Raça Negra

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com negros.
NoFonti.svg
Este artigo ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde junho de 2014).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Raça Negra
O grupo em apresentação em Taguatinga, DF
Informação geral
Origem São Caetano do Sul, SP
País  Brasil
Gênero(s) Pagode, pagode romântico, samba [1], indie
Período em atividade 1983 - atualmente
Gravadora(s) RGE
BMG
Universal Music
MD Music
Radar Records (Brasil)
Som Livre
Integrantes Luiz Carlos [1]

[2]
Fabinho César
Fernando Monstrinho
Fininho

Ex-integrantes Edson Café, Gabu, Paulinho͵ Fena, Irupê e Paulo Lima
Página oficial http://www.bandaracanegra.com.br/

O Raça Negra é um grupo de pagode formado na cidade de São Caetano do Sul em 1983. É um dos grupos pioneiros do desenvolvimento do pagode romântico, com um estilo de samba carregado de romantismo.

História[editar | editar código-fonte]

Com liderança do vocalista Luiz Carlos, seu início se deu na periferia da Zona Leste de São Paulo em 1983, com um trio. O grupo gravou seu primeiro disco (já com sete integrantes) em 1991, oito anos depois de ser criada. Lançando um disco a cada ano, emplacaram inúmeros sucessos como “Cigana”, “Doce Paixão” e “Cheia de Manias” e deu início à era do pagode, o samba paulista, que invadiria as rádios populares no início dos anos 90. Lançou mais de dezoito discos. O sucesso se manteve por boa parte da década e a banda chegou a ter o maior cachê cobrado por um show nacional na década de 1990.

Formaram o grupo "A Cor do Samba", mas como o nome acabou gerando piadas maldosas, por sugestão dos fãs que desde 1983 no bairro Vila Nhocuné, já acompanhavam o grupo em suas apresentações no Bar do Coalhada, deram a sugestão de banda Raça Negra, que assim passou a se chamar e emplacou nas paradas de sucessos. Aos poucos foram juntando os integrantes. A Banda Raça Negra tocava músicas de outros cantores em ritmo de samba. Os integrantes gravaram uma fita e foram em busca de gravadoras. Depois de algum tempo foram apresentados a RGE que se interessou pelo trabalho, gravando vários discos. No primeiro, lançado em 1991, fez sucesso a música Caroline, de Luiz Carlos, o que fez o grupo receber convites para se apresentar em programas de televisão do RJ e SP. A partir daí as propostas de shows aumentaram e o grupo passou a se apresentar em várias capitais do país.

O segundo LP foi em 1992, fez sucesso com as músicas ‘’É o amor’’ da dupla Zezé de Camargo e Luciano, ’’Pensando em você" e principalmente ‘’ Cigana’’ (que foi uma das mais tocadas no Brasil). No terceiro LP, do mesmo ano, vieram ‘’Será" de Renato Russo e "Cheia de Manias". O LP em 1993 foi marcado pelas músicas ‘’Ciúme de você‘’, ‘’Estou mal", ‘’Doce paixão’’ e ‘’Quando Te Encontrei‘’. A música de trabalho do álbum de 1994 foi uma regravação do Rock Brasileiro, ‘’Pro dia nascer feliz’’ de Cazuza, que levou o banda mais uma vez ao Top dos sucessos e a participar de uma campanha nacional que alertava a população quanto os perigos da AIDS.

A canção "É Tarde Demais" está no Guinness (livro dos recordes) como a música mais tocada em 1 único dia no mundo. Entrou para o Guines Book tendo 600 execuções da música É tarde demais em um único dia. O Raça Negra abriu as portas para o sucesso de muitos grupos que vieram depois deles e beneficiou muito a carreira desses grupos e cantores já existentes.

Reuniu 1 milhão e 500 mil pessoas em um único show para o dia dos trabalhadores em São Paulo (principalmente na época, um dos maiores públicos que já houve no Brasil e dos poucos não tão atrás de Rod Stewart no reveillon de 1994 em Copacabana; quando compareceram 3,5 milhões de pessoas [3]). Nos Estados Unidos, reuniu 700 mil pessoas em uma praça pública. Em Angola, na capital nacional Luanda, no Estádio da Cidadela; reuniu mais de 80 mil pessoas, em um show que durou mais de 4 horas. [4]

Em 1998 veio o nono LP e, em meados de 1999 o cd "Raça Negra Ao Vivo" pela gravadora Universal, voltando as paradas de sucesso com a canção "Deus Me Livre" (sucesso de Ataíde & Alexandre). Neste disco, a banda regravou alguns de seus sucessos "Estou mal" (Luiz Carlos e Antônio Carlos de Carvalho) e "Preciso dar um tempo (Luiz Carlos e Elias Muniz). Em 2002 a Banda Raça Negra em "Dueto" com Neguinho da Beija Flor, interpretou "Talismã" no disco, "Os melhores do ano III, da gravadora Índie Records. Neste mesmo ano foi lançado o livro "Velhas Histórias", memórias futuras, (Editora Verz de Eduardo Granja Coutinho. Neste livro o autor faz várias referências a banda e, neste mesmo ano, lançou o cd Raça Negra Samba Jovem Guarda, que teve a presença de Erasmo Carlos na faixa "O Bom" e foram inclusos vários sucessos da fase áurea da jovem guarda, todos em ritmos de samba. Em 2003, como convidado, Neguinho da Beija Flor, participa do disco "Duetos" no qual a Banda interpretou "Talismã". Neste mesmo ano, comemora-se 20 anos de carreira da Banda Raça Negra e foi lançado o cd "A vida por um beijo", disco que contou com oito composições inéditas de Luiz Carlos, entre elas, uma versão de "I Don’t want to talk about it" sucesso de Rod Stewart e liberada pelo próprio cantor, que na versão de Luiz Carlos ganhou o nome de "Vem me amar". Em 2004, foi lançado o DVD em Fortaleza patrocinado pela Universal, onde até então os artistas eram os principais responsáveis financeiramente pelo lançamento de seus DVDs.

Em 2009, surge então o novo trabalho da Banda Raça Negra, o CD "Boa Sorte" com músicas inéditas. Em 20 de janeiro de 2014, o ônibus em que grupo viajava tombou na BR-101, no município de Goiana, na Grande Recife; havia deixado seis músicos levemente feridos.[5]

Integrantes[editar | editar código-fonte]

Formação atual
  • Luiz Carlos [1] [2] (Voz e Violão)
  • Fabinho Cesar (pandeiro e violão)
  • Fernando (tantan)
  • Fininho (bateria)
  • Marcos França (saxofone)
  • Gina Garcia (back vocal)
  • Juliana Bandeira (back vocal)
Ex-integrantes
  • Fena (1983-2013)-(surdo)
  • Fabio Roberto -(1996-1999) (baixo)
  • Irupê (1991-2013)-(Saxofone e flauta)
  • Gabu (1991-1997) - (pandeiro)
  • Paulinho (1983-1999) - (baixo)
  • Edson Café (1992-2005) (Violão)
  • Marco Moisés (1991-1998) - (percussão)
  • Sérgio Cebolla Salles - (percussão geral, também percussionista de Tim Maia)
  • Agenor Antônio Goterra (pandeiro)

Discografia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Discografia de Raça Negra

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]