Carlos Alberto Gomes de Jesus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Carlos Alberto
Carlos Alberto
Carlos Alberto em 2007, durante treino pelo Werder Bremen
Informações pessoais
Nome completo Carlos Alberto Gomes de Jesus
Data de nasc. 11 de dezembro de 1984 (37 anos)
Local de nasc. Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil
Nacionalidade brasileiro
Altura 1,75 m
destro
Apelido Bad Boy
Informações profissionais
Clube atual aposentado
Posição meio-campista
Clubes de juventude
2000–2001 Fluminense
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos e gol(o)s
2002–2003
2004–2005
2005–2007
2007
2007–2010
2008
2008
2009
2010–2013
2011
2011
2014
2014
2015–2016
2017
2019
Fluminense
Porto
Corinthians
Fluminense (emp.)
Werder Bremen
São Paulo (emp.)
Botafogo (emp.)
Vasco da Gama (emp.)
Vasco da Gama
Grêmio (emp.)
Bahia (emp.)
Goiás
Botafogo
Figueirense
Atlético Paranaense
Boavista-RJ
00059 0000(8)
00039 0000(5)
00094 000(14)
00013 0000(3)
00005 0000(0)
00013 0000(1)
00028 000(10)
00044 000(15)
00076 000(11)
00012 0000(1)
00019 0000(0)
00006 0000(0)
00013 0000(0)
00030 0000(8)
00010 0000(1)
00004 0000(1)
Seleção nacional
2001
2003
2003
2005
Brasil Sub-17
Brasil Sub-20
Brasil Sub-23
Brasil



00005 0000(0)

Carlos Alberto Gomes de Jesus (Rio de Janeiro, 11 de dezembro de 1984) é um comentarista esportivo e ex-futebolista brasileiro que atuava como meio-campista.[1] É irmão do também ex-futebolista Fernando.[2]

Carreira como jogador[editar | editar código-fonte]

Fluminense[editar | editar código-fonte]

Atuando como meio-campista, foi revelado pelo Fluminense e subiu aos profissionais em janeiro de 2002, logo ganhando destaque. Pelo clube carioca, ficou até o final de 2003.[3]

Porto[editar | editar código-fonte]

Em janeiro de 2004 foi contratado pelo Porto, de Portugal.[4] Comandado por José Mourinho, Carlos Alberto apareceu muito bem, tendo feito inclusive um gol na final da Liga dos Campeões da UEFA, na vitória por 3 a 0 contra o Monaco.[5] Com esse gol, acabou sendo o segundo jogador mais novo a marcar um gol em uma final do principal torneio do continente europeu, feito que conseguiu quando tinha dezenove anos, cinco meses e quinze dias. O recordista é o holandês Patrick Kluivert, que tinha apenas dezoito anos quando marcou o gol do título do Ajax, em 1995, sobre o Milan. O treinador português é fã declarado de seu futebol e Carlos Alberto tem consideração recíproca por Mourinho.[6]

Corinthians[editar | editar código-fonte]

No início de 2005, com a ajuda do grupo de investimentos MSI, foi comprado pelo Corinthians por 22 milhões de reais.[7] Estreou no dia 29 de janeiro, na vitória sobre o América-SP por 1 a 0 pelo Campeonato Paulista. Após algumas atuações irregulares e a contratação do meia Roger, Carlos Alberto acabou perdendo o posto de titular no time. Porém, após uma grave lesão do mesmo Roger, recuperou sua melhor forma e foi fundamental na conquista do Campeonato Brasileiro de 2005 pela equipe.

Essa boa fase, entretanto, durou pouco. Mesmo com a contratação do meia Ricardinho, Carlos Alberto manteve-se no time titular, mas sem o mesmo brilho. O Corinthians acabou eliminado da Libertadores de 2006, fez má campanha no Campeonato Paulista e teve um Campeonato Brasileiro cheio de maus resultados. Em um jogo pela Copa Sul-Americana contra o Lanús, foi substituído no primeiro tempo pelo treinador Emerson Leão e ficou irritado, ofendendo o treinador. Após alguns dias, o técnico decidiu afastá-lo da equipe paulista.[8]

Todos os gols de Carlos Alberto pelo Corinthians:

Retorno ao Fluminense e Werder Bremen[editar | editar código-fonte]

Sem espaço no clube paulista, em janeiro de 2007 Carlos Alberto retornou ao Fluminense para a disputa do Campeonato Carioca e da Copa do Brasil.[9] Nesta, acabou por conquistar o título de campeão.

Após vencer a Copa do Brasil com o time das Laranjeiras, no dia 13 de julho Carlos Alberto foi anunciado como jogador do Werder Bremen. Na época, o jogador foi o reforço mais caro da história do clube, sendo negociado em 7,8 milhões de euros ao grupo MSI, detentor dos direitos econômicos do atleta.[10][11] No entanto, o meia não rendeu o esperado, brigando com o colega de time Boubacar Sanogo e sendo afastado pela direção do clube, além de passar a maior parte do tempo como reserva da equipe.[12]

São Paulo e Botafogo[editar | editar código-fonte]

Em janeiro de 2008, após um período apagado na Europa, foi contratado por empréstimo pelo São Paulo, equipe que o seu irmão Fernando defendera no ano anterior.[13] Estreou pelo Tricolor Paulista no dia 27 de janeiro, pelo Campeonato Paulista, num empate de 0 a 0 contra o Corinthians, seu ex-clube.[14]

Marcou seu primeiro - e único - gol com a camisa são-paulina no dia 11 de fevereiro, contra o Santos, então treinado por seu antigo desafeto Emerson Leão, na vitória por 3 a 2, sendo o terceiro o seu.[15] Logo depois, envolveu-se em brigas internas com o volante Fábio Santos e acabou afastado do elenco.[16][17] O Werder Bremen, dono de seu passe, também não o quis de volta.[18]

Foi anunciado no dia 6 de maio pelo Botafogo, chegando por empréstimo ao clube que seu pai torcia.[19] Estreou pelo Alvinegro no dia 17 de maio, na derrota por 1 a 0 no Mineirão contra o Cruzeiro, em jogo válido pelo Campeonato Brasileiro.[20] Marcou seu primeiro gol pelo Botafogo no dia 8 de junho, contra o Coritiba, pelo Campeonato Brasileiro, em jogo realizado no Engenhão.[21] Naquele ano Carlos Alberto foi o artilheiro do time na Copa Sul-Americana, além de ser um dos principais destaques da equipe. No entanto, devido à novas polêmicas, o jogador deixou o clube antes do término de seu contrato, em meados de novembro, indo à Justiça exigir direitos trabalhistas.[22]

Carlos Alberto com a camisa de treino do Vasco da Gama

Vasco da Gama e seu renascimento[editar | editar código-fonte]

No início de 2009, Carlos Alberto foi emprestado pelo Werder Bremen pela terceira vez consecutiva, desta vez para o Vasco da Gama.[23][24] Inicialmente chegou por um período de seis meses, com grande apoio de Roberto Dinamite, presidente do clube. Ao término deste contrato, seu empréstimo foi prolongado por mais um ano, pois o jogador manifestou ser muito feliz no clube, desejando fazer história no Vasco por muitos anos, que o acolheu de braços abertos e deu motivação ao jogador para dar a volta por cima em sua carreira.[25]

Carlos Alberto durante treino no Vasco, em 2010

Carlos Alberto era, então, o principal jogador da equipe Cruzmaltina, chegando a declarar seu amor pelo clube por diversas vezes, declarando que 2009 marcaria sua carreira e sua vida pessoal para sempre. Carlos Alberto amadureceu no Gigante da Colina e virou ídolo, abandonando sua fama de indisciplinado e polêmico para assumir a braçadeira de capitão do time treinado por Dorival Júnior e ao tornar-se a maior referência[26] da equipe no ano de 2009 com o título da Série B, jogando com grande regularidade. Sua felicidade no Vasco foi tanta que chegou a dizer que até na Série C jogaria pela equipe carioca, se emocionando profundamente com o título do Vasco no Campeonato Brasileiro, o que consagrou o retorno do time à primeira divisão e a volta de um Carlos Alberto mais forte, maduro e feliz e vascaíno declarado. O meia também foi eleito o melhor jogador do Vasco na temporada de 2009.

Em junho de 2010, seu contrato de empréstimo ao Vasco terminou. O clube carioca negociou com o Werder Bremen e conseguiu a rescisão amigável do contrato, em troca de uma percentagem de uma futura transferência do jogador. Em julho Carlos Alberto fechou contrato com o Vasco e assinou até agosto de 2013.[27][28]

Grêmio[editar | editar código-fonte]

Após envolver-se em confusões com Roberto Dinamite, além de ter um desempenho abaixo da média no Campeonato Carioca, no dia 4 de fevereiro de 2011 Carlos Alberto foi contratado pelo Grêmio para a disputa da Copa Libertadores da América. O meia chegou por empréstimo até o final do ano.[29]

Sob justificativa de falta de adaptação, a direção do clube tricolor gaúcho decidiu dispensar Carlos Alberto no dia 28 de abril. O jogador então ficou sem clube, uma vez que o Vasco divulgou que o meia não voltaria à equipe.[30] Segundo a diretoria do Grêmio, o jogador estava insatisfeito com a reserva e seu comportamento supostamente turbulento não teria influenciado na decisão.[31]

Bahia[editar | editar código-fonte]

No dia 27 de maio de 2011, Carlos Alberto foi anunciado como reforço do Bahia para a disputa do Campeonato Brasileiro.[32] No entanto, com muitas contusões, baixo rendimento e nenhum gol marcado, o meia não quis continuar no Bahia[33] e mais uma vez ficou sem poder retornar ao Vasco, devido às contínuas desavenças com Roberto Dinamite.

Retorno ao Vasco[editar | editar código-fonte]

O meia retornou ao Vasco em 2012, mas não vinha sendo aproveitado e seguiu treinando em separado. No dia 25 de março o Vasco anunciou o retorno do meia ao elenco principal, uma vez que estava treinando separado dos demais jogadores.[34] Por ter contrato vigente com o Cruzmaltino até junho de 2013, Carlos Alberto ficou regularizado e também foi inscrito no torneio estadual do Rio, podendo disputar o restante do Campeonato Carioca e a segunda fase da Copa Libertadores da América.[35]

Depois de marcar dois gols nas duas primeiras partidas vascaínas na temporada 2013, feito que o jogador não realizava desde 2009, Carlos Alberto se disse inspirado pelo ex-treinador do clube Ricardo Gomes. Segundo o meia, Gomes o teria aconselhado a não se preocupar em jogar os 90 minutos de uma partida, mas apenas 60, nos quais guardaria energia para os instantes finais em campo, que seriam suficientes para que o atleta de 28 anos tivesse um desempenho superior ao de 2009.[36]

No dia 11 de julho, o Vasco confirmou que Carlos Alberto não faz mais parte do elenco. A informação foi passada pelo presidente numa coletiva de imprensa.[37]

O camisa 10 cobrava uma definição quanto ao seu futuro, já que o contrato venceria no início do próximo mês.

Doping[editar | editar código-fonte]

O exame antidoping de Carlos Alberto, realizado após a partida contra do Fluminense pelo Campeonato Carioca, no dia 2 de março de 2013, indicou a presença das substâncias proibidas no esporte hidroclorotiazida e carboxi-tamoxifeno.[38] Análise confirmada na contraprova, o jogador foi suspenso preventivamente por trinta dias, mas, em julgamento realizado no dia 22 de abril, Carlos Alberto foi absolvido pelo Tribunal de Justiça Desportiva do Rio de Janeiro (TJD-RJ) por quatro votos a um, após os auditores do processo considerarem plausível a tese da defesa de que o suplementos vitamínicos ingeridos pelo atleta haviam sido contaminados com as substâncias proibidas.[39]

Goiás[editar | editar código-fonte]

No dia 28 de janeiro de 2014, Carlos Alberto foi anunciado como novo reforço do Goiás. Ele não entrava em campo desde o dia 8 de junho de 2013, quando havia disputado seu último jogo pelo Vasco.[40]

Após uma péssima passagem teve seu contratado rescindido, atuando em apenas seis partidas, sem fazer nenhum gol ou dar nenhuma assistência e colecionado cartões - quatro amarelos e um vermelho. Seu salário, no começo, girava em torno de 50 mil reais, podendo ser aumentado durante a Série A.[41]

Retorno ao Botafogo[editar | editar código-fonte]

No dia 2 de maio de 2014, acertou seu retorno ao Botafogo para a disputa do Campeonato Brasileiro e da Copa do Brasil.[42] Na estreia, deu uma assistência. Porém, foi mal como boa parte do elenco alvinegro, atuando em apenas 14 partidas e sendo rebaixado para a Série B.

Al Dhafra[editar | editar código-fonte]

Em janeiro de 2015, acertou com o Al Dhafra, dos Emirados Árabes Unidos, por uma temporada.[43] Depois de assinar contrato de um ano, viajar para Abu Dhabi, ser apresentado, treinar e conversar com o treinador, o meio-campista brasileiro se deu conta de que nada havia sido honrado pela nova equipe. Então, retornou ao Brasil sem clube.[44]

Figueirense[editar | editar código-fonte]

No dia 23 de abril de 2015, Carlos Aberto assinou com o Figueirense por um ano.[45] Marcou seu primeiro gol em sua estreia pela equipe, no dia 31 de maio, contra o Cruzeiro, no Estádio Orlando Scarpelli. Já no dia 1 de outubro, marcou na derrota para o Santos por 3 a 2, em partida válida pela Copa do Brasil.[46]

Teve grande atuação no dia 24 de agosto de 2016, contra o Flamengo, pela Copa Sul-Americana. Carlos Alberto aplicou uma linda caneta no lateral Chiquinho e o Figueira venceu o rubro-negro por 4 a 2.[47] Já no dia 3 de setembro, marcou um golaço contra o Fluminense na derrota por 3 a 2.[48] Posteriormente marcou de pênalti contra o São Paulo, pela 24ª rodada do Campeonato Brasileiro. Entretanto, foi desligado do clube catarinense no dia 13 de setembro.[49]

Atlético Paranaense[editar | editar código-fonte]

No início da temporada de 2017, assinou contato com o Atlético Paranaense.[50] Marcou um gol importantíssimo no dia 14 de maio, contra a Universidad Católica, pela Copa Libertadores da América, decretando a vitória por 3 a 2 fora de casa e classificando o Atlético para às oitavas de final da competição.[51]

Em julho, após ser flagrado por torcedores em uma boate, Carlos Alberto pediu a rescisão do seu contrato com o clube.[52]

Aposentadoria[editar | editar código-fonte]

Aos 34 anos, no dia 21 de junho de 2019 ele anunciou oficialmente sua aposentadoria como jogador de futebol.[53] O jogador afirmou ao GloboEsporte.com:

Seleção Nacional[editar | editar código-fonte]

Em 2001, Carlos Alberto foi convocado pela Seleção Brasileira Sub-17 para cinco amistosos.

No ano de 2003 foi convocado para a Seleção Brasileira Sub-20, onde foi campeão Sul-Americano de Futebol. No mesmo ano, vestiu a camisa da Seleção Brasileira Sub-23, onde foi vice-campeão da Copa Ouro da CONCACAF.[54]

Teve sua única convocação para a Seleção Brasileira principal em 2005, atuando no amistoso contra a Guatemala que marcou a despedida de Romário da Seleção.[55]

Carreira como comentarista esportivo[editar | editar código-fonte]

Em 2018 foi contratado como comentarista da Fox Sports Brasil, canal no qual ficou até 2020, com a fusão entre a Fox e a ESPN.[56] Também em 2020, foi contratado pontualmente pelo SBT para comentar a final do Campeonato Carioca.[57] Em janeiro de 2022, foi contratado pela Rede Bandeirantes para integrar a nova formação da versão regional do esportivo Os Donos da Bola, na Band Rio.[58]

Títulos[editar | editar código-fonte]

Fluminense
Porto
Corinthians
Vasco da Gama
Seleção Brasileira Sub-20

Prêmios individuais[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Ex-Grêmio, Carlos Alberto anuncia aposentadoria do futebol aos 34 anos». Correio do Povo. 21 de junho de 2019. Consultado em 30 de julho de 2021 
  2. Marluci Martins (16 de março de 2013). «Carlos Alberto enfrenta o irmão Fernando no confronto Vasco x Volta Redonda». Extra. Consultado em 30 de julho de 2021 
  3. «Justiça penhora passe de Carlos Alberto, do Fluminense». NSC Total. 12 de agosto de 2003. Consultado em 25 de setembro de 2021 
  4. «Presidente do Fluminense coloca Carlos Alberto nas Antas». Record. 15 de dezembro de 2003. Consultado em 25 de setembro de 2021 
  5. «Há 15 anos, Porto de Mourinho derrotava Monaco na final da Liga dos Campeões». Gazeta Esportiva. 26 de maio de 2019. Consultado em 25 de setembro de 2021 
  6. «Carlos Alberto: «Quando Mourinho fala eu paro para ouvir»». Maisfutebol. 30 de outubro de 2009. Consultado em 30 de julho de 2021 
  7. «Corinthians contrata meio-campo Carlos Alberto, campeão do Mundial Interclubes». G1. 12 de janeiro de 2005. Consultado em 30 de julho de 2021 
  8. Evandro César Lopes (12 de outubro de 2006). «Após bater-boca com Leão, Carlos Alberto é afastado». UOL. Consultado em 3 de agosto de 2022 
  9. Henrique Netto (12 de janeiro de 2007). «Carlos Alberto volta acima do peso». GloboEsporte.com. Consultado em 30 de julho de 2021 
  10. «Carlos Alberto é o reforço mais caro da história do Werder». DW Brasil. 16 de julho de 2007. Consultado em 30 de julho de 2021 
  11. «Carlos Alberto é anunciado pelo Werder Bremen». Extra. 13 de julho de 2007. Consultado em 30 de julho de 2021 
  12. «Werder Bremen suspende Carlos Alberto por briga em treino». Estadão. 22 de novembro de 2007. Consultado em 30 de julho de 2021 
  13. Felipe Espindola (21 de janeiro de 2008). «Carlos Alberto é apresentado». Site oficial do São Paulo. Consultado em 30 de julho de 2021 
  14. «Árbitro anula gol e clássico termina 0 a 0». GloboEsporte.com. 27 de janeiro de 2008. Consultado em 30 de julho de 2021 
  15. «Tricolor vence Peixe e volta ao G-4». Folha de Dourados. 11 de fevereiro de 2008. Consultado em 30 de julho de 2021 
  16. Milton Neves (7 de abril de 2008). «Qual a verdade sobre a briga de Fábio Santos e Carlos Alberto?». UOL. Consultado em 30 de julho de 2021 
  17. Jorge Corrêa (8 de abril de 2008). «Suposta briga faz São Paulo suspender o meia Carlos Alberto». UOL. Consultado em 3 de agosto de 2022 
  18. «Werder Bremen não pretende utilizar meia Carlos Alberto». NSC Total. 21 de abril de 2008. Consultado em 30 de julho de 2021 
  19. «Botafoguense, pai de Carlos Alberto pede camisa do filho». GloboEsporte.com. 24 de maio de 2008. Consultado em 30 de julho de 2021 
  20. «Carlos Alberto: 'Botei na cabeça que ia me superar'». Goal.com. 18 de maio de 2008. Consultado em 30 de julho de 2021 
  21. Eduardo Peixoto (8 de junho de 2008). «Carlos Alberto comemora primeiro gol com a camisa alvinegra». GloboEsporte.com. Consultado em 30 de julho de 2021 
  22. «Carlos Alberto deixa o Bota por salários atrasados e vai à Justiça». UOL. 12 de novembro de 2008. Consultado em 30 de julho de 2021 
  23. «Carlos Alberto se apresenta ao Vasco na próxima terça-feira». GloboEsporte.com. 4 de janeiro de 2009. Consultado em 30 de julho de 2021 
  24. Luciano Paiva (7 de janeiro de 2009). «Carlos Alberto chega ao Vasco com fome de bola». UOL. Consultado em 30 de julho de 2021 
  25. «Carlos Alberto: 'É aqui que sou feliz'». Extra. 1 de junho de 2009. Consultado em 30 de julho de 2021 
  26. Márcio Iannacca (19 de março de 2009). «Liderança de Carlos Alberto ganha elogios de Dorival Júnior». GloboEsporte.com. Consultado em 30 de julho de 2021 
  27. «Carlos Alberto rescinde com Werder e assina por três anos com Vasco». GloboEsporte.com. 8 de julho de 2010. Consultado em 30 de julho de 2021 
  28. «Vasco chega a acordo com alemães, e Carlos Alberto renova por três anos». UOL. 8 de julho de 2010. Consultado em 30 de julho de 2021 
  29. «Vasco empresta Carlos Alberto ao Grêmio; Leandro vai para São Januário». UOL. 4 de fevereiro de 2011. Consultado em 30 de julho de 2021 
  30. Eduardo Cecconi (28 de abril de 2011). «Diretoria do Grêmio dispensa meia-atacante Carlos Alberto». GloboEsporte.com. Consultado em 30 de julho de 2021 
  31. «"Não se adaptou, vai embora", diz direção do Grêmio sobre Carlos Alberto». Diário Gaúcho. 29 de abril de 2011. Consultado em 30 de julho de 2021 
  32. «Carlos Alberto é o novo reforço do Bahia». Site oficial do Bahia. 27 de maio de 2011. Consultado em 3 de agosto de 2022 
  33. «Carlos Alberto deve ser dispensado do Bahia e vai voltar ao Vasco». D24am. 7 de dezembro de 2011. Consultado em 25 de setembro de 2021 
  34. «Carlos Alberto retorna aos treinos no Vasco». oGol. 27 de março de 2012. Consultado em 25 de setembro de 2021 
  35. Gustavo Rotstein (26 de março de 2012). «De ídolo a mais um: Carlos Alberto volta com novo status no Vasco». GloboEsporte.com. Consultado em 30 de julho de 2021 
  36. Gustavo Rotstein (24 de janeiro de 2013). «Inspirado por Ricardo Gomes, Carlos Alberto guarda energia e cresce». GloboEsporte.com. Consultado em 30 de julho de 2021 
  37. a b Raphael Zarko (11 de julho de 2013). «Dinamite confirma saída de Carlos Alberto: 'Não faz mais parte do grupo'». GloboEsporte.com. Consultado em 30 de julho de 2021 
  38. «Carlos Alberto é suspenso por um ano por doping». O Globo. 29 de agosto de 2013. Consultado em 30 de julho de 2021 
  39. Gustavo Rotstein (22 de maio de 2013). «Após cinco horas, Carlos Alberto é absolvido da acusação de doping». GloboEsporte.com. Consultado em 30 de julho de 2021 
  40. «Goiás anuncia contratação do meia Carlos Alberto por uma temporada». GloboEsporte.com. 28 de janeiro de 2014. Consultado em 30 de julho de 2021 
  41. Guilherme Gonçalves (1 de maio de 2014). «Fim da novela: Goiás e Carlos Alberto fazem acordo e rescindem contrato». GloboEsporte.com. Consultado em 30 de julho de 2021 
  42. Gustavo Rotstein e Raphael Zarko (2 de maio de 2014). «Seis anos depois, Botafogo contrata Carlos Alberto até o fim do ano». GloboEsporte.com. Consultado em 30 de julho de 2021 
  43. «Carlos Alberto, ex-Botafogo, acerta com o Al Dhafra, dos Emirados Árabes». GloboEsporte.com. 14 de janeiro de 2015. Consultado em 30 de julho de 2021 
  44. «Time dos Emirados Árabes não honra acordo, e meia Carlos Alberto retorna ao Brasil». ESPN Brasil. 29 de janeiro de 2015. Consultado em 30 de julho de 2021 
  45. Renan Koerich e Márcio Iannacca (24 de abril de 2015). «Figueirense ganha concorrência do Vasco e contrata meia Carlos Alberto». GloboEsporte.com. Consultado em 30 de julho de 2021 
  46. «Santos supera o Figueirense no Pacaembu e terá clássico na semi da Copa do Brasil». Terra. 1 de outubro de 2015. Consultado em 30 de julho de 2021 
  47. «Fla sofre com falhas e perde para Figueirense com três gols de Rafael Moura». UOL. 24 de agosto de 2016. Consultado em 30 de julho de 2021 
  48. «Flu abre vantagem, Figueirense reage, e veterano Magno Alves decide em Édson Passos». GloboEsporte.com. 3 de setembro de 2016. Consultado em 30 de julho de 2021 
  49. «Fora dos planos: Figueirense anuncia desligamento do meia Carlos Alberto». GloboEsporte.com. 13 de setembro de 2016. Consultado em 30 de julho de 2021 
  50. Guilherme Moreira (13 de janeiro de 2017). «Atlético-PR confirma Carlos Alberto em volta à Libertadores». Terra. Consultado em 30 de julho de 2021 
  51. «Com gol de Carlos Alberto no fim, Atlético-PR arranca vitória dramática e se classifica na Libertadores». ESPN Brasil. 17 de maio de 2017. Consultado em 30 de julho de 2021 
  52. «Após polêmica com torcedores, Carlos Alberto pede rescisão do Atlético-PR». GloboEsporte.com. 10 de julho de 2017. Consultado em 3 de agosto de 2022 
  53. Gustavo Rotstein (21 de junho de 2019). «Aos 34 anos, Carlos Alberto encerra a carreira: "Acertei mais do que errei"». GloboEsporte.com. Consultado em 30 de julho de 2021 
  54. «Seleção motiva Carlos Alberto a melhorar no Fluminense». Diário do Nordeste. 15 de março de 2007. Consultado em 3 de agosto de 2022 
  55. Rafael Brayan (27 de abril de 2020). «Adeus à Seleção: quem participou da despedida de Romário há 15 anos?». Torcedores.com. Consultado em 30 de julho de 2021 
  56. Gabriel Vaquer (18 de junho de 2020). «Disney não renova com Carlos Alberto e Ricardo Rocha, que deixam Fox Sports». UOL. Consultado em 25 de setembro de 2021 
  57. Gabriel Vaquer (14 de julho de 2020). «SBT fecha com Carlos Alberto e Athirson para comentar Fla-Flu do Carioca». UOL. Consultado em 25 de setembro de 2021 
  58. Claiton Selistre (11 de janeiro de 2022). «Band contrata ex-jogador Carlos Alberto para reforçar versão carioca do Donos da Bola». Portal Making Of. Consultado em 3 de agosto de 2022 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Carlos Alberto Gomes de Jesus