Rádio Cidade (Rio de Janeiro)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Rádio Cidade 102.9 FM
{{{alt}}}
Logomarca da Rádio Cidade
Rádio Cidade do Rio de Janeiro Ltda.
País  Brasil
Cidade de concessão Niterói, RJ (outorga da frequência 102.9 MHz)
Iguaba Grande, RJ (outorga da frequência 104.1 MHz)
Rio de Janeiro, RJ (estúdios)
Frequência(s) 102.9 MHz (Rio de Janeiro)

104.1 MHz (Região dos Lagos)

Sede Rio de Janeiro
Slogan O que é bom é pra sempre.

Rock de Verdade.

Fundação
Extinção
Fundador Sistema Jornal do Brasil
Pertence a Sistema Jornal do Brasil
Formato Rádio comercial
Género Rock
Afiliações Rádio Mania
Idioma (em português)
Prefixo ZYD 462
Cobertura Região Metropolitana do Rio de Janeiro, Baixada Fluminense, Região dos Lagos, Região sul e Região Serrana
Potência 31.9Kw
RDS Sim
Sítio oficial Página oficial da nova Rádio Cidade
Último
  • Rádio 102.9
  • Jovem Pan FM
Rádio Mania
Próximo

Rádio Cidade, chamada Cidade FM ou simplesmente Cidade é uma rádio web brasileira que foi uma estação de rádio FM pertencente ao Sistema Rio de Janeiro de Rádio, fundada em sua primeira fase em 1 de maio de 1977 e extinta em 6 de março de 2006. Operou ao longo de toda sua história no dial 102.9 MHz. Em sua segunda fase, retornou ao dial através de uma grande, com sua campanha feita através da internet por fãs da rádio e artistas como Tico Santa Cruz, Pitty e outros. A Rádio Cidade voltou ao dial carioca no dia 10 de março de 2014[1] e foi extinta novamente no dia 31 de julho de 2016[2], dando lugar a Rádio Mania.

História[editar | editar código-fonte]

Primeira Fase[editar | editar código-fonte]

Embora fosse canal destinado à cidade de Niterói, com o nome de Rádio Jornal Fluminense, estava sediada no Rio de Janeiro e operava na frequência de 102.9 MHz. Entrou no ar no dia 1º de maio de 1977 e seus locutores titulares foram: Jaguar, Fernando Mansur, Eládio Sandoval, Romilson Luiz, Ivan Romero, Sergio Luiz e Paulo Roberto.

A emissora é de propriedade do Sistema Jornal do Brasil, que tinha, além da Cidade, as rádios Jornal do Brasil AM 940 KHz (atual Rádio Brasil, do Sistema LBV - Legião da Boa Vontade), Jornal do Brasil FM 99.7 MHz (ainda em operação, com o nome JB FM) e FM 105, 105.1 MHz (atualmente da Igreja Universal do Reino de Deus).

Com a crise que abateu o Sistema Jornal do Brasil de Rádio, a primeira rádio a ser sacrificada foi a Rádio FM 105, a então vice-líder em audiência, uma rádio que chegou a bater a rádio do Sistema Globo de Rádio no Ibope, 98 FM por alguns meses. Logo depois foi a vez da Rádio Cidade encerrar suas atividades.

Entre 1995 e 2006, suprindo o fim em 1994 da Rádio Fluminense FM, a Maldita, Rádio de Rock que ocupava a faixa 94.9 FM, a Rádio Cidade adotou um perfil rock inspirado na conduta comercial da 89 FM de São Paulo. A princípio, a influência era só ideológica, pois não havia ainda uma parceria administrativa entre as duas. Mas ela começou a ocorrer em 2000, quando foi criada a "Rede Rock" da 89 FM, para a qual a Rádio Cidade foi escolhida para ser a afiliada do Rio, condição que durou seis anos.

Nesta fase, seus principais locutores locais eram Rhoodes Dantas, Paulo Becker e, por um breve período, Monika Venerabile, que no entanto adaptou seu estilo original na Fluminense FM numa linguagem pop nem sempre aceita pelos fãs. A rádio também retransmitiu alguns dos principais programas da 89 FM, como Pressão Total e Tarja Preta, além da adaptação local de programas como A Vez do Brasil (bandas nacionais) e Do Balacobaco.

Em 6 de março de 2006, a programação da emissora foi substituída pela rádio Oi FM, tornando-se a quarta afiliada de uma rede de estações de rádio, constituída pela maior operadora de telefonia fixa e móvel do país, a Oi (ex-Telemar)[3]. Porém, a rádio ainda operava na internet, sob nome de "Cidade Web Rock".[4]

A Cidade FM do Rio foi pioneira na formação de redes de rádio no Brasil no estilo pop eclético, com ênfase na dance music, sendo cabeça de rede da Rede Cidade nos anos 80, através da associação administrativa, e no início dos anos 90, pela transmissão via satélite, que era composta por emissoras de todo o pais. 

Com a fusão do Sistema Jornal do Brasil de rádio e o Sistema O Dia, transformando-se no Sistema Rio de Janeiro de Rádio, a Rádio Cidade se encontra no mesmo grupo da JB FM, FM O Dia e MPB FM

Segunda Fase[editar | editar código-fonte]

De março de 2012 a outubro de 2013, a 102.9 FM foi ocupada pela Jovem Pan 2 FM, após um hiato da emissora paulista. Após problemas financeiros, a Jovem Pan 2 FM deixou a 102.9 fazendo assim com que a frequência ficasse vaga[5]. Após sua saída, uma grande campanha foi feita por artistas e fãs da rádio com a "hashtag" #VoltaRádioCidadeRJ.[6]

O retorno da rádio aconteceu no dia 25 de março de 2014, retomando o perfil artístico de emissora jovem com foco no rock mais comercial e direcionado ao público jovem, durante o período como parceira da 89 FM a Rádio Rock. Nesta nova fase, a programação é independente, sem o vínculo de rede com a emissora paulista.[7][8][9][10]

Polêmica[editar | editar código-fonte]

A fase atual da Rádio Cidade causa uma grande polêmica por vários aspectos. A emissora vende a imagem publicitária de "séria" usando como lema o "rock de verdade", embora sua programação esteja muito aquém de rádios como a Eldo Pop e a Fluminense FM, ainda mais mantendo a mesma equipe que estava na franquia da Jovem Pan, com estilo de locução e linguagem incompatível para o segmento rock, e sendo coordenada por radialistas não-roqueiros (Alexandre Hovoruski, ex-Jovem Pan paulista, e Van Damme, ex-Beat 98). Chama a atenção também o fato da Rádio Cidade restringir a divulgação do rock aos hits mais manjados, como em qualquer rádio de hit-parade.

A pior polêmica, no entanto, corresponde ao fato de que a emissora completará, em 2017, 40 anos de existência sem no entanto seguir a proposta original. Para muitos roqueiros, teria sido muito melhor a frequência da Rádio Cidade ter dado lugar a uma rádio completamente nova, com outro nome e com uma equipe realmente especializada em rock.

Programação[editar | editar código-fonte]

A programação da Rádio Cidade foi estabelecida após algumas semanas no ar. A volta dos programas "Hora dos Perdidos" e "Rock Bola" era muito aguardada pelos antigos fãs da rádio.

Hora dos Perdidos[editar | editar código-fonte]

A Hora dos Perdidos retornou a Cidade na faixa das 17h-18h, de segunda a sexta-feira. Seus integrantes: Ezequias (Zeca) Lima (apresentador), Jean Vieira (Mulher com voz de cigarro, Zuleica, Padre Quevedo, Silvio Santos, Locutor de Supermercado, entre outros), Paulo Oliveira (Paulinho Coruja), Pedro Fernandes (Pedro Pedroca) e Isabella Colonna (a antiga estagiária).

A Hora dos Perdidos possui um formato diferente dos outros programas da emissora, neste, por exemplo, é possível participar ao vivo por telefone e conversar com os integrantes do programa. Até abril de 2015 era possível fazer um pedido de uma música ou ao vivo, ou através do WhatsApp da Rádio (21) 99919-1029, ou através do e-mail tocaumapramim@radiocidade.fm. Porém, atualmente, só é possível fazer o pedido ou pelo WhatsApp ou pelo e-mail. A participação ao vivo ainda continua, porém sem o pedido musical. A execução do programa se caracteriza por sempre: um participante ao vivo, uma música, um pedido via WhatsApp e a execução da música pedida.

Na segunda metade do programa há a inserção do "Repórter Aéreo Cidade" (Carlos Eduardo Cardoso, o Cadu), que dá informações sobre o trânsito para o carioca que está saindo do trabalho, por volta das 17h30.

No período das férias escolares, entre dezembro/2014 e fevereiro/2015, o programa possuía edições de 2h, das 16h às 18h.

Rock Bola[editar | editar código-fonte]

O Rock Bola retornou a Cidade na faixa das 20h-21h, de segunda a sexta-feira. Seus integrantes: Van Damme, Nina Lessa, Felipe Absalão, Waguinho, Castilho e textos do redator, Júlio "Psicopata".

O programa possui o enfoque no futebol, tocando poucas músicas e interagindo com os ouvintes através do WhatsApp.

O segundo fim da Rádio Cidade[editar | editar código-fonte]

Em junho de 2016, Pamella Renha (produtora e participante da Hora dos Perdidos) sai da Rádio Cidade. Após, em julho de 2016, alguns desligamentos ocorreram: Márcio Mio, Serginho Bitenka (Cidade Delivery), Jean Carlo Vieira (Hora dos Perdidos), BB Monstro eram alguns dos nomes que não faziam mais parte da Cidade. No dia 15 de julho, foi anunciado o fim da Hora dos Perdidos, o programa de maior audiência em Ibope, premeditando que algo aconteceria em breve.

A programação fora reformulada, encobrindo o buraco que a Hora dos Perdidos deixara no dial. Esta nova programação gerou revolta e mobilização nas redes sociais.

No dia 21 de julho de 2016, os locutores Zeca Lima e Demmy Morales se despediram em seus respectivos programas, e, mais tarde, foi confirmado que a Rádio operaria apenas tocando músicas a partir daquele dia até o próximo 31 de julho. E que, no dia 1º de agosto, o dial 102.9 FM seria arrendado para a Rede de Rádios Mania FM.

A Nova Rádio Cidade durou pouco mais de 2 anos e deixa, mais uma vez, os ouvintes do Rio de Janeiro órfãos de uma programação voltada ao rock.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Rádio é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.