Dona Xepa (1977)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura pela telenovela da Rede Record, veja Dona Xepa (2013).
Dona Xepa
Informação geral
Formato Telenovela
Gênero Drama
Romance
Comédia
Criador(es) Gilberto Braga[1]
Baseado em Dona Xepa de Pedro Bloch
País de origem  Brasil
Idioma original Português
Produção
Diretor(es) Herval Rossano[1]
Elenco Yara Cortes[2]
Nívea Maria[2]
Ana Lúcia Torre[2]
Rubens de Falco[2]
Cláudio Cavalcanti[2]
Edwin Luisi[2]
Fátima Freire[2]
Dionísio Azevedo[2]
Neuza Borges[2]
Zeny Pereira[2]
Clementino Kelé[2]
Castro Gonzaga[2]
ver Elenco[2]
Tema de abertura "A xepa" - Ruy Maurity[1]
Exibição
Emissora de televisão original Brasil Rede Globo
Formato de exibição 480i (SDTV)
Transmissão original 24 de maio[1] - 24 de outubro de 1977[1]
N.º de episódios 132[1] (original)
140 (Vale a Pena Ver de Novo)
Cronologia
À Sombra dos Laranjais
Sinhazinha Flô
Programas relacionados Dona Xepa (2013)
Lua Cheia de Amor

Dona Xepa é uma telenovela brasileira produzida e exibida pela Rede Globo no horário das 18h, de 24 de maio a 24 de outubro de 1977, em 132 capítulos[1], substituindo À Sombra dos Laranjais e sendo substituída por Sinhazinha Flô e foi a 12ª "novela das seis" exibida pela emissora.

Foi escrita por Gilberto Braga, baseada na peça teatral homônima de Pedro Bloch. Dirigida por Herval Rossano.

Os momentos de final de feira, quando os produtos já estão escasseando e sobrando os de má qualidade, ficando mais baratos por causa disso, são chamados hora da xepa; por buscar sempre essa hora para comprar os produtos mais baratos, Carlota tinha o apelido de dona Xepa.

Foi a primeira novela reexibida pelo Vale a Pena Ver de Novo, de 5 de maio a 14 de novembro de 1980, sendo substituída por A Sucessora, em 140 capítulos.[1].

Também foi reprisada num compacto de uma hora e meia em 28 de janeiro de 1980, como atração do Festival 15 Anos, apresentado por Yara Cortes.

Em 1990, a história serviria como ponto de partida para a novela Lua Cheia de Amor, estrelada por Marília Pêra e Francisco Cuoco.[1]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

O folhetim, inspirado na peça teatral homônima de Pedro Bloch, narra o cotidiano da feirante dona Xepa (Yara Cortes), que cria sozinha os filhos Rosália (Nívea Maria) e Edson (Reinaldo Gonzaga). Apesar das dificuldades financeiras, Xepa faz de tudo para educar os filhos da melhor maneira possível. Os dois ascendem socialmente e passam a ter vergonha da mãe. Rosália tem como objetivo de vida se casar com um homem rico e bem-sucedido e rejeita a paixão que sente por seu vizinho Daniel (Edwin Luisi). Já Edson quer ser escritor, mas encontra dificuldades para entrar no mercado de trabalho. Ela se casa com Heitor (Rubens de Falco), cuja madrasta, a socialite falida Glorita (Ana Lúcia Torre), humilha Xepa sempre que pode.

Tramas paralelas[editar | editar código-fonte]

Outros personagens de destaque na história são Corina (Zeny Pereira), grande amiga de Xepa, e Otávio (Cláudio Cavalcanti), filho do proprietário de uma importante cadeia de revistas do país.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Ator Personagem
Yara Cortes Dona Xepa (Carlota Soares da Costa)
Nívea Maria Rosália Soares da Costa
Rubens de Falco Heitor Camargo
Ana Lúcia Torre Glorita Camargo
Cláudio Cavalcanti Otávio Becker
Edwin Luisi Daniel
Fátima Freire Heloísa Becker
Ângela Leal Regina
Reinaldo Gonzaga Edson Soares da Costa
Zeny Pereira Corina
Joyce de Oliveira Laís
Antônio Patiño Raul Camargo
Ida Gomes Isabel Becker
Ênio Santos Henrique Becker
Francisco Dantas Alamiro
Ísis Koschdoski Helena
Patrícia Bueno Gisa
João Paulo Adour Ivan
Agnes Fontoura Arlete
Renato Pedrosa Raimundo
Marina Miranda Sarita
Dionísio Azevedo Agenor
Clementino Kelé Uóston
Neuza Borges Rosemary
Fregolente Seu Saraiva
Castro Gonzaga Osmar

Elenco de apoio[editar | editar código-fonte]

  • Beyla Genauer - Julinha[2]
  • Márcio de Lucca[2]
  • Marlene Figueiró - Joice[2]
  • Nair Prestes - Camila[2]
  • Nardel Ramos - Ronaldo[2]
  • Vanda Costa - Creuza[2]

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

Temas internacionais[editar | editar código-fonte]

Prêmio[editar | editar código-fonte]

Exibição internacional[editar | editar código-fonte]

Foi vendida para 10 países, entre eles Portugal, Chile, Canadá e México.[1] Dona Xepa foi exibida em Portugal na RTP1, entre 1978 e 1979, às 20h30, em horário nobre, tendo sido a terceira novela a ser exibida em Portugal, da lista das brasileiras. O sucesso da novela foi tanto que Mário Soares, como primeiro-ministro de Portugal, teve de esperar pelo último episódio da telenovela para divulgar medidas financeiras para o país[3]. Depois foi substituída pela novela O Astro, de 1977.

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l m Memória Globo. «Dona Xepa». Consultado em 8 de janeiro de 2010 
  2. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s Memória Globo. «Ficha Técnica!». Consultado em 8 de janeiro de 2010 
  3. Teledramaturgia. «Dona Xepa». Consultado em 20 de fevereiro de 2013 
Ícone de esboço Este artigo sobre telenovelas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.