Vila Madalena (telenovela)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Vila Madalena
Informação geral
Formato Telenovela
Gênero Romance Suspense
Duração 50 min. aproximadamente
Criador(es) Walter Negrão
País de origem Brasil
Idioma original Português
Produção
Elenco Edson Celulari
Marcos Winter
Cristiana Oliveira
Maitê Proença
Herson Capri
Yoná Magalhães
Marcelo Faria
Fernanda Rodrigues
(ver mais)
Tema de abertura Diversos [1]
Transmissão original 8 de novembro de 19995 de maio de 2000
N.º de episódios 155

Vila Madalena é uma telenovela brasileira produzida pela Rede Globo e exibida no horário das 19 horas, entre 8 de novembro de 1999 e 5 de maio de 2000, em 155 capítulos, substituindo Andando nas Nuvens e substituída por Uga-Uga.[2] Foi a 59ª "novela das sete" exibida pela emissora.

Foi escrita por Walter Negrão, Júlio Fischer, Paulo Cursino, Vinícius Vianna, Ângela Carneiro, e Elizabeth Jhin. Contou com a colaboração de Thelma Guedes. Dirigida por Jorge Fernando, Roberto Naar, Fabrício Mamberti e Marcus Alvisi, com direção de núcleo de Jorge Fernando.

Teve Edson Celulari, Marcos Winter, Maitê Proença, Yoná Magalhães, Ary Fontoura, Laura Cardoso, Flavio Migliaccio, Luiza Tomé, Thierry Figueira, Carla Marins, Herson Capri e Cristiana Oliveira nos papéis principais.

Enredo[editar | editar código-fonte]

O casal Solano e Eugênia comemora boas notícias. Depois de seis meses sem trabalho, ele consegue um bico como caminhoneiro, levando uma carga para outra cidade. Enquanto ele tem a promessa de um emprego melhor, a mulher anuncia que está grávida. Ao mesmo tempo, outro casal, Roberto e Pilar, se encontra na porta da igreja para acertar os últimos detalhes do casamento, marcado para a próxima semana. Quando tudo parece alegria, a surpresa. A polícia descobre que a carga que Solano transporta é contrabando, e ele é preso e condenado a 17 anos de cadeia. Roberto também é preso porque, ao defender Pilar de dois marginais, causa, sem querer, a morte de um deles, que é acidentalmente atropelado diante da igreja.

Na penitenciária, Solano e Roberto se conhecem e se tornam amigos. Quando Solano é libertado sete anos depois, Roberto lhe entrega uma carta para Pilar. Solano conhece Pilar e os dois de apaixonam. Ainda assim, ele vai em busca de Eugênia e de seu filho e, quando a encontra, descobre que ela está casada com um antigo patrão, Arthur. Ela tem dois filhos com o novo marido mas ainda alimenta uma paixão por Solano.

O conflito tem a cidade de São Paulo como pano de fundo, destacando o glamour da Vila Madalena, com seu comércio alternativo, sua vida noturna, sua gente moderna e animada. É lá onde mora a família de Pilar: sua mãe Bibiana, uma artista plástica, e sua tia Margot, uma solteirona que tem uma loja de produtos esotéricos.

Outro núcleo importante se localiza em outra parte da Zona Oeste de São Paulo, onde mora a família de Solano: seus pais Ângelo e Deolinda, e os irmãos, o motoboy Zezito (o Cachorro Louco), e a doce Nancy (a sapatão).

Produção e curiosidades[editar | editar código-fonte]

Bairro de Vila Madalena

A princípio, a novela apresentou uma proposta inédita de abertura, com uma música diferente a cada capítulo. As músicas eram as que compunham a trilha sonora nacional da novela.[3]

As gravações externas foram feitas em São Paulo, e as cenas em estúdio, no Rio de Janeiro. Como locação foram utilizados restaurantes, lojas e bares conhecidos na Vila Madalena. A cidade cenográfica, construída no Projac, reproduzia uma vila real da Zona Oeste de São Paulo - onde morava a família de Solano -, e um beco onde funcionava uma firma de motoqueiros que faziam serviços de entrega. Moradores ilustres do bairro de Vila Madalena fizeram participações especiais na novela, como o pintor nordestino Ademir Martins; o chargista Paulo Caruso, que dava canjas ao piano todas as segundas-feiras no Bar Piratininga; o grupo Trovadores Urbanos, e o Palhaço Gargalhada.

Oscar Magrini, que interpretava Aricanduva, se desentendeu com a produção da novela, sendo demitido. O seu personagem fazia uma dupla cômica com Lilica, personagem de Betty Gofman, numa interessante trama paralela.[4]

O personagem de Solano, vivido por Edson Celulari, iria terminar a novela, voltando para sua esposa, Eugênia, personagem de Maitê Proença. No entanto, o público preferiu que Solano ficasse com Pilar (Cristiana Oliveira). Eugênia terminou a novela sozinha, cuidando dos negócios de seu segundo marido, Arthur (Herson Capri).

Para isso, o autor alterou o desfecho dos protagonistas, colocando em xeque o caráter de Eugênia. Solano descobriu que a ex-esposa havia tido um romance com Arthur, personagem de Herson Capri, o grande vilão da trama. Chegou-se a colocar em dúvida a paternidade do filho do casal, Lucas (Guilherme Vieira), estreando em novelas. No último capítulo, no entanto, veio a confirmação de que Lucas era mesmo filho de Solano.

Pela terceira vez em novelas, Maitê Proença e Herson Capri fizeram par romântico e não terminaram juntos. Isso já havia acontecido duas vezes. A primeira, em Guerra dos Sexos, novela de Sílvio de Abreu, exibida em 1983. E a segunda, em Felicidade, novela de Manoel Carlos, exibida em 1991.

Também pela segunda vez em novelas, Maitê Proença fez par romântico com Edson Celulari, sem no entanto, ficarem juntos no final. O mesmo aconteceu em Sassaricando, novela de Sílvio de Abreu, exibida em 1987.

Susana Werner estreava como atriz de novelas, na pele da personagem Beatriz (Bia).

Elenco[editar | editar código-fonte]

Edson Celulari interpretou o protagonista Solano.
Maitê Proença interpretou a protagonista Eugênia.
Herson Capri interpretou o antagonista principal Arthur.
Ator Personagem
Edson Celulari Solano Xavier
Maitê Proença Eugênia Junqueira
Herson Capri Arthur Junqueira
Cristiana Oliveira Pilar Ramirez
Marcos Winter Roberto Lopes
Carla Marins Nancy Xavier
Thierry Figueira Hugo Lopes
Yoná Magalhães Abigail Ramirez (Bibiana)
Ary Fontoura Elpídio Menezes (Seu Menez)
Rosamaria Murtinho Margot Ramirez
Laura Cardoso Deolinda Xavier
Flávio Migliaccio Ângelo Xavier
Luiza Tomé Raquel
Mário Gomes Donato
Betty Gofman Auxiliadora (Lilica)
Marcelo Faria José Xavier (Zezito / Cachorro Louco)
Fernanda Rodrigues Zuleika (Zu)
José de Abreu Viriato
Nívea Maria Adélia
Oscar Magrini Aricanduva
Susana Werner Beatriz (Bia)
Rosi Campos Marinalva
Roberto Bataglin Luiz
Cissa Guimarães Dalva
José Augusto Branco Dr. Meirelles
Luísa Thiré Nilda
Bruno Giordano Juarez Junqueira
Sílvia Bandeira Elvira
Fernando Almeida Alfredo
Larissa Queiroz Tamara
Ana Furtado Nina
Élcio Romar Valdir
Roberto Frota Valfredo
Rejane Goulart Mirtes
Jonas Mello seu Franco
Hilda Rebello dona Isaura
Luciano Vianna Fábio
Yeda Dantas Vanda
Leandro Ribeiro Badu
Joana Limaverde Marina
Ricardo Pavão Dr. Américo Novaes
Lina Fróes Dona Jurema
Murilo Elbas Sardinha
Daniel Marinho Gustavo (Guga)
Mônica Mattos Leda
Marcelo Barros Formiga
Kenya Costta Joana
Maria Carol Rebello Vilma (Vilminha)
Guilherme Vieira Lucas Junqueira Xavier
Nathalie Figueiredo Laura

Participações especiais[editar | editar código-fonte]

Ator Personagem
Helena Fernandes Luíza (Namorada de Roberto no final)
Antônio Abujamra Frederico Fellini
Fábio Junqueira Bruno
Marcelo Mansfield Walmir
Paula Hunter Gigi (amante de Donato)
Juliana Martins Carla
Marcélia Cartaxo Luciene (diarista de Eugênia)
Lígia Cortez Secretária de Arthur
João Acaiabe Delegado
João Bourbonnais Juiz
Tadeu de Menezes Porteiro do prédio de Raquel
Adalberto Nunes Xerife

Audiência[editar | editar código-fonte]

A trama estreou com 32 pontos; no segundo capítulo houve crescimento de audiência: foram registrados 35 pontos. No capítulo 82, exibido em 10 de fevereiro de 2000, a novela marcou 38 pontos, recorde de audiência até então. O último capítulo registrou 39 pontos de média. A média geral da novela é de 32 pontos. A novela foi razoavel, já que a meta era 35 pontos.

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

Nacional[editar | editar código-fonte]

Capa Maitê Proença

  1. Tô Saindo - Ana Carolina
  2. Bem Querer - Maurício Manieri
  3. LS Jack - LS Jack
  4. Paciência - Lenine
  5. Aquilo - Lulu Santos
  6. Eu Quero Ser Feliz - Paula Hunter
  7. Do Avesso - Vanessa Rangel
  8. Moto Boy - Pedro Luís e a Parede
  9. Resto de Mim - Maria Bethânia
  10. Sossego (Ao Vivo) - Os Paralamas do Sucesso
  11. Certas Coisas - Milton Nascimento
  12. Rebola na Boa - Mister Jam
  13. Enjoado Jungle - Márcio Tucunduva
  14. Profecias (Fim do Mundo) - Xuxa

Internacional[editar | editar código-fonte]

Capa: Thierry Figueira

  1. Could This Be Love - Jennifer Lopez
  2. You're My # 1 - Enrique Iglesias
  3. I Got a Girl - Lou Bega
  4. If I Let You Go - Westlife
  5. ¿Lo Ves? - Alejandro Sanz
  6. When You Say Nothing At All - Ronan Keating
  7. Even Though - Sugar Ray
  8. Blue (Da Ba Dee) - Eiffel 65
  9. Still Hurts - Giselle Haller
  10. If I Could Turn Back The Hands Of Time - Fab Nesstar
  11. El Arbi - Khaled
  12. What I Am - Victoria Newton
  13. Soy Yo - Luis Miguel
  14. I Knew I Loved You - Savage Garden
  15. Vuelva Corazón - Alexandre Flor

Referências

  1. http://coisasdenovela.pop.com.br/as-catorze-aberturas-de-vila-madalena/
  2. Alexandre Maron (7 de novembro de 1999). «A Vila Madalena que só a Globo vê». Folha de S.Paulo. Consultado em 26 de julho de 2015. 
  3. Vila Madalena Memória Globo
  4. Vila Madalena Teledramaturgia

Ligações externas[editar | editar código-fonte]