Os Cascavelletes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura o álbum homônimo do grupo, veja Os Cascavelletes (álbum).
Os Cascavelletes
Informação geral
Origem Porto Alegre, RS
País  Brasil
Gênero(s) Rockabilly
Psychobilly
Hard rock
Rock onanista
Período em atividade 19871991
2007 (Reunião)
Gravadora(s) Vórtex, EMI-Odeon, Indie
Afiliação(ões) TNT
Prisão de Ventre
Graforréia Xilarmônica
Cokeyne Bluesman Power Trio
Tenente Cascavel
Ex-integrantes Flávio Basso
Nei Van Soria
Luciano Albo
Alexandre Barea
Frank Jorge
Humberto Petinelli
Página oficial www.myspace.com/cascavelletes

Os Cascavelletes foram um grupo de rock and roll, formado em Porto Alegre, RS, com um tempo relativamente curto de duração, mas continua sendo muito influente até os dias atuais pela sonoridade peculiar e letras irreverentes, por vezes polêmicas.[1]

Foi um dos principais grupos locais dos anos 80, durante um período em que houve uma certa projeção entre alguns grupos gaúchos de rock, junto ao cenário nacional, bem como Nenhum de Nós, TNT, DeFalla, Garotos da Rua, Engenheiros do Hawaii e Os Replicantes.

Possuía múltiplas influências da cena roqueira desde os anos 50, tanto americana quanto inglesa, com destaque para o rockabilly, punk, blues, soul, country, speed metal etc. Assim adquirindo forte personalidade.

A banda caracterizava-se por temas geralmente ligados a sexo, drogas e rock 'n roll. Chegaram a ser rotulados pela imprensa como porno rock.

História[editar | editar código-fonte]

Os Cascavelletes surgiram em 1986, quando Flávio Basso (Voz e contrabaixo) e Nei Van Soria (guitarra e voz), ambos ex-TNT, juntaram-se a Frank Jorge (guitarra e voz) e Alexandre Barea (bateria). Existem várias teorias sobre o motivo referente a saída de Nei Van Soria e Flávio Basso do TNT. Uma delas seria pela divergência referente à sonoridade.

Em 1986 gravam a primeira demo, no estúdio de 8 canais da Fundação ISAEC, lançada pelo selo Vórtex, dos integrantes da banda punk "Os Replicantes", em Porto Alegre, sendo conhecida como a Demo Vortex. Através desta gravação, várias músicas memoráveis, como Morte Por Tesão, Pombo Surfista, O Dotadão Deve Morrer, Minissaia Sem Calcinha, A Última Virgem e Banana Split entre outras, entraram na programação da Ipanema FM, a principal responsável pela divulgação e disseminação do rock no estado do Rio Grande do Sul, durante aquele período.

Em 1987, junto com Júlio Reny & Expresso Oriente, Apartheid, Justa Causa e Prize, participaram da coletânea Rio Grande Do Rock em vinil no formato de LP, lançada no Brasil no inicio de 1988 pelo selo holandês SBK, mais tarde incorporado pela gravadora carioca EMI Odeon.

Ainda em 1988 é lançado o EP com oito canções, sete delas gravadas durante o horário disponibilizado pela SBK para a gravação das duas canções referentes à coletânea. O EP com o título homônimo ao grupo, foi gravado em 16 canais nos estúdios Castelnuovo em Caxias do Sul. Contendo algumas regravações da primeira demo, além de uma versão da então inédita Jessica Rose, gravada ao vivo em K7, 4 canais no Cine Teatro Presidente. Canções como "Estou Amando uma Mulher" e "Jessica Rose" fazem a banda alcançar visibilidade, e a versão da clássica Menstruada da então já extinta Prisão De Ventre de Autoria do Frank Jorge acrescentada de uma estrofe atribuída ao Flavio Basso, tem a execução censurada pelos órgãos de repressão da ditadura ainda vigentes na época... Ainda em 1988, durante a turnê de lançamento deste primeiro álbum, a banda passa a contar com a participação especial do então tecladista Cokeyne Bluesman, oriundo da também extinta banda Prize, com quem gravariam logo mais no lendário Estúdio Do Guti, na Barra Da Tijuca RJ, uma demo para o próprio selo SBK, contendo as canções que viriam a constar no próximo álbum Rock’A’ula. A demo com excelente qualidade de gravação, que a princípio ao contrário da Vortex não veio a público, é conhecida atualmente como a Demo Pré Rock’A’ula.

No início de 1989, nas dependências do Farm Studio, localizado numa fazenda agrícola situada no município de Valença, interior do Rio de Janeiro, ainda sob os domínio do selo SBK, assim que encerrou sua participação durante as sessões de gravação do que viria então a ser o álbum Rock’A’ula, Frank Jorge regressa, encerrando suas atividades referentes ao grupo, como previamente combinado, deixando assim para o trio Nei Van Soria, Flávio Basso e Alexandre Baréa e a equipe técnica, a incumbência de finalizar o trabalho e deixando o seu posto a cargo do Luciano Albo que já havia sido escolhido através de uma série de audições realizadas com auxílio da imprensa local etc. Neste álbum Além da brilhante atuação do Cokeyne Bluesman em várias das principais faixas, temos a participação do então Garotos Da Rua “King Jim” tocando saxofone na faixa 5 A Moto.

Rock'a'ula[2] acabou sendo lançado pela gravadora EMI-Odeon e trouxe à banda um certo reconhecimento em âmbito nacional, tendo uma das faixas "Nega Bombom", incluída na trilha sonora da novela Top Modelda Rede Globo.

Em 1991, é lançado um bolachão duplo, chamado "Homosexual/Sob um Céu de Blues", já contando com a participação dos novos integrantes, tornando-se assim um quinteto. A canção do lado B, “Sob Um Céu De Blues, mesmo não tendo o destaque merecido na época, com o passar dos anos se tornou uma canção de grande popularidade no âmbito regional a princípio.

Foram gravadas ainda durante és últimas sessões de estúdio entre 1990 e 1991 duas demos, com canções inéditas, conhecidas por Como Um Beija Flor, que fariam parte de um possível próximo álbum, que acabou por não se realizar pelo grupo ter se dissolvido.

Após a separação dos Cascavelletes, seus integrantes passaram a se dedicar a outros projetos, dentre os quais vários deles em colaboração mútua, carreiras solo etc., em alguns casos chegando a alcançar êxito e notabilidade tanto no âmbito regional, nacional e até internacional.

Em 2007 Os Cascavelletes se reuniram novamente com sua formação clássica para um show memorável de comemoração dos 10 anos da Pop Rock FM de Porto Alegre, tocando todos os sucessos, que são a influência direta no rock gaúcho e que os tornaram discografia básica do rock nacional.

Em 2008, há a formação da banda Tenente Cascavel, que reúne alguns integrantes dos Cascavelletes e do TNT, a qual desde então faz shows relembrando os maiores sucessos das 2 bandas. Sem Charles Master e Flávio Basso, 2 dos principais músicos, a banda perde em 2010 Frank Jorge, que retira-se da banda sem maiores justificativas à mídia. A Tenente Cascavel acaba sendo muito criticada por alguns dos fãs mais ferrenhos das 2 bandas como "projeto caça-níquel", onde não querem fazer música por prazer, mas sim juntar dinheiro a custa dos saudosos fãs. Apesar disso, fazem ótimos shows, com boa presença de palco, garantindo notável visibilidade no estado do Rio Grande do Sul.

Em 2016, alguns integrantes remanescentes da formação original foram recrutados, com a proposta de gravarem uma canção inédita, um vídeo clipe e consequentemente voltarem aos palcos, o que chegou a gerar uma certa expectativa, inclusive em alguns setores da impressa e do público em geral. Chegaram a gravar a bela ”Balada Para Flávio, de autoria e produzida pelo Nei Van Soria, que acabou sendo lançada como videoclipe, porém não creditada ao grupo e sim à carreira solo do compositor, causando constrangimento entre os envolvidos... O clipe começa com imagens de arquivo de Basso, para logo depois mostrar o músico falando sobre um possível filme sobre a história da banda.

– “Os cascavelletes são uma banda revolucionária”... O filme vai começar com o Nei tocando piano com uma cortina vermelha... Ou algo assim...

Formação[editar | editar código-fonte]

Formações:[editar | editar código-fonte]

1ª formação: (do inicio em 1986, até o lançamento do primeiro álbum em 1988).

Flavio Basso - voz e contrabaixo

Nei Van Sória - voz e guitarras

Frank Jorge - voz e guitarras

Alexandre Baréa - Bateria


2ª formação: (do lançamento do primeiro álbum em 1988, até o lançamento do segundo álbum em 1989).

Flavio Basso - voz e guitarras

Nei Van Sória - voz e guitarras

Frank Jorge - voz e contrabaixo

Alexandre Baréa - Bateria


3ª formação: (do lançamento do segundo álbum em 1989, até a gravação do bolachão ”Homosexual / Sob Um Céu De Blues em 1991).

Flavio Basso - voz e guitarras

Nei Van Sória - guitarras e voz

Alexandre Baréa - bateria


4ª formação: A partir da gravação do bolachão Homosexual / Sob Um Céu De Blues.

Flavio Basso - voz e guitarras

Nei Van Sória - guitarras e voz

Alexandre Baréa - bateria

Luciano Albo - contrabaixo

Cokeyne Bluesman - teclados


Discografia[editar | editar código-fonte]

Demo tapes
  • Vortex 1987
  • Pré Rock’A’ula 1989
  • Como um Beija-Flor 1990/91
Singles promocionais
  • Nega Bombom (1989)
  • Eu quis comer você (1989)
Álbuns de estúdio
Álbuns ao vivo
  • Ao Vivo no Ocidente (1988)
  • Ao Vivo em Santo Ângelo (1989)
  • Ao Vivo em Viamão (1991)
Participação em Coletâneas
  • Zona Mortal (1986) - com as músicas: "O dotadão deve morrer" e "Menstruada"
  • Rio Grande do Rock (1988) - com as músicas: "Estou amando uma mulher" e "Morte por tesão"
  • Top Model (Trilha Sonora da Novela da Globo) (1989) - com a música: "Nega Bombom"
  • A música de Porto Alegre - Rock (1993) - com a música: "Morte por tesão"
  • Gauleses Irredutíveis Merecem Aplauso (2011) - com a música: "Lobo da Estepe (Ao vivo em Viamão, 1991)"


Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Com quantos paus se faz rock'n'roll». Revista Bastião. Consultado em 1 de setembro de 2014 
  2. Álbum - Rock'a'ula

Ligações externas[editar | editar código-fonte]