La fiera

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
La Fiera
A Fera (BR)
Informação geral
Formato Telenovela
Duração 50min (segunda a sábado)
Criador(es) Inés Rodena
País de origem  México
Idioma original Espanhol
Produção
Diretor(es) Pedro Damián
Produtor(es) Valentín Pimstein
Elenco Victoria Ruffo
Guillermo Capetillo
Nuria Bages
Carlos Cámara
ver mais
Exibição
Emissora de
televisão original
México Canal de las Estrellas
Transmissão original México 26 de dezembro de 1983México 9 de novembro de 1984
N.º de episódios México 230
Cronologia
Último
Último
Los años felices
Próximo
Próximo

La fiera (no Brasil, A fera) é uma telenovela mexicana produzida pela Televisa e exibida entre 26 de dezembro de 1983 e 9 de novembro de 1984.

Foi baseada na telenovela La gata de Inés Rodena e foi adaptada para a Televisa por Valentín Pimstein.

A trama é protagonizada por Victoria Ruffo e Guillermo Capetillo e antagonizada por Rocío Banquells, Carlos Cámara, Nuria Bages e Raymundo Capetillo.

Foi exibida no Brasil, pelo SBT, de 4 de agosto a 2 de novembro de 1992 substituindo Alcançar uma estrela II.

Produção[editar | editar código-fonte]

O ano era 1983. Valentín Pimstein mal encerrou a produção de Chispita, um tremendo sucesso, e lançou mais um clássico: La fiera. Não foi diferente, a novela foi outro sucesso. A história era um remake do clássico La gata, protagonizada por Amparo Rivelles e Juan Ferrara, e apesar de ter sido um êxito, não superou o impacto da versão original, que é considerada até hoje uma obra-prima.

A produção de La fiera era bem simples: pouquíssimas externas e cenários escassos, mas a boa história e a interpretação dos atores serviu de motivação para uma grande novela.

Destaques do elenco

Pimstein deu a primeira oportunidade como protagonista à Victoria Ruffo, uma jovem e bela atriz, que soube aproveitar a chance e logo de cara virou uma grande estrela. Victoria marcou como Natalie, a heroína pobre impedida de ficar com seu grande amor pelas armadilhas dos pais do galã. Sua interpretação rendeu-lhe um Prêmio TVyNovelas como Melhor Atriz Jovem. Até agora, é seu único prêmio e sem dúvida o papel que mais lhe marcou.

Falando em galã, La fiera, para Guillermo Capetillo, representou sua consagração definitiva. Guillermo virou o galã do momento na Televisa, e foi emendando êxito atrás de êxito. Junto a Victoria Ruffo, foram o par romântico mais querido da época. Até hoje, o que mais é lembrado dessa novela é o marcante par romântico (Natalie e Victor Afonso).

Ainda vale destacar uma das vilãs mais odiadas das telenovelas, Brenda, em mais uma atuação magistral de Rocío Banquells. Venenosa, ambiciosa e cruel, tentou de tudo para separar Natalie e Victor Afonso. No final, foi assassinada por Marcel (Raymundo Capetillo), seu amante, e a quem tinha traído em seus negócios sujos.

Outro romance que marcou na novela foi o da melhor amiga de Natalie, a cabareteira conhecida como La Costeña (Angélica Aragón) com Miguel (Leonardo Daniel), irmão de Victor. Angélica Aragón e Leonardo Daniel ainda atuariam juntos em outro grande êxito, Cañaveral de pasiones (1996), porém em lados opostos: enquanto Angélica interpretava a vilã Josefina, Leonardo deu vida a Fausto Santos, pai da protagonista, Julia (Daniela Castro).

Houve duas substituições no elenco de La fiera: Helena, a mãe do galã, era inicialmente vivida por Lupita Lara, mas foi trocada por Nuria Bages. Essa mudança deveu-se a que Lupita decidiu continuar na série cômica Mi secretaria. Alfredo Alegría, intérprete de Lupito, foi substituído por Alfonso Iturralde.

O lado ruim de La fiera é que a ação da novela se concentrou no início, caindo ao longo da história. Depois do casamento de Natalie e Victor Afonso, já não empolgou como antes. Sua versão original, La gata, é considerada superior, pois em La fiera, muitas mudanças aconteceram. A história em La fiera usou e abusou de clichês. Depois do casamento, ela tem gêmeos, fica cega, recupera a visão, se divorcia, fica rica, e depois briga pelo homem que ama com Julie (Edith González). Tudo isso que acontece após a boda dos protagonistas representa o esticamento que a novela teve devido ao seu êxito, e onde colocaram situações que se distanciaram, e muito, de La gata.

Exibição e recepção no Brasil

No Brasil, La fiera (A Fera) veio no embalo do sucesso de Simplemente María (Simplesmente Maria), e já era bem antiga quando foi exibida. Não alcançou o mesmo sucesso da história de Maria Lopes (Victoria Ruffo). Em compensação, no México, Natalie é o papel mais querido e recordado de Victoria Ruffo.

Na época, o SBT costumava editar as aberturas. Algumas delas eram feitas com cenas da original, mas o caso de A Fera foi totalmente diferente, com uma modelo brasileira e a imagem de uma onça sobre seu corpo.

Versões

Em 2000, outra versão da novela é feita, Por un beso. E ainda que o fio central da história fosse o mesmo, não teve o mesmo sucesso que La fiera, e muito menos que La gata. Muitas modificações foram feitas. A mãe do mocinho por exemplo, já não era tão má como Helena, que até o último capítulo tentou prejudicar Natalie. Em Por un beso, a heroína não era selvagem e escandalosa como em La fiera. Na nova versão o elenco original foi substituído por: Natalia Esperón (Victoria Ruffo), Víctor Noriega (Guillermo Capetillo), Mercedes Molto (Rocio Banquells),Enrique Rocha (Carlos Cámara), Luz María Jerez (Lupita Lara/Nuria Bages), Luz Elena González (Angélica Aragón), Raúl Magaña (Leonardo Daniel), Margarita Magaña (Edith González) e Jorge Poza (Juan Antonio Edwards). Curiosamente, os nomes dos personagens centrais de La fiera, Natalie e Victor, foram os mesmos dos atores da telenovela Por un beso, Natalia Esperón e Víctor Noriega.

Em 2004, também inspirada em La gata, o SBT produziu a novela Seus Olhos, protagonizada por Carla Regina. Porém, mesmo se tratando de um remake da radionovela de Inés Rodena, Seus Olhos trouxe abordagem de temas específicos da realidade brasileira, como a questão do trabalho infantil no Brasil e a violência urbana.

Em 2014, a Televisa realizou outra adaptação de La gata, desta vez levada ao ar sob a produção de Nathalie Lartilleux (coincidentemente o mesmo nome da personagem central de La fiera, Natalie) e protagonizada por Maite Perroni e Daniel Arenas.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Natalie, uma pobre mas bela garota de um bairro humilde, se apaixona e conquista o coração de Victor Afonso, filho da família mais rica da cidade, que foi seu amigo de infância.

Natalie vive com uma velha malvada que a obriga a mendigar para mantê-la, mas também vê nas cartas que “A Fera”, como Natalie é conhecida, conquistará felicidade e riqueza algum dia.

Acreditando que essa felicidade e riqueza estarão ligadas ao Grego, um homem rico que está apaixonado por Natalie, Chona a vende, sem saber que Natalie e Victor Afonso se casaram em segredo antes que ele parta para o estrangeiro, para uma viagem de estudos.

Quando os pais do rapaz ficam sabendo de toda a verdade, desfazem o casamento, sem se importar que “A Fera” esteja grávida do rapaz. Apoiada por sua amiga, uma cabareteira conhecida como “La Costeña” e pelo próprio Grego, Natalie dá a volta por cima e consegue dar à luz gêmeos, mas o que ela não imagina é que o Grego deseja cobrar toda sua generosidade.

Justo aparece na vida de Natalie em um momento de dor e desespero, e ela não entende a razão daquele estranho milionário querer ajuda-la. Mas o que essa “fera” não imagina, é que Justo é, na realidade, seu verdadeiro pai, que por enganos que envolvem a família de Victor Afonso, passou muitos anos na cadeia.

Além disso, há a presença de Brenda, uma mulher bela e maquiavélica que está disposta a tudo para separar Natalie e Victor Afonso, mesmo tendo um amante. Em meio a lágrimas, intrigas e segredos, “A Fera” vai lutar com unhas e dentes pelo amor de Victor Afonso, e assim ser feliz.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

http://www.imdb.com/title/tt0218764/

Ver também[editar | editar código-fonte]