Oktoberfest de Santa Cruz do Sul

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Carro alegórico com chope no desfile da Oktoberfest de Santa Cruz do Sul.

A Oktoberfest de Santa Cruz do Sul é a edição da Oktoberfest realizada em Santa Cruz do Sul (RS), um festival das tradições germânicas que acontece desde 1984 (não houve edição apenas em 1993).[1] As festividades sempre ocorrem no mês de outubro, e, nos últimos anos, a duração vem sendo de 10 dias. Em alemão, "Oktober" significa outubro, e "Fest", festa ou festival. No país, são realizadas outras edições da festa em Igrejinha e Blumenau. A Oktoberfest de Santa Cruz do Sul começou ao final da Festa Nacional do Fumo, a FENAF, que foi realizada de 1966 a 1978, quando aconteceu sua terceira e última edição. Em 2003 a festa teve 464.900 visitantes que consumiram 210 mil litros de chope.[2]

Ao longo dos anos, paralelamente à festa, acontece uma feira de exposições na qual comerciantes, agricultores e indústrias da região e do estado expõem e divulgam seus produtos e serviços. A feira já teve vários nomes, que incluem FEICAP ("Feira Industrial, Comercial e Agropecuária", que surgiu em 1994), Feirasul (a partir de 2001[3] e novamente a partir de 2009) e Oktoberfeira (de 2005 a 2008).[4] A 32ª edição da Oktoberfest, sua mais recente, ocorreu entre 5 e 16 de outubro de 2016.[5]

Entrada do parque onde a festa é realizada

Origens[editar | editar código-fonte]

O Bierwagen, carro alegórico que passeia pelo centro da cidade distribuindo chope gratuitamente. Aqui visto no desfile da 23ª edição.

A Oktoberfest de Santa Cruz do Sul remonta ao ano de 1966, quando de 15 de outubro a 6 de novembro foi realizada a primeira edição da Festa Nacional do Fumo (FENAF),[6] com o objetivo de celebrar a indústria fumageira, que representa uma parte importante da economia de toda a região, que concentra os maiores produtores de tabaco (fumo) do Brasil.[7] O sucesso da 1ª FENAF incentivou a organização de mais duas edições: em 1972, de 26 de outubro a 12 de novembro e em 1978, de 28 de setembro a 15 de outubro.[8]

Na década de 1980, com o histórico de realização da FENAF, o município, com a idealização do então secretário de Turismo, Ademir Müller, decidiu virar o foco da celebração para as tradições germânicas[9] e se inspirou na Oktoberfest original, em Munique, Alemanha, para criar uma edição santa-cruzense do evento. Desse modo, em 1984, aconteceu a 1ª Oktoberfest em Santa Cruz do Sul, destacando as danças, o chope, a gastronomia, a música e os demais elementos trazidos pelos imigrantes.

No caso de 1993, único ano em que a festa deixou de ser realizada desde o seu começo, o então prefeito Edmar Hermany foi responsável pela decisão de não haver Oktoberfest. A Prefeitura Municipal estava com pouco dinheiro em caixa e a inflação também estava em alta, sendo que o controle da festa já havia sido terceirizado no ano anterior.[1] Superadas as dificuldades daquele período, no ano seguinte a festa voltou a acontecer, até hoje sem interrupções, tendo crescido e servido para juntar etnias, divulgar e manter viva o passado de colonização alemã da cidade e da região. Ela acontece, todo ano, com o apoio da entidades públicas e privadas, como a Associação de Bares, Hotéis, Restaurantes e Similares (ABHRS), a Associação de Entidades Empresariais (ASSEMP) e a Associação Cultural e Empresarial (ACESC) do município. Além do patrocínio de cervejarias, desde 2016 a festa oferece cerveja artesanal de uma associação empresarial local, e realiza a venda de cucas de comerciantes da região.[10][11]

Local da festa[editar | editar código-fonte]

Mapa de Santa Cruz do Sul de 7 de setembro de 1922. Em destaque a área conhecida à época como Logradouro Público, onde hoje se localiza o Parque da Oktoberfest.

A festa acontece, desde a 1ª FENAF, no Parque da Oktoberfest, que já foi chamado de "Parque da FENAF" e "Parque do Centenário". Originalmente, o parque, localizado na Rua Galvão Costa, 755, era terra provincial que passou a pertencer à província do Rio Grande do Sul com a Lei de Terras em 1850. Em 5 de julho de 1904, as terras foram doadas ao município de Santa Cruz do Sul[12] para a construção da Estação de Ferro, fato que nunca aconteceu.[13] Essas terras ficaram conhecidas como "Logradouro Público". Nesse local, a sociedade de cavalaria dos antigos imigrantes, os Ulanos, faziam sua festividade, além dos ciganos que visitavam a cidade e se instalavam no Logradouro. Circos e outras atrações também se instalavam no local, além do 24º Batalhão de Infantaria, que construiu em dezembro de 1917 um quartel em galpão de madeira, que logo foi transferido para outra localidade. A área também era alugada para moradores que possuíam chácaras em regiões próximas. Lá, seus animais eram colocados para pastarem durante o dia.[14] Em 1935, o Coronel Oscar Jost, prefeito de Santa Cruz do Sul, inaugurou a Usina Elétrica no local e foram construídas três piscinas para que os geradores fossem resfriados. Inicialmente, a primeira piscina era usada também para banho e aulas de natação, mas a partir da construção da segunda e terceira, a sua utilização para banho não foi mais autorizada.[15]

O primeiro projeto de urbanização do local surgiu no início da década de 1940, quando o agrimensor Alfons Niedermayer elaborou o projeto do Parque do Centenário, que seria um complexo de lazer que abrigaria um estádio de esportes múltiplos, como preparação à festa do centenário da colonização do município (em 1849 chegaram os primeiros imigrantes alemães).[16] Além do selo do centenário, foi projetado um monumento que seria construído posteriormente, mas que nunca saiu do papel. No entanto, a celebração do centenário ocorreu nos dias 17, 18 e 19 de dezembro de 1949.[17] As verbas que estavam previstas ao Parque do Centenário seriam resultado da venda de terrenos que sobraram após a urbanização do Logradouro Público, mas a Câmara de Vereadores não aprovou a venda,[18] e as obras do Parque do Centenário ficaram estagnadas.

Somente anos depois, em 1954, com o início do planejamento para a realização da Festa Nacional do Fumo, que seria formada uma comissão responsável pela organização do Parque da FENAF. Mesmo assim, a organização se estendeu por anos, e a realização da festa estava dependendo da conclusão das obras do Pavilhão Central, projetado para abrigar a área principal da festa; do calçamento da cidade e da construção do Cine-Hotel. Em 1965, a Prefeitura não liberou uma verba prevista de 30 milhões de cruzeiros à comissão da festa, e as obras tiveram de ser interrompidas, somente sendo retomadas após empréstimo da Associação dos Fumicultores do Brasil.[19] Durante anos, os organizadores da festa viajaram ao encontro do governo federal para pleitear verbas para a realização da FENAF.

Pórtico de Entrada da 23ª Oktoberfest e 3ª Oktoberfeira, em 2007.

Finalmente, em janeiro de 1964 foram concluídas as obras do Pavilhão Central e do Pórtico de Entrada. Ambas as estruturas são utilizadas até hoje pela Oktoberfest, com algumas adaptações. O pórtico de entrada, por exemplo, recebeu um telhado ao estilo germânico e adornos em enxaimel.[20] Para a realização da 2ª FENAF, foi também construído um restaurante típico alemão, chamado de "Bierhaus", inaugurado em 14 de outubro de 1972,[21] que persiste até hoje. O Pavilhão Central serviu até mesmo como gabinete do prefeito durante a gestão de Sérgio Ivan Moraes, prefeito de Santa Cruz do Sul de 1 de janeiro de 1997 a 31 de dezembro de 2004. Além dessas duas estruturas, a FENAF também recebeu o um galpão que ficou conhecido como "Galpão Preto", para abrigar a exposição de animais e também uma churrascaria cabana.[22] Posteriormente, essas duas estruturas foram derrubadas, mas outros pavilhões foram construídos no local, e são utilizados até hoje para a exposição durante a Oktoberfest. Estruturas conhecidas como "pirâmides cobertas" também vêm sendo instaladas, e são desmontadas após o término da festa.

A festa é tradicionalmente aberta com um desfile pelo centro da cidade, iniciando na rua Marechal Floriano Peixoto, a principal da cidade. Os participantes desfilam em trajes germânicos e são acompanhados por bandas de música folclórica europeia. Atrações do desfile incluem danças - como a polca - carros alegóricos, encenações e brincadeiras. Copos de chope são comumente oferecidos aos espectadores.

Desfile em trajes germânicos

Soberanas[editar | editar código-fonte]

Soberanas de 2007: Naiara Pommerehn, a rainha (topo) e as princesas Nicole Weber (abaixo, à esquerda) e Tamara Thom (abaixo, à direita).
Festa Nacional do Fumo
  • 1966: Esther Matte (rainha), Marion Binz, Traudi Brenner, Carmencita Marinho e Marilu Geske[23]
  • 1972: Iria Valéria Dreyer (rainha), Adelina Teresinha Goettems, Vera Closs, Dulce Jungblut e Clea Regina da Silva[24]
  • 1978: Heloísa Kist (rainha e "Rainha do Centenário"), Sônia Assmann ("Miss Turismo"), Rosa Coutinho (princesa) e Suzana Wink ("Garota Simpatia")[25]
Oktoberfest
  • 1984: Cristiane Bublitz (rainha), Simone Scholz e Janine Luciana Antonio[26]
  • 1985: Márcia Wink (rainha), Maristela de Oliveira e Luciane Rabuske[27]
  • 1986: Jeane Mirna Bender (rainha), Patricia Knak, Riane Kraether, Sandra Scholz e Liane Müller[28]
  • 1987: Marcia Nyland (rainha), Fabiane Krainovic, Adriana Agnes, Marquerli Paulus e Jaqueline Iser[27]
  • 1988: Elaine Müller (rainha), Simone Sulzbacher, Cláudia Weigel, Solange Oliveira e Arlete Thomas[27]
  • 1989: Andréa Staub Wilges (rainha), Rosvita Bublitz, Débora Mello, Mariane Eich e Sabrina Maria Kolling[28]
  • 1990: Sinara Cristina Ensslin (rainha), Luciane Fava Dal’Osto e Márcia Helena Sehn[29]
  • 1991: Fabiane Rathke (rainha), Ana Claudia Brandt e Andrea Schaeffer[29]
  • 1992: Felícia Froelich (rainha), Andréa Mundstock e Raquel Kauffmann[28]
  • 1993: não houve Oktoberfest[1]
  • 1994: Carolina Müller (rainha), Andréa Haeser e Luciane Hentschke[30]
  • 1995: Letícia Sulzbacher Fanfa Nunes (rainha), Viviane Gewehr e Aline Rocha[31]
  • 1996: Adriana Zanetti Rohr (rainha), Luana de Barros Silveira e Louizi Silva Leão[31]
  • 1997: Lize Isabel Düpont (rainha), Catiúscia Kaufmann e Talita Sulzbacher[32]
  • 1998: Cristina Schuh Kothe (rainha), Ana Paula Medina Konzen, Daiana Regina Konzen e Janine Baumgarten[32]
  • 1999: Fabiane Schünke (rainha), Cátia Luíza dos Santos e Tayná Boettcher[32]
  • 2000: Larissa Moritzen (rainha), Rose Beatriz Kuntz e Carolina Martin[32]
  • 2001: Raquel Caspary (rainha), Cristiane Waechter e Jaqueline Raffler[33]
  • 2002: Michele Mattheis (rainha), Elisa Trinks e Samanta Alves[34]
  • 2003: Maíra Assmann (rainha), Ana Paula Iser e Silvana Daniela Sehnem[34]
  • 2004: Rosana Hoffmann (rainha), Janine Pfaffenzeller e Diane Karina Assmann[35]
  • 2005: Vanessa Müller (rainha), Sílvia Rejane da Costa e Gabriela Sauer[36]
  • 2006: Flávia Fröhlich (rainha), Vanessa Zanette e Jane Sabin[37]
  • 2007: Naiara Pommerehn (rainha), Nicole Weber e Tamara Thom[38]
  • 2008: Janine Alves de Paiva (rainha), Deise Beatriz Neumann e Laura Helfer Hoeltgebaum[39]
  • 2009: Micheli Wrasse (rainha), Letícia Herberts e Mariana Moser Landesvatter[40]
  • 2010: Maíra Farinon (rainha), Cândida Elisa Severo e Sâmia Caroline dos Santos Souza[41]
  • 2011: Emily Dockhorn (rainha), Paula Fengler e Bruna Jeanine Molz[42]
  • 2012: Thainã d’Ávila dos Santos (rainha), Joana Aline Frantz e Rosimere Beatriz Voos[43]
  • 2013: Gabriela Rossa (rainha), Carolina Appel e Maria Helena Lersch[44]
  • 2014: Therry Hansen Jardim (rainha), Andressa Lupatini e Caroline Becker[45]
  • 2015: Djulia Marcy Simon (rainha), Jéssica Luiza Kessler e Fernanda Pedroso Hagemann[46]
  • 2016: Cíntia Aline Regert (rainha), Aíscha Garcia Schlittler e Ana Carolina Lau[47]
  • 2017: Milena Rachor (rainha), Thartieri Assmann e Mylena Gehrke[48]

Shows principais[editar | editar código-fonte]

Temas[editar | editar código-fonte]

Os mascotes Fritz e Frida estão presentes há várias edições da festa como símbolos do povo germânico tradicional.

Cada festa passou a receber um tema, começando na edição de 2005. Com o estabelecimento de um tema central, o material publicitário e muitas atrações são voltadas ao tema escolhido. Mesmo assim, as outras partes da festa continuam ativas e com suas atrações. Isso aconteceu em parte devido ao esforço de desconcentrar o evento em torno do consumo de bebidas alcoólicas, caracterizando-o como um evento cultural, centrado na valorização das tradições germânicas,[80] e aberto para toda a família.

  • 2005: Gastronomia[81]
  • 2006: Música[82]
  • 2007: Dança[62]
  • 2008: Tradições germânicas[83]
  • 2009: Nossa História − O Brilho Desta Festa até os Momentos Atuais: 25 Anos de Oktoberfest[84]
  • 2010: A força da mulher na imigração alemã[31]
  • 2011: Contando histórias: era uma vez...[42]
  • 2012: Trabalho, cooperação e fé[85]
  • 2013: Festejando nossas tradições[86]
  • 2014: Celebrando uma Herança Cultural[87]
  • 2015: Música, Dança e Integração[75]
  • 2016: Saberes e sabores da Tradição Alemã[88]
  • 2017: Arte, Tradição e Fé[89]

Dados[editar | editar código-fonte]

Dados da Oktoberfest de Santa Cruz do Sul
Edição Ano Público Cervejaria Litros de chope consumidos
1984 140.000[2] Antartica 63.500
1985 221.000[2] Brahma 109.000
1986 320.000[2] Brahma 120.000
1987 381.000[2] Brahma 147.000
1988 366.146[2] Brahma 160.000
1989 420.000[2] Brahma 346.406
1990 162.000[2] Brahma 208.000
1991 121.634[2] Brahma 115.4000
1992 127.000[2] Não disponível 28.851 [nota 1]
Não houve edição em 1993 por dificuldades financeiras
10ª 1994 194.000[2] Brahma, Antartica 115.000
11ª 1995 230.000[2] Brahma, Antartica 150.000
12ª 1996 282.600[2] Brahma, Antartica 155.000
13ª 1997 321.700[2] Antartica, Schincariol 177.200
14ª 1998 415.000[2] Antartica, Brahma 228.000
15ª 1999 385.000[2] Antartica, Brahma 211.000
16ª 2000 408.800[2] Antartica, Schincariol 220.000
17ª 2001 456.500[2] Antartica, Schincariol 246.500
18ª 2002 415.500[2] Ambev – Antarctica 265.900
19ª 2003 464.900[2] Brahma 210.000
20ª 2004 412.000[2] Kaiser, Heineken e Xingu 185.400
21ª 2005 376.100[2] Brahma 206.000
22ª 2006 422.100[2] Brahma 177.000
23ª 2007 445.300[2] Brahma 230.000
24ª 2008 455.000[2] Brahma 227.500
25ª 2009 Desconhecido Desconhecido Desconhecido
26ª 2010 140.400 pagantes[90] Brahma[91] Desconhecido
27ª 2011 152.300 pagantes
400.000 público geral[90]
Brahma Desconhecido
28ª 2012 134.100 pagantes[92] Desconhecido Desconhecido
29ª 2013 134.200 pagantes[93] Desconhecido Desconhecido
30ª 2014 138.300 pagantes[94] Desconhecido Desconhecido
31ª 2015 130.000 pagantes[95][96] Desconhecido Desconhecido
32ª 2016 160.000 pagantes[97] Ambev[nota 2][98] Desconhecido
33ª 2017 135.000 pagantes
380.000 público geral[97]
Brahma[10] Desconhecido

Ver também[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Teichmann, Suzana (2002). Desenvolvendo o turismo. resgate histórico da FENAF. Santa Cruz do Sul: EDUNISC. ISBN 8575780077 

Referências

  1. a b c Ribeiro, José Renato; Falkenback, Ronaldo (3 de março de 2011). «Polêmica e muitas dificuldades financeiras» (PDF). Santa Cruz do Sul. Gazeta do Sul (ano 67, nº 32): p. 6–7. Consultado em 3 de setembro de 2011 
  2. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y Ana Cristina dos Santos; Marcus André Bugs; Maria Luiza Rauber Schuster; Guido Ernani Kuhn (pesquisa). A História da Oktoberfest de Santa Cruz do Sul (RS) (PDF). Coordenação de Marketing da 26ª Oktoberfest e Feirasul. Guido Ernani Kuhn, Museu do Colégio Mauá. Santa Cruz do Sul: Tuta Comunicação/Gráfica Garten Sul. 52 páginas 
  3. a b «Oktoberfest & Feirasul 2001». Cópia arquivada em 25 de janeiro de 2002 
  4. «21ª Oktoberfest e 1ª Oktoberfeira». Cópia arquivada em 26 de outubro de 2005 
  5. Four Comunicação (16 de outubro de 2016). «Público da 32ª Oktoberfest é 20% superior ao do ano passado». Portal Gaz. Consultado em 30 de janeiro de 2017. Cópia arquivada em 19 de outubro de 2016 
  6. Teichmann 2002, pp. 9
  7. «Em 2005, valor da produção agrícola foi R$13,6 bilhões menor». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 22 de novembro de 2006. Consultado em 20 de agosto de 2013 
  8. Teichmann 2002, pp. Sumário
  9. «19ª Oktoberfest - Histórico da Oktoberfest». Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2007 
  10. a b «Cerveja artesanal na 33ª Oktoberfest». Oktoberfest Santa Cruz do Sul 
  11. «Feira das Cucas oferece diversos sabores do produto típico da festa». Gazeta do Sul. 10 de outubro de 2017 
  12. Certidão nº 3.119, fls. 151, 152, Lª 3-0. Registro de Imóveis, Poder Judiciário.
  13. Teichmann 2002, pp. 13
  14. Teichmann 2002, pp. 19
  15. Teichmann 2002, pp. 20
  16. «História». Prefeitura Municipal de Santa Cruz do Sul. Consultado em 20 de agosto de 2013 
  17. Teichmann 2002, pp. 21
  18. Gazeta do Sul (13 de dezembro de 1949).
  19. Teichmann 2002, pp. 26
  20. Teichmann 2002, pp. 31
  21. Teichmann 2002, pp. 81
  22. Teichmann 2002, pp. 33
  23. Teichmann 2002, pp. 49
  24. Teichmann 2002, pp. 75
  25. Teichmann 2002, pp. 95
  26. «Do kerb à Oktoberfest». Gazeta do Sul. 26 de maio de 2004. Consultado em 21 de outubro de 2007 [ligação inativa] 
  27. a b c «Concursos e beldades». Gazeta do Sul. 26 de maio de 2004. Consultado em 19 de outubro de 2007 [ligação inativa] 
  28. a b c Borowsky, José Augusto (11 de junho de 2011). «Escolha da rainha, história de 27 anos». Gazeta do Sul. Consultado em 20 de agosto de 2013 [ligação inativa] 
  29. a b «"Saiu na coluna social"». Gazeta do Sul. 26 de maio de 2004. Consultado em 21 de outubro de 2007 
  30. «Salões, templos do lazer». Gazeta do Sul. 26 de maio de 2004. Consultado em 21 de outubro de 2007 
  31. a b c Kuhn, Guido Ernani; Schuster, Maria Luiza Rauber (outubro de 2010). «A história da Oktoberfest». Consultado em 3 de setembro de 2011 
  32. a b c d «No tempo das turmas». Gazeta do Sul. 26 de maio de 2004. Consultado em 24 de outubro de 2007 
  33. «As sempre rainhas e princesas». Gazeta do Sul. 3 de outubro de 2003. Consultado em 3 de setembro de 2011 
  34. a b «Ana de Santa Cruz e do mundo». Gazeta do Sul. 26 de maio de 2004. Consultado em 21 de outubro de 2007 
  35. Kühn, Luiz Henrique (18 de outubro de 2004). «Acontecendo: nos salões da Oktoberfest». Gazeta do Sul. Consultado em 19 de outubro de 2007 
  36. Düren, Ricardo (18 de outubro de 2005). «Jantar na Bierhaus marcou o encerramento». Gazeta do Sul. Consultado em 24 de outubro de 2007 
  37. «A (nada) mole vida de rainha». Gazeta do Sul. 30 de setembro de 2006. Consultado em 3 de setembro de 2011 
  38. Appel Junior, Jansle (16 de outubro de 2007). «É hora de fazer um balanço da Festa da Alegria». Gazeta do Sul. Consultado em 21 de outubro de 2007 
  39. Nunes, Maria Luiza (5 de maio de 2008). «Janine é a nova rainha da Festa da Alegria». Gazeta do Sul. Consultado em 7 de maio de 2008 
  40. Gollmann, Simoni (6 de julho de 2009). «Micheli Wrasse é a nova rainha da Festa da Alegria». Gazeta do Sul. Consultado em 14 de julho de 2009 
  41. «Escolha das soberanas da 26ª Oktoberfest I». Portal GAZ. 18 de julho de 2010. Consultado em 3 de setembro de 2011 
  42. a b Treichel, Michelle (13 de junho de 2011). «Emily Dockhorn conquista a coroa da 27ª Oktoberfest». Gazeta do Sul. Consultado em 3 de setembro de 2011 
  43. Gularte, Jeniffer (9 de julho de 2012). «Thainã é escolhida a nova rainha». Gazeta do Sul. Consultado em 12 de julho de 2012 
  44. Rodrigues, Luana (15 de agosto de 2013). «Soberanas da Oktoberfest apresentam trajes de gala». Gazeta do Sul. Consultado em 20 de agosto de 2013 
  45. Rodrigues, Luana (9 de junho de 2014). «Therry, Caroline e Andressa são as novas soberanas da Oktoberfest». Portal Gaz. Consultado em 9 de junho de 2014. Cópia arquivada em 14 de julho de 2014 
  46. Spilimbergo, Juliana (15 de junho de 2015). «Djulia Simon é eleita a nova rainha». Gazeta do Sul. Consultado em 7 de julho de 2015. Cópia arquivada em 3 de março de 2016 
  47. «Cíntia, Aíscha e Ana Carolina são as soberanas da 32ª Oktoberfest». Portal Gaz. 15 de maio de 2016. Consultado em 30 de janeiro de 2017. Cópia arquivada em 20 de junho de 2016 
  48. «Soberanas da 33ª Oktoberfest participam do Show da Tarde». Gazeta do Sul. 5 de outubro de 2017 
  49. Muda em 86 o conceito da promoção. Gazeta do Sul (5 de outubro de 1990), suplemento especial, pg. 4.
  50. Apostando na diversão e na alegria acima de tudo. Gazeta do Sul (5 de outubro de 1990), suplemento especial, pg. 6.
  51. Shows e mais shows na 6ª edição da festa. Gazeta do Sul (5 de outubro de 1990), suplemento especial, pg. 8.
  52. Ulrich, Mauro (28 de setembro de 1991). A programação (definitiva) da Oktober. Gazeta do Sul, suplemento Gazeta S, pg. 5.
  53. Festa popular, músicos populares. Gazeta do Sul (9 de outubro de 1992), suplemento especial, pg. 10.
  54. Ingressos para Oktoberfest estão à venda no BB a partir de hoje. Gazeta do Sul (4 de outubro de 1995), pg. 3.
  55. Página 11 do suplemento especial sobre a Oktoberfest da Gazeta do Sul (7 de outubro de 1999)
  56. «Programação 2002». 18ª Oktoberfest de Santa Cruz do Sul. Consultado em 31 de janeiro de 2017. Cópia arquivada em 7 de dezembro de 2002 
  57. «Presidente diz que houve empenho para corrigir os erros do passado» (requer pagamento). Gazeta do Sul. 59 (208). 7 páginas. 1 de outubro de 2003. Consultado em 31 de janeiro de 2017 
  58. Assmann, Maíra (18 de outubro de 2004). «Enfim, o público ficou satisfeito». Gazeta do Sul. Consultado em 19 de outubro de 2007 
  59. Rocha, Ângela (31 de dezembro de 2005). «Oktoberfest reúne mais de 360 mil». Gazeta do Sul. Consultado em 24 de outubro de 2007 
  60. Ulrich, Mauro (14 de outubro de 2006). «CPM 22 sem firulas». Gazeta do Sul. Consultado em 21 de outubro de 2007 
  61. «Rock, pop e... sertanejo!». Gazeta do Sul. 6 de outubro de 2006. Consultado em 3 de setembro de 2011 
  62. a b Setúbal, Nero (17 de outubro de 2006). «A Oktoberfest 2007 vem aí». Gazeta do Sul. Consultado em 3 de outubro de 2007 
  63. «Oktober divulga resultado financeiro». Gazeta do Sul. 29 de dezembro de 2007. Consultado em 3 de setembro de 2011 
  64. a b «Oktoberfest espera por público de meio milhão». Gazeta do Sul. 21 de agosto de 2008. Consultado em 4 de outubro de 2008. Cópia arquivada em 10 de julho de 2015 
  65. Severgnini, Cristina (13 de outubro de 2008). «O domingo foi das crianças na Oktoberfest». Gazeta do Sul. Consultado em 14 de julho de 2009 
  66. Ulrich, Mauro (19 de junho de 2008). «Os shows da Oktober». Gazeta do Sul. Consultado em 19 de junho de 2008 
  67. Appel Junior, Jansle (3 de setembro de 2009). «Diversidade é a marca dos shows da Oktoberfest». Gazeta do Sul. Consultado em 12 de outubro de 2009 
  68. «Público deve superar 138 mil pagantes». Gazeta do Sul. 18 de outubro de 2010. Consultado em 7 de julho de 2015 
  69. Magalhães, Luane (10 de agosto de 2011). «27ª Oktoberfest já tem agenda de shows nacionais». ClicRBS Santa Cruz. Consultado em 11 de agosto de 2011 
  70. Patta, Roberto (18 de outubro de 2010). «Palco está pronto para receber as atrações». Gazeta do Sul. Consultado em 7 de julho de 2015 
  71. «Atrações musicais prometem agitar o público no evento». Gazeta do Sul. 2 de outubro de 2013. Consultado em 7 de julho de 2015 
  72. Rodrigo Kämpf e Mauro Ulrich (8 de outubro de 2013). «Tico Santa Cruz em Santa Cruz». Gazeta do Sul. Consultado em 7 de julho de 2015 
  73. «Veja quais são os shows nacionais da 30ª Oktoberfest e Feirasul». Portal Gaz. 29 de maio de 2014. Consultado em 9 de junho de 2014 
  74. «Oktoberfest anuncia os shows da sua 31ª edição». Portal Gaz. 1 de julho de 2015. Consultado em 7 de julho de 2015 
  75. a b Kämpf, Rodrigo (2 de julho de 2015). «Oktoberfest anuncia seus shows nacionais». Gazeta do Sul. Consultado em 8 de julho de 2015 
  76. «Alok é atração da noite eletrônica da Oktoberfest». Portal Gaz. 21 de junho de 2016. Consultado em 30 de janeiro de 2017. Cópia arquivada em 10 de julho de 2016 
  77. Four Comunicação (19 de agosto de 2016). «MC Livinho vai substituir Biel em show da Oktoberfest». Portal Gaz. Cópia arquivada em 9 de outubro de 2016 
  78. «Saiba quais são os shows nacionais da 32ª Oktoberfest». Portal Gaz. 1 de junho de 2016. Consultado em 30 de janeiro de 2017. Cópia arquivada em 3 de junho de 2016 
  79. Müller, Ana Cláudia (19 de abril de 2017). «Confira quais são os shows nacionais da 33ª Oktoberfest». Portal Gaz. Consultado em 20 de abril de 2017 
  80. «Projeto de captação de recursos para a 24ª Oktoberfest de Santa Cruz do Sul». Governo do Estado do Rio Grande do Sul. 9 de julho de 2008. Consultado em 30 de janeiro de 2017 
  81. Gollmann, Simoni (17 de outubro de 2005). «Oktoberfest recebeu 360 mil visitantes até sábado» (requer pagamento). Santa Cruz do Sul. Gazeta do Sul. 61 (226). 8 páginas. Consultado em 30 de janeiro de 2017 
  82. «Bons exemplos» (requer pagamento). Santa Cruz do Sul. Gazeta do Sul. 62 (225). 2 páginas. 16 de outubro de 2006. Consultado em 30 de janeiro de 2017 
  83. Rosa, Gilson R. da (15 de outubro de 2007). «Público da 23ª Oktoberfest ultrapassa 440 mil». Gazeta do Sul. Consultado em 15 de outubro de 2007 
  84. «Chuva prejudicou, mas não tirou o brilho da festa». Gazeta do Sul. 20 de outubro de 2008. Consultado em 12 de outubro de 2009 
  85. Ellwanger, Rozana (19 de abril de 2012). «Oktoberfest celebra trabalho, cooperação e fé». Gazeta do Sul. Consultado em 3 de maio de 2012 
  86. FOUR Comunicação (2 de outubro de 2013). «Caminhada abre nesta quarta a 29ª Oktoberfest e Feirasul». Portal Gaz. Consultado em 2 de outubro de 2013 
  87. «Começa hoje a 30ª edição da Oktoberfest de Sta. Cruz». Gazeta do Sul. 8 de outubro de 2014. Consultado em 8 de julho de 2015 
  88. «Saberes e sabores da Tradição Alemã». Portal Gaz. 5 de outubro de 2016. Consultado em 30 de janeiro de 2017. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2016 
  89. Corrêa, Heloísa (17 de outubro de 2016). «Oktoberfest celebrará "arte, tradição e fé" em 2017». Portal Gaz. Consultado em 30 de janeiro de 2017. Cópia arquivada em 21 de dezembro de 2016 
  90. a b «Público pagante da 27ª Oktoberfest ultrapassa 152 mil pessoas». Cópia arquivada em 18 de Fevereiro de 2017 /
  91. «Oktoberfest anuncia cerveja oficial». Jornal Arauto. 1 de julho de 2010 
  92. http://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/noticia/2013/10/com-desfile-tematico-oktoberfest-2013-termina-em-santa-cruz-do-sul.html
  93. «Balanço da 29ª Oktoberfest aponta resultado de R$ 454,5 mil». Cópia arquivada em 18 de Fevereiro de 2017 
  94. «Apresentado Balanço Financeiro da 30ª Oktoberfest». Cópia arquivada em 18 de Fevereiro de 2017 
  95. http://www.oktoberfestsantacruz.com.br/Noticias/111/Publico-da-32_-Oktoberfest-e-Feirasul-e-20-por-cento-superior-ao-do-ano-passado
  96. http://gaz.com.br/conteudos/regional/2015/10/26/60040-publico_pagante_da_31_oktoberfest_chega_a_130_mil_pessoas.html.php
  97. a b «Oktoberfest de Santa Cruz do Sul reúne 380 mil pessoas em 12 dias». G1. 15 de outubro de 2017 
  98. «Cervejas especiais são destaques no Biergarten da 32ª Oktoberfest». Oktoberfest de Santa Cruz do Sul 

Notas

  1. Mais 61.989 de cerveja
  2. Marcas Brahma Extra e Colorado

Ligações externas[editar | editar código-fonte]