Aleluia, Gretchen

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Aleluia, Gretchen
Cartaz do filme.
 Brasil
1976 •  cor •  118 min 
Direção Sylvio Back
Roteiro Sylvio Back (argumento, roteiro e diálogos)
Manoel Carlos Karam (colaborador)
Oscar Milton Volpini (colaborador)
Elenco Carlos Vereza
Miriam Pires
José Maria Santos
Lílian Lemmertz
Selma Egrei
Gênero drama
Música O Terço
Idioma português
alemão
Página no IMDb (em inglês)

Aleluia, Gretchen é um filme brasileiro de 1976, do gênero drama, dirigido por Sylvio Back e direção de fotografia de José Medeiros, com coprodução e distribuição da Embrafilme. Apesar dos personagens principais serem alemães, o filme é todo falado em português.[1] O tema de abertura é "A Cavalgada das Valquírias" de Wagner, utilizada como um hino nazista e com arranjos distorcidos na interpretação do grupo "O Terço", que lembra o hino norte-americano tocado por Jimi Hendrix.[1]

Elenco[editar | editar código-fonte]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Conta a saga de uma família que foge da Alemanha nazista por perseguição ao pai, o professor Ross, que é defensor da liberdade de opinião. Desembarcam no Sul do Brasil por volta de 1937 onde vive uma colônia alemã e adquirem um hotel com o dinheiro de Lotte, a mãe, que continua admiradora dos nazistas e permite que o filho volte para lutar do lado deles quando começa a Segunda Guerra Mundial. A filha mais velha, Heike, chegara grávida e abandonada pelo marido, um oficial da SS, e sofre de desequilíbrios mentais e traumas. Os novos proprietários são recepcionados por criados igualmente imigrantes (o filho Werner é líder da "juventude nazista" formada pela colônia alemã da região [1]) e adotam Repo, um ajudante negro sem família. Um dos hóspedes é Aurélio, um integralista e antigetulista que de imediato simpatiza com a família recém-chegada. Com a derrota dos nazistas na guerra, a família, os empregados alemães e Aurélio passam a sofrerem hostilidades e desconfianças da população e do governo local. Em 1955, chegam ao hotel refugiados alemães vindo da Argentina. Eurico, um caixeiro viajante provavelmente judeu que casara com outra filha de Lotte, Gudrun, acha que eles trouxeram ouro e tenta se aproveitar da situação.

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Festival de Gramado 1977 (Brasil)
Melhor Fotografia (José Medeiros)
Melhor Ator Coadjuvante (José Maria Santos).
  • Indicado na categoria:
Melhor Filme.
Troféu APCA 1978
  • Vencedor nas categorias:
Melhor Ator (Sérgio Hingst)
Melhor Cenografia
Melhor Roteiro
Prêmio Air France de Cinema (1977)
Vencedor nas categorias:
Melhor diretor
Melhor atriz (Miriam Pires)
Prêmio Governador do Estado (1977, SP)
  • Vencedor nas categorias:
Melhor argumento (Sílvio Back)
Melhor fotografia (José Medeiros)
Melhor cenografia (Ronaldo Rego Leão e Marcos Carrilho)
Prêmio Coruja de Ouro (1977) do Instituto Nacional de Cinema
Vencedor nas categorias:
Melhor Atriz (Miriam Pires)
Melhor Figurino (Luis Afonso Burigo)
Melhor Fotografia (José Medeiros)
Embrafilme
  • Vencedor do Prêmio de Qualidade
Prêmio Molière
  • Vencedor nas categorias:
Melhor Diretor
Melhor Atriz (Miriam Pires)
Museu da Imagem e do Som (Rio de Janeiro)
  • Vencedor (Golfinho de Ouro) na categoria:
Melhor Diretor

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um filme brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.