. «BDMEP - Série Histórica - Dados Diários - Precipitação (mm) - Sertãozinho». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 7 de julho de 2015. 
  14. «BDMEP - Série Histórica - Dados Horários - Umidade Relativa (%) - Sertãozinho». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 7 de julho de 2015. 
  15. «Temperatura Média Compensada (°C)». Instituto Nacional de Meteorologia. 1961–1990. Consultado em 7 de junho de 2014.. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014 
  16. «Temperatura Máxima (°C)». Instituto Nacional de Meteorologia. 1961–1990. Consultado em 7 de junho de 2014.. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014 
  17. «Temperatura Mínima (°C)». Instituto Nacional de Meteorologia. 1961–1990. Consultado em 7 de junho de 2014.. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014 
  18. «Precipitação Acumulada Mensal e Anual (mm)». Instituto Nacional de Meteorologia. 1961–1990. Consultado em 7 de junho de 2014.. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014 
  19. «Número de Dias com Precipitação Maior ou Igual a 1 mm (dias)». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 7 de junho de 2014.. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014 
  20. «Umidade Relativa do Ar Média Compensada (%)». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 7 de junho de 2014.. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014 
  21. «Relação do patrimônio da CTB incorporado pela Telesp» (PDF). Diário Oficial do Estado de São Paulo 
  22. «Nossa História». Telefônica / VIVO 
  23. GASPARIN, Gabriela (12 de abril de 2012). «Telefônica conclui troca da marca por Vivo». G1 
  24. «Construtoras da região aquecem mercado de imóveis no município de Sertãozinho». Consultado em 1 de fevereiro de 2010. 
  25. «www.jornalacidade.com.br/sociais/giro/2012/02/08/giro-antecipa-investimentos-de-r-50-milhoes-em-sertaozinho.html». Consultado em 13 de fevereiro de 2012. 
  26. «North Shopping Sertãozinho » O Empreendimento». www.northshoppingsertaozinho.com.br. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  27. «Pátio Sertãozinho | Müller Partners - Desenvolvimento e Planejamento de Shoppings». mullerpartners.com.br. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  28. Jornal A Cidade (13 de maio de 2011). «Fatec de Sertãozinho abre 120 vagas para mecânica e gestão empresarial». Consultado em 13 de maio de 2011. 
  29. «Tecnologia e conhecimento». Consultado em 1 de abril de 2011. 
  30. Sangari (2011). «Número e taxas (em 100 mil) de homicídio nos municípios com 10.000 habitantes ou mais» (xls). Consultado em 6 de maio de 2011. 
  31. Sangari (2011). «Número e taxas (em 100 mil) de suicídio nos municípios com 10.000 habitantes ou mais» (xls). Consultado em 24 de maio de 2011. 
  32. Secretaria de Estado da Segurança Pública (27 de maio de 2010). «Sistemas de inteligência criam o mapa da criminalidade». Consultado em 6 de maio de 2011. 
  33. «Hóquei: Capital do Hóquei com patins recebe 2ª liga paulista. Futebol Interior». futebolinterior.com.br. 17 de maio de 2007. Consultado em 2 de dezembro de 2008.. Arquivado do original em 31 de dezembro de 2012 
  34. Albuquerque, Marcelo. «Origem do Hóquei Tradicional.». Sol Brilhando. Consultado em 2 de dezembro de 2008.. Cópia arquivada em 10 de setembro de 2012 
  35. «Com chuva e lama, São Paulo passa fácil pelo Sertãozinho». Estado de S. Paulo. 18 de janeiro de 2017. Consultado em 1 de junho de 2017.. Cópia arquivada em 1 de junho de 2017 
  36. «História». Website oficial do Sertãozinho Futebol Clube. Consultado em 1 de junho de 2017.. Cópia arquivada em 1 de junho de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Sertãozinho