Duas Vidas (telenovela)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com Duas Caras (telenovela).
Duas Vidas
Informação geral
Formato Telenovela
Gênero
Duração 50 minutos
Criador(es) Janete Clair
País de origem Brasil
Idioma original português brasileiro
Produção
Diretor(es) Daniel Filho
Elenco
Tema de abertura "Deixa", Bandits of Love
Tema de encerramento "Deixa", Bandits of Love
Composto por Baden Powell e Vinicius de Moraes
Empresa(s) produtora(s) Central Globo de Produção
Exibição
Emissora original Rede Globo
Formato de exibição 480i (SDTV)
Transmissão original 13 de dezembro de 1976 – 13 de junho de 1977
Episódios 154
Cronologia
Programas relacionados Dos vidas

Duas Vidas é uma telenovela brasileira produzida e exibida pela Rede Globo de 13 de dezembro de 1976 a 13 de junho de 1977, em 154 capítulos, substituindo O Casarão e sendo substituída por Espelho Mágico.[1] Escrita por Janete Clair, sob direção de Daniel Filho, Jardel Mello e Gonzaga Blota, codireção de Marco Aurélio Bagno e direção geral de Daniel Filho, foi a 18ª "novela das oito" exibida pela emissora.

Teve Betty Faria, Francisco Cuoco, Mário Gomes, Susana Vieira, Luis Gustavo, Sadi Cabral, Isabel Ribeiro e Vera Gimenez nos papéis centrais da história.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Uma rua no bairro do Catete, na cidade do Rio de Janeiro, é desapropriada para a construção de uma linha do metrô. A partir daí, a novela acompanha a história dos moradores, o recomeço de suas vidas alteradas pelo progresso da cidade, suas relações familiares e amorosas.

Um dos moradores mais antigos, o Grego, seu Menelau (Sadi Cabral), é alfaiate e pai de três filhos: Tomás (Cecil Thiré), Sônia (Isabel Ribeiro) e Oswaldo (Luís Gustavo). Após a desapropriação, este vê-se obrigado a morar em um apartamento juntamente com Tomás, a nora, Leda Maria (Betty Faria), e o neto, Téo (Carlos Poyart).

Ciumento, após uma discussão com Leda Maria em um baile de carnaval, Tomás sai irritado do salão de festas e acaba sendo atropelado, acidente que provoca sua morte. Leda Maria (Betty Faria) envolve-se simultaneamente com o dr. Victor Amadeu (Francisco Cuoco), filho de sua amiga Rosa (Elza Gomes), um médico idealista que atende gratuitamente aos moradores da redondeza, e com Dino César (Mário Gomes), aspirante a cantor e paixão de adolescência da moça. O triângulo amoroso complica-se quando Dino se aproxima de Cláudia (Susana Vieira), também uma jovem viúva e filha do proprietário de uma gravadora. Enquanto Dino ascende na carreira fonográfica, Leda batalha para se harmonizar com a família do ex-marido, criar o filho, apesar das dificuldades, e esquecer sua antiga paixão por Dino. No fim, depois de muitos desencontros, Leda vive um amor maduro com Victor.

Fracassando em sua tentativa profissional, Dino quer recomeçar a vida e reatar o noivado com Leda, como se nada tivesse acontecido. Ao mesmo tempo, utiliza-se de todos os subterfúgios possíveis para seguir o almejado sucesso como cantor. Através de uma farsa, aproxima-se de Cláudia, diretora da gravadora, e acaba por se juntar a ela, atingindo seu objetivo. Mas, ao mesmo tempo em que Cláudia tem poderes para consagrar Dino César, ela também pode acabar com sua carreira.

Produção[editar | editar código-fonte]

Dando continuidade à fase mais realista de sua carreira, iniciada em Fogo Sobre Terra e sacramentada no ano anterior com o arrebatador sucesso de Pecado Capital, Janete Clair, em Duas Vidas, provaria definitivamente que também dominava as artimanhas do folhetim moderno, conferindo, ao lado de Lauro César Muniz, um movimento inovador ao horário das 20 horas, que ela mesma consagrara anteriormente.

Para escrever a novela, a autora se inspirou em uma tragédia ocorrida na vida real[2].

Em Duas Vidas, Janete Clair voltou a lutar contra a censura. A novela chegou a ser considerada subversiva, pois criticava o metrô carioca, que era uma obra do Governo Federal). Além disso, o relacionamento amoroso entre Sônia (Isabel Ribeiro) e Maurício (Stepan Nercessian) também não foi bem visto, sendo tachado de atentado contra a moral e os bons costumes, obrigando a autora a casar os dois personagens (o que não estava previsto no roteiro)[3][4].

O personagem-cantor Dino César passou a ser cantor também na vida real: o ator Mário Gomes gravou um disco, incluindo uma música na trilha sonora da novela (Chiclete e Cabochard). E cantor com marca registrada: o colar de contas brancas que o personagem usava tornou-se moda nacional[4].

Duas Vidas foi a primeira aparição, em novelas, das atrizes Christiane Torloni e Yaçanã Martins. Esta última, aliás, ainda viveria outra Shirley numa novela das oito: a empregada doméstica de Osmar (Antonio Fagundes) e Eloá (Débora Duarte) em Corpo a Corpo.

A novela, que originalmente teria 151 capítulos, foi concluída em 154, por problemas de saúde de Francisco Cuoco.[5]

A telenovela foi marcada pelos seus conturbados bastidores. Um dos acontecimentos foi um caso entre Mário Gomes e Betty Faria, que era casada com Daniel Filho, o diretor da novela. Ele ficou tão abalado com a situação que abandonou seu cargo, passando a direção da novela para Gonzaga Blota e Jardel Mello por volta do capítulo 41[4][6].

Elenco[editar | editar código-fonte]

Ator Personagem
Betty Faria Leda Maria Gusmão
Francisco Cuoco Victor Amadeu
Mário Gomes Dino César
Susana Vieira Cláudia
Luis Gustavo Oswaldo Gusmão
Vera Gimenez Zuleika Aguiar
Sadi Cabral Menelau Gusmão (Grego)
Elza Gomes Rosa Amadeu
Isabel Ribeiro Sônia Gusmão
Stephan Nercessian Maurício
Arlete Salles Gilda
Nívea Maria Hebe
Moacyr Deriquém Heitor
Ruth de Souza Elisa
Zezé Motta Jandira
Flávio Migliaccio Túlio
Neuza Amaral Sarah
Alberto Perez Raul Barbosa
Milton Moraes Alexandre
Isolda Cresta Vera
Hélio Ary Dário Sena
Heloísa Helena Virgínia
Augusto Olímpio Edgar Oliveira
Laura Soveral Leonor Oliveira
Jayme Barcellos Geraldo
Suzana Faini Ana Paula
Christiane Torloni Juliana
Yaçanã Martins Shirley
Cleyde Blota Roberta
Dary Reis Barros
Ana Ariel Henriqueta Xavier
Sérgio Fonta Renato
Myrian Rios Maria Aparecida (Cidinha)
Diogo Vilela Sandrinho
Glória Pires Letícia (Lelê)
Carlos Poyart Téo

Participações especiais[editar | editar código-fonte]

  • Cecil Thiré - Tomás Gusmão
  • Alfredo Murphy - Osmário
  • Antonio Ganzarolli - Jorge
  • Francisco Moreno – Eugênio Matta
  • Leda Borba - Francisca
  • Luís Vasconcelos - José
  • Navarro Puppin – Luis Carlos
  • Renata Rayan - Maria
  • Samantha Schüller – Sandra
  • Sílvio Fróes - Braga
  • Vera Paes - Nádia
  • Eliano Medeiros - Vilar (par da Juliana)

Reprise[editar | editar código-fonte]

Foi reprisada em um compacto, entre 5 e 30 de janeiro de 1981, em 20 capítulos.[6]

Música[editar | editar código-fonte]

[7]

Nacional[editar | editar código-fonte]

  1. "Menina dos Cabelos Longos" - Agepê (tema de Osvaldo)
  2. "Vá, Mas Volte" - Ângela Maria (tema de Leda e Vitor)
  3. "Sorte Tem Quem Acredita Nela" - Fernando Mendes (tema de Osvaldo)
  4. "Paralelas" - Vanusa (tema de Leda)
  5. "Contrastes" - Jards Macalé
  6. "Chiclete e Cabochard" - Mário Gomes (tema de Dino)
  7. "Deixa" - Bandits of Love (tema de abertura)
  8. "Olhos Nos Olhos" - Agnaldo Timóteo (tema de Cláudia)
  9. "Choro Chorão" - Martinho da Vila
  10. "Cuide-se Bem" - Guilherme Arantes (tema de Juliana)
  11. "Levante Os Olhos" - Sílvio César
  12. "Duas Vidas" - Sônia Burnier (tema de Leda e Téo)
  13. "As Rosas Não Falam" - Beth Carvalho (tema de Sônia e Maurício)
  14. "Cinco Companheiros" - Paulinho da Viola

Internacional[editar | editar código-fonte]

  1. "I Never Cry" - Alice Cooper
  2. "My Dear" - Manchester (tema de Leda e Vitor)
  3. "Let's Be Young Tonight" - Jermaine Jackson (tema de Osvaldo)
  4. "Lost Without Your Love" - Bread (tema de Vitor)
  5. "Été d’Amour" - Jean Piérre Posit (tema de Sônia e Maurício)
  6. "Golden Years" - David Bowie
  7. "So Sad The Songs" - Gladys Knight & the Pips (tema de Osvaldo e Naná)
  8. "Quizás, Quizás, Quizás" - Los Indios
  9. "You're So Tender" - Chrystian (tema de Cláudia)
  10. "Tonight's The Night" - Rod Stewart
  11. "Phoenix" - Norman Connors
  12. "Jamie (My Love)" - Camilo Sesto (tema de Juliana)
  13. "I Need You Now" - Dennis Gordon (tema de Leda e Dino)
  14. "One Love In My Lifetime" - Diana Ross
  15. "Nice'n Slow" - John Blackinsell
  16. "Rotísse na Máthis " - Voskopoulos (tema de Menelau)

Referências

  1. «Duas Vidas». Memória Globo. Consultado em 9 de dezembro de 2017. Arquivado do original em 7 de outubro de 2012 
  2. «Uma tragédia urbana inspira Janete Clair e ela escreve Duas Vidas para a TV Globo». R7. 17 de setembro de 2016. Consultado em 9 de dezembro de 2017 
  3. «JaneteClair: Por causa da censura, autora mudou o foco de Duas Vidas». Rede Globo. 29 de julho de 2011. Consultado em 9 de dezembro de 2017 
  4. a b c Nilson Xavier (28 de setembro de 2021). «A novela da Globo que ficou marcada por traição nos bastidores». TV História. Consultado em 20 de novembro de 2021 
  5. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome nostalg
  6. a b Nilson Xavier (2010). «Duas Vidas». Teledramaturgia. Consultado em 8 de julho de 2013 
  7. Xavier, Nilson. «Duas Vidas»