Sebastião Campos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde Junho de 2008).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Sebastião Campos
Nascimento 12 de abril de 1930 (88 anos)
Ocupação Ator
IMDb: (inglês)

Sebastião Campos (Pindorama, 12 de abril de 1930) é um ator brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Sebastião Campos nasceu em Pindorama. Filho de um ferróviário, na infância, dá provas de seus atributos artísticos ao montar peças teatrais na garagem do vizinho. Quando se muda para Araraquara (SP), organiza um grupo amador, chamado TECA, recebendo na época incentivos do Dr.Alfredo Mesquita, fundador da EAD-SP (Escola de Arte Dramática) e do diretor José Renato. Monta O Caso das Petúnias Esmagadas, de Tennessee Williams; Um Pedido de Casamento, de Anton Tchecov e O Protocolo, de Machado de Assis. Em 1957, ao largar o funcionalismo público, ingressa na EAD, estreando nesse mesmo ano como profissional no TBC (Teatro Brasileiro de Comédia) em Adorável Júlia, de Marc-Gilbert Sauvajon. Ainda no TBC atua em duas peças de Abílio Pereira de Almeida: Rua São Luiz, 27, 8o. Andar (1957) e A Dama de Copas (1958). Com o convite de Sandro Polônio, chega ao TPA (Teatro Popular de Arte/Cia Sandro-Maria encontrando seu primeiro grande sucesso com Gimba (1959), de Gianfrancesco Guarnieri, espetáculo que o leva em excursão por vários países europeus. Recebe manifestações favoráveis da crítica estrangeira, sendo na ocasião comparado ao ator Raf Vallone.

Mantém-se no palco, alternando peças no TPA e na Cia Nydia Lícia, integrando as montagens de Mirandolina (1960), de Carlo Goldoni, Desejo (1961), de Eugene O´Neill, A Castro, de Antonio Ferreira, Armadilha para um Homem Só, de Robert Thomas, Esta Noite Improvisamos, de Luigi Pirandello, Um Elefante no Caos, de Millôr Fernandes, O Marido vai à caça, de Georges Feydeau e várias outras peças bem sucedida.

Atuou na extinta Rede tupi e Rede Excelsior, também na Rede Record, TV Bandeirantes, TV Cultura e SBT.

Televisão

Cinema

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Fontes: Museu da Televisão Brasileira, Teledramaturgia.
  • Frydman, Lyba. Revista Cinelândia, 11/1959
  • Gianfrancesco, Mauro; Neiva, Eurico - Astros e Estrelas da TV Tupi -SP: arte e história na teledramaturgia brasileira. São Paulo: Giz Editorial, 2013

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um ator é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.