Lílian Lemmertz

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Maio de 2012).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Lilian Lemmertz
A atriz, em cena de Cordélia, Cordélia (1971)
Nascimento 15 de junho de 1937
Porto Alegre, RS
Nacionalidade  brasileira
Morte 5 de junho de 1986 (48 anos)
Rio de Janeiro, RJ
Ocupação atriz
Cônjuge Lineu Dias
Outros prêmios
Festival de Gramado

Troféu APCA

  • 1982: Melhor atriz de TV, por Baila Comigo
IMDb: (inglês)

Lílian Lemmertz Dias (Porto Alegre, 15 de junho de 1937Rio de Janeiro, 5 de junho de 1986) foi uma atriz brasileira, figurada entre as mais respeitadas da sua geração.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Descendente de alemães, Lílian formou-se como professora de Literatura em Porto Alegre. O teatro aconteceu-lhe por um acaso, e foi Antônio Abujamra, seu colega de um curso de inglês e amigo de família, que a convenceu a trabalhar na peça À Margem da vida, que estava sendo montada pelo Teatro Universitário da capital gaúcha.

Quando morreu, prematuramente, aos 48 anos, vítima de um enfarte do miocárdio, sozinha em seu apartamento no Rio de Janeiro, Lilian estava ensaiando o espetáculo Ação entre amigos, com direção de Paulo Betti.

Foi casada durante muitos anos com o ator Lineu Dias. Com quem teve uma única filha a também atriz e diretora Júlia Lemmertz. É avó da também atriz Luiza Lemmertz, filha de Júlia Lemmertz do primeiro casamento com o produtor Álvaro Osorio. E de Miguel Lemmertz filho do segundo casamento de Júlia Lemmertz com o ator Alexandre Borges.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Começou sua carreira, em 1958, em teatros amadores na capital gaúcha. Em 1963, após trabalhar por cinco anos nesses teatros, ela se transferiu para São Paulo, onde, a convite de Walmor Chagas e Cacilda Becker, se tornou profissional ao participar da montagem do musical Onde Canta o Sabiá.

Em 1965, ganhou o Prêmio SACI como melhor atriz coadjuvante na peça Quem Tem Medo de Virginia Woolf?.

Estreou no cinema em 1966, no filme Corpo Ardente. Suas interpretações no cinema sempre foram muito elogiadas pela crítica. Foi musa do cineasta Walter Hugo Khouri, com quem fez oito filmes, entre eles As Amorosas, em 1968, e Eros, o Deus do Amor, em 1981

Na televisão, ficou conhecida por suas personagens delicadas e angustiadas, em novelas como Baila Comigo, Final Feliz e Partido Alto. Foi em Baila Comigo que Lílian viveu a primeira "Helena" das novelas de Manoel Carlos, numa interpretação ao lado do ator Fernando Torres.

A atriz recebeu inúmeros prêmios no cinema e no teatro.

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Na televisão[editar | editar código-fonte]

Ano Título Personagem Nota
1968 O Terceiro Pecado
1969 Nenhum Homem é Deus Helena
1972 O Tempo não Apaga Eugênia
1973 Quero Viver Helena
1976 Xeque-mate Nancy
1980 O Todo-Poderoso Matilde
1981 Baila comigo Helena
1982 Final Feliz Maria Luísa
O Homem Proibido Flávia
1983 Guerra dos Sexos Valquíria Participação
1984 Partido Alto Nanci
1985 O Tempo e o Vento Bibiana Terra Cambará
Roque Santeiro Margarida
1986 Caso Especial Esposa (episódio:Negro Léo)

No cinema[editar | editar código-fonte]

Ano Título Personagem
1966 As cariocas
O Corpo Ardente Amante de Roberto
1968 As amorosas Lena
1970 Copacabana mon amour [1] Prostituta
Barão Olavo, o horrível Ritinha
1971 Cordélia, Cordélia Cordélia
1972 As deusas Ângela
Elas
1973 O Último Êxtase Mulher mais Velha
Um Intruso no Paraíso Betty
1974 O Anjo da Noite Rachel
Aquelas mulheres (inacabado)
1975 Lição de Amor Fraulein
O Desejo Eleonora
1976 Aleluia, Gretchen Rose Marie[2]
1977 Paixão e Sombras Lena
1979 Os Amantes da Chuva
1981 Eros, o Deus do Amor Eleonora
1983 Janete Iolanda
1984 Tensão no Rio Viúva de Escosteguy
1985 Patriamada Esposa de Rocha Queiroz

No teatro[editar | editar código-fonte]

  • 1963 - Onde Canta o Sabiá
  • 1964 - A Noite do Iguana
  • 1964 - Toda Donzela Tem um Pai que É uma Fera
  • 1965 - Quem Tem Medo de Virgínia Woolf?
  • 1968 - Dois na Gangorra (Prêmio Molière de melhor atriz)
  • 1969 - Hamlet
  • 1970 - O Balcão
  • 1972 - Quanto Mais Louco Melhor
  • 1974 - Entre Quatro Paredes
  • 1975 - Roda Cor de Roda
  • 1977 - Esperando Godot
  • 1978 - Quem Tem Medo de Virgínia Woolf?
  • 1979 - Caixa das Sombras (Prêmios Governador do Estado e APCA de melhor atriz)
  • 1980 - Patética

Referências

  1. Governo do Estado de São Paulo, Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, Coleção Aplauso Cinema Brasil, O Bandido da Luz Vermelha, roteiro e direção Rogério Sganzerlade [em linha]
  2. «Aleluia, Gretchen». Cinemateca Brasileira. Consultado em 23 de fevereiro de 2017 


Ícone de esboço Este artigo sobre um ator é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.