Renascer

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Renascer
Informação geral
Formato Telenovela
Gênero drama
romance
Duração 50 minutos
Criador(es) Benedito Ruy Barbosa
País de origem Brasil
Idioma original português
Produção
Diretor(es) Luiz Fernando Carvalho
Elenco
Tema de abertura "Confins", Batacotô e Ivan Lins
Exibição
Emissora original Rede Globo
Formato de exibição 480i (SDTV)
Transmissão original 8 de março – 13 de novembro de 1993
Episódios 213

Renascer é uma telenovela brasileira produzida pela Rede Globo, transmitida originalmente de 8 de março a 13 de novembro de 1993, em 213 capítulos, com o último capítulo reexibido no dia subsequente, 14 de novembro.[1][2][nota 1] Substituiu De Corpo e Alma e foi substituída por Fera Ferida, sendo a 47ª "novela das oito" exibida pela emissora.

Escrita por Benedito Ruy Barbosa, com colaboração de Edmara Barbosa e Edilene Barbosa, teve a direção de Emilio Di Biasi e Mauro Mendonça Filho e direção geral e núcleo de Luiz Fernando Carvalho.

Contou com as participações de Antônio Fagundes, Marcos Palmeira, Adriana Esteves, Tarcísio Filho, Marco Ricca, Taumaturgo Ferreira, Luciana Braga e Maria Luísa Mendonça.[1]

Enredo[editar | editar código-fonte]

A novela narra a saga de José Inocêncio, um fazendeiro da zona cacaueira de Ilhéus, na Bahia. Ao chegar à região onde vai fazer sua vida, finca um facão aos pés de um frondoso jequitibá. Este gesto passa a ser o símbolo de sua coragem e do sonho de se tornar eterno. Apaixona-se após o boi-bumbá passar por sua fazenda, casa-se com Maria Santa e torna-se pai de quatro filhos: José Augusto, José Bento, José Venâncio e João Pedro, o caçula, cujo nascimento é acompanhado da morte da mãe, por complicações durante o parto.

O fato faz com que Zé Inocêncio desenvolva um relacionamento de ódio com o filho. Essa desavença é que conduz todas as tramas da história. Elas se aceleram quando Inocêncio, já cinquentão, conquista e casa-se com a namorada de João Pedro, a jovem Mariana. Esta é neta do seu maior desafeto no passado, Belarmino, assassinado de forma misteriosa, com as suspeitas recaindo sobre o próprio Inocêncio.

Mas o Coronel, como é conhecido, tem um outro inimigo perigoso, Teodoro, seu vizinho, que trava uma luta pela posse de terras. Para piorar, João Pedro acaba casando-se com Sandra, filha de Teodoro.

Outro destaque da trama é o catador de caranguejos Tião Galinha, que, por causa da sua ingenuidade, acredita que o sucesso alcançado pelo coronel Zé Inocêncio se deve ao fato de ele ter criado um diabo dentro de uma garrafa, seu amuleto. Tião Galinha se agarra a essa ideia e transforma sua vida em um tormento, para desespero de sua esposa, a quitandeira Joaninha.

Produção[editar | editar código-fonte]

A telenovela marcou o retorno de Benedito Ruy Barbosa à Globo, depois do grande sucesso de Pantanal, na Manchete. Em meados de 1992, a Rede Globo chamou Benedito Ruy Barbosa de volta e ofereceu a ele uma vaga no horário nobre da emissora, para que ele escrevesse a história que ele quisesse. Benedito então resolveu escrever uma trama nos mesmos moldes de Pantanal: uma história rural e com locações reais. Desta vez o cenário escolhido foi Ilhéus, na Bahia[3].

Inicialmente cotada para substituir Pedra sobre Pedra em agosto de 1992, a telenovela foi adiada em alguns meses, entrando em seu lugar De corpo e alma e vindo só a estrear em março de 1993. Esse adiamento gerou um desfalque em boa parte do elenco escalado inicialmente[4]. Neste elenco desfalcado estavam Tarcísio Meira, Letícia Sabatella, Ângelo Antônio, Tadeu Aguiar, Andréa Beltrão e Sebastião Vasconcelos, entre outros[4].

Elenco[editar | editar código-fonte]

Ator/Atriz Personagem[5][1]
Antônio Fagundes José Inocêncio (Zé Inocêncio)
Marcos Palmeira João Pedro Inocêncio
Adriana Esteves Mariana Paiva Ferreira
Herson Capri Teodoro Gouveia
Osmar Prado Sebastião de Pádua (Tião Galinha)
Chica Xavier Inácia de Jesus Galvão
Patrícia Pillar Eliana Vieira
José de Abreu Eriberto Ramos
Luciana Braga Sandra Gouveia Martinez
Tarcísio Filho José Bento Inocêncio (Zé Bento)
Maria Luísa Mendonça Alcides Mota Gonzaga (Buba)
Marco Ricca José Augusto Inocêncio (Zé Augusto)
Regina Dourado Morena de Souza
Roberto Bonfim Diocleciano
Tereza Seiblitz Joana de Pádua (Joaninha)
Taumaturgo Ferreira José Venâncio Inocêncio (Zé Venâncio)
Paloma Duarte Maria Tereza Guedes ( Teca)
Jackson Antunes Damião Cunha
Isabel Fillardis Rita de Cássia Cunha (Ritinha)
Luiz Carlos Arutim Rachid
Eliane Giardini Iolanda Martinez (Dona Patroa)
Cláudia Lira Valquíria Pereira (Kika)
Cosme dos Santos Zinho Jupará
Leila Lopes Luciana Matos (Lu)
Ruy Rezende Bernardo
Íris Nascimento Lurdes (Lurdinha)
Clementino Kelé Jarbas
Mara Carvalho Aurora
Jackson Costa Padre Lívio
Oberdan Júnior Pitoco
Cassiano Carneiro Neno
Lamartine Ferreira Marcelo

Primeira fase[editar | editar código-fonte]

Ator Personagem
Leonardo Vieira Zé Inocêncio (jovem)
Patrícia França Maria Santa
José Wilker Belarmino
Fernanda Montenegro Jacutinga
Solange Couto Inácia (jovem)
Gésio Amadeu Jupará
Kadu Moliterno Rafael
Nelson Xavier Norberto
Cecil Thiré Delegado Olavo
Grande Otelo Seu Francisco
Jofre Soares Padre Santo
Cacá Carvalho Venâncio
Ana Lúcia Torre Quitéria
Leonardo Brício Diocleciano (jovem)
Cyria Coentro Morena (jovem)
Ana Maria Magalhães Marianinha
Betty Erthal Nena
Daniele Rodrigues Juliete
Rita Santana Flor
Pablo Sobral João Pedro (criança)
Toninho da Cruz Zinho Jupará (criança)
Bertrand Duarte Felipe

Exibição[editar | editar código-fonte]

A apresentação do último capítulo de Renascer fugiu dos padrões da Rede Globo. Devido à exibição de uma partida de futebol, metade do capítulo foi ao ar na sexta-feira, e a outra metade, no sábado. O último capítulo foi reprisado no domingo, na íntegra, após o Fantástico. A mudança se deu por conta da fase final do Campeonato Brasileiro daquele ano, que seria disputada na sexta-feira (12 de Novembro de 1993), às 21h30, por Internacional e São Paulo. Como o capítulo final tinha 80 minutos de duração, e não uma hora como os anteriores, não daria tempo de exibi-lo na íntegra. A direção da emissora, avaliando a importância da partida de futebol e da novela, optou por dividir o último capítulo em duas partes[6][7].

Foi reexibida pelo Vale a Pena Ver de Novo de 14 de agosto de 1995 a 1 de março de 1996, substituindo Pedra sobre Pedra e sendo substituída por Despedida de Solteiro, em 145 capítulos.

Foi reexibida na íntegra pelo Canal Viva de 7 de novembro de 2012 a 5 de setembro de 2013, substituindo Barriga de Aluguel e sendo substituída por A Próxima Vítima, às 16h15[8].

Outras mídias[editar | editar código-fonte]

No dia 11 de outubro de 2021 a novela de grande sucesso de Benedito Ruy Barbosa estreou no catálogo do globoplay[9]

Repercussão[editar | editar código-fonte]

Críticas[editar | editar código-fonte]

Segundo o livro Telenovela e representação social, a direção de Luiz Fernando Carvalho é considerada um dos marcos renovadores da estética do gênero nos anos 90. [10][11] Segundo a crítica Marilia Martins, raras novelas apresentaram no seu primeiro capítulo um trabalho de direção tão apurado e tão requintado quanto Renascer.[12][13]

O empresário da televisão José Bonifácio de Oliveira, o Boni, considerou a trama "bem estruturada pelo Benedito, com uma primeira fase primorosa e dirigida com maestria pelo Luiz Fernando Carvalho. O início era tão forte que tivemos que reduzir o número de capítulos, pois haveria possibilidade de rejeição da segunda parte da novela. Fernanda Montenegro fez uma belíssima participação especial com sua Jacutinga, e Maria Luisa Mendonça - a hermafrodita Buba - deu ao seu personagem uma força incomum." [14]

Audiência[editar | editar código-fonte]

A sua exibição original alcançou média geral de 60 pontos no IBOPE[15].

Trilha Sonora[editar | editar código-fonte]

Nacional Vol. 1[editar | editar código-fonte]

Renascer Nacional Vol. 1
Trilha sonora
Lançamento 1993
Gênero(s) Vários
Formato(s) LP, CD,K7
Gravadora(s) Som Livre
N.º TítuloMúsicaPersonagem Duração
1. "Dito e Feito"  Roberto CarlosDona Patroa 4:41
2. "Ai Que Saudade de Ocê"  Fábio JrRitinha e Damião 4:28
3. "Lindeza"  Caetano VelosoMaria Santa e José Inocêncio 2:49
4. "Só Pra Te Mostrar" (part. Herbert Vianna)Daniela MercuryBuba 3:20
5. "O Lado Prático do Amor"  Guilherme ArantesEliana 3:56
6. "Sport Time"  Sunshine OrchestraGeral 3:27
7. "Confins" (part. Ivan Lins)BatacotôExtratores de Cacau e Abertura 3:22
8. "Lua Soberana"  Sérgio MendesExtratores de Cacau 4:10
9. "Me Diz"  FagnerGeral 3:22
10. "Parabolicamará"  Gilberto GilLocução:Bahia 4:28
11. "De Volta Ao Começo"  Roupa NovaJosé Inocêncio 5:11
12. "Mentiras"  Adriana CalcanhottoMariana 2:59
13. "Em Nome do Amor"  Agnaldo RayolRachid 3:55
14. "To Aim"  Franco PeriniGeral 3:35

Nacional Vol. 2[editar | editar código-fonte]

Renascer Nacional Vol. 2
Trilha sonora de Vários Artistas
Lançamento 1993
Gênero(s) Vários
Formato(s) LP,CD, K7
Gravadora(s) Som Livre
N.º TítuloMúsicaPersonagem Duração
1. "Além da Última Estrela"  Maria BethâniaSandra 2:53
2. "Cheiro de Saudade"  Ney MatogrossoMorena 4:44
3. "Eu Quero Meu Amor"  Elba RamalhoGeral 2:37
4. "Romance"  14 BisTeca 3:55
5. "Lavrador"  Moraes MoreiraDamião 3:26
6. "Memórias(Patch Memory)"  Franco PeriniGeral 3:32
7. "Essa Tal Felicidade"  Tim MaiaZé Augusto 4:30
8. "Sete Desejos"  Alceu ValençaEliana e Damião 3:27
9. "Dois Corações"  Nana CaymmiJoão Pedro 4:12
10. "Palavra Acesa"  Quinteto VioladoTião Galinha 2:10
11. "Joaninha"  Ithamara KooraxJoaninha 2:45
12. "Renascer(Protection)"  Franco PeriniGeral 3:29

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Troféu APCA (1993)
  • Melhor novela
  • Melhor ator - Antônio Fagundes
  • Melhor ator coadjuvante - Osmar Prado
  • Melhor atriz coadjuvante - Regina Dourado
  • Revelação masculina - Jackson Antunes
Troféu Imprensa (1993)
  • Melhor novela
  • Melhor ator - Antônio Fagundes
  • Revelação do ano - Jackson Antunes

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. O último capítulo, que foi ao ar no dia 12 de novembro, foi "fatiado" em dois, devido à exibição de uma partida de futebol entre Flamengo e Botafogo pelo Campeonato Brasileiro, naquela sexta-feira. Uma parte do capítulo foi ao ar naquele dia e outra no sábado. No domingo dia 14, foi reapresentado na íntegra, depois do Fantástico.[1]

Referências

  1. a b c d e «Renascer». Teledramaturgia. Arquivado do original em 3 de setembro de 2018 
  2. «Renascer». Memória Globo 
  3. «'Renascer', de volta pelo GloboPlay, só aconteceu graças a 'Pantanal'». Telepadi. 2 de outubro de 2021. Consultado em 10 de outubro de 2021 
  4. a b «Novidade no Globoplay, Renascer teve várias mudanças em seu elenco». TV História. 9 de outubro de 2021. Consultado em 10 de outubro de 2021 
  5. «Renascer - Ficha técnica». Memória Globo. Globo.com. Consultado em 2 de fevereiro de 2018 
  6. «Globo decide transmitir último capítulo de Renascer só amanhã». TV Pesquisa. 12 de novembro de 1993. Consultado em 10 de outubro de 2021 
  7. «13 de novembro na história da TV: em 1993, último capítulo de Renascer». TV História. 13 de novembro de 2017. Consultado em 10 de outubro de 2021 
  8. Nilson Xavier (4 de setembro de 2012). «Canal Viva troca a estreia da novela "A Próxima Vítima" por 'Renascer'». UOL. Consultado em 10 de outubro de 2021 
  9. «'Renascer' estreia no Globoplay: Relembre novela com Antônio Fagundes e Marcos Palmeira». G1. Consultado em 11 de outubro de 2021 
  10. Jacob de Souza, Maria Carmen (2004). «Telenovela e representação social: Benedito Ruy Barbosa e a representação do popular na novela Renascer». E-papers. p. 219. ISBN 85-87922-90-4. Luiz Fernando Carvalho, um dos mais expressivos representantes contemporâneos dessa tendência autoral da direção de telenovela, fez de Renascer seu sucesso mais exemplar 
  11. Apolinário, Sônia (10 de março de 1993). «Diretor de Renascer não quer naturalismo». OGlobo. Consultado em 14 de abril de 2017 
  12. Marília Martins, "Luiz Fernando Carvalho é hoje um legítimo herdeiro da melhor vertente dos diretores de ficção na TV", em "Jornal do Brasil" (10 de março de 1993)
  13. Marília Martins (6 de novembro de 1993). «Renascer deu aula de direção». Jornal do Brasil. Consultado em 14 de abril de 2017 
  14. Oliveira Sobrinho, José Bonifácio (2011). O Livro do Boni. São Paulo: Casa da Palavra. p. 34. ISBN 978-85-7734-226-6. Novela bem estruturada pelo Benedito, com uma primeira fase primorosa e dirigida com maestria pelo Luiz Fernando Carvalho 
  15. «Aguinaldo Silva divulga lista das novelas com maior audiência da história». Revista Crescer. Consultado em 10 de outubro de 2021