Gimba

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Gimba
Informação geral
Nome completo Eugénio Cardoso Carvalho
Nascimento 1959 (59 anos)
Local de nascimento Lisboa
País Portugal Portugal
Gênero(s) Salsa e Merengue, Humor, Música popular
Instrumento(s) voz, guitarra
Período em atividade 1968 - Presente
Afiliação(ões) Afonsinhos do Condado, Os Irmãos Catita, Tiroliro e Vladimir
Página oficial [1]

Eugénio Lopes (Gimba - Lisboa,1959) é um músico, autor e produtor português.[1]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Começou a compor e a escrever canções aos 9 anos, e tornou-se profissional, aos 18. Membro fundador dos Afonsinhos do Condado, esteve na origem - e foi padrinho de batismo - dos Xutos & Pontapés [2], tocou e gravou também com Os Irmãos Catita, em nome próprio a solo, e integrou vários agrupamentos efémeros.

Gravou discos e produziu trabalhos de vários artistas, num leque eclético: José Cid, Mário Laginha, Tim, Vicente da Câmara, Maria de Vasconcelos, entre outros - tendo participado em registos discográficos de Dino Meira, André Sardet, Ena Pá 2000, Quinta do Bill, Mário Mata e outros.

Deu a cara e fez a música para programas de televisão.

Entre 2012 e 2015 foi o director musical do projecto "Radio Royale", onde se destacou o trio feminino "As Royalettes", de cujo reportório é autor e produtor.

De 2004 até à atualidade dedica-se às suas oficinas de escrita para canções, tendo já levado estas atividades a todo o continente e ilhas.

Durante o ano de 2016, Gimba ressuscitou o duo Tiroliro e Vladimir , que fez furor na cena noturna[3] lisboeta da primeira metade dos anos 80, e que viria mais tarde a dar origem ao famoso trio conhecido do grande público como "Os Afonsinhos do Condado". Tiroliro e Vladimir têm vindo a atuar um pouco por toda a parte, e planeiam lançar em 2018/19 um disco com o seu reportório incógnito, que inclui pérolas como "A Sereia Mais Rica", "Domingo em Bicicleta" ou "A Americana".

Em 2018 lançou o seu segundo álbum a solo, "Ponto G" [4] (depois de "Funky Punky Trunky", de 1997), tendo vindo a fazer atuações só de guitarra e voz para pequenas plateias, longe do bulício comercial dos grandes festivais.

Televisão[editar | editar código-fonte]

  • "Pop Off";
  • "O Cabaret da Coxa",
  • "Estado de Graça",
  • "DDT - Donos Disto Tudo".

Composição de bandas sonoras[editar | editar código-fonte]

Assinou bandas sonoras de programas humorísticos:

  • “O Programa da Maria”
  • “Paraíso Filmes”;
  • “O Homem que Mordeu o Cão”

Assinou bandas sonoras para Cinema:

  • “O Crime do Padre Amaro”
  • "Um Passeio de Barco"

Assinou bandas sonoras para Teatro:

  • "Dois Reis e Um Sono"
  • "O Segredo do Rio"
  • "À Procura do Fim"

Rádio[editar | editar código-fonte]

Na rádio criou a roupagem musical de “Há Vida em Markl” (programa de Nuno Markl) e os badalados jingles da “Prova Oral”, de Fernando Alvim, tendo também feito canções para publicidade e curtas metragens institucionais.

Discografia (a solo)[editar | editar código-fonte]

  • "Funky Punky Trunky" (1997)
  • "Ponto G" (2018) [5]

Prémios[editar | editar código-fonte]

Referências