Renato Gaúcho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Renato Gaúcho
{{{nome}}}
Renato treinando o Fluminense em 2014
Informações pessoais
Nome completo Renato Portaluppi
Data de nasc. 9 de setembro de 1962 (59 anos)
Local de nasc. Guaporé (RS), Brasil
Nacionalidade brasileiro
Altura 1,84 m
destro
Apelido Renato Gaúcho
Renight[1]
Informações profissionais
Equipa atual Sem clube
Posição ex-ponta-direita
Função treinador
Clubes de juventude
1978–1979
1980–1981
Esportivo
Grêmio
Clubes profissionais
Anos Clubes
1979
1980–1986
1987–1988
1988–1989
1989–1990
1991
1991
1992
1992
1993
1994
1995
1995–1997
1997–1998
1999
Esportivo
Grêmio
Flamengo
Roma
Flamengo
Botafogo
Grêmio (emp.)
Botafogo
Cruzeiro
Flamengo
Atlético Mineiro
Grêmio
Fluminense
Flamengo
Bangu
Seleção nacional
1983–1993 Brasil
Times/Equipas que treinou
2000–2001
2002–2003
2005–2007
2007–2008
2008
2009
2010
2010–2011
2011
2013
2014
2016–2021
2021
Madureira
Fluminense
Vasco da Gama
Fluminense
Vasco da Gama
Fluminense
Bahia
Grêmio
Atlético Paranaense
Grêmio
Fluminense
Grêmio
Flamengo
Última atualização: 12 de julho de 2021

Renato Portaluppi, também conhecido como Renato Gaúcho (Guaporé, 9 de setembro de 1962), é um treinador e ex-futebolista brasileiro que atuava como ponta-direita. Atualmente está sem clube.[2]

É considerado um dos maiores pontas mundiais dos anos 1980 e início dos anos 90, sendo também cunhado pela imprensa como Rei do Rio (em referência ao seu sucesso atuando por times cariocas), além de ser amplamente considerado um dos maiores jogadores da história do Grêmio, tendo sido campeão da Copa Libertadores da América e da Copa Intercontinental em 1983 pelo Tricolor Gaúcho.[3]

Como treinador do Grêmio, foi campeão da Copa do Brasil em 2016, da Copa Libertadores da América em 2017 e da Recopa Sul-Americana em 2018. Ao conquistar a competição continental em 2017, Renato entrou para o seleto grupo de pessoas que conquistaram a Copa Libertadores da América como jogador e também como treinador,[4] sendo o primeiro brasileiro a conseguir tal feito. Em 2019, tornou-se o técnico com trabalho mais longevo no futebol Brasileiro. É um dos treinadores mais vitoriosos da história do Grêmio e, desde 2020, o treinador que mais vezes comandou o time ao longo da história do clube.[5]

Pelos resultados recentes, pela liderança que exerce sobre o vestiário, pela capacidade de mexer decisivamente no time ao longo das partidas e pela plástica com que atuam as suas equipes, já foi considerado, ao lado de Tite, Mano Menezes e Fábio Carille, um dos melhores técnicos brasileiros em atividade[6], tendo sido listado pela imprensa internacional também como um dos melhores técnicos do mundo em 2018.[7][8]

Carreira como jogador

Início no Esportivo

Renato nasceu em Guaporé, mas se mudou ainda criança com sua família para Bento Gonçalves. Antes de se tornar jogador, trabalhou como auxiliar de padeiro em uma padaria e entregador em uma fábrica de móveis. Foi jogando nas peladas da empresa de móveis que Renato chamou a atenção dos colegas e entrou nas categorias de base do Esportivo.[9]

Fez sua estreia pelo clube de Bento Gonçalves aos 16 anos, no dia 12 de agosto de 1979, em partida válida pela quarta rodada da fase final do Campeonato Gaúcho contra o Grêmio, jogo que o Esportivo perdeu por 3 a 0.[10]

Grêmio

Renato chegou ao Grêmio em 1980, e fez sua estreia no mesmo ano, no dia 15 de junho, na derrota por 1 a 0 para o Comercial, em um amistoso disputado em Maracaju.[11]

Após não ser muito aproveitado em seus primeiros anos de clube[12], Renato fez seu primeiro gol como profissional em 25 de julho de 1982, saindo do banco de reservas para fazer o único gol do Grêmio na vitória de 1 a 0 sobre o Novo Hamburgo, em partida do Campeonato Gaúcho.[13]

Mais tarde foi contratado pelo Grêmio, clube que o projetou para o Brasil e para o mundo, após as conquistas da Taça Libertadores da América e da Copa Intercontinental, ambos em 1983, se consolidando como um dos maiores ídolos do tricolor gaúcho.[14] Na decisão do Intercontinental, em Tóquio, Renato fez os dois gols da vitória gremista por 2 a 1 sobre o Hamburgo, da Alemanha.[15] O atacante foi escolhido o melhor jogador da final, recebendo como prêmio um carro Toyota.[16]

Depois do Intercontinental, Renato levou o Grêmio ao bicampeonato gaúcho em 1985 e 1986. Após uma excelente campanha nas Eliminatórias, foi convocado para a Copa do Mundo FIFA de 1986, mas durante os preparativos para a competição foi cortado pelo técnico Telê Santana, por indisciplina, e acabou de fora do grupo que viajou até o México.[15]

Flamengo

Renato acertou sua ida para o Flamengo em 1987, onde veio a formar uma grande dupla de ataque com Bebeto. Renato ganhou a simpatia da torcida rubro-negra após marcar contra o Atlético Mineiro, no Mineirão, o gol que garantiu a classificação para a final da Copa União (um dos módulos do Campeonato Brasileiro daquele ano), contra o Internacional. Renato foi eleito o melhor jogador do Brasileirão de 1987, recebendo a Bola de Ouro da revista Placar.[17]

Roma

Trocou o Rio de Janeiro pela Itália em meados de 1988, onde foi jogar pela Roma, por 2,7 milhões de dólares. A chegada de Renato ao futebol italiano foi cercada de expectativa: o treinador Nils Liedholm comparou Renato com o craque holandês Ruud Gullit, afirmando que Renato era o "Gullit branco".[18] No entanto, Renato não correspondeu às expectativas. Após apenas uma temporada, deixou a Roma, alegando ter sido boicotado pelos companheiros de time, sobretudo Giuseppe Giannini.[19]

Ainda hoje é considerado um dos maiores "bidone" (italiano para "bidão ou lata do lixo": gíria para jogador decepcionante, fracassado), pela imprensa italiana.[18][20][21][22][23][24][25][26]

Retorno ao Flamengo

Retornou ao rubro-negro já no ano seguinte. Atuando ao lado de Bobô e Gaúcho, Renato sagrou-se campeão da Copa do Brasil de 1990. Na época, Portaluppi afirmou que "escondia as caneleiras na sunga após o início do jogo", pois elas o atrapalhavam por conta das cãibras[27], o que causaram polêmica logo após a obrigatoriedade no uso recém-imposta pela FIFA.

Também em 1990 foi convocado para ir a Copa do Mundo da Itália. No entanto, na Seleção de Sebastião Lazaroni, Renato foi reserva de Careca e Müller. Entrou contra a Argentina, nas oitavas de final, mas o Brasil não conseguiu reverter o placar adverso de um a zero e acabou eliminado.

Botafogo

Em 1991, após tentativa frustrada de renovação do seu contrato, Renato trocou o Flamengo pelo rival Botafogo por uma quantia de 450 mil dólares. Durante a sua passagem pelo clube de General Severiano, Renato colecionou polêmicas, numa delas, logo após fazer um decepcionante Brasileirão de 1991, e começar muito bem o Campeonato Carioca de 1991, aceitou uma proposta de empréstimo do Grêmio em meio ao torneio,[28] disputado no segundo semestre daquele ano. Após os três meses de empréstimo, Renato retornou ao Botafogo em janeiro de 1992, integrando a boa equipe alvinegra, que fez uma impecável primeira fase e chegou como franca favorita às finais do Brasileirão de 1992. O adversário do Botafogo naquela final foi um velho conhecido, o Flamengo, com craques como Júnior, Djalminha, Marcelinho, Zinho, entre outros, haja vista que o Glorioso tinha nomes como Márcio Santos, Carlos Alberto Santos, Carlos Alberto Dias e Valdeir, além de Renato.

O Flamengo goleou o Botafogo por três a zero na primeira partida. No dia seguinte àquela partida, Renato compareceu ao churrasco comemorativo do Flamengo, na casa do amigo Gaúcho. O incidente repercutiu nos jornais e na televisão do Rio, gerando desconforto na sede do Botafogo. Isso ocasionou o sumário afastamento de Renato. Na partida de volta, o Botafogo conseguiu um empate com o Flamengo e, em consequência com desvantagem de três gols, perdeu o título para o rival.

Cruzeiro

Depois de sua saída do Botafogo, Renato foi para o Cruzeiro, onde ajudou o time mineiro nas conquistas do Campeonato Mineiro e da Supercopa Sul-Americana, ambos em 1992. Sua passagem pelo time estrelado foi rápida, mas extremamente marcante. Na goleada de 8–0 contra o Atlético Nacional, válida pela Supercopa Sul-Americana, Renato marcou cinco gols em uma só partida pela primeira vez em sua carreira. Num deles o atacante completou a bola para as redes sentando no gramado. A goleada foi a maior da história do Cruzeiro em competições internacionais. O camisa 7 foi o artilheiro da competição, com seis gols.[29]

Fluminense

Após passar por Flamengo e Atlético Mineiro, Renato chegou ao Fluminense em 1995. No Campeonato Carioca desse mesmo ano, Fluminense e Flamengo chegaram à última rodada do octogonal final como os únicos com chance de conquista do título. Apesar de terminar o primeiro tempo em vantagem, o tricolor teve jogadores expulsos, o que permitiu a reação e o empate rubro-negro em 2 a 2, resultado que daria o título ao clube da Gávea. Entretanto, faltando quatro minutos para o final da partida, Aílton fez boa jogada e bateu para o gol. A bola escorou na barriga de Renato e tomou a direção do gol. Com o resultado de 3–2, o título ficou com o Fluminense e a jogada, conhecida como o gol de barriga.[30]

Mais tarde, naquele ano, Renato colaborou para a chegada do Fluminense às semifinais do Brasileirão. Porém, em 1996, o Fluminense fez péssima campanha no Campeonato Brasileiro. Nas últimas rodadas, quando o time lutava contra o rebaixamento, Renato transmitiu confiança à torcida declarando publicamente que desfilaria nu caso o Fluminense jogasse na Série B no ano seguinte. Mas as palavras do craque não foram suficientes e, por fim, o Fluminense terminou o campeonato na penúltima posição. Renato não cumpriu a promessa; anos depois, bem-humorado, frisou que, de fato, o Fluminense não jogou na Série B em 1997, pois houve uma virada de mesa, referindo-se Caso Ivens Mendes.

Retorno ao Flamengo, Bangu e aposentadoria

Em 1997, Renato voltou a jogar novamente no Flamengo. Em 1999, o Bangu o contratou, na esperança de manter uma escrita: ter sido campeão estadual em anos múltiplos de 33 (havia sido em 1933 e 1966).[31] Todavia, o Alvirrubro ficou em penúltimo, e Renato decidiu aposentar-se ali mesmo para fazer faculdade de Educação Física.

Carreira como treinador

Início no Madureira

A primeira experiência de Renato como treinador aconteceu em 1996, quando ainda era jogador do Fluminense. Na luta contra o rebaixamento, o tricolor carioca, por duas vezes, chegou a usar Renato como jogador-treinador.[32]

Mais tarde, após sua retirada dos gramados, Renato iniciou a carreira de treinador no Madureira.[33] Ficou neste clube por dois anos, ganhando experiência na nova função.

Fluminense

Em setembro de 2002, Renato teve outra oportunidade como técnico, quando voltou a exercer o comando da equipe do Fluminense. Deixou o cargo quase um ano depois, em julho de 2003. Porém, poucos meses depois, entre outubro e dezembro daquele ano, teve nova passagem pelo clube carioca. Depois de sua saída do Fluminense, Renato ficou desempregado durante o ano de 2004.[32]

Vasco da Gama

Em 2005, o Vasco da Gama, clube que Renato nunca chegara a vestir a camisa como jogador, contratou-o como técnico. No Vasco, Renato conseguiu, definitivamente, solidificar sua carreira como treinador. Conseguiu levar sua equipe ao vice-campeonato da Copa do Brasil de 2006 e ao sexto lugar do Brasileirão do mesmo ano, sendo eleito o segundo melhor técnico do Brasil, pela votação da CBF. Depois de não conseguir levar o Vasco às finais do Estadual de 2007, foi demitido e acabou regressando ao Fluminense.

Fluminense (segunda passagem)

Título da Copa do Brasil e vice da Libertadores

Renato em sua segunda passagem pelo Fluminense, em 2007

Na nova passagem pelo tricolor carioca, chegou novamente às finais da Copa do Brasil. Após o empate no primeiro jogo por 1-1, realizado no Maracanã, o Fluminense foi até Santa Catarina e derrotou o Figueirense por 1 a 0. Com isso, a Copa do Brasil de 2007 tornou-se o primeiro título na carreira de Renato como treinador. Com a conquista da Copa do Brasil, o Flu garantiu uma vaga para a Copa Libertadores da América de 2008, a primeira oportunidade de Renato disputar esta competição como treinador.

Nessa competição, o Fluminense conseguiu uma classificação contra o São Paulo de Muricy Ramalho, vencendo por 3 a 1 a equipe paulista e levando o Fluminense a uma inédita semifinal da Libertadores, com um gol do atacante Washington nos acréscimos do segundo tempo, de cabeça, em jogada treinada à exaustão pela equipe. Já nas semifinais, o Fluminense eliminou o poderoso Boca Juniors (empate por 2 a 2, em La Bombonera, e vitória por 3 a 1 no Maracanã), classificando o Tricolor para a inédita final, e escrevendo seu nome na história do clube.

Na decisão, foi derrotado pela LDU do Equador, no primeiro jogo, em Quito, por 4 a 2.[34] Para o jogo de volta, Renato deu declarações provocativas, convocando o torcedor tricolor ao Maracanã e dizendo que, com a vitória, seu time iria "brincar no Brasileiro".[35] De fato, o Fluminense reagiu e chegou ao empate (no placar agregado) por 5 a 5, porém perdeu o título nos pênaltis graças às defesas do goleiro equatoriano José Francisco Cevallos.[36]

Demissão no Flu e retorno ao Vasco da Gama

Após a derrota do Fluminense para o Ipatinga em Minas Gerais, ambos nas últimas posições do Campeonato Brasileiro, Renato foi demitido na chegada da delegação ao Rio de Janeiro, ainda no Aeroporto Santos Dumont na madrugada de 11 de agosto de 2008.[37]

Um mês depois, em 18 de setembro de 2008, acertou o seu retorno ao Vasco da Gama. Sua campanha não foi boa e o Vasco acabou rebaixado para a Série B do Campeonato Brasileiro.[38]

Fluminense (terceira passagem)

No dia 20 de julho de 2009, Renato foi contratado como novo treinador do Fluminense.[39] Porém, no dia 1 de setembro de 2009, foi demitido. Para seu lugar foi contratado Cuca, ex-técnico do Flamengo.[40]

Bahia e Grêmio

Já no dia 13 de dezembro de 2009, foi anunciado como novo treinador do Bahia para a temporada de 2010.[41] Por lá, estava fazendo uma boa campanha no Campeonato Brasileiro da Série B de 2010, tendo deixado o Bahia em sexto lugar.[42] Ficou até 10 de agosto de 2010, quando foi contratado pelo Grêmio para suceder Silas.[43]

Logo que entrou, mudou o esquema tático da equipe, ajudando-a a dar um "salto" da zona de rebaixamento para o quarto lugar na classificação final (que, com a ajuda do Goiás, derrotado na final da Copa Sul-Americana, garantiu uma vaga para a repescagem da Copa Libertadores da América de 2011), com a melhor campanha no returno da competição. Consequentemente, foi um dos indicados ao prêmio de melhor treinador.

Demissão

Em 30 de junho de 2011, pediu demissão do Grêmio, após uma série de maus resultados da equipe no Brasileirão[44][45] e depois de perder o Campeonato Gaúcho para o Internacional.[46]

Atlético Paranaense

Pouco menos de uma semana após sua saída do Grêmio, Portaluppi foi anunciado pelo Atlético-PR, onde teve rápida passagem entre 4 de julho e 1 de setembro de 2011, por questões familiares e à derrota na Arena da Baixada por 1 a 0 para o Atlético-MG.[47][48]

Grêmio (segunda passagem)

Após dois anos parado, no dia 1 de julho de 2013, Renato acertou seu retorno ao Grêmio.[49] Mesmo levando a equipe ao segundo lugar no Campeonato Brasileiro, não teve o seu contrato renovado e deixou a equipe em dezembro.[50]

Fluminense (quarta passagem)

Tornou-se treinador do Fluminense, pela quarta vez, no dia 24 de dezembro de 2013.[51] Após ser eliminado nas semifinais do Campeonato Carioca pelo Vasco da Gama e com consequência de resultados negativos na Copa do Brasil, ele foi demitido em 2 de abril de 2014.[52]

Grêmio (terceira passagem)

No dia 18 de setembro de 2016, acertou seu retorno ao Grêmio, sendo sua terceira passagem pelo clube gaúcho.[53][54]

Já no dia 7 de dezembro, foi pentacampeão da Copa do Brasil com o Grêmio após vencer o Atlético Mineiro por 3 a 1 no primeiro jogo, e no segundo empatar em 1 a 1.[55][56][57] Na ocasião, ficou marcado como o treinador que conseguiu dar fim ao jejum de 15 anos sem títulos de expressão nacional do Grêmio.[58] Antes daquela edição da Copa do Brasil, o último título do clube porto-alegrense havia sido o Campeonato Gaúcho de 2010.

O auge

Em 2017 viveu o grande momento da sua carreira como treinador ao conquistar a Copa Libertadores da América.[59] Nos dois jogos da grande final, o Grêmio foi superior contra o Lanús em ambos: no primeiro, disputado na Arena do Grêmio, triunfo por um a zero com gol de Cícero.[60] Já no segundo, realizado no Estádio Ciudad de Lanús, vitória por dois a um (gols de Fernandinho e Luan).[61]

Além desses títulos, Renato conquistou também o bicampeonato da Recopa Sul-Americana do Grêmio. Os dois jogos contra o Independiente terminaram empatados; o primeiro, na Argentina, terminou 1 a 1, com gols de Luan (Grêmio) e Cortez (gol contra). O segundo jogo, na Arena do Grêmio terminou em 0 a 0, com o Grêmio ganhador nos pênaltis por 5 a 4, graças a uma defesa de Marcelo Grohe na última cobrança do clube argentino.[62]

Treinador com mais jogos na história

Em 30 de novembro de 2020, na vitória ppr 2–1 sobre o Goiás,[63] Renato se tornou o treinador com mais jogos na história do Grêmio com 384 jogos, superando Oswaldo Rolla e recebeu uma homenagem do presidente Romildo Bolzan pela marca.[64]

Demissão

Em 14 de abril de 2021, o Grêmio foi eliminado na fase preliminar da Libertadores, antes da fase grupos, ao perder para o Independiente del Valle por quatro a dois no placar agregado.[65] Foi a pior participação do clube na história da competição.[66] No dia seguinte, Renato Portaluppi deixou o clube após pedir demissão, embora não tivesse treinado a equipe no jogo anterior, por estar com COVID-19.[67][68] Na passagem, o técnico ficou quatro anos e meio no Grêmio, tendo vencido a Copa do Brasil de 2016, a Copa Libertadores de 2017, a Recopa Sul-Americana de 2018, os Campeonatos Gaúchos de 2018, 2019 e 2020 e a Recopa Gaúcha de 2019.[68] Ao todo, somando as suas três passagens pelo clube gaúcho, Renato tem 411 jogos, obtendo 212 vitórias, 110 empates e 89 derrotas, sendo o recordista de jogos comandados.[69]

Flamengo

No dia 10 de julho, pouco após a demissão de Rogério Ceni, Renato foi anunciado como novo treinador do Flamengo.[70] Estreou quatro dias depois, na vitória fora de casa contra o Defensa y Justicia por um a zero, em jogo válido pela Libertadores.[71] Já no dia 18 de julho, mais uma vez fora de casa, dessa vez contra o Bahia, pelo Campeonato Brasileiro, o Flamengo teve grande atuação e goleou a equipe baiana por cinco a zero.[72]

Conseguiu sua terceira vitória seguida no dia 21 de julho, no jogo da volta contra o Defensa y Justicia, dessa vez com o Flamengo goleando por 4 a 1.[73] Graças a esse triunfo, Renato chegou a 46 vitórias na Libertadores e tornou-se o segundo técnico que mais venceu jogos na história da competição sul-americana, se igualando a Luis Cubilla e ficando atrás apenas de Gabriel Uribe, que possui 49 vitórias.[74]

Em 5 de julho, mesmo não estando presente em campo na vitória por um a zero sobre o ABC no jogo de volta das oitavas da Copa do Brasil de 2021, Renato ganhou sua sétima partida seguida e obteve o melhor começo no rubro-negro em 84 anos, se igualando ao técnico húngaro Izidor Kürschner.[75]

Em 15 de setembro, após vencer o Grêmio por 2–0 no jogo de volta das quartas da Copa do Brasil, Renato chegou a 89,6% de aproveitamento pelo clube: em 16 jogos, obteve 14 vitórias, um empate e uma derrota. Com esses números, Portaluppi se tornou o treinador com melhor início de trabalho na história do Flamengo nos primeiros 16 jogos, superando Sebastião Lazaroni e Jair Pereira (87,5% e 85,4% de aproveitamento, respectivamente).[76]

Com a vitória por 2–0 sobre o Barcelona de Guayaquil no jogo de ida das semifinais da Libertadores em 22 de setembro, Renato Gaúcho igualou o colombiano Gabriel Uribe como o treinador com mais vitórias na história da competição, com 49 triunfos.[77] No jogo volta, ao bater o clube equatoriano por dois a zero, Renato se tornou o treinador com mais vitórias na Libertadores com 50 êxitos e chegou à sua terceira final pela competição.[78][79][80]

Na madrugada de 28 de outubro, depois da eliminação na Copa do Brasil pelo Athletico Paranaense, o treinador colocou seu cargo à disposição. A direção do clube, contudo, preferiu não demiti-lo.[81] Durante a partida, na qual o Flamengo sofreu uma pesada derrota por três a zero no Maracanã, a torcida xingou Portaluppi e pediu o retorno de Jorge Jesus, então no comando técnico do Benfica.[82]

Pouco mais de um mês depois, em 29 de novembro, um dia após a derrota na final da Copa Libertadores, contra o Palmeiras, Renato foi demitido do clube. Em seu lugar, assumiu o treinador interino Maurício Souza.[83]

Estatísticas como treinador

Atualizadas até 27 de novembro de 2021.

Equipe Jogos Vitórias Empates Derrotas Aproveitamento Referência
Fluminense 202 87 52 63 51.65% [84]
Madureira 16 5 2 9 35.42% [85]
Vasco da Gama 138 61 39 38 53.62% [86][87]
Bahia 40 24 8 8 66.67% [nota 1]
Grêmio 411 213 108 90 60.58% [88]
Atlético Paranaense 14 4 5 5 40.48% [89]
Flamengo 38 25 8 5 72.81% [83]
Total 862 419 224 218 57.27%

Títulos como jogador

Grêmio
Flamengo
Cruzeiro
Fluminense
Seleção Brasileira

Prêmios individuais

Títulos como treinador

Fluminense
Grêmio

Prêmios individuais

Recordes e marcas

  • Treinador com mais jogos no comando do Grêmio: 411 jogos[69]
  • Treinador com mais vitórias na história da Libertadores: 50 vitórias[80]

Futevôlei

Referências

  1. «Só Renight salva». Ouro de Tolo. 3 de dezembro de 2017. Consultado em 11 de julho de 2021 
  2. «Renato Gaúcho deixa o Flamengo em comum acordo. Técnico definiu saída após a Libertadores». Extra Globo. 29 de novembro de 2021 
  3. «Fase final: quem é o maior ídolo da história do Grêmio? Vote!». ND Mais. 8 de julho de 2015. Consultado em 11 de julho de 2021 
  4. Diego Salgado (29 de novembro de 2017). «Renato Gaúcho é 1º brasileiro a vencer Libertadores como jogador e técnico». UOL. Consultado em 11 de julho de 2021 
  5. «Renato se comove ao lembrar dos pais após recorde pelo Grêmio: "Lá no céu estão vendo o sucesso"». GloboEsporte.com. 30 de novembro de 2020. Consultado em 11 de julho de 2021 
  6. «Ranking dos treinadores: Renato Gaúcho e Carille se isolam no topo do ranking». ESPN.com.br. 21 de novembro de 2017. Consultado em 11 de julho de 2021 
  7. «Site inglês aponta Renato como o segundo melhor técnico de clubes no mundo». GaúchaZH. 7 de novembro de 2018. Consultado em 11 de julho de 2021 
  8. «Renato Gaúcho aparece em lista de 50 melhores técnicos do mundo de revista inglesa». GloboEsporte.com. 26 de outubro de 2018. Consultado em 11 de julho de 2021 
  9. «Volta às origens: Renato enfrenta o Esportivo em Bento pela primeira vez como técnico». GloboEsporte.com. 13 de março de 2021. Consultado em 26 de julho de 2021 
  10. Filipe Duarte (17 de janeiro de 2020). «Raízes do Gauchão: com apenas 16 anos, Renato estreou diante do Grêmio no Olímpico». GaúchaZH. Consultado em 26 de julho de 2021 
  11. Beto Azambuja (15 de junho de 2020). «Hotel sem cobertores e estádio "Loucão": há 40 anos, Renato estreava pelo Grêmio no MS». GloboEsporte.com. Consultado em 26 de julho de 2021 
  12. «Grêmio relembra primeiro gol de Renato Gaúcho pelo clube há 38 anos». Gazeta Esportiva. 25 de julho de 2020. Consultado em 26 de julho de 2021 
  13. «Grêmio relembra primeiro gol de Renato Gaúcho pelo clube há 38 anos». ESPN.com.br. 25 de julho de 2020. Consultado em 26 de julho de 2021 
  14. «Renato Gaúcho no Grêmio: títulos e recordes de Portaluppi como técnico do Tricolor». Goal.com. 15 de abril de 2021. Consultado em 26 de julho de 2021 
  15. a b «Top 5 - Os craques brasileiros que ficaram de fora da Copa». UOL. 20 de fevereiro de 2010. Consultado em 11 de julho de 2021 
  16. «Os carros do Mundial de Clubes». Quatro Rodas. Consultado em 26 de julho de 2021 
  17. «Em 1987, Renato Gaúcho demorou a cair nas graças dos rubros-negros». Placar. 15 de julho de 2021. Consultado em 31 de outubro de 2021 
  18. a b «I Bidoni del calcio italiano: Renato Portaluppi, il più BELLO DE ROMA (e del Brasile) che indusse in errore anche Liedholm!» (em italiano). Goal.com. 15 de fevereiro de 2009. Consultado em 11 de julho de 2021 
  19. «Renato, da playboy a sergente» (em italiano). Gazzetta Dello Sport. 4 de janeiro de 2007. Consultado em 12 de dezembro de 2017 
  20. «"Ho avuto 5mila donne ed ero più forte di Cristiano Ronaldo. La serie A di oggi è ridicola"» (em italiano). Leggo.it. 12 de dezembro de 2017. Consultado em 11 de julho de 2021 
  21. «Gaúcho Toffoli: bidone e bomber. Sbagliò, segnò e parò rigori» (em italiano). Blitz Quotidiano. 21 de março de 2016. Consultado em 11 de julho de 2021 
  22. «Portaluppi: Cristiano Ronaldo? Meglio io». Fox Sports (em italiano). 9 de dezembro de 2017. Consultado em 1 de março de 2020 
  23. Di Danilo Loria (12 de outubro de 2018). «Un Bidone è per sempre: Renato Portaluppi, flop con la Roma» (em italiano). CalcioWeb. Consultado em 11 de julho de 2021 
  24. Vanni Spinella (16 de dezembro de 2017). «C'era una volta il bidone Renato: ecco chi è l'allenatore del Gremio» (em italiano). Sky Sport. Consultado em 11 de julho de 2021 
  25. «Amarcord: Renato Portaluppi, troppo bello per il calcio» (em italiano). Media Politika. 11 de fevereiro de 2019. Consultado em 11 de julho de 2021 
  26. «Da flop a top: la figlia di Portaluppi farà cambiare idea ai romanisti - FOTO» (em italiano). Calcio News 24. 26 de outubro de 2018. Consultado em 11 de julho de 2021 
  27. Alberto Nogueira (18 de maio de 2018). «Pesada, caneleira era considerada empecilho para jogadores». Folha de S.Paulo. Consultado em 31 de outubro de 2021 
  28. «Em 1991, Renato Gaúcho troca o Botafogo pelo Grêmio». Globoplay. Consultado em 11 de julho de 2021 
  29. «Grandes públicos, goleadas e Renato Gaúcho artilheiro: Cruzeiro celebra 25 anos do bicampeonato da Supercopa da Libertadores». Superesportes. 27 de novembro de 2017. Consultado em 11 de julho de 2021 
  30. «A fábula do "Rei do Rio": o peso da barriga de Renato Gaúcho para a história do Fluminense». GloboEsporte.com. Consultado em 4 de outubro de 2021 
  31. «Placar Especial N°.1263A - 500 Times do Brasil». Sebo do Messias. Consultado em 11 de julho de 2021 
  32. a b «Lista lembra momentos marcantes de Renato Gaúcho como técnico do Flu». GloboEsporte.com. 26 de dezembro de 2013. Consultado em 11 de julho de 2021 
  33. «Madureira relembra estreia de Renato Gaúcho como técnico, há 18 anos». O Globo. 21 de janeiro de 2019. Consultado em 11 de julho de 2021 
  34. «Fluminense é derrotado pela LDU por 4 a 2 e título da Libertadores fica mais longe». Extra. 25 de junho de 2008. Consultado em 11 de julho de 2021 
  35. «Os últimos falastrões que queimaram a língua no futebol». Blog do Milton Neves. 8 de outubro de 2008. Consultado em 9 de janeiro de 2014 
  36. «Fluminense falha nos pênaltis, e a LDU é campeã da Taça Libertadores». GloboEsporte.com. 2 de julho de 2008. Consultado em 11 de julho de 2021 
  37. «Renato Gaúcho não é mais o técnico do Fluminense». O Globo. 11 de agosto de 2008. Consultado em 11 de agosto de 2008 
  38. Márcio Iannacca (18 de setembro de 2008). «Renato Gaúcho é o novo técnico do Vasco». GloboEsporte.com. Consultado em 24 de outubro de 2019 
  39. «Fluminense fecha com Renato Gaúcho». GloboEsporte.com. 20 de julho de 2009. Consultado em 24 de outubro de 2019 
  40. Cahê Mota (1 de setembro de 2009). «Desmotivado, Renato Gaúcho é demitido do Flu, e dirigente confirma Cuca». GloboEsporte.com. Consultado em 24 de outubro de 2019 
  41. «Presidente do Bahia anuncia Renato Gaúcho como novo técnico». UOL Esporte. 13 de dezembro de 2009. Consultado em 24 de outubro de 2019 
  42. «No adeus de Renato Gaúcho, Bahia derrota o Paraná e encosta no G-4». GloboEsporte.com. 10 de agosto de 2010. Consultado em 11 de julho de 2021 
  43. Richard Souza (12 de agosto de 2010). «Renato Gaúcho assume o Grêmio sem medo de arranhar o passado». GloboEsporte.com. Consultado em 11 de julho de 2021 
  44. Eduardo Cecconi (1 de julho de 2011). «Renato Gaúcho deixa o Grêmio com 59,6% de aproveitamento». GloboEsporte.com. Consultado em 11 de julho de 2021 
  45. Eduardo Moura (30 de junho de 2011). «Renato Gaúcho pede demissão no Grêmio». LANCE!. Consultado em 11 de julho de 2021 
  46. «Inter vence Grêmio nos pênaltis e é campeão gaúcho». Terra. 15 de maio de 2011. Consultado em 11 de julho de 2021 
  47. Fernando Freire (4 de julho de 2011). «Renato Gaúcho é confirmado como o novo técnico do Atlético-PR». GloboEsporte.com. Consultado em 11 de julho de 2021 
  48. «Com saudade da família e da vida no Rio, Renato Gaúcho sai do Atlético-PR». GloboEsporte.com. 1 de setembro de 2011. Consultado em 11 de julho de 2021 
  49. «Após reunião no Rio, Grêmio anuncia retorno do técnico Renato Gaúcho». GloboEsporte.com. 1 de julho de 2013. Consultado em 11 de julho de 2021 
  50. «Grêmio não acerta com Renato, e Enderson Moreira é novo técnico». GloboEsporte.com. 16 de dezembro de 2013. Consultado em 11 de julho de 2021 
  51. «Renato Gaúcho é o novo técnico do Fluminense». Terra. 24 de dezembro de 2013. Consultado em 13 de julho de 2021 
  52. Rodrigo Paradella (2 de abril de 2014). «Renato Gaúcho não resiste à queda no Carioca e é demitido do Fluminense». UOL. Consultado em 13 de julho de 2021 
  53. «Renato Gaúcho é o novo treinador do Grêmio, afirma jornal». Terra. 18 de setembro de 2016. Consultado em 24 de outubro de 2019 
  54. Diego Guichard (18 de setembro de 2016). «Grêmio fecha contratação de Renato e Espinosa, campeões do mundo em 83». GloboEsporte.com. Consultado em 24 de outubro de 2019 
  55. Diego Guichard, Eduardo Deconto, Eduardo Moura e Rafael Araújo (7 de dezembro de 2016). «Rei da Copa: Grêmio segura o Galo e é pentacampeão da Copa do Brasil». GloboEsporte.com. Consultado em 24 de outubro de 2019 
  56. Rodrigo Celente (7 de dezembro de 2016). «Grêmio empata com Atlético-MG e é campeão da Copa da Brasil 2016». Correio do Povo. Consultado em 24 de outubro de 2019 
  57. «Grêmio empata com Atlético-MG e é campeão da Copa do Brasil». O Globo. 7 de dezembro de 2016. Consultado em 24 de outubro de 2019 
  58. «Renato Gaúcho e jogadores do Grêmio celebram fim do jejum de 15 anos». Jornal do Comércio. 8 de dezembro de 2016. Consultado em 24 de outubro de 2019 
  59. Gustavo Lucchesi (29 de novembro de 2017). «Grêmio vence o Lanús e é tricampeão da Libertadores». Folha de Pernambuco. Consultado em 24 de outubro de 2019 
  60. Diego Guichard, Eduardo Deconto e Eduardo Moura (22 de novembro de 2017). «Grêmio vence Lanús com gol de Cícero e abre final da Libertadores com vantagem». GloboEsporte.com. Consultado em 11 de julho de 2021 
  61. «Soy loco por tri, América! Grêmio vence Lanús de novo e é campeão da Libertadores». GloboEsporte.com. 29 de novembro de 2017. Consultado em 11 de julho de 2021 
  62. Breiller Pires (22 de fevereiro de 2018). «Marcelo Grohe pega pênalti e Grêmio é bicampeão da Recopa Sul-Americana». El País. Consultado em 11 de julho de 2021 
  63. «Grêmio derrota lanterna Goiás e se aproxima do G-4 do Brasileirão». Gazeta Esportiva. 30 de novembro de 2020. Consultado em 31 de outubro de 2021 
  64. «Renato Gaúcho se torna técnico com mais jogos pelo Grêmio e recebe homenagem». Gazeta Esportiva. 30 de novembro de 2020. Consultado em 31 de outubro de 2021 
  65. «Grêmio perde para o Del Valle de novo e é eliminado da Libertadores em casa». UOL. 14 de abril de 2021. Consultado em 11 de julho de 2021 
  66. «Eliminado antes da fase de grupos, Grêmio tem pior participação na história da Libertadores». GloboEsporte.com. 15 de abril de 2021. Consultado em 11 de julho de 2021 
  67. «Ainda fora contra o Del Valle, Renato pode voltar ao comando do Grêmio nos próximos jogos pelo Gauchão». GaúchaZH. 13 de abril de 2021. Consultado em 11 de julho de 2021 
  68. a b «Renato Portaluppi pede demissão e não é mais o técnico do Grêmio». GloboEsporte.com. 15 de abril de 2021. Consultado em 11 de julho de 2021 
  69. a b «Em carta, Renato se despede do clube: "Aquela estátua vai estar sempre pulsando pelo Grêmio"». GZH. 19 de abril de 2021. Consultado em 30 de setembro de 2021 
  70. «Renato Gaúcho chega a acordo e é o novo técnico do Flamengo». GloboEsporte.com. 10 de julho de 2021 
  71. «Na estreia de Renato Gaúcho, Flamengo vence Defensa y Justicia na Libertadores». GloboEsporte.com. 14 de julho de 2021 
  72. «Anotou a placa? Com hat-trick de Gabigol, Flamengo atropela o Bahia em Pituaçu». GloboEsporte.com. 18 de julho de 2021 
  73. «Michael e Vitinho evitam sufoco, Flamengo goleia Defensa e avança na Libertadores». GloboEsporte.com. 21 de julho de 2021 
  74. «Com goleada do Flamengo, Renato é o segundo técnico com mais vitórias na história da Libertadores». GloboEsporte.com. 22 de julho de 2021 
  75. Paulo Vinícius Coelho (6 de agosto de 2021). «Com Renato, Flamengo tem melhor início com um técnico em 84 anos». GloboEsporte.com. Consultado em 31 de outubro de 2021 
  76. «Após vitória, Renato se isola com o melhor início de trabalho de um técnico na história do Flamengo». GloboEsporte.com. Consultado em 16 de setembro de 2021 
  77. «Renato Gaúcho iguala colombiano e se torna o técnico com mais vitórias na história da Libertadores». Extra. Consultado em 23 de setembro de 2021 
  78. «Renato Gaúcho, do Flamengo, se torna o técnico com mais vitórias na história da Copa Libertadores». LANCE!. 29 de setembro de 2021. Consultado em 31 de outubro de 2021 
  79. «Renato Gaúcho se torna o técnico com mais vitórias na história da Copa Libertadores; veja o Top-10». UOL. 30 de setembro de 2021. Consultado em 31 de outubro de 2021 
  80. a b «Renato Gaúcho chega à terceira final da Libertadores. Com recorde de 50 vitórias». R7. 30 de setembro de 2021. Consultado em 31 de outubro de 2021 
  81. «Renato Gaúcho entrega o cargo após eliminação, mas diretoria não aceita e mantém treinador no Flamengo». ge. Consultado em 30 de novembro de 2021 
  82. «Torcida do Flamengo ataca Renato Gaúcho e ovaciona Jorge Jesus: "Ole, ole, ole, Mister! Mister"». ge. Consultado em 30 de novembro de 2021 
  83. a b «Flamengo anuncia saída de Renato Gaúcho». ge. Consultado em 30 de novembro de 2021 
  84. «Renato Gaúcho não é mais técnico do Fluminense». O Globo. 2 de abril de 2014. Consultado em 31 de outubro de 2021 
  85. Thiago Lavinas (22 de julho de 2005). «Carreira de Renato Gaúcho como treinador». GloboEsporte.com. Consultado em 31 de outubro de 2021 
  86. «Renato Gaúcho é demitido pelo Vasco». GloboEsporte.com. 13 de abril de 2007. Consultado em 31 de outubro de 2021 
  87. Rafael Cardoso (8 de dezembro de 2008). «Lopes, Tita e Renato: trajetórias semelhantes no Vasco-2008». GloboEsporte.com. Consultado em 31 de outubro de 2021 
  88. Tomás Hammes (15 de abril de 2021). «Títulos, estátua e polêmicas: Renato tira Grêmio da fila, mas sai após 3ª queda na Libertadores». GloboEsporte.com. Consultado em 31 de outubro de 2021 
  89. «Com saudade da família e da vida no Rio, Renato Gaúcho sai do Atlético-PR». GloboEsporte.com. 1 de setembro de 2011. Consultado em 31 de outubro de 2021 
  90. «Luan é eleito o melhor jogador da Libertadores; Renato o melhor técnico». UOL. 29 de novembro de 2017. Consultado em 11 de julho de 2021 
  91. «Prêmio Goal Brasil celebra os melhores do Brasileirão 2017». Goal.com. 10 de dezembro de 2017. Consultado em 11 de julho de 2021 
  92. Darci Nunes (27 de dezembro de 2017). «Ranking - Os 50 melhores treinadores do mundo em 2017». 90min. Consultado em 11 de julho de 2021 
  93. Renato Gaúcho é o segundo melhor técnico do mundo pela 11ª semana
  94. «Everton completa festa do Grêmio com prêmio de Craque do Gauchão; veja seleção». GloboEsporte.com. 9 de abril de 2018. Consultado em 11 de julho de 2021 
  95. «Brasil vence Paraguai e é bicampeão do Mundialito de Futevôlei em Copacabana». Consultado em 2 de abril de 2017 

Notas

  1. Não há dados sobre as estatísticas do treinador no clube.

Ligações externas

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Renato Portaluppi

Precedido por
Jorge Vieira
Cláudio Duarte
Robertinho
Joel Santana
Joel Santana
Vinícius Eutrópio
Dorival Júnior
Treinador do Fluminense
1996
1996
2002–2003
2003
2007–2008
2009
2014
Sucedido por
Cláudio Duarte
Júlio César Leal
Gilson Gênio
Valdir Espinosa
Cuca
Cuca
Cristóvão Borges
Precedido por
Dário Lourenço
Tita
Treinador do Vasco da Gama
2005–2007
2008
Sucedido por
Celso Roth
Dorival Júnior
Precedido por
Paulo Bonamigo
Treinador do Bahia
2010
Sucedido por
Márcio Araújo
Precedido por
Silas
Vanderlei Luxemburgo
Roger Machado
Treinador do Grêmio
2010–2011
2013
2016–2021
Sucedido por
Julinho Camargo
Enderson Moreira
Tiago Nunes
Precedido por
Adílson Batista
Treinador do Atlético Paranaense
2011
Sucedido por
Antônio Lopes
Precedido por
Rogério Ceni
Treinador do Flamengo
2021
Sucedido por