Sérgio Mendes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde março de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Sérgio Mendes
Sérgio Mendes.jpg
Sérgio Mendes se apresentando em 2008.
Informação geral
Nome completo Sérgio Santos Mendes
Nascimento 11 de fevereiro de 1941 (73 anos)
Origem Niterói, RJ
País  Brasil
Gênero(s) Bossa nova
Samba,
Latin jazz
Latin pop
Lounge music
Soft rock
Smooth jazz
Instrumento(s) Piano
Período em atividade 1961 - atualmente
Outras ocupações Bandleader, pianista, arranjador, compositor, produtor musical
Gravadora(s) Capitol, Altantic, A&M, Elektra, Concord
Afiliação(ões) Sexteto Bossa Rio
The Sergio Mendes Trio
Brasil '65 ('66) ('77)
Página oficial http://www.sergiomendesmusic.com/

Sérgio Santos Mendes (Niterói, 11 de fevereiro de 1941) é um músico e compositor brasileiro de bossa nova.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Sérgio Mendes começou com o Sexteto Bossa Rio, gravando o disco "Dance Moderno" em 1961. Viajando pela Europa e pelos Estados Unidos, gravou vários álbuns com Cannonball Adderley e Herbie Mann, chegando a tocar no Carnegie Hall. Mudou para os EUA em 1964 e produziu dois álbuns sob o nome de "Brasil '64", com a Capitol Records e a Atlantic Records.

Foi nos EUA que começou o grupo Sérgio Mendes & Brasil 66, alcançando sucesso ao lançar a canção Mas que nada, de Jorge Ben Jor, em versão bossa nova.

Passou longo tempo no ostracismo, lançando discos que tiveram pouco sucesso comercial. Seu reencontro com o grande público se deu em 1984, com o lançamento do disco e sucesso Never gonna let you go, chegando a quarto lugar nas paradas. Pouco depois lançou o álbum Confetti, contendo entre outras músicas Olympia, feita para as Olimpíadas de 1984 em Los Angeles.

Nos anos 90, criou a banda Brasil 99, com a qual gravou o disco Brasileiro, que, além de levá-lo de volta às paradas de sucesso, lhe rendeu o Grammy de 1993 na categoria World Music. Tem mais de trinta discos lançados, e o mais recente deles conta com participações especiais de, entre outros, Stevie Wonder e Black Eyed Peas.

Pouca gente sabe, mas durante a época de pobreza de Harrison Ford, o ator que participou de filmes de mais de 100 milhões de dólares de bilheteria, foi carpinteiro de Sérgio Mendes.[1]

Discografia[editar | editar código-fonte]

  • Dance moderno (1961)
  • Quiet nights (1963)
  • Você ainda não ouviu nada. Sergio Mendes & Bossa Rio (1963)
  • The swinger from Rio (1964)
  • Bossa Nova York. Sergio Mendes Trio (1964)
  • Cannonbal's bossa nova with Bossa Rio (1964)
  • In person at El Matador-Sergio Mendes & Brasil' 65 (1964)
  • Brasil' 65. Wanda de Sah featuring The Sergio Mendes Trio (1965)
  • The great arrival (1966)
  • Herb Alpert presents Sergio Mendes & Brazil 66 (1966)
  • Equinox-Sergio Mendes & Brasil' 66 (1967)
  • Sergio Mendes favourite things (1968)
  • Look around-Sergio Mendes & Brasil' 66 (1968)
  • Crystal illusions-Sergio Mendes & Brasil' 66 (1969)
  • Fool on the Hill (1969)
  • Ye-me-lê. Sergio Mendes & Brazil' 66 (1970)
  • Live at Expo' 70. Sergio Mendes & Brazil' 66 (1970)
  • Stilness-Sergio Mendes & Brasil' 66 (1971)
  • País tropical-Sergio Mendes & Brazil' 77 (1971)
  • Raízes-Sergio Mendes & Brazil' 77 (1972)
  • Love music-Sergio Mendes & Brasil' 77 (1973)
  • In concert-Sergio Mendes & Brasil' 77 (1973)
  • Vintage 74-Sergio Mendes & Brasil' 77 (1974)
  • Sergio Mendes (1975)
  • Homecooking-Sergio Mendes & Brasil' 77 (1976)
  • Sergio Mendes & and the new Brasil' 77 (1977)
  • Brasil 88 (1978)
  • Pelé-trilha sonora do filme (1978)
  • Magic lady (1979)
  • Horizonte aberto (1979)
  • Sergio Mendes (1982)
  • Confetti. Opus (1985)
  • Brasil 86 (1986)
  • Arara (1989)
  • Brasileiro (1992)
  • Oceano (1996)
  • Timeless (2006)
  • Encanto (2008)
  • Bom Tempo Remix (2011)

Singles[editar | editar código-fonte]

O ano, seguido do título e da posição na parada americana.

  • 1966-Mas Que Nada - Billboard Adult Contemporary # 04 e Billboard Pop Singles #47
  • 1967-Night And Day - Billboard Pop Singles #82
  • 1968-Scarborough Fair - Billboard Pop Singles #16
  • 1968-The Fool on the Hill - Billboard Adult Contemporary #1 e Billboard Pop Singles #06
  • 1968-The Look of Love - Billboard Adult Contemporary #02 e Billboard Pop Singles #04
  • 1969-(Sittin' On) the Dock of the Bay - Billboard Pop Singles #66
  • 1969-Pretty World - Billboard Adult Contemporary #04 e Billboard Pop Singles #62
  • 1969-Scarborough Fair - Billboard Adult Contemporary #02
  • 1977-The Real Thing - Billboard Black Singles #51
  • 1979-I'll Tell You - Billboard Club Play Singles #09 e Billboard Black Singles #49
  • 1983-Never Gonna Let You Go - Billboard Adult Contemporary #01, Billboard Black Singles #28 e Billboard Pop Singles #04
  • 1984-Alibis - Billboard Adult Contemporary #05 e The Billboard Hot 100 #29
  • 2006-Mas Que Nada (re-gravação) - Billboard Hot Dance Music/Club Play #13
  • 2008-Mas Que Nada (r-mend club mix) - remix por DJ Renato Mendonça - Independente

Referências

  1. WELTMAN, Wladimir. Harrison Ford, o falso modesto. Isto É Gente. Endereço: http://www.terra.com.br/istoegente/13/reportagens/rep_harrisson.htm. Acesso em 01/05/2012.