Paulo Barboza

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Gnome globe current event.svg
Este artigo ou seção se refere ou tem relação com alguém que morreu recentemente.
A informação apresentada pode mudar com frequência. Não adicione especulações, nem texto sem referência a fontes confiáveis. (Editado pela última vez em 10 de julho de 2018.)
Twemoji 1f464.svg
Disambig grey.svg Nota: Se procura o compositor brasileiro, veja Paulo dos Santos Barbosa.
Paulo Barboza
Nome completo Paulo Roberto Machado Barboza
Nascimento 14 de maio de 1944
Rio de Janeiro, RJ
Morte 16 de abril de 2018 (73 anos)
São Paulo, SP
Ocupação radialista
jornalista
publicitário
Cônjuge(s) Eliane Barboza (1967-2015)
Filho(s) Paulo Barboza Filho
Alexandra Barboza Leider
Nacionalidade brasileiro

Paulo Barboza (Rio de Janeiro, 14 de maio de 1944São Paulo, 16 de abril de 2018) foi um radialista, jornalista e publicitário brasileiro.

Começou sua carreira de radialista na Rádio Imperial, em Petrópolis, em 7 de setembro de 1959. Teve passagens pelas rádios Record, Globo, Super Rádio Tupi, América e Capital.[1] Seus últimos trabalhos foram na Super Rádio de São Paulo (desde janeiro de 2017) [2] e na Rádio ABC, de Santo André (desde setembro de 2017)[3]. Além do rádio, Paulo trabalhou durante muitos anos na televisão, mais especificamente nas extintas TV Manchete e Tupi e nas atuais SBT, Record e Gazeta.

Biografia e carreira[editar | editar código-fonte]

No dia 7 de setembro de 1959 conseguiu, depois de muito custo, falar ao microfone da Rádio Imperial de Petrópolis. Era a sua estreia, graças ao diretor Santelmo Jorge que não aguentava mais a insistência daquele garoto, pedindo uma chance. Deu certo: uma semana depois ganhava um programa aos sábados, o Clube de Jovens e uma coluna no jornal Tribuna de Petrópolis. Virou o cronista social da juventude petropolitana, coisa que ainda não existia no início dos anos 60. Quando ouviu a gravação da sua voz pela primeira vez, quis desistir. Não gostou, achava estridente. Na época todos os locutores tinham vozes graves. Mais uma vez o diretor e já amigo Santelmo Jorge deu-lhe força para não parar, tendo também incentivo de um novo amigo, Flávio Cavalcanti. Transformou-se em repórter e foi contratado pela Petrópolis Rádio Difusora. Conseguiu um programa diário, o jornalístico De Microfone em Punho. Lançou o noticiário da noite, Edição Extra. Partiu para os debates, para as entrevistas com A Notícia Faz o Show. Começou a comandar um programa de prêmios e brincadeiras, o Paulo Barboza Pergunta. Em 1963 ganha o prêmio de Melhor Rádio Repórter do Estado do Rio, do Sindicato dos Jornalistas, com matéria feita numa sexta-feira treze, exatamente à meia-noite, ao vivo do cemitério municipal de Petrópolis, entrevistando os coveiros e ouvindo suas histórias fantásticas.

Em 1970 estreia no Rio, na Super Rádio Tupi, das 9 ao meio-dia, lançando o Programa Paulo Barboza. Estreia na Rede Tupi de Televisão comandando É Lá Que a Tupi Vai, com produção de Herval Rossano e direção de José Messias.

Em 1980, Paulo apresenta o programa Sessão Premiada, no SBT. Em 1983, vai para a TV Gazeta e passa a apresentar semanalmente, no formato de show de calouros, o Programa Paulo Barboza.

Em 1984, de volta ao SBT, passa a ser o primeiro apresentador do game show TV Powww! no Brasil.[4]

Em 1988, Barboza troca de casa e passa a apresentar o Programa Paulo Barboza na TV Record.[5] De 2007 à 2013, foi jurado do Troféu Imprensa, no SBT.[carece de fontes?]

Paulo Barboza foi um dos grandes nomes no rádio brasileiro e, com 58 anos de carreira, nunca abandonou o rádio, tendo passado pelas mais importantes emissoras de São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte.[6]

Morreu em 16 de abril de 2018, aos 73 anos, vitima de um infarto fulminante.[7]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Paulo foi casado por 48 anos com Eliane Barboza, que faleceu em 13 de fevereiro de 2015, vítima de um câncer.[8][9] Os dois tiveram um filho, Paulo Eugênio, e uma filha, Alexandra Hermínia. Paulo era avô de três netos: Paulo Felipe, Rodrigo e Maria Gabriella.

Referências

  1. «tudoradio.com - Rádio News - Comunicador Paulo Barboza deixa Rádio Capital e estreia na Super Rádio AM». tudoradio.com. Consultado em 15 de julho de 2017. 
  2. «Paulo Barboza quer tirar padre da Capital». Radioamantes. 16 de janeiro de 2017. Consultado em 15 de julho de 2017. 
  3. «Rádio ABC confirma mais duas contratações para sua equipe». tudoradio.com. 28 de agosto de 2017. Consultado em 16 de abril de 2018. 
  4. «Alguém lembra? TV POWWW!, no SBT». 16 de maio de 2011 
  5. «Show - Paulo Barboza faz festa nos 50 anos de carreira - 01/09/2009». www.agora.uol.com.br. Consultado em 15 de julho de 2017. 
  6. «Show - Paulo Barboza faz festa nos 50 anos de carreira - 01/09/2009». www.agora.uol.com.br. Consultado em 15 de julho de 2017. 
  7. Ricardo Feltrin (16 de abril de 2018). «Morre em São Paulo aos 73 anos o radialista Paulo Barboza». UOL. Consultado em 16 de abril de 2018. 
  8. «Morre Eliane Barboza, esposa do comunicador Paulo Barboza». Rede Nacional de Televisão. Consultado em 15 de julho de 2017.. Arquivado do original em 27 de março de 2016 
  9. «Paulo Barboza está de luto» 
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.