Quinceañera

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre uma telenovela mexicana. Para o filme de 2006, veja Quinceañera (filme).
Quinceañera
15 Anos (BR)
Informação geral
Formato Telenovela
Duração 50 min. (aproximadamente)
Criador(es) Carla Estrada
País de origem  México
Idioma original Espanhol
Produção
Produtor(es) Carla Estrada
Elenco Thalía
Adela Noriega
Nailea Norvind
Ernesto Laguardia
Rafael Rojas
Sebastián Ligarde
Tema de abertura "Quinceañera", por Timbiriche
Transmissão original México 5 de outubro de 1987 - 26 de fevereiro de 1988
Brasil 1 de outubro de 1991 - 2 de dezembro de 1991
N.º de episódios México 95
Brasil 54
Cronologia
Último
Senda de gloria
Amor en silencio
Próximo

Quinceañera (no Brasil Quinze Anos pelo SBT em 1991 e Meus Quinze Anos pela CNT Gazeta em 1997) é uma telenovela mexicana produzida por Carla Estrada para a Televisa e exibida pelo Canal de las Estrellas, entre 5 de outubro de 1987 e 26 de fevereiro de 1988.

Foi a segunda telenovela escrita por René Muñoz. Adaptada do filme de mesmo nome e de autoria dele próprio, o folhetim inovou ao ser tornar um dos primeiros no México a tratar de assuntos até então considerados tabus, tais como gravidez na adolescência, drogas e gangues.

A trama foi protagonizada por Thalía, Adela Noriega, Ernesto Laguardia e Rafael Rojas e antagonizada por Nailea Norvind e Sebastián Ligarde .

Foi exibida no Brasil, pelo SBT, entre 1 de outubro e 2 de dezembro de 1991, sucedendo Rosa Selvagem e sendo substituída por Ambição.[1]

Produção[editar | editar código-fonte]

Em 1987, Carla Estrada teve uma idéia que mudaria a história da teledramaturgia mexicana. A partir do livro homônimo de René Muñoz, ela produziu Quinceañera (cujo título original significa algo como "debutante"). Foi a primeira telenovela lançada para agradar ao público adolescente. Com isso, foram debatidos temas considerados tabus para a época, como gravidez indesejada e estupro. Anteriormente, a própria Estrada havia lançado uma novela direcionada ao público jovem, intitulada Pobre juventud. Esta, contudo, não agradou ao público, o que faz muitos considerarem Quinceañera a primeira telenovela do México direcionada ao público adolescente.

Apesar do projeto em si ter agradado à Televisa, Estrada optou pela escolha de um elenco que não estava de acordo com as ideias dos executivos da rede. Ela queria Ernesto Laguardia, praticamente um desconhecido, para o principal papel masculino. Também queria Nailea Norvind, também quase desconhecida, para viver a vilã Leonor. O presidente da Televisa, Emilio Azcárraga Milmo, se opôs à escalação. Mas Estrada foi até o fim e conseguiu o elenco que idealizara, lançando o nome de ambos para a fama.

Adela Noriega, a protagonista Maricruz, estava cotada para protagonizar Rosa salvaje. A Televisa, entretanto, aproveitou que Verónica Castro retornara à rede e, aproveitando-se de sua lucrativa imagem internacional, a colocou no papel que seria de Noriega em Rosa salvaje. À época, comentou-se que o papel de Maricruz em Quinceañera fora dado a Noriega como consolo.

Thalía havia sido lançada por Estrada em Pobre señorita Limantour, uma novela anterior que foi um enorme fracasso. Assim sendo, o rosto de Thalía, até então integrante do grupo Timbiriche, era praticamente uma novidade nas telenovelas. Beatriz foi um dos papéis mais marcantes e complexos de toda a carreira de Thalía. Ironicamente, ela não foi a primeira opção para Beatriz, e sim Paulina Rubio, também integrante do Timbiriche, que recusou o papel pelo fato da personagem engravidar, o que poderia manchar sua carreira.

Esta é a segunda novela de seis trabalhos que Thalía trabalhou ao lado da primeira atriz Meche Barba; curiosamente, as seis novelas em que Thalía teve participação estelar, além de Quinceañera: Pobre señorita Limantour, María Mercedes, Marimar, María la del Barrio e Rosalinda.

Exibição no Brasil

Apesar de ter feito bastante sucesso em horário nobre no México, Quinceañera nunca foi reprisada pelo SBT. Porém, pouco depois, fora reprisada pela CNT. Aproveitando o sucesso de Thalía no Brasil, em 1997, a emissora adquiriu os direitos de exibição de Quinceañera e a exibiu no horário nobre (20h50) sob o título Meus 15 Anos. Mas, a abertura original da telenovela foi completamente alterada. No lugar da canção-título interpretada pelo Timbiriche, o tema de fundo era "Gracias a Dios", sucesso de Thalía do álbum En Éxtasis de 1995, e a personagem de Thalía foi praticamente a única a ser mostrada na abertura e até mesmo cenas de Maria Mercedes foram inseridas na mesma.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Beatriz e Maricruz estudam juntas e são melhores amigas. Ambas estão prestes a completar quinze anos e sonham com suas respectivas festas de debutantes.

Beatriz é uma menina rica que não se sente amada pelos próprios pais. Sua mãe, a renomada advogada Ana Maria, não tem tempo para se dedicar à filha por causa do trabalho e seu pai tenta comprar a afeição da filha através de presentes caros, as ela quer a atenção deles e não carinhos materiais.

Maricruz é uma garota pobre que é apaixonada pelo mecânico Pancho, mas sua mãe, a ambiciosa Carmen, não permite o namoro, por querer um homem rico para a sua filha.

O líder de uma perigosa gangue de adolescentes bandidos e usuários de drogas é o temido Memo, que se sente atraído por Maricruz. Como sabe que ela é uma garota de família e que jamais se envolveria com um bandido, usa de sua maldade e tenta afastá-la de Pancho. Ele faz Pancho acreditar que ele próprio, Memo, tenha estuprado Maricruz. Assim sendo, Pancho perde o interesse por Maricruz, já que ele fica revoltado, mesmo pensando que foi um estupro, não mais a aceita por ela não ser mais virgem, fato que a deixa arrasada pois a história é tudo mentira, mas ela é ameaçada por Memo e tem que ficar quieta.

Maricruz passa a contar com o apoio da amiga Beatriz por conta desse terrível fato em sua vida, assim as duas amigas que se gostam como irmãs dão força uma a outra. Tanto Beatriz como Maricruz são virgens e Beatriz dá a ideia dela se entregar a Pancho e provar a ele a verdade, mas Beatriz está magoada com ele e tem medo da primeira vez, típico temor das jovens.

Enquanto isso, após a pressão de Carmen para que seus filhos subam na vida, Beatriz se revolta por completo com a mãe. Gerardo, irmão de Maricruz, começa a namorar Beatriz e a engravida. Assustado, Gerardo abandona Beatriz após ela revelar a ele que está grávida. Maricruz fica horrorizada e tenta convencer o irmão a assumir o bebê, uma tentativa em vão. Ela passa a ajudar a amiga, que fica arrasada, pois ele foi seu primeiro namorado e não a amava de verdade.

Beatriz teme muito a reação da mãe, já que Gerardo é pobre e a largou grávida, seria uma grande vergonha para os pais. Ela então, com ajuda de Maricruz, cria coragem e revela tudo a mãe, que entra em choque, mas para sua sorte, pode contar pela primeira vez com o apoio dos pais frente à situação inesperada, mas um acidente a faz perder o bebê e a deixa mais triste, inclusive Maricruz, pois o bebê seria seu sobrinho.

Enquanto isso, Maricruz tem que se resolver com o bandido Memo que a ameaça cada vez mais, pois ele a quer de qualquer forma, mas ela ama Pancho e somente ele. Ela tem que tentar convencer Pancho a acreditar nela de alguma forma, mesmo achando errado e uma prova de que ele não a amava de verdade, pois ele não acreditou nela e se fosse um estupro de verdade, ele a teria largado do mesmo jeito, então ela passa a achar que ele nunca a quis para algo sério.

Ela tenta de todas as formas conseguir fugir da fúria desse temido bandido, além de ajudar Beatriz, que ainda é apaixonada por Gerardo. Todas as dificuldades e alegrias da adolescência são retratadas na novela.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

  • O bordão do bad boy Memo, vivido por Sebastián Ligarde, era quando chamava Maricruz de "sirena morena" ("sereia morena"), frase que se perdeu na tradução da telenovela.
  • Quase quinze anos após o lançamento de Quinceañera, em 2000, Pedro Damián, um dos diretores da telenovela, produziu Primer amor... a mil por hora, um remake da novela original. A nova versão era protagonizada por Anahí, Kuno Becker e Mauricio Islas. Apesar do tempo, a telenovela original permanece sendo muito ousada para sua época quando comparada a seu primeiro remake.
  • Quinceañera foi eleita a quinta melhor novela de todos os tempos pela redação da revista People en Español.[2] De acordo com os leitores, é a segunda melhor novela, perdendo por apenas 2% para a brasileira O Clone.[3]

Remakes[editar | editar código-fonte]

Prêmios e Indicações[editar | editar código-fonte]

Prêmios TVyNovelas 1988[editar | editar código-fonte]

Categoria Nomeado(a) Resultado
Melhor telenovela Carla Estrada Ganhadora
Melhor vilão Sebastián Ligarde Ganhador
Melhor atriz juvenil Adela Noriega Ganhadora
Melhor ator jovem Ernesto Laguardia Ganhador
Melhor revelação feminina Thalía Ganhadora
Melhor revelação masculina Armando Araiza Ganhador
Melhor historia ou adaptação René Muñoz Ganhador
Melhor vilã jovem Nailea Norvind Ganhadora

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]