Titãs (banda)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para o álbum homônimo da banda, veja Titãs (álbum). Para outros significados de "Titãs", veja Titãs (desambiguação).
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo. Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Titãs
Titãs ao vivo em 2012. Da esquerda para a direita: Paulo Miklos, Sérgio Britto, Mário Fabre (músico de apoio), Branco Mello e Tony Bellotto
Informação geral
Origem São Paulo, SP
País  Brasil
Gênero(s) Punk rock, pós-punk, rock alternativo, pop rock
Período em atividade 1982 – presente
Gravadora(s) Warner Music,[1] Abril Music, BMG, Sony BMG Music Entertainment, Arsenal Music, Titãs - Diversão e Arte/Universal Music, Som Livre
Página oficial www.titas.net
Integrantes Branco Mello
Paulo Miklos
Sérgio Britto
Tony Bellotto
Ex-integrantes Ciro Pessoa
André Jung
Arnaldo Antunes
Marcelo Fromer (falecido)
Nando Reis
Charles Gavin

Titãs é uma banda de rock formada na cidade de São Paulo, Brasil em 1982. Embora originalmente tocavam pop-rock alternativo em seu primórdios, o grupo também já utilizou diversos outros gêneros ao longo de mais de 30 anos de carreira, como new wave, punk rock, grunge, MPB e música eletrônica.

É uma das bandas de rock mais bem sucedidas no Brasil, tendo vendido mais de 6,3 milhões de álbuns[2] e fazendo parcerias com vários artistas brasileiros de renome e diversos cantores internacionais. Eles receberam um Grammy Latino em 2009 e ganharam o Troféu Imprensa de Melhor Banda por quatro vezes.

Os Titãs começaram com um número de integrantes bastante incomum com nove membros (incluindo seis vocalistas): Nando Reis (baixo e vocal), Branco Mello (vocal), Marcelo Fromer (guitarra rítmica), Arnaldo Antunes (vocais), Tony Bellotto (guitarra), Paulo Miklos (saxofone, bandolim, gaita, vocal), André Jung (bateria), Sérgio Britto (teclados, vocais) e Ciro Pessoa (vocais). Ciro rapidamente deixou o grupo antes mesmo do lançamento do primeiro álbum da banda, Titãs. André Jung era o baterista inicial, mas logo após Titãs ele também saiu e foi substituído por Charles Gavin, estabelecendo a formação clássica da banda.

Desde então, a banda perdeu outros quatro membros que nunca foram substituídos oficialmente: em 1992, Antunes deixou o grupo para seguir carreira solo. Em 2001, Fromer morreu depois de ter sido atropelado por uma motocicleta em São Paulo. Seis meses depois, Nando Reis também deixou o grupo para se concentrar em seus projetos solo. A mudança mais recente foi a saída de Charles Gavin, em 2010, por motivos pessoais. Após a morte de Fromer e a saída Reis, a banda se apresentou com alguns guitarristas e baixistas eventuais, mas acabou tendo Branco Mello e Sérgio Britto como baixistas definitivos (com Britto tocando apenas quando Mello cantava) e Paulo Miklos como o guitarrista. Depois da saída de Gavin, a banda tem vindo a trabalhar eventualmente com o baterista Mario Fabre.

A banda é responsável por lançar inúmeras canções de sucesso como Sonífera Ilha, Flores, Polícia, Família, Comida, O Pulso, Go Back, Domingo, Enquanto Houver Sol, Homem Primata, Bichos Escrotos, Cabeça Dinossauro, Pra Dizer Adeus, Marvin, É preciso saber viver, Epitáfio, Diversão, Porque Eu Sei Que é Amor, Televisão e Os Cegos do Castelo.

História[editar | editar código-fonte]

Formação e primeiros trabalhos[editar | editar código-fonte]

Quase todos os integrantes da banda se conheceram no Colégio Equipe, em São Paulo, no final da década de 1970. A exceção era o guitarrista Tony Bellotto.[3] Após acompanharem apresentações de Novos Baianos, Alceu Valença e Gilberto Gil no pátio da instituição, e também por influência da Blitz, iniciaram uma banda e gravaram uma fita com cantadas para meninas - àquela altura, o grupo era grande e incluía nomes como Nuno Ramos, que mais tarde viraria artista plástico.[3] A partir de uma apresentação na Biblioteca Mário de Andrade no ano de 1981, passaram a fazer shows em várias casas noturnas da cidade, com o nome Titãs do Iê-Iê.

O vocalista, tecladista, saxofonista e hoje guitarrista Paulo Miklos descreve o início da banda da seguinte forma:[3]

Antes do surgimento dos "Titãs do iê-iê", os integrantes da banda já tocavam em vários grupos. Arnaldo Antunes e Paulo Miklos eram parte da banda Performática; Nando Reis era percussionista da banda Sossega Leão; Branco Mello, Marcelo Fromer e Tony Bellotto formavam o Trio Mamão e as Mamonetes, que chegou a se apresentar na televisão, num programa em que Wilson Simonal, após a apresentação dos 3 garotos, disse que eles precisavam evoluir, e que tinham um gosto mais moderno. Sérgio Britto e Marcelo Fromer também chegaram a se apresentar como calouros no programa do Chacrinha, sendo "gongados" cantando a música "Eu Também Quero Beijar", sucesso de Pepeu Gomes.

O primeiro show dos ainda Titãs do Iê-Iê ocorreu no dia 28 de setembro de 1982, no SESC Pompeia, descrito pelo hoje baixista e vocalista da banda Branco Mello como uma "sessão maldita", pois teria começado muito tarde, após a meia-noite. No início, o visual da banda incluída maquiagens e ternos coloridos e gravatas de bolinhas. Além disso, a primeira formação contava com nove integrantes, sendo eles Arnaldo Antunes, Branco Mello, Marcelo Fromer, Nando Reis, Paulo Miklos, Sérgio Britto, Tony Belloto, Ciro Pessoa e André Jung, dos quais seis eram vocalistas. Arnaldo, Ciro e Branco eram apenas vocalistas. Sérgio Britto cantava e tocava teclado em algumas canções. Paulo Miklos e Nando Reis se revezavam no baixo e cantavam, Tony e Marcelo tocavam guitarra e violão respectivamente e André Jung tocava bateria.

O primeiro álbum[editar | editar código-fonte]

Em 1984, Ciro Pessoa é excluído da banda por desentendimentos com o baterista André Jung. Logo depois, assinam com a gravadora WEA e gravam seu primeiro disco, agora com o nome oficial de Titãs, retirando o iê-iê, que causava problemas na fala de apresentadores de rádio e casas de show, pois sempre era confundido com Iê-Iê-Iê, vertente da qual se originou a Jovem Guarda.

Nesse disco homônimo estão sucessos da banda como "Sonífera Ilha", que rendeu à banda diversas apresentações em programas do Raul Gil e Chacrinha. Nesse mesmo disco, os Titãs colocaram nas rádios a música "Toda Cor".

Sai André Jung, entra Charles Gavin[editar | editar código-fonte]

Após um show no Rio de Janeiro, no final de 1984, os Titãs decidiram substituir o baterista André Jung por Charles Gavin. Há tempos a banda não estava satisfeita com a forma com que André tocava e, conforme a insatisfação com ele aumentava, crescia também a admiração por Charles Gavin, baterista que estava naquele momento ensaiando com o RPM, e que também já tinha feito parte do grupo Ira!. A notícia de que seria substituído na banda não agradou André, pois ele pretendia passar o ano novo com sua namorada no Rio de Janeiro e celebrar o sucesso da canção "Sonífera Ilha". Com a decisão da banda, André voltou para São Paulo e dois dias depois entrou para o grupo Ira!.

Segunda metade dos anos 1980 e chegada ao estrelato[editar | editar código-fonte]

Os Titãs gravaram seu segundo disco em 1985, Televisão, produzido por Lulu Santos. O disco serviu para colocar a faixa-título nas rádios, além das canções "Insensível", "O Homem Cinza", "Massacre" e "Dona Nenê". Nesse mesmo ano o grupo participa de "Areias Escaldantes (1985)", cantando e atuando, mas o filme não foi liberado para exibição nacional.

Em novembro de 1985, Tony Bellotto e Arnaldo Antunes foram presos[4] (o primeiro por porte e o segundo por porte e tráfico de heroína). Bellotto foi libertado sob fiança. Arnaldo Antunes, por sua vez, permaneceu atrás das grades por mais tempo, sendo libertado após um mês.

Após esses acontecimentos, os Titãs entraram novamente em estúdio, cuja principal mudança veio na parte da produção do disco, que ficou a cargo de Liminha. Liminha foi o primeiro produtor que sugeriu mudanças em algumas faixas, coisa que até aquele momento a banda não aceitava. Em junho de 1986 é lançado o terceiro álbum da banda, Cabeça Dinossauro. Ele abriu várias portas para os Titãs, como o aumento do número de shows e do cachê.

Isso estimulou a banda a entrar em estúdio para gravar seu quarto disco, Jesus não Tem Dentes no País dos Banguelas. O produtor Liminha chegou a ser considerado o "9º titã", devido às participações em shows do grupo paulista. Após algumas apresentações internacionais, a banda gravou ao vivo uma seleção de músicas antigas e lançou o álbum Go Back, em 1988, e o quinto álbum de estúdio, Õ Blésq Blom, em 1989.

Anos 1990, saída de Arnaldo Antunes[editar | editar código-fonte]

Lançado em 1991, Tudo ao Mesmo Tempo Agora foi o último álbum com o vocalista Arnaldo Antunes, que passou a se dedicar a uma carreira solo. Titanomaquia de 1993, trouxe a produção de Jack Endino, produtor de bandas como o Nirvana, Soundgarden e Skunkworks, o terceiro álbum solo de Bruce Dickinson, vocalista do Iron Maiden.

Após passar o ano de 1994 de férias, os Titãs voltaram em 1995 para lançar um novo disco. Domingo. Em 1997, para comemorar os 15 anos de carreira, a banda aceitou participar do projeto Acústico MTV. O CD e vídeo, gravados no Teatro João Caetano, no Rio de Janeiro, chegou ao número de 1,7 milhão de cópias,[5] mostrando um lado desconhecido do grupo: os sete integrantes tocando instrumentos desplugados. Entre os vários instrumentistas convidados estavam o produtor Liminha e o percussionista Marcos Suzano, além de um quarteto de cordas, harpa e um naipe de metais e sopros. Como vocalistas convidados, o álbum trazia o cantor argentino Fito Paez e o reggaeman Jimmy Cliff, além das cantoras Marisa Monte, Marina Lima, Rita Lee e o ex-titã Arnaldo Antunes, que participou na canção "O Pulso".

Aproveitando-se do sucesso do disco anterior, a banda lançou em 1998 Volume Dois, uma espécie de continuação do Acústico, com releituras de outros sucessos e faixas inéditas. Chegou a 1 milhão de cópias vendidas.[6]

Em 1999, veio o disco As Dez Mais, o primeiro trabalho inteiramente não-autoral. Com dez faixas, sendo regravações de cantores como Tim Maia, Roberto Carlos e Raul Seixas, e bandas como Legião Urbana e Ultraje a Rigor. As Dez Mais também teve sucesso de vendas, com 400 mil cópias,[6]

Morte de Marcelo Fromer e saída de Nando Reis[editar | editar código-fonte]

Em 2001, os Titãs assinaram com a Abril Music e estavam prestes a iniciar a gravação de mais um trabalho. Porém, no dia 11 de Junho de 2001, o guitarrista Marcelo Fromer foi atropelado por uma moto em São Paulo e morreu dois dias depois. Pensou-se na época que a morte de Fromer seria o fim da banda. Porém, eles decidiram seguir em frente.

Com o início das gravações de A Melhor Banda de Todos os Tempos da Última Semana, houve dúvidas sobre a gravação: Tony Bellotto, guitarrista solo, pensou em gravar todas as guitarras do disco, porém mudou de ideia. Chegou-se a propor que Paulo Miklos e Branco Mello se revezassem no instrumento, porém a decisão final foi convidar o músico Emerson Villani, que já tinha tocado com a banda durante alguns shows e turnês, inclusive substituindo Marcelo no ano de 1998, quando ele foi convidado para comentar a Copa do Mundo FIFA de 1998 pelo canal SporTV. O repertório permaneceu inalterado: as 16 faixas já haviam sido escolhidas antes da morte de Fromer. Seus singles foram as canções "A Melhor Banda de Todos os Tempos da Última Semana", "O Mundo é Bão, Sebastião!", "Epitáfio" e "Isso".

Em 9 de setembro de 2002, o baixista e vocalista Nando Reis anunciou que estava deixando os Titãs. A saída foi primeiramente informada pela Abril Music, que deu como razão para a saída "motivos pessoais", e depois uma versão mais detalhada foi divulgada pela assessoria de imprensa do músico. Nela, o músico afirma que as mortes de Cássia Eller e Marcelo Fromer o abalaram muito, mas diz que sua saída se deveu unicamente a uma "incompatibilidade de pensamentos":[7]

Carreira como quinteto[editar | editar código-fonte]

Em 2003, os Titãs lançaram o disco Como estão vocês?, que trazia os singles "Eu Não Sou um Bom Lugar", "Enquanto Houver Sol", "Provas de Amor" e "Vou Duvidar". Em 2005, lança o terceiro disco ao vivo não-acústico e gravado no Brasil, MTV Ao Vivo, com algumas músicas dos 25 anos de história da banda e com as inéditas "Vossa Excelência" (composta em meio ao Escândalo do Mensalão), "Anjo Exterminador" e "O Inferno São os Outros".

Em 2007, os Titãs completam 25 anos de carreira, comemorados com uma série de shows junto com Os Paralamas do Sucesso, que também completam 25 anos de carreira. A série de shows, que se estendeu pelo ano de 2008, culminou em um espetáculo realizado na Marina da Glória, Rio de Janeiro, em janeiro de 2008, e lançado em CD e DVD intitulado Paralamas e Titãs Juntos e Ao Vivo.

Em 2009, Branco Mello confirma no site oficial dos Titãs a estreia, em fevereiro, do filme Titãs - A Vida Até Parece Uma Festa, exibido no circuito de São Paulo e dirigido por Branco Mello e Oscar Rodrigues Alves

Após seis anos sem lançar um disco de estúdio (o mais longo período da carreira da banda), na primeira quinzena de junho de 2009 foi lançado Sacos Plásticos, produzido por Rick Bonadio e lançado por sua gravadora, a Arsenal Music (com distribuição da Universal Music). O disco marca a entrada da banda em um novo selo, depois de seis anos pela Sony BMG. Bonadio ficou conhecido por produzir bandas de hardcore, popcore e, recentemente, emocore, como as bandas Tihuana, CPM 22, Hateen, NX Zero, Fresno, Strike, entre outras. Além disto, também foi produtor do Ira! (nos álbuns Acústico MTV e Invisível DJ) e dos Mamonas Assassinas.

Os dois primeiros singles do disco são "Antes de Você" e "Porque Eu Sei que É Amor", ambos na voz de Paulo Miklos. As canções foram incluídas nas trilhas sonoras de duas telenovelas da Rede Globo: Caras & Bocas (19h) e Cama de Gato (18h), respectivamente. A trama das 18h ainda tem como tema de abertura "Pelo Avesso", do disco Como Estão Vocês? (2003), na voz de Sérgio Britto.

A banda dispensou seus músicos de apoio, tornando-se apenas um quinteto. Branco Mello, vocalista, assume o baixo em definitivo (em outras turnês, Branco tocava apenas em algumas músicas). Sérgio Britto, tecladista e vocalista, também se divide entre o teclado e o baixo. O também vocalista Paulo Miklos, por sua vez, assume a guitarra rítmica. Tony Bellotto e Charles Gavin continuam como, respectivamente, guitarrista solo e baterista.

Saída de Charles Gavin e turnê Sacos Plásticos[editar | editar código-fonte]

No dia 12 de fevereiro de 2010, os Titãs anunciaram em seu site oficial que o baterista Charles Gavin estaria deixando a banda por motivos pessoais.[8] Os outros quatro músicos continuaram com seus compromissos relacionados à turnê do álbum Sacos Plásticos, e o baterista contratado para acompanhar a banda é Mario Fabre.[8] Segundo o guitarrista Tony Bellotto, Charles Gavin saiu da banda porque "É difícil envelhecer num grupo de rock".[9] Perguntado sobre o status de Mario na banda, Tony ironicamente explicou : "Ele é o baterista oficial! É o batera dos Titãs! Mas ele não é um dos Titãs, porque nossa história começou há muito tempo, na mitologia grega..."[10]

Dias após esse comunicado, Charles disse em entrevista, que sua saída já estava acertada desde a pré-produção do álbum Sacos Plásticos e durante a turnê com Os Paralamas do Sucesso. Alguns dos problemas de Charles foram sintomas de pânico e depressão, além do grande desgaste de 25 anos de turnês. Gavin pensou em se licenciar durante a Turnê Sacos Plásticos (2009-2010), mas disse que não dava pra ficar longe dos Titãs com tantos compromissos.[11]

Rock In Rio IV, Futuras Instalações, 30 Anos de Carreira[editar | editar código-fonte]

No dia 23 de Setembro de 2011, ao lado d'Os Paralamas do Sucesso, a banda participou do show de abertura da quarta edição do Rock in Rio, no palco principal. O show contou com a abertura de Milton Nascimento, ao lado de Tony Belloto e da Orquestra Sinfônica Brasileira, tocando Love Of My Life, do Queen. O show também contou com a participação de Maria Gadú. No dia 2 de Outubro de 2011, a banda se apresentou no palco sunset do festival ao lado da banda portuguêsa Xutos & Pontapés.

Logo após a essas apresentações, é encerrada a Sacos Plásticos Tour, que durou dois anos e deu lugar ao novo show Futuras Instalações. A nova turnê é um teste para novas canções que estariam no próximo álbum da banda, então previsto para 2012/2013, além da banda tocar alguns clássicos.[12]

Em 2012, a banda realizou a turnê Cabeça Dinossauro, na qual a banda executou na íntegra o disco lançado em 1986 - a turnê culminou no lançamento do disco Cabeça Dinossauro ao Vivo 2012, que registra uma das apresentações. A banda também relançou os álbuns gravados entre 1984 e 1999 pelo iTunes e fez dois shows comemorativos de 30 anos de carreira, com a presença dos ex-integrantes Arnaldo Antunes, Nando Reis e Charles Gavin.[13] O show foi confirmado por Paulo Miklos antes de uma apresentação em Manaus.[14] Em São Paulo, cidade natal da banda, o show de celebração dos 30 anos ocorreu no Espaço das Américas, na Barra Funda, na noite de 6 de outubro de 2012.[15]

Titãs Inédito e Nheengatu[editar | editar código-fonte]

Formação atual, 2013.

Em 2013 e 2014, a banda tocou algumas músicas inéditas nos shows da turnê Titãs Inédito.[16] [17] Eles começaram a trabalhar um novo disco entre abril e maio de 2014[17] Miklos disse que o álbum seria "pesado, sujo e malvado".[17] Posteriormente, Britto confirmou que o disco seria lançado no início de maio e que a banda já estava gravando músicas em estúdio, mas o nome do novo trabalho ainda não estava decidido.[18] Em meados de março, a rádio Globo FM informou que o álbum seria lançado em abril pela Som Livre e conteria 14 faixas.[19] Em 16 de abril, a banda anunciou em sua página no Facebook que o álbum estava pronto e que seria lançado em maio.[20]

Em 28 de abril de 2014, a banda divulgou os detalhes do novo trabalho: Nheengatu, lançado em 12 de maio de 2014[21] e sucedido por uma turnê que rendeu um novo CD e DVD ao vivo: Nheengatu ao Vivo.[22]

Em fevereiro de 2016, a banda novamente foi o grupo de abertura dos The Rolling Stones no Brasil por uma segunda e terceira vez, agora no Estádio do Morumbi, em São Paulo, em duas noites diferentes.[23]

Integrantes[editar | editar código-fonte]

Formação atual[editar | editar código-fonte]

Músico de apoio[editar | editar código-fonte]

  • Mario Fabre - bateria (2010-presente)

Ex-integrantes[editar | editar código-fonte]

Ex-músicos de apoio[editar | editar código-fonte]

Integrantes da banda ao longo do tempo[editar | editar código-fonte]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Discografia dos Titãs
Álbuns

Turnês[editar | editar código-fonte]

A banda faz shows desde 1983, porém apenas no auge, quando lançado o disco Cabeça Dinossauro, começou a fazer shows a nível nacional, em todas as regiões do Brasil. A turnê de maior duração até hoje na história da banda foi também a de maior público. A Turnê MTV Ao Vivo teve quase quatro anos completos de duração, começando em 2005 e terminando em meados de 2009.

DVDs[editar | editar código-fonte]

Titãs por outros artistas[editar | editar código-fonte]

Os Titãs já tiveram várias canções regravadas por outros artistas. Abaixo uma lista inacabada:

Prêmios[editar | editar código-fonte]

1997, "Melhor música" com Pra Dizer Adeus

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Titãs celebram seus 30 anos com programação especial
  2. http://web.archive.org/web/20120219234126/http://www.paisdosbanguelas.com.br/vendagem.html Vendagem - Wayback Machine Internet Archive
  3. a b c Preto, Marcus (21 de novembro de 2013). «Paulo Miklos». Trip. Trip Editora. Consultado em 1 de agosto de 2015. 
  4. «Branco Mello fala sobre heroína em entrevista à 'Playboy': 'Experimentei'» O Globo [S.l.] 5 February 2009. Consultado em 30 January 2010. 
  5. Associação Brasileira de Produtores de Discos. «ABPD - Certificados». Consultado em 08/04/2010. 
  6. a b Ivanov, Ricardo (3 de outubro de 2015). «Quarentões, Titãs não querem carregar rótulo adolescente». Terra. Telefónica. Consultado em 1 de agosto de 2015. 
  7. Barbosa, Marco Antonio (9 de setembro de 2002). «Nando Reis abandona os Titãs». Cliquemusic. UOL. Consultado em 28 de fevereiro de 2015. 
  8. a b «Comunicado Titãs». Site oficial da banda. 12/02/2010. Consultado em 12/02/2010.  |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (Ajuda)
  9. «Lagartixa». Site da revista VEJA. 22/02/2010. Consultado em 7/3/2010.  |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (Ajuda)
  10. Eduardo, Bruno. «Titãs fala ao Rock On Board sobre novo disco e show no Circo Voador». Rock on Board. Consultado em 28 de Dezembro de 2014. 
  11. «Titãs: Gavin diz que acertou saída da banda no fim de 2009» (em Portuguese) Whiplash [S.l.] 2010-06-23. Consultado em 2010-06-23. 
  12. «Titãs apresenta o show "Futuras Instalações" nesta sexta em SP» (em Portuguese) Uol Música [S.l.] 2011-10-28. Consultado em 2011-11-02. 
  13. «Arnaldo Antunes, Nando Reis e Charles Gavin podem voltar ao Titãs» (em Portuguese) Uol Música [S.l.] 2011-04-08. Consultado em 2011-11-02. 
  14. Matos, Carlos Eduardo (21 de janeiro de 2012). «21/01/2012 22h29 - Atualizado em 21/01/2012 22h37 Titãs anunciam show de 30 anos com ex-integrantes no palco». Manaus: G1. Consultado em 21 de janeiro de 2012. 
  15. Antunes, Pedro (19 de outubro de 2012). «“Seria uma estupidez completar 30 anos e não comemorar”, diz Branco Mello, do Titãs». Rolling Stone Brasil. Consultado em 21 de outubro de 2012. 
  16. «Voltar Titãs - Inédito - Metrópolis 15/10/2013». Metrópolis. TV Cultura. 16 de outubro de 2013. Consultado em 13 de novembro de 2013. 
  17. a b c Amado, Miguel, Kaluan; Luz, Camila. «Perdidos entrevista: Paulo Miklos (Titãs)».  |last= e |author= redundantes (Ajuda)
  18. «O rock dos Titãs». Tribuna do Norte. 14 de fevereiro de 2014. Consultado em 14 de fevereiro de 2014. 
  19. «Titãs vai lançar novo álbum em abril». Globo FM (em Portuguese). Organizações Globo. 10 de março de 2014. Consultado em 11 de março de 2014. 
  20. «Announcement». Página oficial dos Titãs no Facebook. Facebook. 16 de abril de 2014. Consultado em 16 de abril 2014. 
  21. «Novo disco dos Titãs se chama 'Nheengatu' e tem pintura de Bruegel na capa». Vírgula. Universo Online. 28 de Abril de 2014. Consultado em 28 de Abril de 2014. 
  22. «Exclusivo: Tony Bellotto fala sobre as gravações do novo DVD dos Titãs e reforça o papel político da música». Rolling Stone Brasil. Consultado em 12 de setembro de 2015. 
  23. «Titãs, Ultraje a Rigor e Cachorro Grande vão abrir shows dos Stones». G1. Grupo Globo. 5 de fevereiro de 2016. Consultado em 18 de fevereiro de 2016. 
  24. Titãs tocará Cabeça Dinossauro na íntegra em São Paulo
  25. Grupo Titãs testa canções inéditas em seis shows em SP
  26. Rock in Rio vai ganhar box de 30 anos com versões de hits nacionais

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Titãs (banda)