TV Paulista

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde agosto de 2011). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde novembro de 2013). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
TV Paulista
Rádio Televisão Paulista S.A.
TV Paulista
São Paulo, São Paulo
Brasil
Tipo Empresa privada
Canais
05 VHF analógico
Outros canais Bandeira Santos SaoPaulo Brasil.svg TV Santos:
5 VHF (Santos)
Sede Bandeira da cidade de São Paulo.svg São Paulo, SP
Rua da Consolação, 2570 - Consolação / Rua das Palmeiras, 322 - Santa Cecília
Slogan A melhor imagem e o melhor som.
Fundador Oswaldo O. Monteiro
Pertence a Organizações Victor Costa
Proprietário Victor C. Petraglia
Presidente Victor C. Petraglia Júnior
Fundação 14 de março de 1952
Extinção 24 de março de 1966 (14 anos)
Sucessora TV Globo Paulista (1967-1968)
TV Globo São Paulo (desde 1968)
Cobertura Partes do estado de São Paulo

A TV Paulista foi uma emissora de televisão sediada na cidade de São Paulo, no estado homônimo. Operava no canal 5 VHF e foi a segunda emissora de televisão a ser inaugurada na cidade (a primeira foi a TV Tupi SP, fundada em 1950).

Foi a primeira emissora de TV no país que não pertencia ao grupo dos Diários Associados, comandados por Assis Chateaubriand. Criada pelo deputado federal Oswaldo Ortiz Monteiro, que em 1955 repassou o controle da estação às Organizações Victor Costa.

História[editar | editar código-fonte]

Era a menor televisão de São Paulo: sua sede era apenas um pequeno apartamento do Edifício Liège, na Rua da Consolação, nº 2570, e os estúdios eram montados na garagem e num espaço para uma loja no térreo do mesmo prédio. A cozinha era o laboratório de revelação e a redação dos textos e do telejornal eram feitos na sala. Tudo no maior improviso. Pouco depois, transferiu-se para a rua das Palmeiras, no bairro de Santa Cecília.[1]

Mesmo assim, foi capaz de apresentar uma programação de qualidade, batendo várias vezes a TV Record e ficando ao lado da então líder TV Tupi.

Importantes nomes da televisão brasileira passaram por ela, tais como Hebe Camargo e Silvio Santos. De 1959 a 1961 teve como diretor artístico Mario Brasini que escreveu e dirigiu a telenovela "Laura" e os programas: "A alma das coisas", "Estampas Eucalol", "Teledrama 3 Leões", "Boa noite, Carmela", entre outros. Foi também na TV Paulista que Sílvio Santos se lançou como apresentador, com o programa Vamos Brincar de Forca.

Programas[editar | editar código-fonte]

Entretenimento[editar | editar código-fonte]

  • Teatro Nicete Bruno
  • Teledrama
  • Circo do Arrelia
  • Teatro de Alumínio
  • Teatro Cacilda Becker
  • Bate-Papo com Silveira Sampaio [2]
  • Inácio Brinquinho
  • Recruta 23 (de Manoel de Nóbrega)
  • Teledrama 3 Leões
  • O Mundo é das Mulheres (com Yara Lins, Riva Blanche e Hebe Camargo)
  • A Praça da Alegria
  • Boa Noite, Carmela
  • A Alma das Coisas
  • Dom Pasquale
  • Vamos Brincar de Forca (com Silvio Santos)
  • Intimidade
  • Cantando com Petrônio (com Francisco Petrônio)
  • Zás Trás

Telenovelas[editar | editar código-fonte]

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Estão incluídas as telenovelas da TV Globo, de 1965 a 1967, que a TV Paulista exibiu. A partir de fevereiro de 1968, a TV Paulista passava a se chamar TV Globo de São Paulo. Apesar da emissora ter sido comprada em 1964, somente em 1967 Roberto Marinho conseguiu a concessão do canal, e assim, no início de 1968, alterou o seu nome, e pela mesma razão, o programa Zás Trás também está incluído.

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Em meados da década de 1960 o empresário Roberto Marinho adquire a TV Paulista, que estava decadente após a morte de Victor Costa, com programas saindo do ar, falta de investimentos e perda de profissionais. Os herdeiros da Família Ortiz Monteiro ainda tentam reverter judicialmente essa venda, tendo em vista que a transferência da emissora para as Organizações Victor Costa nunca foi regularizada - ou seja, Victor Costa Junior vendeu a Roberto Marinho algo que não era legalmente seu. Ademais, os 673 acionistas minoritários, que juntos detinham 48% do capital da empresa, foram lesados - Marinho se apropriou de suas ações de modo irregular em 1975, declarando-os "mortos" ou "desaparecidos" no recadastramento societário. Com a autorização do Dentel, órgão do Ministério das Comunicações, houve o confisco das ações sob a forma de subscrição por valor unitário de Cr$1,00 (um cruzeiro) por ação, transferidas para o nome de Roberto Marinho, em Assembleia Geral Extraordinária presidida por ele próprio, o que fez de Marinho o único proprietário da estação.

Outro caso misterioso, foi o incêndio ocorrido na antiga sede da TV Paulista. Suspeita-se que o incêndio seria criminoso, com a intenção de receber o seguro, que seria usado para a expansão da emissora.

Na década de 90, após a morte de Oswaldo Ortiz Monteiro, a sua família começou a investigar a fraude na compra da emissora. Uma perícia feita em 2003, descobriu que as assinaturas do contrato foram falsificadas e incluíram desde nomes de pessoas falecidas antes da transferência até o uso de máquinas de escrever que ainda não existiam na época da suposta transferência. No dia 24 de agosto de 2010, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) considera válida a compra da TV Paulista por Roberto Marinho.[3] A família Ortiz entrou com recurso no Supremo Tribunal Federal (STF), que ainda aguarda julgamento.

Emissora afiliada[editar | editar código-fonte]

Nome Cidade UF Canal Prefixo Situação atual
TV Santos Santos SP 5 VHF PRB-4 Extinta

Referências

Precedido por
 —
Canal 5 VHF de São Paulo
1952  — 1966
Sucedido por
TV Globo São Paulo
Ícone de esboço Este artigo sobre Televisão no Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.