Sylvio Back

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Sylvio Back
Back, 2012
Nascimento 1937 (79 anos)
Blumenau
Nacionalidade  Brasileiro
Ocupação Cineasta

Sylvio Back (Blumenau/SC, 1937), cineasta, poeta, escritor e roteirista brasileiro, filho de imigrantes, pai judeu húngaro, e mãe alemã, que vieram para o Brasil em 1935, fugindo do nazismo.

Além de 38 filmes realizados (curtas, médias e 12 longas-metragens), tem 24 livros publicados, entre poesia, ensaios e 10 argumentos/roteiros de seus filmes.

Com 76 láureas nacionais e internacionais, Sylvio Back é um dos mais premiados cineastas do Brasil. Autor de alguns filmes clássicos como "Lance Maior" (1968), "A Guerra dos Pelados" (1971) e "Aleluia, Gretchen" (1976), Back também assina obras polêmicas como "República Guarani" (1982), "Rádio Auriverde" (1991), "Yndio do Brasil" (1995), "Cruz e Sousa - O Poeta do Desterro" (1999), e "Lost Zweig" (2003), este, originalmente falado em inglês, todos colecionando troféus em festivais mundo afora. Sua obra, reconhecidamente inovadora em termos de conteúdo e linguagem, percorre cinquenta anos da história do cinema brasileiro, onde ainda se sobressaem os recentes, "O Contestado - Restos Mortais" (2010) e "O Universo Graciliano" (2013), a exemplo dos acima citados, lançados em cinemas e exibidos na televisão aberta e por assinatura, e disponíveis em DVD, através de dois packs contendo 12 longas-metragens sob o título "Cinemateca Sylvio Back" (legendas em inglês).

Na área da literatura, entre 1959 e 1961, Sylvio Back, então com 22 anos, foi editor do suplemento literário "letras & artes" do jornal Diário do Paraná, em Curitiba1, um divisor de águas na cultura paranaense daquela quadra, tanto pela sua modernidade gráfica, como pelo comprometimento artístico e moral de suas dezenas de colaboradores. Igualmente, poeta, Back tem 12 livros editados, destacando-se sua poesia erótica, considerada pela crítica especializada uma das mais importantes atualmente publicadas no Brasil.

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Obra poética[editar | editar código-fonte]

  • "O Caderno Erótico de Sylvio Back" (1986)
  • "Moedas da Luz" (1988),
  • "A Vinha do desejo" (1994)
  • "Yndio do Brasil" (Poemas de Filme, 1995)
  • "boudoir" (1999)
  • "Eurus" (2004)
  • "Traduzir é poetar às avessas" (2005)
  • "Eurus" bilíngue (português-inglês) (2006)
  • "Kinopoems" (@-book) (2006)
  • "As mulheres gozam pelo ouvido" (2007)
  • "Quermesse" - obra erótica reunida (2013)
  • "Kinopoems" (2014)

Ensaios[editar | editar código-fonte]

  • "Um cinema polêmico" (1967)
  • "Cinema paranaense? (obra coletiva/1968)
  • "Por um cinema desideologizado" (1987)
  • "No cinema inoculado" (1988)
  • "Pensar es insalubre" (1989)
  • "Sylvio Back - Filmes noutra margem" (1982)
  • "Guerra do Brasil por Sylvio Back (1992)
  • It´s All Brasil (1995/2004)
  • "Docontaminado" (2001)
  • Suplemento Literário "letras e/& artes" (2011)

Premiações[editar | editar código-fonte]

  • Por A Guerra dos pelados:
"Prêmio de Qualidade", do Instituto Nacional de Cinema INC/71;
"Melhor filme brasileiro exibido em São Paulo/71" "Folha de S. Paulo";
Prêmio "Governador de São Paulo"/71;
Três prêmios para o elenco no 1º Festival de Cinema de Guarujá ­ SP/71;
"Menção Especial" na 2ª Semana Internacional do Filme de Autor em Málaga (Espanha);
Indicação para o Festival de Berlim (Al. Oc.)/71.
  • Por A gaiola de ouro:
Prêmio no 1º Festival Nacional de Curta-metragem da Aliança Francesa (RJ);
Prêmio "Helena Silveira" e troféu "Amiga" para o "Melhor Programa de 1973".
  • Por Um Brasil diferente?:
Prêmio "Melhor Filme de Turismo do Ano" (Embratur).
  • Por Sete Quedas:
"Melhor roteiro" (1º lugar) no Concurso de Filmes sobre Turismo (Embratur-Embrafilme);
Prêmio "Filme Brasileiro de Curta-metragem", do Conselho Nacional de Cinema (Concine).
  • Por A araucária: memória da extinção:
Prêmio Embrafilme na 15ª Mostra Internacional do Filme Científico/83;
Prêmio "Osiris", da FAO, no 13º Concurso Internacional do Filme Agrícola de Berlim/84 (Al. Oc.);
Prêmio "Filme Brasileiro de Curta-metragem", do Conselho Nacional de Cinema (Concine)/84.
  • Por República Guarani:
"Melhor Roteiro" e "Melhor Trilha Sonora", no 15º Festival de Brasília/82;
Prêmio "São Saruê"/82 (Federação de Cineclubes do Rio de Janeiro);
"Melhor Documentário"/84 (Associação de Críticos Cinematográficos/MG);
"Menção Honrosa" no 2º Festival Latino-americano de Cinema dos Povos Indígenas/87 (RJ).
  • Por A escala do homem:
Prêmio "Filme Brasileiro de Curta-metragem" da Fundação do Cinema Brasileiro/89.
  • Por Vida e sangue de polaco:
"Melhor Fotografia" no 11º Festival de Gramado/83;
"Melhor Fotografia" e "Melhor Som" no 16º Festival de Brasília/83;
Indicação para o 6º Festival Internacional do Filme Etnográfico e Sociológico ("Cinéma du Réel"), Paris/84.
  • Por O auto-retrato de Bakun:
Prêmio "Glauber Rocha" (Melhor Filme), na 13ª Jornada Brasileira de Curta-metragem (Cachoeira/BA)/84;
"Menção Especial do Júri" no 1º Festival Internacional de Cinema, Televisão e Vídeo do Rio de Janeiro/84;
Prêmio "Melhor Fotografia" no 1º Festival de Cinema de Caxambu/MG, 84.
  • Por Guerra do Brasil:
"Prêmio Especial do Júri" no 3º Rio-cine Festival/87;
"Melhor Roteiro" no 1º Festival de Cinema de Natal (RN)/87;
"Melhor Cartaz" (João Câmara e Dulce Lobo) no 9º Festival Internacional del Nuevo Cine Latino Americano de Havana (Cuba)/87.
  • Por A babel da luz:
"Melhor Filme" e "Melhor Montagem" no 25º Festival de Brasília;
"Melhor Curta-metragem de 92";
"Margarida de Prata" da­ CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil).
  • Por Yndio do Brasil:
"Melhor Documentário de Longa-metragem" na 22º Jornada Internacional de Cinema da Bahia/95;
"Melhor Documentário em Língua Portuguesa e Espanhola" no 26º Festival de Figueira da Foz (Portugal/96);
"Prêmio Especial do Júri" no 100º Fest Cine (Florianópolis-SC)/97;
Indicação para os festivais de Gramado, Havana, Uruguai, Santa Fé (Estados Unidos), Innsbruck (Áustria), Rotterdam (Holanda), Oslo (Noruega), Mar del Plata (Argentina), Fórum do Festival de Berlim (Alemanha) e Trieste (Itália).
  • Por Lost Zweig:
"Melhor filme" e "Melhor direção" na 14ª edição do Cine Ceará - Festival Nacional de Cinema e Vídeo.

Referências


Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.