Nova Milano

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Nova Milano é o quarto distrito do município de Farroupilha, no estado do Rio Grande do Sul. É o berço da colonização italiana, e também é o acesso a capital do estado Porto Alegre.

Localização[editar | editar código-fonte]

Distante cerca de 100 km da capital Porto Alegre, Nova Milano fica às margens da rodovia RS-122, que liga Porto Alegre à região da Serra. Em termos de limites, faz divisa com o Município de Carlos Barbosa a Sudoeste, pela linha divisória da Sesmaria Machado. Limita-se com o Município de Alto Feliz ao sul, fazendo divisa em parte da antiga Estrada Julio de Caravaggieto. Limita-se com o Município de Vale Real ao sudeste, após Caravaggieto no Acesso a Forqueta Baixa. Limita-se com o município de Caxias do Sul a Leste.

População[editar | editar código-fonte]

Segundo o censo do IBGE, de 2000, Nova Milano contava com 3.258 habitantes, sendo 1.184 na zona urbana e 2.074 na zona rural (diversas localidades no entorno).

Em 2000, o município sede, Farroupilha, tinha 55.308 habitantes. Na contagem da população de 2007, a população de Farroupilha subiu para 59.871 habitantes. Considerando-se que a participação de Nova Milano em relação ao município manteve-se a mesma de 2000, o distrito contaria hoje com cerca de 3,5 mil habitantes.

Em 1991, Nova Milano tinha 2.382 habitantes, sendo 267 na zona urbana e 2.115 na zona rural. Comparando-se com os dados de 2000, percebe-se que houve um grande crescimento da população na zona urbana, enquanto que a população da zona rural teve um pequeno decréscimo.

História[editar | editar código-fonte]

A história de Nova Milano teve início em maio de 1875, quando, vindos da região de Milão, Itália, chegaram as três primeiras famílias de colonizadores. Os primeiros imigrantes enfrentaram uma serie de dificuldades ao chegar ao Rio Grande do Sul. As terras mais próximas aos rios e vales já estavam ocupadas por alemães, obrigando aos colonizadores que estes subissem mais ao alto da serra, em regiões previamente pouco exploradas.

A localidade onde se instalaram os pioneiros ficou conhecida como Barracão, referência ao local onde fora alojados. Posteriormente o local passou a se chamar Nova Milano, em homenagem ao local de origem (Milão, ou Milano em italiano). Os imigrantes, distribuídos em suas colônias iniciam o trabalho de derrubada da mata, para dar lugar às áreas de plantação e de habitação. Quando chegavam, os colonizadores recebiam utensílios para a derrubada da mata e para a plantação, como também recebiam auxílio alimentar, suficiente para que atingissem a primeira colheita o que, em regra, não durava mais que dezoito meses.

Os patriarcas das três primeiras famílias a chegar em Nova Milano eram Luigi Sperafico, Tomaso Radaelli e Estevão Crippa. Quase todas as outras 110 famílias de italianos que chegaram a Farroupilha nesta época foram logo transferidas para povoar primeiro o Campo dos Bugres (atual Caxias do Sul), a sede da colônia. Somente as famílias Sperafico, Radaelli e Crippa ficaram. Comprando colônias de 24 hectares, cada um foi parar em uma localidade e prosperou de maneira diferente. Radaelli ficou plantando em Nova Milano, Crippa foi para o Travessão Milanês (localidade hoje conhecida como "Amizade") e Sperafico instalou-se em São Miguel.

A estrutura de Farroupilha, cidade sede do distrito de Nova Milano, começou a tomar forma com o aumento do fluxo de imigrantes vindos da Itália. Entre os anos de 1885 e 1886, na Colônia Sertorina (parte do atual território farroupilhense), situada entre Linha Palmeiro (Bento Gonçalves) e a 1ª e 2ª Léguas (Caxias do Sul) foi construída uma comunidade formada por imigrantes italianos, trentinos e trevisanos. A localidade onde atualmente é o bairro Nova Vicenza, tomou o nome de Linha Vicenza, posteriormente Nova Vicenza, paróquia de São Vicente.

Enquanto isso, Nova Milano, situada fora da Colônia Sertorina também progredia. Já era 3º distrito de Caxias do Sul, tinha cartório, padre, igreja, sub-intendente e a atividade econômica principal era a agricultura.

A partir do ano de 1910, a passagem da ferrovia Montenegro-Caxias do Sul, situada no meio das duas comunidades, faz com que cresça um novo eixo econômico no município de Farroupilha. A facilitação do transporte fez crescer um novo tipo de comercio, situado próximo a ferrovia, e mudou completamente a imagem do município com o passar do trem e dos anos. Em 1934, o município é emancipado de Caxias do Sul, e Nova Milano passa a ser um distrito de Farroupilha. Com isso, Nova Milano não manteve o mesmo nível de desenvolvimento, tendo permanecido uma localidade predominantemente rural.

Economia[editar | editar código-fonte]

Nova Milano apresenta uma economia fortemente baseada na agricultura e vitinicultura. Há 15 hortigranjeiros de grande porte, 50 de pequeno porte e um grande número de agricultores familiares. No entanto, os baixos preços pagos aos produtores de uva têm desestimulado esta cultura. Além disso, a Cooperativa Emboaba, localizada na vila e voltada para a produção de vinho, faliu na década de 90, deixando os agricultores sem o suporte necessário à produção. Outro ramo relevante é a produção de ovos, com a Granja Straggliotto sendo a maior produtora da região.

Nas últimas décadas, outros setores têm ganhado importância na economia da localidade, principalmente no ramo da indústria. O setor de malhas apresenta um intenso crescimento desde a década de 80, e Farroupilha é atualmente conhecida como a Capital Brasileira da Malha. No distrito, destacam-se Malena Malhas(fundada em 1989) e a Malharia Elma Kids no setor infanto-juvenil.

Atrações[editar | editar código-fonte]

Encontro das Tradições Italianas O Entrai é uma festa com apresentações artísticas, dança, música, gastronomia e artesanato, que acontece de dois em dois anos. Em 1991 foi realizado o 1º ENTRAI, pelo Departamento de Cultura da Secretaria Municipal de Educação e Cultura,(na época a Secretária era Marlene Rozina Feltrin e o Prefeito Clóvis Zanfeliz), com o objetivo de divulgar e valorizar as tradições italianas. Foi realizado simultaneamente em Nova Milano e com espaço próprio nos pavilhões do Parque Cinquentenário, junto com a 1ª FENAKIWI. Tornou-se um evento de grande importância turística para o município de Farroupilha e região. Em 2006, foi realizada a 12ª edição do evento.

São normalmente 40.000 visitantes ao longo de cinco dias. Famílias de todo o estado comparecem em Nova Milano, descendentes ou não de italianos.

Parque Centenário da Imigração Italiana Com cinco hectares de área, foi construído para homenagear o centenário da imigração italiana no Rio Grande do Sul. Inaugurado em 13 de Dezembro de 1975, o parque foi a forma escolhida para homenagear as três primeiras famílias de imigrantes. O parque tem um monumento, formado por um grupo de formas abstratas que expressa uma idéia de força, de coragem, dos colonizadores que, mesmo sem contar com recursos materiais, conseguiram vencer todas dificuldades.

A obra de arte é de autoria do artista plástico gaúcho Carlos Augusto Tenius, e o projeto pertence aos arquitetos Olmiro Pinto Gomes e Vera Maria Becker Lovato e ao urbanista Antônio Carlos Oliveira. Além do monumento, no parque pode ser encontrada a réplica do Leão Alado de São Marcos, símbolo da Cidade de Veneza, oferecido pelo governo da Itália, assim como diversas placas representando as mais variadas regiões italianas.

Praça da Imigração Italiana A praça, localizado no centro da comunidade, foi construída em homenagem aos primeiros colonizadores. A praça é composta por diversos monumentos, sendo que os mais importantes são as réplicas dos passaportes usados pelos primeiros imigrantes vindos da Itália, Luigi Sperafico, Estevão Crippa, e Tomaso Radaelli. Além dos monumentos, na praça existe a antiga Igreja de Santa Helena da Cruz, construída pelos colonizados, com o seu interior pintado com afrescos, e a réplica da Madonina Duomo, cujo original se encontra em cima do Duomo em Milão.

Religião[editar | editar código-fonte]

Os imigrantes italianos trouxeram consigo seus hábitos religiosos e sua intensa fé na religião católica. A igreja do distrito foi construída pela própria comunidade e está localizada na praça central. Conta com uma torre de mais de 30 metros de altura, que pode ser vista de praticamente todos pontos da vila.

Todo mês de agosto acontece a tradicional festa da padroeira da comunidade, conhecida popularmente como “Festa de Agosto”. Após a missa dominical, um almoço é servido no salão comunitário, localizado ao lado da igreja.

Como testemunho da fé dos imigrantes, além da igreja, foram construídas diversas capelas na região, que hoje fazem parte do patrimônio cultural da cidade. As principais são capelas: São José, Santo André, Santos Anjos, Ns. Sra. Salete, Menino Deus, São Roque, Caravaggieto, Linha Boêmios e Sete Colônias.

Esportes[editar | editar código-fonte]

A comunidade conta com o Clube Vasco da Gama, que possui mais de 50 anos, tendo em sua estrutura um campo de futebol, uma quadra de futsal e uma piscina térmica aberta. O Clube Vasco da Gama conta com um time amador de futebol de campo, sendo que esse já foi campeão gaúcho das categorias de base e é o atual campeão do Farroupilhão primeiro quadro.

Educação[editar | editar código-fonte]

Está sediada em Nova Milano a Escola Municipal Santa Cruz, que tem seguidamente recebido premiações por bons índices na educação. [https:/escolamunicipalsantacruz.blogspot.com]


Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado do Rio Grande do Sul é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.