Júpiter Maçã

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Gnome globe current event.svg
Este artigo é sobre uma pessoa que morreu recentemente.
Algumas informações relativas às circunstâncias da morte podem mudar a qualquer instante.

Editado pela última vez em 4 de fevereiro de 2016.

Júpiter Maçã
Flávio Basso em concerto
Informação geral
Nome completo Flávio Basso
Também conhecido(a) como Júpiter Maçã (Brasil)
Jupiter Apple (exterior)
Nascimento 26 de janeiro de 1968
Origem Porto Alegre, RS
País  Brasil
Data de morte 21 de dezembro de 2015 (47 anos)
Gênero(s) Rock and roll
Pós-punk
Rock psicodélico
Hard rock
Rock gaúcho
Electro rock[1]
Folk
Ocupação(ões) cantor, guitarrista, compositor
Instrumento(s) vocal, guitarra, violão
Período em atividade 1984–2015
Gravadora(s) Indie, Trama, Monstro Discos, Voiceprint Brazil, Elefant Records, Marquise 51
Afiliação(ões) TNT, Os Cascavelletes
Página oficial Site Oficial

Flávio Basso, também conhecido como Júpiter Maçã ou Jupiter Apple (Porto Alegre, 26 de janeiro de 196821 de dezembro de 2015[2] ), foi um cantor, compositor e cineasta. Referência fundamental do rock gaúcho[3] , foi fundador das bandas TNT e Os Cascavelletes, que influenciaram toda uma nova geração de bandas gaúchas dos anos 90 em diante[4] . Em carreira solo, foi reconhecido com um dos ícones da psicodelia brasileira[5] , ao trazer um novo grau de experimentalismo ao rock nacional, com o disco "A Sétima Efervescência", eleito pela revista Rolling Stone Brasil um dos "100 maiores discos da música brasileira"[6] .

Biografia[editar | editar código-fonte]

Origens, TNT e Cascavelletes[editar | editar código-fonte]

Flávio Basso nasceu em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, em 26 de janeiro de 1968, um "feriado Beatle, o meu dia de nascimento", como dizia o próprio. Iniciou nas artes de maneira autodidata, aos 13 anos, expressando-se "através da música com um violão"[7] .

Aos 17 anos, funda com os amigos Marcio Petracco (baixo), Felipe Jotz (bateria) e Charles Master (guitarra) o grupo TNT[8] , uma banda de rockabilly adolescente. Depois de convidar Nei Van Sória para assumir a guitarra, Basso ficaria apenas no vocal[9] . Falando principalmente de mulheres e suas desilusões amorosas, o TNT logo passou a lotar shows e ter boa execução nas rádios[10] .

O sucesso da banda chama a atenção do selo Plug, da gravadora BMG, que convida a banda em 1985 para gravar duas músicas para a coletânea Rock Grande do Sul, que apresentou o Rock Gaúcho ao mercado nacional[11] , nos anos 80. Entretanto, antes gravar o primeiro disco, devido a divergências musicais, Basso e Nei Van Sória deixam o TNT para fundar Os Cascavelletes, com Frank Jorge e Alexandre Barea.

Durante sua curta carreira, entre 1987 e 1992, Os Cascavelletes causaram furor pelo seu som irreverente e letras polêmicas. O lançamento do álbum Rock'a'ula pela gravadora EMI-Odeon em 1989 traz à banda um reconhecimento nacional, com a música "Nega Bombom" fazendo parte da trilha da novela Top Model, da Rede Globo.

A performance pautada pela tríade "sexo, drogas e rock 'n' roll" e as letras com referências pornográficas resultou em um estilo musical próprio, o chamado "porno rock"[12] , que influenciou bandas de rock no Rio Grande do Sul de 1990 em diante.

No início dos anos 90, Flavio ainda voltaria a integrar o TNT, excursionando e participando das gravações de dois singles independentes: "Você (isso me deixa insano)" e "Tá na Lona".

Carreira solo[editar | editar código-fonte]

Seu primeiro disco solo, A Sétima Efervescência (1997), é calcado nos moldes de The Piper at the Gates of Dawn, do Pink Floyd, com psicodelia e experimentação (e por um leve momento, um prenúncio de sua obra ulterior, o final de "Sociedades Humanóides Fantásticas", uma bossa-nova psicodélica). As músicas desse disco são grandes referências do rock gaúcho. Contém algumas fixadas no imaginário underground, como "Um Lugar do Caralho" (regravada por Wander Wildner no disco Baladas Sangrentas), "Eu e Minha Ex" (com a parceria de Marcelo Birck nos arranjos), "As Tortas e as Cucas" e "Essência Interior".

Após experimentar um grande sucesso com o lançamento desse disco, torna-se Jupiter Apple, compõe em inglês, e decide misturar bossa-nova e vanguarda. Muitos fãs não o entenderam, preferindo a psicodelia mais acessível de A Sétima Efervescência. Essa mistura inusitada está muito bem feita no seu segundo disco, Plastic Soda (1999). Ele começa com uma canção de nove minutos, "A Lad and a Maid in the Bloom", que define o caráter inovador do disco.

Em 2002 é lançado Hisscivilization, o disco mais ambicioso (e talvez incompreendido) de Jupiter Apple. Longas experimentações eletrônicas (destaque para "The Homeless and the Jet Boots Boy"), bossas elétricas e lounge, valsa, cítaras e moogs, condensados em momentos, ora de leveza, ora de paranóia. É seu disco mais hermético: se, para os que estavam acostumados com o rock and roll de Os Cascavelletes, a A Sétima Efervescência já era algo inesperado (psicodelia em doses cavalares), a reação causada pelos dois discos da fase Apple são ainda mais dramáticas.

Em 2006 era esperado o lançamento do disco Uma Tarde na Fruteira. Nele, o "Apple" volta a ser "Maçã", mas continua explorando o lado brasileiro e experimental, com músicas já eternizadas no subconsciente do underground porto-alegrense, como "A Marchinha Psicótica de Dr. Soup". Esse álbum pode ser considerado o mais acessível do autor. De certa forma, tudo que já foi composto pelo Júpiter está resumido neste disco: desde canções mod sessentistas, levezas jazz, baladas domingueiras à Bob Dylan com concretismos e timbres eletrônicos.

No dia 23 de novembro de 2011, Júpiter Apple gravou seu primeiro DVD ao vivo no Opinião, em Porto Alegre/RS. O show também marcou a inauguração da J.A.C.K. (Jupiter Apple Corporation and Kingdom).

Apoiado por sua banda, formada por Julio Sasquatt (bateria), Julio Cascaes (guitarra), Felipe Faraco (baixo) e Astronauta Pinguim (teclados), o show foi gravado em Porto Alegre, na noite da quarta-feira, 23 de novembro de 2011 no Bar Opinião. Com participações mais do que especiais de Nei Van Soria, Lucio Vassarath, Hique Gomes, Marcio Petracco, , Conjunto Bluegrass Porto-Alegrense, Clara Averbuck, Hamburg Black Cats e Bibiana Graeff, o DVD apresenta um registro de 20 canções que sintetizam a carreira de Jupiter Apple, mostrando hits de seus álbuns solo e também relembrando momentos dos tempos de TNT e d'Os Cascavelettes.[13]

Em 19 de Julho de 2012 caiu do segundo andar do prédio onde morava em Porto Alegre, ficando internado em de saúde regular no setor de traumatologia do Hospital de Pronto Socorro de Porto Alegre.[14]

Depois de quase 2 anos sem dar notícias aos fãs e ficar afastados dos palcos (após a queda), Júpiter, retornou e lançou, em julho de 2014, o DVD Six Colours Frenesi. O setlist completo do show tem 20 músicas, clássicos do Rock Gaúcho e mais de duas horas de show. O DVD possui uma versão de Lovely Riverside que conta com a participação do grupo Conjunto Bluegrass Porto-Alegrense. Em sua última fase como Júpiter Maçã ele passou a trabalhar seus lançamentos em forma de singles acompanhados de videclipes. O set-list completo do show tem 20 músicas, clássicos do rock Gaúcho e mais de duas horas de show[15] [16] [17] .

Em agosto de 2015 ele lançou os singles "Constantine's Empire" e "They're All Beatniks", anunciado por meio de seu perfil no Facebook, com a seguinte mensagem: 

"Nos últimos tempos ando numa fase low profile. As músicas nascem particulares, revelando o íntimo de um indivíduo que sempre interpretou diversos personagens. Desta vez venho nu, buscando inspiração na crueza e no concretismo das canções folks. Quis sobrepôr Júpiter Maçã, Júpiter Apple, Woody Apple, e a junção dessas cores resultou na simplicidade, músicas puras com uma sonoridade crua e singela. Estou em um momento antimaterialista, sem excessos, e quero me comunicar através de poemas musicas em violão e gaita de boca." 

Morte e legado[editar | editar código-fonte]

Em 21 de dezembro de 2015, Júpiter foi encontrado com fraturas na cabeça e caído no banheiro de sua residência[18] . O serviço de emergência foi acionado, mas o músico veio a falecer em sua casa.

Com a saúde frágil e em tratamento por conta de uma cirrose e de complicações devido ao uso de drogas, ele sofreu uma falência múltipla dos órgãos, de acordo com informação passada pelo Instituto Médico Legal à sua produtora Cida Pimentel[19] . De acordo com sua mãe, ele morreu após sofrer um infarto agudo do miocárdio durante o banho[2] .

Para Frank Jorge, parceiro da época d'Os Cascavelletes e também uma referência no rock gaúcho, Flávio Basso deixa um grande legado como compositor e como criador[20] : "um criador incansável, um cara que fugia totalmente dos lugares-comuns, da previsibilidade".

Discografia[editar | editar código-fonte]

Com o TNT[editar | editar código-fonte]

EP
  • Você me Deixa Insano/Tá na Lona (1993)
Participação em Coletâneas

Com Os Cascavelletes[editar | editar código-fonte]

Demo tapes
  • Vórtex Demo (1987)
  • Como um Beija-Flor - Demo Tape 1990-1991 (1991)
EP
Álbuns de estúdio
Álbuns ao vivo
  • Ensaio Geral Pré-Rock'a'ula (1989)
  • Ao Vivo no Ocidente (1988)
  • Ao Vivo em Santo Ângelo (1989)
  • Ao Vivo em Viamão (1991)
Participação em Coletâneas
  • Zona Mortal (1986) - com as músicas: "O dotadão deve morrer" e "Menstruada"
  • Rio Grande do Rock (1988) - com as músicas: "Estou amando uma mulher" e "Morte por tesão"
  • Gauleses Irredutíveis Merecem Aplauso (2011) - com a música: "Lobo da Estepe (Ao vivo em Viamão, 1991)"

Carreira solo[editar | editar código-fonte]

Álbuns ao vivo
  • Ao Vivo na Brasil 2000 FM - Júpiter Maçã e os Pereiras Azuis featuring Orgasmo Legal and much more!! (c/ Os Pereiras Azuis) (1995)
EP's
  • Nº 4 (A Marchinha Psicótica de Dr. Soup/Síndrome de Pânico/Mademoiselle Marchand) (2004)
  • A Marchinha Psicótica de Dr. Soup/Mademoiselle Marchand (2005)
  • Beatle George/Scotch and Coffee at Regent Street (2006)
  • Ano XII – Nº 3 – Incredible News!!! (Vivendo em Cidadelas/Lady Barret Jones) (2006)
  • Modern Kid/Calling All Bands (2011)
Álbuns de estúdio
Participação em Coletâneas
  • Segunda Sem Ley (1995) - com a música: "Orgasmo Legal"
  • Francis Picabia (1997) - com a música: "Being For The Benefit Of Mr. Kite"
  • Ipanema FM 15 anos [as 15 mais] (1998) - com a música: "Miss Lexotan 6 mg Garota"
  • Sul Music [Edição nº 77 da Revista Trip] (2000) - com a música: "Welcome to the Shade"
  • Brasil (2000) - com a música: "Plastic Soda"
  • Tolerância [Trilha Sonora do Filme] (2000) - com as músicas: "Apartment-Jazz One" e "Apartment-Jazz Two"
  • Muquifo Records Apresenta: COMP 01/02 (Orgânico/Sintético) (2001) - com a música: "(Apartment-Jazz One) Schlummern Bei Eine Zug Für Liverpool"
  • Wood & Stock: Sexo, Orégano e Rock’n’Roll [Trilha Sonora do Filme] (2006) - com as músicas: "Um Lugar do Caralho", "A Marchinha Psicótica de Dr. Soup", "Canção para Dormir", "Querida Superhist x Mr. Frog", "As Mesmas Coisas" e "The Freaking Alice (Hippie Under Groove)"
  • Que Viva Le Pop! (2006) - com a música: "Act not Surprise"
  • 13º Goiânia Noise Festival [Edição nº 22 da Revista Outracoisa] (2007) - com a música: "Beatle George"
  • Little Darla Has A Treat For You, V.25, Endless Summer 2007-08 (2008) - com a música: "The Homeless and The Jet Boots Boy"
  • Gauleses Irredutíveis Merecem Aplauso (2011) - com as músicas: "Down Myth Girl", "Hey Girl, What You're Gonna Do", "Aquarianas da Rua 20", "Cartas de Playground" e "Desconstruções do Acaso"
Bootlegs, inéditos e raridades[21]
  • Ao Vivo Na Rádio Atividade (1994)

"Woody Apple" apresenta 9 novas músicas numa fase de transição período pós-Cascavelletes/TNT com atmosferas folk nos estúdios da Rádio Atividade [SP], além de entrevista. Músicas: Rotina após Rotina, Doenças da Alma, Viva, Dinheiro (versão de Money/The Beatles) Menininho Órfão, Saudades do Brasil, Hora de Romper, Vou Fazer Amor e Eu Tô Chapado e Caidinho. Aqui se tem o primeiro registro oficial de Flávio Basso, atendendo pela alcunha de "Woody Apple", e segundo o próprio, esta gravação data de 93 ou 94, porém o certo, é que Júpiter Maçã nasceu no inverno de 1994.

  • Ao Vivo Rádio Brasil 2000 FM (1997)

Júpiter Maçã, acompanhado de Júlio Cascaes no baixo e Marcelo Gross na bateria, toca ao vivo no Programa Brasileiros e Brasileiras nos estúdios da Rádio Brasil 2000 FM de São Paulo. O material apresenta seis faixas e também tem entrevista. Músicas: As Tortas e As Cucas, O Novo Namorado, Flanged Sound, Pictures and Paintings, Miss Lexotan 6 mg Garota e I’m a Playmobil.

  • The Apartment-Jazz (1999)

Disco gravado em estúdio caseiro em São Paulo. Apresenta "prováveis" dez faixas até hoje não lançadas. Este disco foi finalizado antes do lançamento do Plastic Soda em Dezembro do mesmo ano.

  • Sugar Doors (2000)

Disco gravado em São Paulo apresentando doze faixas em versões de estúdio e também algumas "caseiras". Até hoje não foi lançado. Júpiter Maçã toca guitarra e canta, Ray-Z nas guitarras e Clayton Martin na bateria.

Singles
  • "Um Lugar do Caralho" (1997)
  • "Miss Lexotan 6mg Garota" (1997)
  • "Eu e Minha Ex" (1997)
  • "As Tortas e as Cucas" (1998)
  • "Querida Superhist x Mr. Frog" (1998)
  • "A Marchinha Psicótica de Dr.Soup" (2003)
  • "Beatle George" (2005)
  • "Síndrome de Pânico" (2007)
  • "Mademoiselle Marchand" (2007)
  • "Lovely River Side" (2007)
  • "Modern Kid" (2009)
  • "Gregorian Fish" (2009)
  • "Calling All Bands" (2010)[22]
  • "Gothic Love - Urban Blue" (2012)
  • "They're All Beatniks!" (2015)
  • "Constantine's Empires" (2015)[23]

Videografia[editar | editar código-fonte]

DVD Ao vivo
  • Six Colours Frenesi - Ao Vivo no Opinião (2014)
Video Clipes
  • As Tortas e as Cucas (1998), dirigido por Alex Sernambi e Júpiter Maçã
  • The Homeless and The Jet Boots Boy (2002), dirigido por Jupiter Apple e Tatá Aeroplano
  • A Marchinha Psicótica de Dr. Soup (2005), dirigido por Leonardo Bonfim
  • Síndrome de Pânico (2006)*
  • Modern Kid (2009), dirigido por André Peniche
  • Calling All Bands (2010), dirigido por Jupiter Apple, Clegue França e Rafael Syd
  • Mademoiselle Marchand (2011) - dirigido por Cisco Vasques
  • Gothic Love/Urban Blue (2012), dirigido por Roberto Panarotto
  • Exactly (2015), dirigido por Jupiter Apple e Lisa Propp
  • Civilization (2015), dirigido por Lisa Propp e Juliano Julot
  • They're All Beatniks (2015), imagens por Apple e Lisa captadas de celular editadas por Lucas Hanke

* Projeto inacabado. Possui um trailer no Youtube

Filmografia[editar | editar código-fonte]

  • Pescando Júpiter Segundo Huxley [compilação de shows, videoclipes, participações em programas de TV e entrevistas] (2001)
  • The Apartment Jazz (2001), dirigido por Jupiter Apple
  • Dumont (2001), dirigido por Jupiter Apple*
  • Jane's Nighmare (2015), dirigido por Jupiter Apple*

* Projetos inacabados

Formação da banda[editar | editar código-fonte]

Integrantes 2015[editar | editar código-fonte]

Influências[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Júpiter Maçã e Ticiano Paludo. Visitado em 02/10/2010.
  2. a b Morre em Porto Alegre aos 47 anos o músico Júpiter Maçã G1 (21 de dezembro de 2015). Visitado em 21 de dezembro de 2015.
  3. Redação UOL (21 de dezembro de 2015). Ícone do rock gaúcho, músico Júpiter Maçã morre aos 47 anos em Porto Alegre UOL Entretenimento: Música. Visitado em 13 de janeiro de 2016.
  4. Eduardo Guimarães da Silveira. Cascavelletes Whiplash. Visitado em 26/12/2015.
  5. Pedro Antunes e João Paulo Carvalho (21 de dezembro de 2015). Morre Júpiter Maçã, ícone da psicodelia brasileira, aos 47 anos Estadão Cultura Música. Visitado em 13 de janeiro de 2016.
  6. Alexandre Mathias (Outubro de 2007). A Sétima Efervescência - Júpiter Maçã (1996, Antídoto) Rolling Stone Brasil. Visitado em 13 de janeiro de 2016.
  7. Entrevista de Júpiter Maçã à Giulianna Correia TV Limão. Visitado em 28 de dezembro de 2015.
  8. Petaxxon Comunicação Online. Biografia de TNT Letras.com.br. Visitado em 28 de dezembro de 2015.
  9. Linha do tempo: de Flávio Basso a Jupiter Apple, a carreira do artista (O início da carreira) Zero Hora. Visitado em 28 de dezembro de 2015.
  10. MANN, Henrique. Som do sul - a história da música do Rio Grande do Sul no século XX. Porto Alegre: Editora Tchê, 2002, p. 90 e 91
  11. Rock: Anos incríveis Revista Superinteressante. Visitado em 28 de dezembro de 2015.
  12. Douglas Freitas, Gabriel Hoewell, Gilberto Sena. . "Com quantos paus se faz rock'n'roll". Revista Bastião. Visitado em 28 de dezembro de 2015.
  13. "Exageradamente poeta". Revista Bastião. Visitado em 1/9/2014.
  14. http://oglobo.globo.com/cultura/musico-jupiter-maca-internado-apos-cair-de-predio-5541250 JM cai de prédio e é internado no HPS.
  15. Gustavo Brigatti (1 de julho de 2014). "Six Colours Frenesi" registra Jupiter Apple no palco do Opinião.
  16. Luiz Cesar Pimentel (27 de outubro de 2014). Júpiter Apple está de volta! “Livre de químicas”, com DVD novo…exclusivo!.
  17. Diego Camargo (7 de julho de 2014). Jupiter Apple Release His First DVD.
  18. Morre aos 47 anos o músico gaúcho Júpiter Maçã Rolling Stone Brasil. Visitado em 22 de dezembro de 2015.
  19. Morre aos 47 anos o roqueiro Júpiter Maçã Correio do Povo. Visitado em 26 de dezembro de 2015.
  20. Jornal do Almoço (22 de dezembro de 2015). Fãs e familiares se despedem de Júpiter Maçã, considerado um ícone do rock gaúcho G1, RBS TV. Visitado em 28 de dezembro de 2015.
  21. http://www.senhorf.com.br/agencia/main.jsp?codTexto=4555
  22. Calling All Bands Os Armênios (07/06/2010). Visitado em 02/10/2010.
  23. Júpiter Apple - CONSTANTINE'S EMPIRES

Ligações externas[editar | editar código-fonte]