Marisa Monte

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Marisa Monte
Marisa Monte - Ao Vivo (2012).jpg
Marisa em 2012.
Informação geral
Nome completo Marisa de Azevedo Monte
Nascimento 1 de julho de 1967 (49 anos)
Local de nascimento Rio de Janeiro, RJ
 Brasil
Gênero(s)
Ocupação(ões) Cantora, compositora, instrumentista, produtora musical
Instrumento(s) Vocal, violão, ukulele, piano, bateria, guitarra
Extensão vocal Soprano [1]
Período em atividade 1987 — presente
Gravadora(s) EMI (19891998)
Phonomotor Records (1999–presente)
Afiliação(ões) Tribalistas, Arnaldo Antunes, Carlinhos Brown, Erasmo Carlos, Nando Reis, Nelson Motta, Nasi, Arto Lindsay, Adriana Calcanhotto, Renato Russo, Seu Jorge, Cássia Eller, Rodrigo Amarante, Devendra Banhart, Lúcio Maia
Influência(s) Elis Regina, Elizeth Cardoso, Carmen Miranda, Roberto Carlos, Tim Maia, Caetano Veloso, Os Mutantes, Milton Nascimento, Jorge Ben, Gal Costa, Maria Bethânia
Página oficial MarisaMonte.com.br

Marisa de Azevedo Monte (Rio de Janeiro, 1 de julho de 1967) é uma cantora, compositora, instrumentista e produtora musical brasileira de música pop e samba. Marisa já vendeu mais de 10 milhões de álbuns e ganhou inúmeros prêmios nacionais e internacionais, incluindo quatro Grammy Latino, sete Video Music Brasil, nove Prêmio Multishow de Música Brasileira, cinco APCA e seis Prêmio TIM de Música. Marisa é considerada pela revista Rolling Stone Brasil como a segunda maior cantora do Brasil, atrás somente de Elis Regina. [2] Ela também tem dois álbuns (MM e Verde, Anil, Amarelo, Cor-de-Rosa e Carvão) na lista dos 100 melhores discos da música brasileira.[3]

Início[editar | editar código-fonte]

Nasceu no Rio de Janeiro, filha do engenheiro Carlos Saboia Monte e de Sylvia Marques de Azevedo Monte. Através do pai, descende da família Saboia, uma das famílias italianas mais antigas radicadas no Brasil.[4]

Estudou canto, piano e bateria na infância. Em 1982, participou do musical The Rocky Horror Show, dirigido por Miguel Falabella, com alunos do Colégio Andrews. Iniciou o estudo de canto lírico aos catorze anos.

Carreira[editar | editar código-fonte]

1987—1990: Início e primeiro álbum[editar | editar código-fonte]

Aos dezenove, mudou-se para Roma, na Itália, onde durante dez meses estudou belcanto. Após esse período, passou a fazer apresentações em bares e casas noturnas cantando música brasileira, acompanhada de amigos. Um desses espetáculos foi assistido pelo produtor musical Nelson Motta, que se tornou diretor do primeiro show no Rio de Janeiro após o retorno de Marisa, em 1987. O show Veludo Azul teve temporadas no Rio e em São Paulo e despertou o interesse das gravadoras.

Marisa Monte já fazia muito sucesso de público e crítica antes de ter o primeiro disco. Na época, Marisa foi convidada pela TV Manchete a gravar seu primeiro especial, que logo após foi lançado em dois formatos: LP e VHS, com o nome MM. A este disco com repertório eclético pertence o primeiro grande sucesso de Marisa, Bem Que Se Quis (versão de Nelson Motta para E Po' Che Fa do compositor italiano Pino Daniele), que foi executada exaustivamente nas emissoras de rádio brasileiras e fez parte da trilha sonora da novela da Rede Globo O Salvador da Pátria, de Lauro César Muniz (1989). Este álbum vendeu 500 mil cópias, um sucesso para uma artista estreante no Brasil. O disco está na lista dos 100 melhores discos da música brasileira feita pela revista Rolling Stone Brasil na posição #62.

1991—1996: Desenvolvimento artístico[editar | editar código-fonte]

Marisa Monte

Em 1991, Marisa Monte lançou o segundo álbum, intitulado Mais, através da EMI. As críticas positivas, afirmando que a cantora tinha amadurecido do álbum anterior, introduziu-a no mercado internacional, sendo este o seu primeiro disco autoral. Este disco vendeu ainda mais que o anterior e produziu a faixa "Beija Eu", classificada como uma das melhores músicas pop brasileiras, em pesquisa realizada pelo jornalista Zeca Camargo através do Portal G1[5] figurando a vigésima sexta posição. Em 1994, lançou o terceiro álbum, Verde, Anil, Amarelo, Cor-de-Rosa e Carvão. Produzido por Arto Lindsay, mesmo produtor do anterior, e co-produzido pela própria cantora, foi muito bem recebido por crítica e público, sendo considerado o melhor da carreira da cantora. Entre as canções lançadas está o single "Segue o Seco", que ganhou cinco MTV Video Music Brasil 1995, nas categorias Melhor Videoclipe do ano, Melhor Videoclipe de MPB, Melhor direção de Videoclipe, Melhor fotografia de Videoclipe e Melhor edição de Videoclipe. As vendas de Verde, Anil, Amarelo, Cor-de-Rosa e Carvão chegaram a marca de 1 milhão de cópias.[6] Este disco está na lista dos 100 melhores discos da música brasileira na posição #87.

  • Em 1996, Marisa lançou Barulhinho Bom - Uma Viagem Musical, seu primeiro álbum duplo. O trabalho traz o registro ao vivo de alguns sucessos dos trabalhos anteriores, além de canções inéditas, gravadas em estúdio. Barulhinho Bom também provocou grande polêmica pela capa, um desenho do artista pornô-naif Carlos Zéfiro, que foi censurado ao ser lançado nos EUA. Este CD marcou uma aproximação maior de Marisa com diversas escolas e gerações do samba carioca. No mesmo ano, ela abre sua editora a Monte Songs Edições Musicais Ltda.

1998—1999: Conquista de independência musical[editar | editar código-fonte]

Em 1998, conquista sua independência musical ao comprar todas as fitas matrizes de suas músicas, desde seu álbum de estréia até Barulhinho Bom. Além disso, abre seu próprio selo, a Phonomotor Records, com distribuição da gravadora EMI.[7] Como produtora, atua em Omelete Man (1998), segundo disco de Carlinhos Brown e colabora com a cantora cabo-verdeana Cesária Évora em seu disco Café Atlantico, produzindo a faixa É Doce Morrer No Mar, na qual também participa fazendo um belo dueto. Em 1999, apresenta-se também ao lado da Velha Guarda da Portela, tendo produzido e participado do CD Tudo Azul.[8]

2000—2001: Carreira musical consolidada[editar | editar código-fonte]

Em 2000 Marisa lança o disco Memórias, Crônicas e Declarações de Amor, trabalho centrado no tema amor e muito aclamado pela crítica. Trabalhando juntamente com Arnaldo Antunes, Cury, Carlinhos Brown, entre outros. Com ele, Marisa ganha um Disco de Diamante, concedido pela venda superior a 2 milhões de cópias no Brasil. Este álbum foi puxado pelo hit "Amor I Love You", música mais tocada do ano de 2000 que rendeu um MTV Video Music Brasil 2000 na categoria Melhor Videoclipe de MPB. Teve cinco indicações: Melhor Website de Artista, Videoclipe do Ano, Melhor Fotografia em Videoclipe, Melhor Direção de Arte em Videoclipe e Melhor Direção em Videoclipe. No mesmo ano, Marisa inicia sua quarta tour mundial Memórias, Crônicas e Declarações de Amor Tour. A turnê teve 150 shows e durou mais de um ano.

O álbum ganhou vários prêmios, sendo o mais importante deles um Grammy Latino na categoria Melhor Álbum de Pop Contemporâneo Brasileiro. Além disso, a faixa "Amor I Love You" foi indicada como Melhor Canção Brasileira. O clipe "O Que Me Importa" ganhou ainda o MTV Video Music Brasil 2001, na categoria Melhor Videoclipe de MPB. O álbum ganhou ainda dois Prêmio Multishow de Música Brasileira.

Em 2001, Marisa lança o DVD gravado ao vivo no Rio de Janeiro, com um orçamento de 1,5 milhão de reais.[9] Para divulgar o DVD, a sua gravadora lança um EP com duas faixas, incluindo a então inédita "A Sua", uma das mais tocadas de 2001, que ajudou o DVD a se tornar um sucesso de vendas. Após vender mais de 100 mil cópias, o DVD obteve o certificado de diamante.

2002—2003: Tribalistas[editar | editar código-fonte]

Marisa Monte

Em Novembro de 2002 a cantora lançou seu sexto álbum, em parceira com Arnaldo Antunes e Carlinhos Brown, trio que adotou o nome de Tribalistas. O álbum foi gravado entre 8 e 24 de abril daquele ano no estúdio na casa de Marisa no Rio de Janeiro. A venda do CD alcançou a marca de 1,5 milhão de cópias no Brasil e mais de 1 milhão no resto do mundo. O DVD também foi um grande sucesso. Nele, o trio registrou a gravação do disco. Todas as canções lançadas atingiram o sucesso rapidamente, principalmente "Já Sei Namorar" - hit de 2002, "Velha Infância" - hit de 2003, e "É Você", trilha sonora da novela Da Cor do Pecado (2004), da Rede Globo.

O curioso é que o trio apenas tocou juntos três vezes: no Grammy Latino, no DVD Ao Vivo no Estúdio de Marisa Monte e em uma ocasião no Sarau do Brown, o único show que foi aberto ao público. Além disso, eles só concederam uma entrevista, no site oficial do grupo. Em 2003, o trio ganhou o Grammy Latino de Melhor Álbum de Pop Contemporâneo Brasileiro. Além disso, o disco recebeu outras três indicações, nas categorias Gravação do Ano e Melhor Canção Brasileira para "Já Sei Namorar" e Álbum do Ano.

2006—2009: Retorno depois de seis anos[editar | editar código-fonte]

Marisa Monte em 2007, durante uma apresentação da Tour Mundial Universo Particular

Três anos e meio após o lançamento de Tribalistas e seis anos após seu último disco solo, Marisa voltou ao cenário musical no primeiro semestre de 2006, quando lançou simultaneamente dois discos: Infinito Particular e Universo ao Meu Redor, o primeiro dedicado a canções inéditas Pop, feitas em parceria com Arnaldo Antunes, Carlinhos Brown, Pedro Baby, Seu Jorge, entre outros. O segundo com um repertório de Samba, incluindo canções inéditas e regravações de D. Yvone Lara, Moraes Moreira, Argemiro Patrocínio, entre outros. Cada disco vendeu 450 mil cópias, o que fez Marisa ultrapassar a marca de 10 milhões de discos vendidos no Brasil. Isso fez a artista entrar para lista de recordistas de vendas no Brasil.

No mesmo ano, Universo ao Meu Redor ganhou o Grammy Latino de Melhor Álbum de Samba ou Pagode. Além disso, Marisa recebeu duas outras indicações para o Grammy Latino: Melhor Álbum de Pop Contemporâneo Brasileiro para "Infinito Particular" e Melhor Canção Brasileira para "O Bonde do Dom".

Ainda em 2006, a artista inicia sua quinta turnê mundial, Universo Particular, que durou quase dois anos, e gerou o documentário Infinito ao Meu Redor. O DVD registra os dois anos de trabalho de Marisa, desde o lançamento dos discos até o fim da turnê, mostrando os bastidores com viagens, ensaios, relação dos fãs com seu trabalho e alguns registros dos shows, que também foram lançados em um CD bônus no mesmo estojo do DVD. É neste disco que foi lançada a música "Não é Proibido", incluída na trilha sonora da novela global, Três Irmãs.

O ano de 2008 marcou a estreia de Marisa como produtora de cinema. É que neste ano é lançado o filme "O Mistério do Samba", que retrata a história e o cotidiano dos integrantes da Velha Guarda da Portela e o trabalho de pesquisa de Marisa no resgate de composições quase esquecidas e que existiam apenas na tradição oral, já que os antigos bambas não tinham o costume de registrá-las. Esse filme fez parte da seleção oficial do Festival de Cannes. "O Mistério do Samba", lançado nas salas de cinema em 2008, foi lançado também em DVD em 2009. Além disso, a faixa "Não é Proibido" recebeu uma indicação ao Grammy Latino em 2009, na categoria Melhor Canção Brasileira.

2011—2013: "O Que Você Quer Saber de Verdade" e a sexta turnê[editar | editar código-fonte]

Cinco anos após seus dois últimos discos solo, em outubro de 2011 foi lançado o nono álbum de sua carreira: O Que Você Quer Saber de Verdade, sendo o oitavo álbum da cantora que debutou em primeiro lugar na posição de discos mais vendidos no Brasil. "Ainda Bem", o primeiro single, recebeu críticas geralmente positivas e ganhou um clipe contando com a participação especial do lutador Anderson Silva. O disco foi produzido pela própria Marisa, e co-produzido pelo seu parceiro de anos, Dadi Carvalho. As faixas do álbum foram compostas com novos e antigos parceiros, como Arnaldo AntunesCarlinhos Brown e Rodrigo Amarante, integrante da banda Los Hermanos, que também canta com Marisa em uma das faixas, além de uma regravação de Jorge Ben Jor e uma versão da canção "El Panuelito" feita por Haroldo Barbosa.

Começando em Curitiba em junho de 2012, a tour mundial "Verdade, Uma Ilusão" traz Marisa de volta aos palcos cantando novos e velhos sucessos de seu repertório. A turnê foi encerrada após 1 ano e meio, em dezembro de 2013, com 116 apresentações.

Em agosto de 2012, ela participou da Cerimônia de encerramento dos Jogos Olímpicos de Verão de 2012 para apresentação formal dos Jogos Olímpicos de Verão de 2016 no Rio de Janeiro. Ela cantou um trecho da Ária Cantilena de Villa-Lobos (retirada da Bachiana Brasileira nº 5) interpretando a rainha do mar Iemanjá, e "Aquele Abraço" com BNegão e Seu Jorge.

Em 20 de novembro de 2013, a cantora participou de um show ao lado de Caetano Veloso. Intitulado Somos Todos Amarildo, toda a renda obtida foi revertida ao Instituto de Desenvolvimento e Direitos Humanos. O show foi feito com o intuito de dar mais visibilidade ao caso do desaparecimento do ajudante de pedreiro Amarildo Dias de Souza e de dar oportunidade para mais pessoas ajudarem na causa. Durante o show, Marisa cantou: Vide Gal, Gentileza, Dança da Solidão, Pale Blue Eyes (em homenagem ao recentemente falecido Lou Reed), Vilarejo, Carnavália, Eu Sei e A Menina Dança sozinha e Cajuína, Lua, Lua, Lua, Oração ao Tempo, e De Noite na Cama dividindo os microfones com Caetano, além de realizarem um cover de Canta, Canta, Minha Gente (de Martinho da Vila). [10] O espetáculo foi apresentado no Circo Voador, casa de shows localizada no Rio de Janeiro e terminou em dezembro de 2013.

2014-presente: Coleção[editar | editar código-fonte]

Pouco antes do lançamento oficial do DVD "Verdade Uma Ilusão", foram divulgados singles promocionais como "Ilusão" e "Verdade, Uma Ilusão". Em 17 de abril de 2014 a capa e o título do DVD (Verdade, Uma Ilusão Tour 2012/2013) foram divulgados pela cantora em seu Facebook oficial. O último DVD da cantora foi lançado em maio de 2014 em uma sessão de cinema exclusiva para fãs no Cine Leblon, no Rio de Janeiro. Após a exibição do DVD, Marisa apareceu de surpresa no cinema, conversou com a plateia e respondeu a algumas perguntas enviadas por fãs pelo Instagram.[carece de fontes?]

A versão em CD de Verdade, Uma Ilusão recebeu, ao final de 2014, uma indicação ao Grammy Latino, na categoria Melhor Álbum de MPB, sendo a primeira indicação da cantora em 5 anos. A sua última indicação foi em 2009 pela canção Não É Proibido.[11] Em 20 de novembro de 2014, a cantora venceu a disputa e levou o prêmio.[12]

Em março de 2016, a cantora recusa um convite para se apresentar com os velhos parceiros Carlinhos Brown e Arnaldo Antunes na cerimônia de abertura das XXXI Olimpíada, que acontecerão em agosto.

O disco mais recente da cantora, Coleção, foi lançado em abril de 2016 e é a primeira compilação da cantora, que sempre se mostrou avessa ao formato. O disco traz em seu repertório músicas que a cantora gravou para trilhas sonoras ou projetos pouco conhecidos fora da carreira principal. O primeiro single de Coleção, uma releitura de Nu com a minha música (de Caetano Veloso), cantada em trio com Rodrigo Amarante e Devendra Banhart, foi lançado no dia 01 de abril do mesmo ano. [13]

Em novembro de 2016 é lançado o disco Silva Canta Marisa, do capixaba Silva. O disco é uma homenagem à cantora fluminense, que participa como autora e artista convidada de uma das faixas, Noturna (Nada de novo na noite).

Sucessos nacionais e trilhas sonoras[editar | editar código-fonte]

Entre as gravações mais representativas da carreira de Marisa Monte, seu maiores sucessos são: "Bem Que Se Quis", "Beija Eu", "Segue o Seco", "Amor I Love You", "A Sua", "Já Sei Namorar", "Velha Infância", "Não é Proibido". Muitas de suas músicas foram inclusas em trilhas sonoras de novelas, sendo no total 24 músicas. Em 2012, três canções do último disco (O Que Você Quer Saber de Verdade), entraram para trilha sonora de novelas da Rede Globo: "Depois", tema do casal Nina (Débora Falabella) e Jorginho (Cauã Reymond) em Avenida Brasil, "Ainda Bem", tema do casal Carlos (Gabriel Braga Nunes) e Miriam (Letícia Persiles) em Amor Eterno Amor e "Aquela Velha Canção", tema da personagem Roberta Leone (Glória Pires) em Guerra dos Sexos. Já em 2014, a música "Ilusão", antes mesmo de ser lançada oficialmente em CD/DVD, foi tema do casal Heloísa (Flávia Alessandra) e Thomaz (Alexandre Borges) em Além do Horizonte.

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Marisa tem três irmãs: Lívia, Letícia e Carolina. Letícia é casada com o produtor e diretor Luiz Buarque de Hollanda [14]. Carolina, a mais nova, é DJ e engenheira de áudio.

Marisa foi casada com Pedro Bernardes, músico, e dessa união tiveram um filho, Mano Wladimir, nascido em 17 de dezembro de 2002. Marisa também é mãe de Helena, nascida em 3 de novembro de 2008, de seu casamento com Diogo Pires, seu atual marido.

Discografia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Discografia de Marisa Monte

Turnês[editar | editar código-fonte]

Turnê Ano Lançamentos
Veludo Azul Tour 1987/1988
MM Tour 1989/1990 CD MM/DVD MM Ao Vivo
Mais Tour 1991/1992 DVD Mais
Cor-de-Rosa e Carvão - Uma Viagem Musical 1994/1996 CD Barulinho Bom/DVD Barulinho Bom
Barulhinho Bom Ao Vivo 1996/1998 DVD Barulinho Bom
Memórias, Crônicas e Declarações de Amor Tour 2000/2001 DVD Memórias, Crônicas e Declarações de Amor/Single A Sua
Universo Particular Tour 2006/2007 DVD+CD Infinito ao Meu Redor
Verdade, Uma Ilusão 2012/2013 CD/DVD/Blu-Ray Verdade, Uma Ilusão Tour 2012/2013

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Grammy Latino[editar | editar código-fonte]

O prêmio Grammy Latino é realizado desde 2000, para homenagear os artistas da música da América Latina. Marisa Monte ganhou no total quatro Grammys (incluindo um do Tribalistas), tendo mais sete indicações, incluindo Álbum do Ano e Gravação do Ano.

Ano Nomeação Categoria Resultado
2001 "Amor I Love You" Melhor Canção Brasileira Indicação
Memórias, Crônicas e Declarações de Amor Melhor Álbum de Pop Contemporâneo Brasileiro Venceu
2003 "Já Sei Namorar" Gravação do Ano Indicação
Melhor Canção Brasileira Indicação
Tribalistas Álbum do Ano Indicação
Melhor Álbum de Pop Contemporâneo Brasileiro Venceu
2006 "O Bonde do Dom" Melhor Canção Brasileira Indicação
Universo ao Meu Redor Melhor Álbum de Samba/Pagode Venceu
Infinito Particular Melhor Álbum de Pop Contemporâneo Brasileiro Indicação
2009 "Não é Proibido" Melhor Canção Brasileira Indicação
2014 Verdade, Uma Ilusão Melhor Álbum de Música Popular Brasileira Venceu

MTV Video Music Brasil[editar | editar código-fonte]

O prêmio MTV Video Music Brasil é realizado desde 1995, para homenagear os clipes lançandos em cada ano. Marisa Monte ganhou no total oito VMB, incluindo Clipe do Ano.

Ano Nomeação Categoria Resultado
1995 "Segue o Seco" Melhor Videoclipe do Ano Venceu
Melhor Videoclipe de MPB Venceu
Melhor Direção Venceu
Melhor Edição Venceu
Melhor Fotografia Venceu
2000 "Amor I Love You" Videoclipe do Ano Indicação
Melhor Videoclipe de MPB Venceu
Melhor Direção em Videoclipe Indicação
Melhor Direção de Arte em Videoclipe Indicação
Melhor Fotografia em Videoclipe Indicação
Marisa Monte Melhor Website de Artista Venceu
2001 "O Que Me Importa" Melhor Videoclipe de MPB Venceu

Outros prêmios[editar | editar código-fonte]

Ano Prêmio Categoria
1989 Associação Paulista dos Críticos de Arte - APCA Revelação Feminina
1990 3º Prêmio Sharp de Música Revelação Feminina MPB - Marisa Monte
1994 Associação Paulista dos Críticos de Arte - APCA Melhor disco do ano - Verde Anil Amarelo Cor de Rosa e Carvão
Associação Paulista dos Críticos de Arte - APCA Melhor compositora (junto com Carlinhos Brown e Nando Reis)
1997 10º Prêmio Sharp de Música Melhor Cantora Pop Rock
1998 Prêmio Multishow de Música Brasileira Melhor cantora
2001 Prêmio Multishow de Música Brasileira Melhor cantora
Prêmio Multishow de Música Brasileira Melhor CD - Memórias, Crônicas e Declarações de Amor
2002 Associação Paulista dos Críticos de Arte - APCA Melhor CD - "Tribalistas"
Prêmio Multishow de Música Brasileira Melhor DVD - "Memórias, Crônicas e Declarações de Amor"
2003 Prêmio Multishow de Música Brasileira Melhor DVD de música - "Tribalistas"
Prêmio Multishow de Música Brasileira Melhor música - "Já Sei Namorar"
Prêmio Multishow de Música Brasileira Melhor CD - "Tribalistas"
Prêmio TIM de Música Melhor Grupo MPB - "Tribalistas"
Prêmio Ondas Melhor Grupo Latino - "Tribalistas"
Prêmio Austregésilo de Athaíde - Academia Brasileira de Letras Melhor CD - "Tribalistas"
Prêmio Amigo - Indústria Fonográfica da Espanha Melhor Álbum Latino - "Tribalistas"
Italian Music Awards Artista Revelação - "Tribalistas"
Festivalbar Prêmio Internacional - "Tribalistas"
2006 Associação Paulista dos Críticos de Arte - APCA Melhor Artista de 2006
2007 Prêmio TIM de Música Brasileira Melhor Cantora Pop - "Infinito Particular"
Prêmio TIM de Música Brasileira Melhor Cantora Samba - "Universo ao meu Redor"
Prêmio TIM de Música Brasileira Melhor Cantora Voto Popular
2009 Prêmio da Associação dos Correspondentes da Imprensa Estrangeira no Brasil Melhor Trilha Sonora - Marisa Monte por "O Mistério do Samba"
4 °Cineport - Festival de Cinema de Países de Língua Portuguesa Melhor Produção Não-ficcional - "O Mistério do Samba"
Grande Prêmio Vivo do Cinema Brasileiro Melhor Longa-metragem Documentário - "O Mistério do Samba"
Prêmio Multishow de Música Brasileira Melhor DVD - "Infinito ao Meu Redor"
Prêmio Multishow de Música Brasileira Melhor Cantora
2015 Prêmio da Música Brasileira Melhor Cantora de Pop/rock/reggae/hip-hop/funk[15]

Comenda[editar | editar código-fonte]

Em 2014, Marisa Monte foi agraciada com a insígnia de Comendadora na Ordem do Mérito Cultural

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • McGowan, Chris and Pessanha, Ricardo. "The Brazilian Sound: Samba, Bossa Nova and the Popular Music of Brazil." 1998. 2ª edição. Temple University Press. ISBN 1-56639-545-3

Curiosidades e recordes[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Se(c)ções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.
  • Na versão em CD, Verde, Anil, Amarelo, Cor-de-rosa e Carvão trouxe uma música a mais: "Pale Blue Eyes". Isso também aconteceu com seu primeiro disco, MM, que trouxe "I Heard It Through the Grapevine" que não entrou no LP original por problemas de espaço.
  • O cachê é de R$290 mil, por apresentação, sendo o sexto mais caro do Brasil, perdendo apenas para Roberto Carlos, Ivete Sangalo, Luan Santana e Michel Teló: 1 milhão, 750 mil, 700 mil e 500 mil, respectivamente.[16][17]
  • É dona de toda a obra e dos fonogramas originais.
  • É a sétima cantora que mais vendeu discos no Brasil, estando na lista Anexo:Lista de recordistas de vendas de discos no Brasil.
  • Conquistou sete Discos de Ouro, sete Discos de Platina, sete Discos de Platina Duplo, dois Discos de Platina Triplo, dois Discos de Diamante.
  • É a cantora que mais vendeu na década de 90 e 2000, sendo nos anos de 1989 (500 mil), 1991 (500 mil), 1994 (1 milhão), 2000 (1 milhão), 2002 (1 milhão) e 2006 (600 mil).
  • Umas das poucas cantoras a ter os 8 primeiros álbuns estreando no Top 5 da parada brasileira (7 #1's e 1 #2), é a única cantora na história do Brasil a ter sete álbuns debutando em primeiro lugar de forma consecutiva, o único álbum a não alcançar o topo da chart, foi Universo ao Meu Redor chegou ao segundo lugar na lista dos álbuns mais vendidos no Brasil, atrás apenas de "Infinito Particular", também de Marisa, que estava no primeiro lugar. Foi a primeira vez na história da lista dos álbuns mais vendidos no Brasil em que a mesma cantora ocupava os dois primeiros lugares.
  • É a única cantora brasileira a ganhar 5 prêmios no Video Music Brasil, em único ano, e também foi a segunda mulher que mais ganhou na premiação, com 8 prêmios no total, atrás apenas de Pitty com 15 prêmios, sendo as duas únicas mulheres na lista que mais ganharam prêmios na história da premiação.
  • Tem 23 músicas em trilhas sonoras, sendo 22 em novelas da Rede Globo e 1 da novela do SBT.
  • É a cantora/compositora mais indicada ao Grammy Latino na categoria Melhor Canção Brasileira, no total de 4 indicações nesta categoria, até hoje nunca ganhou nesta categoria.
  • Cantora brasileira que mais lucrou com turnês. Todas as turnês obtiveram um lucro bruto de 90 milhões de reais.
  • É a quarta cantora com maior números um, divide o recorde de maior números de um na chart brasileira, atrás apenas de Ivete Sangalo com 13, Daniela Mercury com 10, Pitty com 5.
  • Se tornou a primeira artista a ter 6 singles número um nas décadas 80s, 90s e 00s, quando seu hit "Não é Proibido" alcançou o número um, tornando-se seu sexto número um.
  • Dois álbuns que atigiram marca de mais de 1 milhão de cópias vendidas no Brasil na década de 2000, sendo eles Memórias, Crônicas e Declarações de Amor e Tribalistas, que vendeu 1.2 milhões e 1.5 milhões de cópias, respectivamente.

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Marisa Monte
Prêmios e realizações
Precedido por
Milton Nascimento por Crooner
Grammy Latino de Melhor Álbum de Pop Contemporâneo Brasileiro
por Memórias, Crônicas e Declarações de Amor

2001
Sucedido por
Lenine por Falange Canibal
Precedido por
Lenine por Falange Canibal
Grammy Latino de Melhor Álbum de Pop Contemporâneo Brasileiro
por Tribalistas

2003
Sucedido por
Carlinhos Brown por Carlinhos Brown é Carlito Marrón
Precedido por
Martinho da Vila por Brasilatinidade
Grammy Latino de Melhor Álbum de Samba/Pagode
por Universo ao Meu Redor

2006
Sucedido por
Zeca Pagodinho por Acústico MTV 2 Gafieira
Precedido por
Maria Rita por Redescobrir
Grammy Latino de Melhor Álbum de Música Popular Brasileira
por Verdade, Uma Ilusão

2014
Sucedido por
-