Novela das seis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O termo "novela das seis" remete às telenovelas brasileiras exibidas na programação diária da Rede Globo, de segunda-feira a sábado, às 18h25min, antes dos telejornais locais.

A primeira novela exibida no horário foi Meu Pedacinho de Chão, que estreou em 19 de agosto de 1971. Nos primeiros anos a Rede Globo apresentava histórias leves e voltadas ao público infantil.

A partir de 1975 como parte das comemorações dos seus 10 anos do canal, a emissora passa a investir adaptações de obras da literatura brasileira[1] e a primeira foi Helena do livro de Machado de Assis e assim se manteve até 1982, com a adaptação de O Homem Proibido (obra de Suzana Flag, pseudônimo de Nelson Rodrigues);[2] todavia, desde a década de 2000, o horário tende a apresentar tramas mais leves e lúdicas, embora sem deixar de lado histórias de época e/ou regionais.[3]

Escrava Isaura foi a novela das seis (e da Rede Globo) a fazer mais sucesso no Brasil e no exterior: em 1985, nove anos após sua exibição original, já havia sido comercializada para 27 países[4] e em 1998, já havia sido vista em 80 países.[5] Durante toda a década de 2000 o segmento registrou quedas sensíveis de audiência.[6]

A duração atual das telenovelas do horário tem entre 50 minutos (a partir do segundo capítulo) e 70 minutos (primeiro e último capítulos).

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. XAVIER, Nilson. «Bastidores - Helena (1975)». Teledramaturgia. Consultado em 2 de dezembro de 2014 
  2. XAVIER, Nilson. «Bastidores - O Homem Proibido». Teledramaturgia. Consultado em 2 de outubro de 2014 
  3. Terra (15 de janeiro de 2006). «"Alma Gêmea" resgata audiência da novela das seis». iParaíba. Consultado em 2 de outubro de 2014 
  4. «Curiosidades - Escrava Isaura». Memória Globo. Consultado em 2 de outubro de 2014 
  5. XAVIER, Nilson. «Bastidores - Escrava Isaura (1976)». Teledramaturgia. Consultado em 2 de outubro de 2014 
  6. «Audiência das novelas da Globo». Veja.com. Novembro de 2008. Consultado em 2 de outubro de 2014