Renata Fronzi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde Abril de 2012). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Renata Fronzi
Em cena do filme Salário Mínimo (1970)
Nome completo Renata Mirra Ana Maria Fronzi
Nascimento 1 de agosto de 1925
Rosário,  Argentina
Nacionalidade argentina
brasileira
Morte 15 de abril de 2008 (82 anos)
Rio de Janeiro,  Brasil
Ocupação atriz
Cônjuge César Ladeira (1949-1969)(morte dele)

Renata Mirra Ana Maria Fronzi (Rosário, 1 de agosto de 1925Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008) foi uma atriz brasileira nascida na Argentina.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filha de dois atores italianos radicados no Brasil, Cesare Fronzi e Iolanda Vernati, Renata começou sua carreira como bailarina no Teatro Municipal de São Paulo.

Começou sua carreira no teatro na cidade paulista de Santos, onde a família havia se estabelecido. Fez diversas peças de teatro na companhia de teatro de Eva Todor, tornando-se conhecida vedete do teatro de revista ou rebolado. Trabalhou com o lendário Walter Pinto. No fim da década de 40, Renata Fronzi casou-se com o locutor de rádio César Ladeira. Em 1946 estreia no filme "Fantasma por Acaso"; e atuou em diversos títulos do cinema, tendo sido uma das estrelas da Atlântida Cinematográfica. Atuando também em filmes de Carlos Manga. Seu último filme foi Coisa de Mulher, com Adriane Galisteu, produzido em 2005.

O auge de popularidade de sua carreira foi a personagem Helena, no célebre teleteatro de comédia intitulado Família Trapo, na TV Record (Canal 7 de São Paulo, atual Rede Record), em que dividia o palco com Jô Soares, Ronald Golias, Otello Zeloni, Cidinha Campos e Ricardo Corte Real. Nos anos 80 voltaria a trabalhar com Golias, no programa do Bronco exibido pela TV Bandeirantes. Na TV Globo, teve momentos marcantes nas novelas Jogo da Vida e Corpo a Corpo. Sua última participação foi na temporada de 1996 da série Malhação.

Renata Fronzi morreu aos 82 anos da síndrome de disfunção múltipla de órgãos, que foi provocada pela diabetes, em 15 de abril de 2008, no Hospital Municipal Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro. Ela estava internada na unidade de terapia intensiva do hospital desde 1 de abril de 2008.

Renata era viúva de César Ladeira e mãe de César Ladeira Filho e do músico Renato Ladeira.

Teledramaturgia[editar | editar código-fonte]

Ano Título Papel Nota
1956 Teatrinho Trol Vários Personagens
1966 O Rei dos Ciganos Tânia
1967 Família Trapo Helena 1967-1971
1970 Faça Humor, Não Faça Guerra Vários Personagens
1971 Minha Doce Namorada Marianita
1973 O Semideus Paloma Figueira
1974 Corrida do Ouro Suzana
1978 Pecado Rasgado Rachel
1980 Chega Mais Águida
Dulcinéa Vai à Guerra Ludmila
1981 Jogo da Vida Aurélia Creonte
1983 Pão Pão, Beijo Beijo Loreta Cantarelli
1984 Transas e Caretas Sônia Participação Especial
Corpo a Corpo Zoraide Motta
1985 Bronco Helena Dinozzauro 1985-1989
1990 A História de Ana Raio e Zé Trovão Gióia Participação Especial
Mico Preto Amelinha
1994 Memorial de Maria Moura Aldenora
1995 A Idade da Loba Gertrudes
1996 Malhação Dona Jasmin
1997 Malhação Jasmin
1999 Zorra Total Vários Personagens 1999-2000

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Ano Título Papel
1946 Fantasma por Acaso
Segura Esta Mulher
1954 Guerra ao Samba Companheira de Libório
Toda Vida em Quinze Minutos
1955 Carnaval em Lá Maior Lola [1]
1957 Garotas e Samba
De Pernas pro Ar Jenny
Treze Cadeiras Ivone
Hoje o Gato sou Eu Lúcia
1958 Pé na Tábua
É de Chuá! Maria Xangai[2]
1959 O Espírito de Porco Geraldina
Massagista de Madame
1960 Pistoleiro Bossa Nova Lili
Vai que É Mole Repórter
Marido de Mulher Boa Leal
1961 Briga, Marido e Samba Mira Diller
1963 O Homem que Roubou a Copa do Mundo
Quero Essa Mulher Assim Mesmo
1968 As Aventuras de Chico Valente Guilhermina
Papai Trapalhão Desdêmona
1970 Salário Mínimo Angelina
1971 Como Ganhar na Loteria sem Perder a Esportiva Guiomar
1975 Um Soutien para Papai Gracinha
1976 Esse Rio Muito Louco
A Louca de Ipanema
Kiki Vai à Guerra Kiki
1979 Como Matar uma Sogra
1981 Mulher de Programa Cafetina
1996 Il barbiere di Rio [3] Angelina
2001 Copacabana
2002 Dead in the Water Empregada
2005 Coisa de Mulher Dona Yolanda
2007 A Infância Ela Mesma

Referências

  1. Cinemateca Brasileira, Carnaval em Lá Maior [em linha]
  2. «É de Chuá!». Cinemateca Brasileira. Consultado em 15 de março de 2017 
  3. Filme italiano

Ligações externas[editar | editar código-fonte]