Milionário & José Rico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Milionário & José Rico
Milionário e José Rico em 2002
Informação geral
Também conhecido(a) como "As Gargantas De Ouro Do Brasil", "Os Pais do Sertanejo Moderno", "Os Arapongas do Brasil", "A Dupla que Traz Emoção a Canção", "A Dupla Com Tempero do Povo Brasileiro"
Origem São Paulo, São Paulo
País  Brasil
Gênero(s) Música sertaneja
Música romântica
Período em atividade 1970 - 1991
1994 - 2015
Gravadora(s) Chantecler/Continental (divisão da Warner Music Brasil)
Afiliação(ões) Milionário & Mathias, Milionário e Robertinho, Milionário e Marciano
Integrantes Romeu Januário de Matos (Milionário)
José Alves dos Santos (José Rico)

Milionário & José Rico foi uma dupla de cantores de música sertaneja do Brasil, formada por Romeu Januário de Matos, o Milionário (Monte Santo de Minas, 4 de janeiro de 1940) e José Alves dos Santos, o José Rico (São José do Belmonte, 29 de junho de 1946 - Americana, 3 de março de 2015). Uma das mais famosas do país, ficaram conhecidos nacionalmente com a alcunha "As Gargantas de Ouro do Brasil". Com quarenta e três anos de carreira, a dupla vendeu cerca de 35 milhões de exemplares de seus 29 discos gravados desde 1973. Além disso, gravaram dois DVDs e dois filmes, Na Estrada da Vida, de 1980, e Sonhei Com Você, de 1988.

Romeu Januário de Matos, conhecido como Milionário, nasceu em 4 de janeiro de 1940. Ele é natural de Monte Santo de Minas, no estado de Minas Gerais. Antes de se tornar um famoso cantor, o aspirante a cantor trabalhou como garçom, pintor de parede e pedreiro. Depois de tantas profissões, foi para São Paulo tentar a sorte na indústria musical.

José Alves dos Santos, chamado de José Rico, nasceu em 29 de junho de 1946. Ele era pernambucano da cidade de São José do Belmonte. Apesar de ser de Pernambuco, ele morou na infância na cidade de Terra Rica, no estado do Paraná. Mais tarde, registrou em cartório uma mudança no nome: passou a se chamar José Rico Alves dos Santos, em homenagem à cidade paranaense. Apesar dos diferentes locais que morou, nos anos 70 decidiu mudar. Foi a capital de São Paulo que José Rico escolheu para apostar na carreira musical.[1]

História[editar | editar código-fonte]

O início de José Rico e o encontro com Milionário[editar | editar código-fonte]

José Alves dos Santos, o José Rico, nasceu em São José do Belmonte, Estado de Pernambuco. Aos 2 anos de idade mudou-se com a família para Terra Rica, no Estado do Paraná[2]. No início dos anos 60, já mostrando a vocação para a música, tentou a sorte com diferentes parceiros: formou a dupla Carapó e Cambay[3], que passou a ser um trio, com a entrada de Andrezinho. O compacto duplo gravado por Carapó e Cambay foi intitulado Os amantes da seresta e continha quatro músicas Resposta do maldito dinheiro, Nos braços de outro, Sofrendo por você e Vizitando Mato Grosso[4].

As informações sobre esse período da vida de José Rico são confusas. Há relatos de que também tocou com um músico de nome Cambota, nome artístico de Laerte Francisco Ribeiro, em Paranavaí, nos idos de 1965. Segundo o próprio Cambota, foi ele quem apresentou José Rico à Romeu Januário, o Milionário[5].

Supostamente, em 1969, José Rico mudou-se para Dourados, Mato Grosso do Sul, onde chegou sozinho e sem dinheiro[6][7]. Nessa época, lutava para sobreviver fazendo bicos, mas nunca chegou a abandonar a música[8]. Foi também no Mato Grosso do Sul que José Rico, que nunca escondeu a paixão pelo futebol[9], chegou a tentar a carreira como atleta. Jogou por diversas equipes amadoras e semiprofissionais da região[10].

Há muitos relatos de que, em Dourados, foi ajudado por um barbeiro e radialista, João Armando Perrupato[11]. Teria sido ele que, juntamente com um empresário chamado Salvador Pinheiro[12], levou José Rico à Califórnia, gravadora fundada pelo músico piracicabano Mário Vieira[13][14]. Por essa gravadora, Milionário e José Rico gravaram o primeiro LP, intitulado Sempre Sofrendo. Das 12 músicas do disco, 3 foram escritas em coautoria de José Rico e João Perrupato. As três, coincidentemente, falavam de cidades sul-mato-grossenses (Recordando Mato Grosso, Homenagem à Bela Vista e Cidade Moderna).

Contudo, em uma das últimas entrevistas concedidas pela dupla, na data de 27/12/2014, ao entrevistador Raul Gil, José Rico afirmou que conheceu Milionário quando estava morando na cidade de São Paulo. José Rico afirmou que morava em uma favela, no Jaçanã, e Milionário o acolheu, levando-o para sua casa, que ficava na Vila Ede. A história bate razoavelmente com a contada por Milionário, que, por sua vez, em uma entrevista para o Programa Bem Sertanejo, de Michel Teló, afirmou que mudou-se para a capital São Paulo ainda em 1957.

O filme Na Estrada da Vida relata que, assim que se conheceram, já foram chamados para apresentarem-se em um circo. Foi o início da vitoriosa trajetória de Milionário e José Rico.

O estilo musical[editar | editar código-fonte]

A dupla inovou, assim como a dupla Pedro Bento & Zé da Estrada, incluindo a sinfonia no sertanejo, com simpatia de José Rico pelos mais variados estilos musicais, como a gaúcha, mexicana, paraguaia e cigana, dotou essa dupla de um estilo característico e inconfundível. O uso de instrumentos como harpas, trompetes e em especial o acordeon, demonstraram esta miscigenação e riqueza musical.

O primeiro LP pela Chantecler[editar | editar código-fonte]

A dupla gravou um LP em 1973, pela Continental/Chantecler, com destaque para as músicas Inversão de Valores (Prado Júnior e João Armando Perrupato), De Longe Também Se Ama (José Rico e Jair Silva Cabral), Paraná Querido (Paulinho Gama e Goiá) e Coração de Pedra (Belmiro).

Aparecida, a Chefe[editar | editar código-fonte]

No filme Na Estrada da Vida, em que ambos interpretaram seus personagens reais, há um relato interessante. A dupla foi até o Santuário de Aparecida, e, ao entrarem na igreja, pediram para que a santa se tornasse a "Chefe", para que a "Padroeira do Brasil" fizesse com que as pessoas compreendessem a música da dupla, que falava de amor, natureza, do povo, e como eles não tinham nada para oferecer à santa, deixaram um disco no altar como presente. O padre, ao deparar-se com o disco, imaginou que quem o tinha deixado na igreja não precisava de nada, pois não havia nem um bilhete com pedido à santa, e um garoto que acompanhava o padre disse que a dupla deveria ser podre de rica, a julgar pelo nome, então o sacerdote mandou entregar o disco na rádio de Aparecida para que os programadores vissem se o mesmo poderia ser aproveitado. O locutor, ao ouvir, gostou e resolveu tocar o disco, e então os ouvintes começaram a escrever para a rádio para que tocasse o disco. A partir desse momento, Nossa Senhora Aparecida já era a "Chefe" da dupla, que começou a emplacar um sucesso atrás do outro, gravando um disco atrás do outro, tornando-se a dupla que o Brasil conhece tanto.

O volume 2[editar | editar código-fonte]

No entanto, após o sucesso alcançado com o primeiro LP, Milionário e José Rico já haviam sido contratados pela Continental/Chantecler, gravadora que acabou sendo responsável pela quase totalidade dos discos da dupla. E em 1975, gravaram o Volume 2, intitulado "Ilusão Perdida" que é, por sinal, o disco preferido de Milionário. Destaque para "Ilusão Perdida" (Milionário - José Rico) e "Dê Amor Para Quem Te Ama" (José Rico - Peão Carreiro).

Sequências de gravações[editar | editar código-fonte]

Vieram depois o Volume 3, em 1976, e o Volume 4, com o título de "As Gargantas De Ouro Do Brasil", em 1977, e o sucesso da dupla cada vez era maior. E ainda no mesmo ano de 1977, eles conheceram a consagração definitiva, com o estrondoso sucesso da canção rancheira "Estrada da Vida", de autoria do próprio José Rico, que foi faixa-título do LP Volume 5, e é sem dúvida, o maior sucesso da dupla.

A música lendária[editar | editar código-fonte]

A música "Estrada da Vida", de autoria de José Rico em 1977, tornou-se lendária, intitulando até o filme de grande sucesso, onde Milionário e José Rico atuam interpretando eles próprios.

Estrada da Vida - o filme[editar | editar código-fonte]

A música "Estrada da Vida" proporcionou a venda de mais de trinta milhões de cópias e originou o roteiro do filme Na Estrada da Vida, baseado na própria vida dos integrantes da dupla e dirigido por Nelson Pereira dos Santos, onde Milionário e José Rico interpretam eles próprios.

Sonhei Com Você - outro filme[editar | editar código-fonte]

A dupla teve nova experiência no cinema, atuando em outro filme, novamente interpretando eles mesmos, em Sonhei Com Você, de 1988, dirigido por Ney Sant'Anna, que é filho de Nelson Pereira dos Santos, diretor do filme "Na Estrada da Vida".

As "gargantas" na China[editar | editar código-fonte]

Com sucesso enorme em todo o Brasil, o filme Na Estrada da Vida conquistou o primeiro lugar no Festival Internacional de Filmes de Brasília e foi vendido para diversos países, inclusive a China. Milionário e José Rico foram convidados pelo governo chinês a se apresentarem naquele país no ano de 1985, uma excursão que durou uma semana, num intercâmbio cultural, no qual a dupla foi mostrar sua música para o "outro lado do mundo".

Milionário & José Rico foram a primeira dupla brasileira que visitou esse país.

A separação[editar | editar código-fonte]

Em 7 de Setembro de 1991, após a gravação do LP Volume 20, intitulado "Vontade Dividida", ocorreu a separação da dupla por um período de dois anos. O último show da dupla em que foi anunciada a separação foi na cidade de Ipuã, em São Paulo, com apresentação do locutor Eurípedes Apolinário, de Ribeirão Preto, durante a gravação do seu programa "Afinando a Viola" (TV Record) na Feira da Bondade. O contratante, o então prefeito Nenem Montanher, disse que "está acontecendo neste momento a castração da música sertaneja".

Milionário sem José Rico[editar | editar código-fonte]

Durante o período de separação de José Rico, Milionário formou dupla com Mathias (da dupla Matogrosso & Mathias), emplacando o sucesso "Na Segunda Feira à Noite", e também gravou um LP com Robertinho (da dupla Léo Canhoto e Robertinho).

José Rico sem Milionário[editar | editar código-fonte]

Milionário

José Rico, por sua vez, separado de Milionário, chegou a tentar carreira solo, gravando dois discos, eles são: "Voltei Pra Ficar" (1992) e "Uma Luz Em Meu Caminho" (1993), mas o destino novamente colocou frente a frente Milionário & José Rico.

O retorno[editar | editar código-fonte]

Em 1994, Milionário e José Rico uniram novamente as suas forças e gravaram o LP Volume 21, com o título "Nasci Para Te Amar", o qual foi também lançado simultaneamente em CD, o primeiro da dupla. Nesse disco, a dupla gravou uma música de autoria de José Rico em homenagem ao inesquecível Ayrton Senna, que havia falecido tragicamente naquele ano.

Atravessando gerações[editar | editar código-fonte]

Em 2008, depois de cinco anos sem gravar disco nenhum, a dupla lançou o CD e o DVD "Atravessando Gerações", incluindo músicas como "Vontade Dividida", "Solidão", "Decida", mostrando que realmente atravessou gerações.

Morte de José Rico[editar | editar código-fonte]

No dia 3 de março de 2015, morreu José Rico. Nascido em 29 de junho de 1946, faleceu aos 68 anos, vítima de um infarto.[15]

Dupla com Marciano[editar | editar código-fonte]

Com a morte de José Rico, Milionário, no ano de 2016, formou uma dupla com Marciano, que até então seguia carreira solo após se separar de João Mineiro em 1993.

A nova dupla recebeu o nome de Milionário & Marciano, gravando inclusive um DVD intitulado Lendas, no qual a dupla regravou sucessos de seus antigos duetos: Milionário & José Rico e João Mineiro & Marciano. Marciano faleceu em 18 de janeiro de 2019.

Discografia[editar | editar código-fonte]

Existem alguns álbuns que não fazem parte da discografia oficial, que são:

  • O primeiro LP da dupla, com o título "Sempre Sofrendo", foi gravado em 1970 pelo selo Califórnia, com as canções "De Longe Também Se Ama" e "Zé Macaia". Em 1973, a dupla gravou o segundo disco pela Chantecler como sendo Vol.01. Este disco de 1970 não era reconhecido como disco de carreira até 2008, ele passou a fazer parte da discografia oficial da dupla após o Vol.27, ou seja, ele é o primeiro disco, mas conta como Vol.28
  • Um compacto lançado em 1980 com as músicas "Canção De Um Patriota" (que não saiu em nenhum LP da dupla) e "Oração Do Sertanejo" (que saiu no LP de 1981)
  • Um compacto de Carnaval, lançado em 1983, intitulado "A Marcha do Zum".

DVDs[editar | editar código-fonte]

Filmes[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Rodeo West, Marketing (4 de janeiro de 2017). «Milionário e José Rico: a história das gargantas de ouro e 10 sucessos marcantes». RodeoWest.com.br. Consultado em 17 de janeiro de 2019 
  2. Noroeste, Diário do. «Morre José Rico, o Garganta de Ouro que deixou Terra Rica para conquistar o Brasil» 
  3. Fleury, Sergio (27 de outubro de 2016). «O parceiro 'esquecido' de José Rico» 
  4. «Eu recomendo: Carapó, Cambay e Andrezinho - Carapó, Cambay e Andrezinho» 
  5. Conheça o primeiro parceiro de José Rico, o Cambota - G1 Paraná - Norte e Noroeste - Paraná TV 2ª Edição - Vídeos - Catálogo de Vídeos, consultado em 11 de abril de 2020 
  6. http://www.dothnews.com.br. «João Perrupato e Milionário & José Rico, por José Tibiriçá» 
  7. «Apaixonado por música e futebol, José Rico começou a carreira em Dourados». 4 de março de 2015 
  8. «Milionário e José Rico começaram a carreira em Dourados». 17 de janeiro de 2014 
  9. «Santista fanático, Zé Rico era dono da 10 e doou ônibus para o Barbarense» 
  10. GloboEsporte.comAmericana, Por; SP. «Atleta, investidor e torcedor: relembre ligação do cantor Zé Rico com futebol» 
  11. «Idosa mostra onde acolheu José Rico em Dourados» (em inglês) 
  12. http://www.dothnews.com.br. «Além da música, futebol era paixão de José Rico quando morou em Dourados» 
  13. «Gravadora California - * Sobre nós» 
  14. «dicionariompb.com.br/mario-vieira/dados-artisticos» 
  15. «Morre aos 68 anos cantor sertanejo José Rico, da dupla com Milionário». G1. 3 de março de 2015. Consultado em 3 de março de 2015 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]