Helena (1975)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Helena
Informação geral
Formato Telenovela
Gênero drama
romance
Duração 50 minutos
Criador(es) Gilberto Braga
Baseado em Helena de Machado de Assis
Desenvolvedor(es) Rede Globo
País de origem Brasil
Idioma original português
Produção
Diretor(es) Herval Rossano
Elenco
Tema de abertura "Helena(Instrumental)" - Julio Medaglia e Paulo Ribeiro
Exibição
Emissora original Rede Globo
Formato de exibição preto e branco
Transmissão original 5 - 30 de maio de 1975
Episódios 20
Cronologia
Programas relacionados Helena (1987)

Helena é uma telenovela brasileira produzida e exibida no horário das 18 horas pela Rede Globo de 5 a 30 de maio de 1975, em 20 capítulos, substituindo A Patota e sendo substituída por O Noviço. Foi a "novela das seis" exibida pela emissora.

Escrita por Gilberto Braga, foi baseada na obra homônima de Machado de Assis.[1]

Contou com Lúcia Alves, Osmar Prado, Rogério Fróes, Carlos Duval e Ida Gomes nos papéis principais.

Produção[editar | editar código-fonte]

Helena, assim como O Noviço (que a substituiu) foram as primeiras mininovelas, assim denominadas na época, por serem escritas para vinte capítulos, inaugurando também o horário das 18h e as adaptações de obras da literatura brasileira. A novela inteira foi gravada em doze dias.[2]

O papel de Helena estava prometido inicialmente a Bete Mendes, que faria par romântico com Osmar Prado (Estácio), mas o autor Gilberto Braga a deslocou para a sua produção seguinte, Bravo!, escrita em parceria com Janete Clair, em que Bete interpretou a personagem Lia Di Lorenzo. Lúcia Alves, que foi escolhida para substituir Bete no personagem-título, inicialmente estava escalada para viver Eugênia, papel que ficou com Ângela Valério.[3]

As cenas externas, como os passeios a cavalo de Helena e Estácio foram gravadas na Fazenda de Palmares, em Santa Cruz, Rio de Janeiro. Durante a gravação de uma externa, a atriz Lúcia Alves sofreu uma queda e torceu o tornozelo, quase precisando ser afastada.[3] A fazenda serviria também para as gravações do Sítio do Picapau Amarelo, dois anos depois.[2]

Os cenários e figurinos ficaram a cargo do cenógrafo Arlindo Rodrigues, que na época era o carnavalesco da escola de samba carioca Mocidade Independente de Padre Miguel.[3]

Enredo[editar | editar código-fonte]

No ano de 1859 morre o conselheiro Vale, figura da primeira classe da sociedade do Segundo Reinado, homem bem relacionado e respeitado. Ele deixa um filho, Estácio, de 27 anos, e uma irmã, D. Úrsula, que desde a morte da cunhada cuidara com desvelo da bela chácara em que vivem, no Andaraí.

Nomeados testamenteiros os melhores amigos do conselheiro, o Dr. Camargo, médico igualmente bem relacionado, e o Padre Melchior, grande amigo da família. A abertura do testamento é marcada para o dia seguinte ao enterro e cercada de suspense, criado pela expectativa de Camargo, visivelmente preocupado com um possível “erro”, que poderia o amigo ter deixado para revelar somente após sua morte.

A leitura do testamento revela uma segunda filha do conselheiro Vale, Helena, nascida de uma união até então desconhecida de toda a família. Enquanto Estácio aceita o último pedido do pai – levar Helena para morar na chácara e tratá-la com muito carinho – Úrsula e o Dr. Camargo ficam contrariados. A irmã do conselheiro vê na jovem uma intrusa e usurpadora, enquanto o médico, pai de Eugênia (noiva de Estácio), também se mostra contra a ideia.

No entanto, o testamento é obedecido e Helena sai do colégio para morar na chácara, onde começa a mudar a vida de todos.

Helena e Estácio apaixonam-se, mas o rapaz sente-se culpado, acreditando ser irmão da moça. Helena, contudo, sabe que não é filha de Vale. O conselheiro teve um romance secreto com sua mãe e prometeu perfilar a menina e tratá-la com carinho. A atitude esquiva de Helena, que se encontra às ocultas com seu pai legítimo, Salvador, faz com que se desconfie que ela tem um amante.

No final, embora perdoada por Estácio, que descobre a verdade, Helena morre em consequência de uma febre nervosa.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Ator/Atriz Personagem
Lúcia Alves Helena
Osmar Prado Estácio
José Augusto Branco Dr. Mendonça
Rogério Fróes Dr. Camargo
Carlos Duval Padre Melchior
Ângela Valério Eugênia
Ida Gomes Úrsula
Regiana Viana Tomásia
Gilberto Sálvio Salvador
Sidney Marques Vicente
Ruth de Souza Madalena
Vanda Mattos Escrava jovem

Referências

  1. «Helena». Memória Globo. S/data. Consultado em 11 de julho de 2013 
  2. a b «Helena - 1975». Teledramaturgia. Consultado em 14 de dezembro de 2015 
  3. a b c Biblioteca Nacional: O Fluminense (RJ). «Helena». O Fluminense, 29 de março de 1975. Consultado em 13 de março de 2021 
Ícone de esboço Este artigo sobre telenovelas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.