MEC FM

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde julho de 2019). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
MEC FM
Empresa Brasil de Comunicação S.A. - EBC
País Brasil
Frequência(s) FM 99,3 MHz
Antigas frequências:
FM 98,9 MHz (1983-2015)
Sede Rio de Janeiro, RJ
Slogan A rádio de música clássica do Brasil
Fundação 10 de maio de 1983 (36 anos)
Pertence a Rádios EBC (EBC)
Formato Pública
Gênero
Idioma Português
Prefixo ZYD 465
Emissoras irmãs
Cobertura Região Metropolitana do Rio de Janeiro
Dados técnicos Potência: 28 kW
Classe: E1
RDS: Sim
Agência reguladora ANATEL
Webcast Ouça ao vivo
Aplicativo móvel Google Play
Página oficial radios.ebc.com.br/mecfmrio

MEC FM é uma emissora de rádio brasileira sediada no Rio de Janeiro, capital do estado homônimo. Opera no dial FM, na frequência 99,3 MHz, e pertence ao grupo de rádios da Empresa Brasil de Comunicação, órgão do Governo Federal responsável por controlar as principais emissoras de rádio e TV educativas do país. Foi inaugurada em 1983, e tem uma programação voltada, em sua maior parte, para música clássica. No início, era totalmente baseada em sua co-irmã, a Rádio MEC, e posteriormente passou a produzir conteúdo próprio. A MEC FM também é retransmitida em Brasília através da frequência AM 800 kHz. Seus estúdios estão localizados ao lado da Faculdade de Direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro, no Centro da cidade.

História[editar | editar código-fonte]

Seguindo os moldes de algumas rádios AM do Rio de Janeiro que também tinham programação retransmitida no dial FM, a MEC FM é inaugurada em 10 de maio de 1983, operando pela frequência 98,9 MHz, retransmitindo a programação da Rádio MEC AM 800 kHz em sua totalidade, na época voltada para a música clássica. A nova frequência contava com a coordenação de Lauro Gomes, vindo da emissora principal. Sua criação deu-se após cobranças dos ouvintes que queriam ouvir a Rádio MEC com qualidade de som superior à faixa AM, além de as emissoras que já estavam operando com a nova tecnologia não explorarem tanto o mesmo estilo de programação que o da rádio. Gradativamente, a MEC FM começa a produzir seus primeiros programas próprios, também baseados em música clássica, o que resultou na mudança de estilo da Rádio MEC, que passa a se dedicar à MPB. No entanto, alguns programas oriundos da primeira emissora continuam sendo transmitidos pela MEC FM, como o Ópera Completa, o mais antigo do gênero ainda veiculado no rádio brasileiro.[1] Em 10 de maio de 2015, para atender a uma determinação da ANATEL, a emissora, bem como outras selecionadas pelo órgão, se desloca para a frequência 99,3 MHz, possibilitando um aumento de sua potência.[2]

Programação[editar | editar código-fonte]

Como herança da Rádio MEC, a maior parte da programação atual da MEC FM é voltada para música clássica de várias épocas, e diariamente é seguida uma ordem cronológica, desde os primórdios até a fase moderna do gênero, além de veicular em horários específicos programas de estilos relacionados. A emissora também transmite produções de outras rádios em forma de troca de conteúdo. A parte não musical de sua programação consiste em programas jornalísticos.[3]

Referências

  1. Paulo Virgilio (10 de maio de 2013). Graça Adjuto, ed. «Rádio MEC é espaço para difusão da obra de compositores e instrumentistas clássicos». Agência Brasil. EBC (em português brasileiro). Cultura. Consultado em 4 de julho de 2019 
  2. Fernando Fraga, ed. (10 de maio de 2015). «Rádio MEC FM do Rio muda frequência e chega melhor ao ouvinte da música clássica». Agência Brasil. EBC (em português brasileiro). Cultura. Consultado em 4 de julho de 2019 
  3. Paulo Virgilio (10 de maio de 2013). Graça Adjuto, ed. «Voltada para a música clássica, Rádio MEC completa 30 anos». Agência Brasil. EBC (em português brasileiro). Cultura. Consultado em 4 de julho de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]