Victoria Ruffo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde junho de 2015). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Victoria Ruffo
VictoriaRuffooo.jpg
Nome completo Maria Victoria Eugenia Guadalupe Martínez del Río Moreno
Outros nomes Vicky Ruffo
Nascimento 31 de maio de 1962 (54 anos)
Cidade do México, D.F
 México
Ocupação Atriz
Cônjuge Eugenio Derbez(1992-1997)
Omar Fayad (2001-Presente)
Página oficial
IMDb: (inglês)

Victoria Ruffo nome artístico de Maria Victoria Eugenia Guadalupe Martínez del Río Moreno (Cidade do MéxicoMéxico31 de maio de 1962) é uma atriz da televisão mexicana. É irmã da também atriz, apresentadora e escritora Gabriela Ruffo e da produtora artística Marcela Ruffo. Foi casada com o ator e humorista Eugenio Derbez, com quem teve seu primeiro filho, o ator José Eduardo Derbez.[1] Atualmente é casada com o político Omar Fayad, o então governador do Estado de Hidalgo e com ele tem dois filhos gêmeos: Anuar e Victoria (Vickyta).[2]

Carreira e vida[editar | editar código-fonte]

Victoria iniciou sua carreira na década de 70, quando ainda era adolescente. A mesma diz que desde os seis anos de idade, seu sonho já era ser uma atriz internacional e de muito sucesso. Ruffo começou seus primeiros trabalhos fazendo fotonovelas (folhetins em forma de revista que eram vendidos semanalmente) e posando para algumas revistas de vestidos de noiva. Sua primeira aparição na tv foi na telenovela Quiéreme Siempre (1982), produzida por Ernesto Alonso. Nessa novela, Victoria fez parte do elenco juvenil junto com sua irmã Gabriela, sendo então as duas filhas da personagem de Jacqueline Andere. Ainda nesse ano, ela foi convidada também por Ernesto Alonso a participar de uma outra telenovela, chamada En busca del paraíso.

Em 1983, Victoria finalmente conseguiu seu primeiro papel protagonista na novela La Fiera (A Fera), produzida pelo famoso Valentin Pímstein, onde interpreta Nathalie. Na época, rumorava-se que Victoria conseguiu esse papel porque em uma ocasião, o produtor a presenciou discutindo com um dos produtores da televisa que a havia dispensado de um teste; o mesmo viu que a atriz possuía uma personalidade muito forte e era tudo o que ele buscava em sua protagonista.

Devido ao sucesso de La Fiera, Victoria é reconhecida em muitos países até hoje, e inclusive, essa mesma novela também foi exibida no Brasil pelo SBT anos mais tarde, em 1992.

Em 1985, Victoria ganha uma nova protagonista, dessa vez, uma jovem com deficiência visual, chamada Juana Iris no folhetim que leva o mesmo título. Em 1987, o produtor Ernesto Alonso (o mesmo que a trouxe para o mundo das telenovelas), vendo seu grande potencial como atriz depois de vários êxitos, lhe convida para protagonizar Victoria, ao lado de Juan Ferrara. O curioso é que, nesta novela, a própria Victoria é quem canta a música-tema de abertura, intitulada "Tarde".

No fim da década de 1980 Victoria Ruffo já era uma atriz bem conhecida no México, mas ainda nem sonhava em ter alcance internacional. Até que Valentín Pimstein decide produzir um remake de Simplemente María, uma telenovela peruana de 1969. Essa novela mudou a vida de Victoria completamente, pois realmente foi um dos maiores sucessos da televisa e uma de suas telenovelas mais lembradas. Simplemente María foi exportada para vários países, dentre eles Rússia, onde a atriz foi recebida como uma rainha em sua viagem de visita, com milhares de fãs pelas ruas aguardando sua chegada, inclusive os chefes de Estado do país na época; e Brasil, que finalmente conheceu a atriz e se encantou com a trama, garantindo ótimos índices de audiência para o SBT.

Em 1993, Victoria protagoniza Capricho, onde interpreta "Cristina". Em 1995, vive "Consuelo", em Pobre Niña Rica, ao lado de Laura Zapata. Essa foi sua novela de menos êxito.

Por volta de 1997, Ruffo se separa de Eugenio Derbez, uma separação uma polêmica que é lembrada até hoje. A mesma disse ter sido vítima de uma mentira por parte do humorista, o qual a enganou fingido ter se casado com ela, quando na verdade, era tudo encenação. O juiz de paz e as testemunhas não passavam de atores contratados pelo mesmo. Diante das várias acusações, Derbez sempre negou tê-la enganado, pois afirma que ela já sabia que tudo se passava de um "casamento de mentirinha para não passar em branco", e que eles se separaram pois a relação já estava desgastada. Dessa relação veio José Eduardo, que hoje também é ator. Devido à separação, Victoria esteve em depressão por quase dois anos, período em que se afastou completamente da tv, e teve que desempenhar os papéis de mãe e pai ao mesmo tempo. Mas graças à ajuda da família e de seu filho, ela conseguiu encontrar forças para seguir adiante.

Em 1998, Vicky (como é chamada pelos fãs), voltou às telinhas, protagonizando mais um sucesso chamado Vivo Por Elena, ao lado de Saúl Lisazo.

Em 2000, Victoria Ruffo começa a protagonizar personagens mais maduros, e intepreta "Cristina", em Abrázame Muy Fuerte, onde trabalha pela primeira vez com César Evora. No ano seguinte, Victoria se casa com Omar Fayad, e mais uma vez se afasta das telenovelas para dedicar-se a família e tentar engravidar.

Em 2004 ela dá a luz aos gêmeos Anuar e Victoria. Nesse período, ainda no hospital, Victoria lê em uma revista que Salvador Mejía está selecionando o casting para seu próximo remake, intitulado La Madrastra, uma história chilena que já havia ganhado outra versão muito famosa no México, Vivir Un Poco, de 1985. Salvador estava à procura de sua "madrasta", e duas atrizes famosas disputavam o papel, que eram Veronica Castro (Os Ricos Também Choram) e Lucía Mendez.

Como sempre foi uma pessoa muito intuitiva e determinada, Ruffo colocou na cabeça que ELA seria a protagonista, e a partir daquele momento fez de tudo para ser selecionada, mergulhando de cabeça no personagem antes mesmo de começar a gravar. Graças à sua boa interação em cena com César Evora e seus esforços, Victoria deu vida à Maria San Román, a pobre injustiçada que pagou vinte anos de prisão por um crime que não cometeu e buscava recuperar seus filhos. Já era de se esperar que a novela seria um sucesso, mas ninguém imaginava que esse sucesso renderia bons frutos por muitos anos. A parceria e amizade entre Victoria e César deu muito certo, conquistando muitos fãs ao redor do mundo, fãs esses que os batizaram de "Pareja tekila" (Casal Tequila), em alusão à cena de amor entre seus personagens em "A Madrasta". Os dois protagonizaram outros sucessos posteriormente, como Triunfo Del Amor (2011) e recentemente, Las Amazonas, 2016. [3]

Outros sucessos de Ruffo que merecem destaque foram as telenovelas: Victoria (2007), onde pela primeira vez a atriz saiu de seu país e trabalhou para a Telemundo, na Colômbia;

En Nombre del Amor (2008), novela em que se cogitava que Ruffo teria seu primeiro papel de vilã, mas de última hora, os produtores preferiram que Letícia Calderón fosse a malvada, e a personagem de Victoria morresse no meio da trama, algo que chocou a alguns televidentes;

Corona de Lágrimas (2012), onde Vicky dá vida à "Refúgio Chavero" (Regina, na versão Brasileira). Com esse personagem a atriz conseguiu seu segundo prêmio TvyNovelas de melhor atriz protagonista. A novela está sendo exibida atualmente no Brasil com o título Lágrimas de Amor, na faixa das 17h, pelo SBT.


Trajetória Completa[editar | editar código-fonte]

Telenovelas[editar | editar código-fonte]

Programas unitários[editar | editar código-fonte]

  • XHDRBZ (2002-2004)
  • Al derecho y al Derbez (1993)
  • Íntimamente entre amigas (2010)
  • La hora pico (2001)
  • Variedades de media noche (1977)

Séries de televisão[editar | editar código-fonte]

  • La Rosa de Guadalupe (2009) Episodio "Amor Sin fronteras" - Carolina Hernández.
  • Mujer, casos de la vida real (2001) - Carmelita Hernández.

Cinema[editar | editar código-fonte]

  • Yo el ejecutor (1987) - Gloria.
  • Un hombre violento (1986) - Susana.
  • Una sota y un caballo (1982) - Mari Carmen Sierra.
  • De pulquero a millonario (1982) - Rufina.
  • Un hombre sin miedo (1982) - Laura Aparicio.
  • Perro Callejero (1980) - Guadalupe.
  • Ángel del Silencio (1979) - Fabianne.
  • Discoteca es amor (1979) - Jacqueline.

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Prêmios TVyNovelas[editar | editar código-fonte]

Ano Categoría Telenovela Resultado
2013 Melhor atriz protagonista Corona de lágrimas Ganhadora
2006 Melhor atriz protagonista La madrastra Indicada
1999 Melhor atriz protagonista Vivo por Elena Indicada
1994 Melhor atriz protagonista Capricho Indicada
1990 Melhor atriz protagonista Simplemente María Indicada
1988 Melhor atriz protagonista Victoria Indicada
1984 Melhor atriz jovem La fiera Ganhadora

Prêmios Bravo[editar | editar código-fonte]

Ano Categoria Indicação por Resultado
2006 Melhor primeira atriz La madrastra Ganhadora1
2013 Melhor primeira atriz Corona de lágrimas Ganhadora

Prêmios People en Español[editar | editar código-fonte]

Ano Categoria Telenovela Resultado
2011 Melhor atriz secundária Triunfo del amor Indicada
2009 Melhor atriz En nombre del amor Indicada

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]