Figueirense Futebol Clube

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Figueirense
Figueirense.png
Nome Figueirense Futebol Clube
Alcunhas Figueira
Alvinegro
Furacão do Estreito
Máquina do Estreito
Esquadrão de Aço
Torcedor/Adepto Alvinegro
Mascote Figueirinha
Figueira (Oficial)
Fundação 12 de junho de 1921 (94 anos)
Estádio Orlando Scarpelli
Capacidade 19.584 Pessoas [1]
Localização Brasao florianopolis.gif Florianópolis, Santa Catarina SC,  Brasil
Presidente Brasil Wilfredo Brillinger
Treinador Brasil Argel Fucks
Patrocinador Brasil Caixa Econômica
Estados Unidos Coca-Cola
Brasil Governo Federal
Brasil Grupo Cimed
Brasil Liderança Serviços
Brasil Unimed
Material esportivo Brasil Lupo
Competição Santa Catarina Campeonato Catarinense
Brasil Campeonato Brasileiro
Brasil Copa do Brasil
Divisão Santa Catarina Série A
Brasil Série A
Santa Catarina A 2015
Brasil A 2015
Brasil CB 2015
Campeão
Em Andamento
Em Andamento
Santa Catarina A 2014
Brasil A 2014
Brasil CB 2014
Campeão
2ª Fase
13° colocado
Santa Catarina A 2013
Brasil B 2013
Brasil CB 2013
3º colocado
3ª Fase
4º colocado
Ranking nacional Aumento (4) 21º lugar, 6.898 pontos [2]
Website Figueirense Futebol Clube
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
titular
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
Temporada atual
editar

O Figueirense Futebol Clube é um clube de futebol brasileiro com sede na cidade de Florianópolis, capital do estado de Santa Catarina. Atualmente disputa a Série A do Campeonato Brasileiro.

Introdução

Fundado em 12 de junho de 1921 na região central de Florianópolis, o Figueirense é o segundo time mais antigo de Santa Catarina em atividade. Décadas mais tarde, o Figueirense mudou-se para a região continental de Florianópolis, no bairro do Estreito, onde construiu o Estádio Orlando Scarpelli. Na década de 30, o clube atingiu um dos seus auges com a conquista de cinco títulos do Campeonato Catarinense. Após um longo período sem conquistas estaduais nas décadas de 50 e 60, o Figueirense voltou a se consagrar campeão estadual em 1972 e 1974, época em que teve as suas primeiras participações na elite do Campeonato Brasileiro. O Figueirense se firmou nos principais campeonatos de futebol do Brasil no início do Século XXI, quando se consolidou na disputa da Série A e foi vice-campeão da Copa do Brasil de 2007. Em 2014 o Figueirense retornou à Série A do Campeonato Brasileiro como o único time de fora do Clube dos 13 a conseguir voltar no ano seguinte ao seu rebaixamento.

O "Furacão do Estreito", como também é conhecido, é um dos clubes mais bem-sucedidos no futebol de Santa Catarina, com 17 títulos do Campeonato Catarinense e o maior número de participações de um clube catarinense na elite do Campeonato Brasileiro. O Figueirense detém a maior série de invencibilidade de um clube de Santa Catarina na Série A, com 14 jogos sem perder no Campeonato Brasileiro de 2011.

Também o clube catarinense com maior número de participações na Copa do Brasil e na Copa Sul-Americana.

No futebol, é considerado pela imprensa catarinense como um dos cinco grandes clubes do estado, junto com o Avaí, Criciúma, Joinville e Chapecoense. O Figueirense possui uma antiga e intensa rivalidade com o Avaí, contra o qual disputa o Clássico de Florianópolis.

História

O Início dos anos de 1920

A ideia de fundar uma agremiação esportiva, foi atribuída a um jovem esportista chamado Jorge Albino Ramos. O próximo passo foi conseguir a simpatia de amigos. Balbino Felisbino da Silva, Domingos Joaquim Veloso e João Savas Siridakis também assumiram a ideia.

O nome "Figueirense" foi sugerido por João Savas Siridákis. Esse nome foi defendido, pois a maioria das reuniões que tratavam da fundação da futura agremiação ocorria na localidade da Figueira, situada nas imediações das ruas Conselheiro Mafra, Padre Roma e adjacências.

O dia 12 de junho de 1921 foi definido como a data de fundação do Figueirense. Uma residência localizada na rua Padre Roma foi cedida para a reunião de inauguração. Foram escolhidos os seguintes nomes para compor a primeira diretoria: presidente - João dos Passos Xavier; vice-presidente - Heleodoro Ventura; primeiro secretário - Balbino Felisbino da Silva; segundo secretário - Jorge Felisbino da Silva; primeiro tesoureiro - Jorge Albino Ramos; segundo tesoureiro - Jorge Araújo Figueiredo; orador - Trajano Margarida; guarda-esporte - Higino Ludovico da Silva. Com as cores preto e branco, que foi a preferência da maioria.

Os nomes de todos os fundadores: Alberto Moritz, Agenor Dutra, Balbino Felisbino da Silva, Bruno José Ventura, Carlos Honório da Silva, Dario Silva, Dilgidio Dutra Filho, Domingos Veloso, Heleodoro Ventura, Higino Ludovivo da Silva, João dos Passos Xavier, João Lobo, João Savas Siridákis, João Soares, Joaquim Manoel Fraga, Jorge Albino Ramos, Jorge Araújo Figueiredo, Jorge Silva, Leopoldo Silva, Manoel Noronha, Manuel Xavier, Pedro Francisco Neves, Pedro Xavier, Raymundo Nascimento, Trajano Margarida, Walfrido Silva e Wlisses Carlos Tolentino.

Anos de 1930

A Década de 1930 é lembrada como a melhor década, com o maior número de títulos num espaço de dez anos. O Figueirense tornou-se campeão de todos os campeonatos de que participou em 1932: Torneio Início, Campeão da Cidade de Florianópolis e Campeão Estadual. Alcançou novamente o título máximo da cidade em 1933. Tornou-se mais uma vez campeão citadino e estadual em 1935 e conquistou o seu terceiro campeonato estadual em 1936. Em 1937 e em 1939, obteve os títulos de campeão citadino e estadual.

Um jogador esteve presente em todas as conquistas dos anos 1930: Carlos Moritz, conhecido como Calico. Ele foi o jogador que por mais tempo vestiu a camisa do Figueirense, sendo também recordista de títulos pelo alvinegro e um dos seus principais goleadores.

No jogo decisivo do campeonato estadual de 1939, Figueirense 5 a 3 Pery Ferroviário (Mafra), quatro irmãos atuaram pelo Figueirense. Eram os irmãos Moritz: Calico, Décio, Nery e Sidney.

Anos de 1940

A Década de 1940 também foi marcante na história do alvinegro, o clube passou a ser reconhecido também por "esquadrão de aço" e "furacão do estreito". Em 1941 o clube repetiu o feito de 1932 sagrando-se campeão do Torneio Início, Campeonato da Cidade e Campeonato Estadual. Também aconteceram os títulos dos Torneios Início em 1947, 1948 e 1949.

No dia 28 de outubro de 1935, o empresário e desportista Orlando Scarpelli, durante a vigência de seu mandato como presidente do clube, doava oficialmente ao Figueirense a área de terra onde hoje encontra-se construído o Estádio que leva seu nome.

Em 1949, começaram os trabalhos da construção da praça de esportes do alvinegro. Em Setembro daquele ano, foram lançados títulos patrimoniais com vistas à arrecadação de recursos destinados ao início das obras.

Um ano depois, em Setembro de 1948, tiveram início as obras de construção do Estádio do Figueirense.

Anos de 1950

Nos anos de 1950, o Figueirense conquistou três torneios inícios (1950, 1951 e 1959) e cinco campeonatos da cidade (1950, 1954, 1955, 1958 e 1959), além do Vice-Campeonato estadual de 1950.

A falta de conquista de títulos estaduais nesta década está diretamente vinculada à escassez de recursos financeiros. A prioridade era a construção do estádio. Neste período, as obras de implantação da praça de esportes entraram em ritmo acelerado.

Em 20 de Julho de 1951, o Figueirense venceu seu maior rival, o Avaí por 1 a 0 no jogo que marcou a inauguração do sistema de iluminação do Estádio Adolfo Konder. Bráulio foi o autor do gol que entrou para a história.

Também em 1951, o Figueirense tornou-se campeão invicto em uma série de amistosos com clubes paranaenses, o Torneio de Paranaguá.[3]

Anos de 1960

A década de 1960 iniciou-se com boas notícias. Em 12 de Junho de 1960, no aniversário de trinta e nove anos do clube, acontecia a inauguração parcial do Estádio do Figueirense, com a realização do primeiro jogo: Figueirense 1 a 1 Clube Atlético Catarinense.

O Figueirense sagrou-se campeão de dois Torneios Início (1961 e 1962) e de um campeonato da cidade (1965). As divisões de base obtiveram excelente performance neste período. Em 1961 os juvenis do alvinegro sagraram-se campeões invictos, feito este repetido nos dois anos seguintes, resultando em 1963 na conquista do tricampeonato da cidade.

Anos de 1970

Em 1970, na administração de José Nilton Szpoganicz, a figueira foi incorporada ao distintivo do clube.

Em 1973, o Figueirense conquistou a vaga para o campeonato nacional de clubes, tornando-se o primeiro clube catarinense a representar Santa Catarina na competição.

Em 15 de Agosto de 1973, num jogo festivo contra o Vitória, Bahia, foram entregues as obras de expansão e melhoramentos do Estádio Orlando Scarpelli, capacitando-o a sediar os jogos válidos pelo Campeonato Nacional.

Nos anos 1970, o Figueirense conquistou dois títulos estaduais (1972 e 1974) e obteve, em 1975, a melhor performance de um clube catarinense em Campeonato Brasileiro nesta década, passando para a Segunda Fase do Nacional e terminando a competição em 21º lugar.

Anos de 1980

Durante esta década, o Figueira obteve dois vice-campeonatos estaduais (1983 e 1961), tendo conquistado as taças Mané Garrincha (Primeiro Turno do Campeonato Estadual de 1983) e José Leal Meirelles (Segundo Turno do Campeonato Estadual de 1985). Em 1987, disputou o campeonato estadual da Segunda Divisão. Tendo se destacado muito nos anos 80 o atacante Albeneir, ídolo do clube.

Em 1985, o "Furacão do Estreito" disputou a Taça de bronze, e obteve uma das melhores performances dentre as suas participações em campeonatos nacionais, classificando-se para o triangular final, terminando na terceira colocação do certame.

Anos de 1990

Após o vice-campeonato de 1993, o Figueirense, sagrou-se campeão catarinense de 1994.

Em 1995, o Figueirense foi campeão do Torneio Mercosul em cima do Joinville.

Em 1999, quando o clube já usava o seu novo modelo de gestão, com ênfase à reorganização e modernidade administrativa, o alvinegro, na administração de José Carlos da Silva, que negociou a vinda do meio-campo Fernandes, o craque e ídolo alvinegro, que todos já conhecem pelo seu futebol qualificado e por sua superação na carreira. No mesmo ano, o clube conquistou o seu 10º título do Campeonato Catarinense, fazendo a final contra o seu maior rival, o Avaí.

Em 1999, a Associação Amigos do Figueirense (ASFIG) adquire um terreno destinado a implantação do Centro de Treinamento do Figueirense, localizado no município de Palhoça, a 20Km do Estádio Orlando Scarpelli.

Em Junho de 2000, em meio às comemorações dos setenta e nove anos de fundação do clube, é inaugurada a primeira etapa de obras do CT.

Século XXI

Na primeira década do Século, o Figueirense conquista mais um Tri-campeonato Estadual (2002, 2003 e 2004), um Vice-Campeonato da Série B em 2001. Após isso, o Alvinegro esteve por um tempo na Série A do Campeonato Brasileiro (De 2002 até 2008).

Em 2002 o Furacão do Estreito fez sua estreia na série A, o clube teve uma série de superações durante a competição terminando o campeonato na décima e sétima posição sob o comando de Muricy Ramalho.

Em 2003, contratou Cléber Américo da Conceição, carinhosamente chamado de Clebão e também contratou o centro-avante Evair.

Em 2004, os meias Fernandes e Sergio Manoel fazem uma bela dupla no estadual e no brasileiro comandados por Dorival Júnior, atualmente um grande técnico no futebol nacional.

Em 2005, foram colocadas cadeiras em todo o Estádio Orlando Scarpelli, junto com outras reformas e melhorias, que estão sendo feitas desde a década passada. Contratou Edmundo, o Animal, uma das maiores contratações da história do clube e de Santa Catarina, também foi nesses dois anos que o clube foi comandado por Adílson Batista.

Em 2006, ganhou o Campeonato Catarinense em uma vitória histórica de 3 a 0 sobre o Joinville, e conquistou a melhor colocação de um clube catarinense na história do Campeonato Brasileiro, a 7ª posição (até então, haja vista que, em 2009, o Avaí superou essa marca e terminou o campeonato em 6º lugar, com o mesmo número de pontos e vitórias que o Figueirense em 2006).

Em 2007, o Figueirense chegou até a final da Copa do Brasil porém perdeu o jogo decisivo no Orlando Scarpelli por 1 a 0 após empatar com o Fluminense no Rio de Janeiro em 1 a 1

Em 2008 o clube venceu de forma invicta o Primeiro Turno do Campeonato Catarinense e no segundo turno fez uma campanha razoável por já estar garantido na final, porém perdeu confrontos diretos importantes que foram decisivos, e não levou o título antecipadamente. Na final enfrentou o Criciúma, vencendo o primeiro jogo por 1 a 0, em casa, dependendo apenas do empate no jogo de volta. Acabou perdendo por 3 a 1 e o jogo foi para a prorrogação, onde o Figueirense venceu por 1 a 0 e sagrou-se campeão do estado de Santa Catarina pela 6ª vez em 9 anos, e pela primeira vez em sua historia levantou a Taça no estádio do adversário. No final do ano o clube foi rebaixado à Série B do Campeonato Nacional. Neste mesmo ano, o Figueirense foi campeão da Copa São Paulo de Futebol Júnior, em cima do Rio Branco em uma vitória de 2 a 0.

Em 2009, o clube tentou retornar à primeira divisão, mas ficou na 6ª colocação.

Em 2010, o Figueirense ficou com a 3º colocação no Campeonato Estadual. Com uma campanha vitoriosa na Série B do Campeonato Brasileiro deste mesmo ano, o clube logrou retornar à 1ª Divisão do futebol nacional, conquistando a vaga no dia 13 de novembro de 2010 após uma vitória do Bahia que impediu o quinto colocado de o alcançar. Na última rodada, o Figueirense derrotou por 4 a 2 o Paraná e sagrou-se vice-campeão do Campeonato Brasileiro da Série B de 2010, repetindo o feito de 2001. No dia 19 de junho de 2010 Fernandes passou Calico, que tinha 94 gols, e na goleada por 6 a 1 sobre o CFZ Imbituba, no estádio Ninho da Águia, marcou o quinto gol do time, seu 99º com a camisa do Figueira, em jogo válido pela Copa Santa Catarina.

Em 2011, o Figueirense montou um de seus melhores elencos da história e fez a sua melhor campanha numa Série A de Campeonato Brasileiro sob o comando do técnico Jorginho, ficando em 7º lugar com 58 pontos.

Em 2012, o clube vivenciou um de seus piores anos, perdendo a final do Campeonato Catarinense para o seu maior rival, o Avaí, e sendo rebaixado para a Série B do Campeonato Brasileiro no mesmo ano.

Em 2013, o Furacão do Estreito voltou a elite do Campeonato Brasileiro, conquistando a 4º vaga no dia 30 de novembro de 2013 após um empate em 1 a 1 contra o Bragantino em Bragança Paulista, sendo o primeiro clube fora do Clube dos 13, que subiu no ano seguinte em que foi rebaixado.

Em 2014, no dia 13 de Abril o Figueirense sagrou-se campeão do Campeonato Catarinense no Estádio Orlando Scarpelli, conquistando o seu 16º título pelo placar de 2 a 1 em cima do Joinville. Nesse mesmo ano foi o melhor entre os 3 times Catarinenses no Campeonato Nacional da Primeira divisão, ficando em 13ª lugar com 47 pontos, conseguindo assim sua permanência na elite do futebol Brasileiro.

Em 2015, O Figueirense sagrou-se bicampeão do Campeonato Catarinense, título que foi decidido no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) com 6 votos por unanimidade após uma disputa com dois empates em 0 a 0 com o Joinville Futebol Clube, time esse que escalou o lateral André Krohber irregularmente, pois o mesmo tinha mais de 20 anos de idade e não tinha um contrato profissional com o clube, portanto não poderia estar participando do jogo. Como o regulamento previa pontos corridos e nesse caso o Figueira é quem teria a vantagem de empate nas finais. O Figueirense agora possui 17 títulos estaduais, sendo o maior campeão do estado de Santa Catarina.

Patrimônios

Estádio Orlando Scarpelli[4]

Estádio Orlando Scarpelli em novembro de 2010

O Estádio Orlando Scarpelli, próprio do Figueirense Futebol Clube, está localizado no bairro mais populoso e de fácil acesso da região metropolitana de Florianópolis, considerada a capital brasileira com melhor qualidade de vida. Os bairros adjacentes ao estádio, na região continental da capital (Abraão, Bom Abrigo, Capoeiras, Coqueiros, Estreito e Itaguaçú) perfazem sozinhos cerca de 12% da população metropolitana. Somados à população da região central e demais bairros da Ilha de Santa Catarina, asseguram uma população circunvizinha equivalente a 35% da região metropolitana.

O Estádio encontra-se localizado a apenas 1 km do Corpo de Bombeiros, Batalhão da Polícia Militar e do Hospital Florianópolis. Desde 1999 vem sendo constantemente reformado e novas instalações foram agregadas ao patrimônio do Clube. Novos vestiários para as divisões de base, alambrados renovados, implantação de catracas eletrônicas com cartões indutivos de acesso, novos banheiros, reforma dos bares, modernização do sistema de iluminação, novas casamatas, colocação de 20 mil cadeiras numeradas em todos os setores, novo gramado com sistema automatizado de irrigação e drenagem, são algumas das obras efetuadas.

Em 2002, o estádio foi eleito pela Revista Placar como o “Caldeirão do Brasil”, ocasião em que atingiu o maior percentual de ocupação dos estádios brasileiros, com 49%, feito repetido nas últimas temporadas.

Em março de 2007, o Diário Lance, referência em cobertura esportiva no país, formou o ranking dos estádios brasileiros de acordo com o caderno de encargos da FIFA. Na oportunidade o Estádio Orlando Scarpelli foi classificado em 10º lugar entre as 24 praças esportivas visitadas, sendo o terceiro melhor estádio particular na avaliação do jornal.

À frente do Scarpelli, apenas a Arena da Baixada (Atlético Paranaense), Beira-Rio (Internacional) e Morumbi (São Paulo), enquanto o Couto Pereira (Coritiba) ganhou a mesma pontuação. Os demais eram públicos: Engenhão (Rio de Janeiro), Maracanã (Rio de Janeiro), Mineirão (Belo Horizonte), Raulino Oliveira (Volta Redonda), Serra Dourada (Goiânia) e Mangueirão (Belém do Pará).

Em 2008 o mesmo Diário Lance voltou a publicar uma nova avaliação dos estádios brasileiros levando em consideração os anseios do torcedor. Na nova aferição o Estádio Orlando Scarpelli ficou em terceiro lugar com a média de 6,5, perdendo apenas para a Arena da Baixada (6,9) e Engenhão (6,7).

Centro de Formação e Treinamento (CFT)[5]

O Centro de Formação e Treinamento do Cambirela foi inaugurado em agosto de 2000 e é um dos mais importantes locais de treinamento do Furacão Alvinegro. A área de implantação foi adquirida pela ASFIG (Associação Amigos do Figueirense), e cedida ao Figueirense. Um dos mais estruturados do país, o CFT, localizado ao pé do Morro do Cambirela, está a 20 km do centro de Florianópolis.

Com área de 65.000 m2, o CFT do Figueirense é o local onde todas as atividades de treinamentos das mais diversas categorias são realizadas. Além da rotina de trabalho das diferentes categorias, o Centro de Formação e Treinamento do Cambirela também recebe os jogos oficiais das divisões de base, válidos pelas competições municipais e estaduais.

O CT tem uma estrutura com 4 campos oficiais, 1 campo exclusivo para treinamento de goleiros, 1 campo de areia, 3 vestiários, Academia, Rouparia, Centro de Convivência, Sala de Imprensa, Sala de Fisioterapia, Sala de Atendimento Médico e Sala da Comissão Técnica.

Projeto Arena Figueirense

No dia 6 de março de 2012 o Figueirense tornou a público o seu projeto para a nova Arena, que seria construída no local onde está o Estádio Orlando Scarpelli. O trabalho de dois anos para estruturar o projeto foi formalizá-lo junto ao Conselho Deliberativo.

- Sermos os maiores não é uma meta possível, nunca teremos o volume de investimento de um Corinthians, Flamengo e outros time de eixos mais fortes, mas podemos ser os melhores, investir com mais qualidade, com mais objetividade, mais criatividade e melhores resultados que grandes times brasileiros - disse o então diretor executivo do Figueirense, Leonardo Moura.

A nova Arena seria moderna e simples ao mesmo tempo. Ousada ao obedecer na íntegra os padrões FIFA e contida para não extrapolar a capacidade de investimento totalmente privado, sem recorrer a dinheiro público. O projeto foi cuidado para não extrapolar o ambiente já ocupado pelo Scarpelli e a obra previa uso de material encontrado na região. Seriam R$ 300 milhões a serem captados junto à iniciativa privada a partir de agora.

A Allianz Sports assina o empreendimento, que inovaria na região sul por conter, junto à praça multiuso (esportes e shows), um shopping center.

- Seriam áreas independentes nos acessos. Tudo é muito cuidado, mas o complexo seria um só e visaria justamente ao aproveitamento em tempo integral e auto-sustentável, com destaque para a versatilidade do espaço. Seriam 10 tipos de ingressos diferentes, desde o camarote até setores mais populares, e a possibilidade de passar um dia inteiro de lazer junto ao clube - destacou Rodrigo Brilinger, um dos investidores e parceiros do clube.

A ideia seria concluir a prospecção de investidores e começar a construção, que deveria durar dois anos. As arquibancadas do atual Scarpelli seriam remontadas em área que seria doada em São José, tendo como plano B o município de Palhoça.

Escudos

Evolução do Escudo do Figueirense Futebol Clube
1921 1924 a 1939 1950 1960 1970 1979 Atual
Escudo-Figueirense-7.png Escudo-Figueirense-6.png Escudo-Figueirense-5.png Escudo-Figueirense-4.png

Figueirense.png

Títulos

CONTINENTAIS
Competição Títulos Temporadas
Trophy.png Torneio Mercosul 1 1995Cscr-featured.png
INTERESTADUAIS
Competição Títulos Temporadas
Paraná Torneio de Paranaguá 1 1951Cscr-featured.png
ESTADUAIS
Competição Títulos Temporadas
Santa Catarina Campeonato Catarinense 17 1932Cscr-featured.png, 1935Cscr-featured.png, 1936Cscr-featured.png, 1937, 1939Cscr-featured.png, 1941Cscr-featured.png, 1972, 1974, 1994, 1999, 2002, 2003, 2004, 2006, 2008, 2014 e 2015
Santa Catarina Supercampeonato Catarinense 1 1996Cscr-featured.png
Santa Catarina Copa Santa Catarina 2 1990 e 1996
Santa Catarina Taça Santa Catarina 1 1986
Santa Catarina Torneio Início do Campeonato Catarinense 1 1924Cscr-featured.png
MUNICIPAIS
Competição Títulos Temporadas
Florianópolis Torneio Início de Florianópolis 12 1924Cscr-featured.png, 1927Cscr-featured.png, 1932, 1941, 1947, 1948, 1949, 1950, 1951, 1959, 1961 e 1962
Florianópolis Campeonato Citadino de Florianópolis 13 1932Cscr-featured.png, 1933, 1935Cscr-featured.png, 1936Cscr-featured.png, 1937Cscr-featured.png, 1939, 1941Cscr-featured.png, 1950, 1954, 1955, 1958, 1959 e 1965
Florianópolis Torneio Associação dos Cronistas Esportivos 1 1947

Cscr-featured.png Campeão Invicto

Outras Conquistas

  • Santa Catarina Taça Aderbal Ramos da Silva: 2014 e 2015
  • Santa Catarina Taça José Carlos Bezerra: 2012
  • Santa Catarina Taça 35 Anos da Polícia Militar: 2012
  • Santa Catarina Troféu Guarujá: 1996
  • Santa Catarina Troféu Ponte Hercílio Luz: 1995
  • Santa Catarina Troféu Cidade de Florianópolis: 1992
  • Santa Catarina Taça José Meirelles: 1985
  • Santa Catarina Taça Mané Garrincha: 1983
  • Santa Catarina Taça Luiz G. Lamego: 1977
  • Santa Catarina Troféu Osni Melo: 1968
  • Santa Catarina Troféu Altamiro Silveira: 1959
  • Santa Catarina Taça Assemércio: 1933

Estatísticas

Participações

Participações em 2015
Competição Temporadas Melhor campanha Estreia Última P Aumento R Baixa
Santa Catarina Campeonato Catarinense 71 Campeão (17 vezes) 1924 2015 1
Série B 1 Vice-campeão (1987) 1987 1987 1
Brasil Campeonato Brasileiro 16 7º colocado (2006 e 2011) 1973 2015 2
Série B 9 Vice-Campeão (2001 e 2010) 1980 2013 3
Série C 8 3º colocado (1996) 1981 1999 1
Copa do Brasil 14 Vice-campeão (2007) 1995 2015
Flags of the Union of South American Nations.gif Copa Sul-Americana 3 2ª Fase (2012) 2004 2012

Últimas dez temporadas

Brasil Brasil Flags of South American Conmebol Members.gif América do Sul Santa Catarina Santa Catarina
Ano Campeonato Brasileiro Copa do Brasil Continental Campeonato Catarinense
Div. Pos. Pts J V E D GP GC Fase Máxima Competição Fase Máxima Div. Pos.
2006 A 57 38 15 12 11 52 44 A
2007 A 13º 53 38 14 11 13 57 56 F CS 1F A
2008 A 17º 44 38 11 11 16 49 73 A
2009 B 60 38 19 3 16 64 51 2F A
2010 B 67 38 19 10 9 68 37 A
2011 A 58 38 15 13 10 57 46 A
2012 A 20º 30 38 7 9 22 39 72 CS 2F A
2013 B 60 38 18 6 14 63 52 3F A
2014 A 13º 47 38 13 8 17 37 47 2F A
2015 A Em disputa Em disputa A


Legenda:
     Campeão.
     Vice-campeão.
     Eliminado na semifinal.
     Classificado à Copa Libertadores da América pela campanha no Campeonato Brasileiro.
     Classificado à Copa Libertadores da América pelo título da Copa do Brasil ou Copa Libertadores.
     Classificado à Copa Sul-Americana.
     Rebaixado à divisão inferior.
     Promovido à divisão superior.

Campanhas de destaque

Figueirense Futebol Clube
Torneio Campeão Vice-campeão Terceiro colocado Quarto colocado
Flags of South American Conmebol Members.gif Torneio Mercosul 1 (1995) 0 (não possui) 0 (não possui) 0 (não possui)
Brasil Copa do Brasil 0 (não possui) 1 (2007) 0 (não possui) 0 (não possui)
Brasil Campeonato Brasileiro – Série B 0 (não possui) 2 (2001, 2010) 1 (1985) 1 (2013)
Brasil Campeonato Brasileiro – Série C 0 (não possui) 0 (não possui) 1 (1996) 0 (não possui)
Santa Catarina Campeonato Catarinense 17 vezes 7 vezes 3 vezes (desde 2001) 1 vez (desde 2001)

Categorias de Base

O Figueirense Futebol Clube oferece infraestrutura para os mais de 100 jovens que compõem as suas categorias de base. Um ambiente familiar dividido em dormitórios, refeitório, sala de estudo, biblioteca, área de serviço, lazer e vestiário. Além dessa estrutura, o Programa Jovem Furacão tem projetos aprovados junto ao Ministério do Esporte que visam a melhoria da estrutura de treinamento das suas categorias de base.

Programa Jovem Furacão

O Programa Jovem Furacão, que é uma realização do Figueirense, em parceria com a ASFIG, conta com a chancela dos Ministérios da Cultura e Esporte por meio da Lei Rouanet e Lei de Incentivo ao Esporte, respectivamente. O Programa tem como principal objetivo formar além de atletas profissionais, cidadãos que possam desenvolver seus talentos humanos, no esporte e na vida pessoal. O Programa possui uma base pedagógica e cultural que estimula a participação dos jovens em atividades culturais, educacionais e sociais. Além disso, estimula o apoio de seus familiares e é baseado no desenvolvimento contínuo de competências, que abrangem diversas áreas, como ética e cidadania, qualidade de vida, habilidades sociais, gestão de carreira, educação continuada e desenvolvimento cultural.

Títulos Categorias de Base

NACIONAIS
Competição Títulos Temporadas
Flag of Brazil.svg Copa São Paulo de Futebol Júnior 1 2008
Flag of Brazil.svg Copa do Brasil de Futebol Sub-15 1 2014
Flag of Brazil.svg Copa Promissão 2 2008 e 2012
ESTADUAIS
Competição Títulos Temporadas
Bandeira de Santa Catarina.svg Campeonato Catarinense de Futebol Infantil 10 2001, 2002, 2003, 2005, 2006, 2007, 2008, 2009, 2010 e 2014[6]
Bandeira de Santa Catarina.svg Campeonato Catarinense de Futebol Juvenil 10 2000, 2001, 2002, 2004, 2005, 2007, 2008, 2009, 2011 e 2013
Bandeira de Santa Catarina.svg Campeonato Catarinense de Futebol Júnior 6 1985, 2002, 2006, 2007, 2009 e 2012
Bandeira de Santa Catarina.svg Copa Santa Catarina de Futebol Sub-17 1 2007
Bandeira de Santa Catarina.svg SC Cup Juvenil 1 2007
MUNICIPAIS
Competição Títulos Temporadas
Florianopolis Campeonato Citadino Mirim 1 2002
Florianopolis Campeonato Citadino Infantil 7 2001, 2002, 2003, 2005, 2006, 2009 e 2010
Florianopolis Campeonato Citadino Juvenil 6 2000, 2001, 2002, 2004, 2005 e 2009

Uniformes

Uniformes atuais

Jogadores

Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
3º Uniforme

Goleiros

Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
'
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
'

Uniformes anteriores

  • 2014
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
3º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
4º Uniforme
  • 2013
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
3º (Raíz)
  • 2012
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
3º Uniforme
  • 2011
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
3º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
4º Uniforme
  • 2010
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
  • 2009
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
3º Uniforme
  • 2008
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
3º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
4º Uniforme
  • 2007
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
3º Uniforme
  • 2006
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
  • 2005
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
3º Uniforme
  • 2003-2004
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme

Patrocinadores

Ano Patrocinador Master Material Esportivo
1983 Decorama
1986-1988 Dimas Consorcio
1989 Florisa
1992 Amauri Malharia NSA
1993 Casas da Agua Malharia NSA
1994 Amauri Malharia NSA
1995-1996 Amauri Poker
1996-1997 Amauri Pieri Sport
1998 Rei Bingo Pieri Sport
1999 Umbro
2000 Tim Umbro
2001 Amauri Umbro
2002 Umbro
2003-2005 Fame Umbro
2006 Ibagy Umbro
2006-2008 Taschibra Umbro
2009-2011 Taschibra Fila
2012 Taschibra Penalty
2013-2014 Caixa Econômica Federal Penalty
2015 Caixa Econômica Federal Lupo

Ídolos

Nacionalidade Nome Posição
Brasil Édson Bastos (Édson Bastos Barreto) G
Brasil Wilson Rodrigues de Moura Júnior G
Brasil Paulo Sérgio Rocha LD
Brasil Clébão (Cléber Américo da Conceição) Z
Brasil Márcio Goiano Z e T
Brasil Casão (Jaime Casagrande) LE
Brasil André Clarindo dos Santos LE
Brasil Vinícius Eutrópio (Vinícius Soares Eutrópio) M e T
Brasil Balduíno (João Carlos da Silva) M
Brasil Rodrigo Fernandes Valete M
Brasil Luiz Éverton Rodrigues M
Brasil Aldrovani Menon AT
Brasil Abimael Carvalho Ferreira AT
Brasil Calico (Carlos Moritz) AT
Brasil Genílson Alves de Oliveira AT
Brasil Albeneir Marques Pereira AT
Brasil Edmundo Alves de Souza Neto AT

Jogadores Estrangeiros

  • Jogadores estrangeiros com passagem pelo Figueirense Futebol Clube

Atualizado em 3 de julho de 2014.

LEGENDA

base.: Jogador da Base

Nacionalidade Nome Posição
Bolívia Leandro Gareca base. LE
Chile Roberto Cereceda LE
Paraguai Mario Saldívar LD
Argentina Agustín Cattaneo Z
Estados Unidos Brandonbase. Z
Argentina Canuto Z
Coreia do Sul Kwon Jun base. Z
Paraguai Wilson Pittoni M
Venezuela Brasil Breitner M
Argentina Gastón Ada AT
Argentina Martín Lucero base. AT
Argentina Brasil Frontini AT
Argentina Niell AT
Uruguai Loco Abreu AT
Uruguai Bruno Fornaroli AT

Elenco atual

Atualizado em 21 de julho de 2015.[7]

Legenda
  • Capitão: Capitão
  • Lesionado: Jogador lesionado/contundido
  • Emprestado: Jogador por empréstimo
  • Prata da casa: Prata da casa (jogador revelado pelo Figueirense)
  • Suspenso: Jogador suspenso


Goleiros
Jogador
1 Brasil Felipe Lesionado
22 Brasil Luan Polli Prata da casa
30 Brasil Júnior Oliveira Emprestado pelo São José Esporte Clube
38 Brasil Alex Santana
Defensores
Jogador Pos.
3 Brasil Marquinhos Capitão Z
4 Brasil Thiago Heleno Emprestado pelo Club Deportivo Maldonado Lesionado Z
13 Brasil Ferron Z
20 Brasil Saimon Z
59 Brasil Bruno Alves Prata da casa Z
88 Brasil Nirley Z
2 Brasil Leandro Silva Suspenso LD
52 Brasil Sueliton LD
6 Brasil Marquinhos Pedroso Prata da casa LE
36 Chile Roberto Cereceda LE
Meio-campistas
Jogador Pos.
15 Brasil Jefferson Prata da casa V
21 Brasil Luan Prata da casa V
28 Brasil Paulo Roberto Emprestado pelo Grêmio Osasco Audax V
43 Brasil Jackson Prata da casa V
55 Brasil Dener Prata da casa V
70 Brasil João Vitor Emprestado pelo Club Deportivo Maldonado V
77 Brasil Fabinho V
91 Brasil França Lesionado V
8 Brasil Ricardinho Emprestado pelo Criciúma Esporte Clube M
16 Brasil Rafael Bastos M
19 Brasil Carlos Alberto M
25 Brasil Juninho Prata da casa Emprestado pelo Coimbra Esporte Clube M
27 Brasil Yago Prata da casa Suspenso M
97 Brasil Matheusinho Prata da casa M
' Brasil Bruno Dybal Emprestado pelo Sociedade Esportiva Palmeiras M
' Brasil Celsinho Emprestado pelo Londrina Esporte Clube M
Atacantes
Jogador
7 Brasil Clayton Prata da casa
9 Brasil Marcão Emprestado pelo Clube Atlético Paranaense
11 Brasil Dudu
12 Brasil Thiago Santana Emprestado pelo São Carlos Futebol Clube
39 Brasil Elias Emprestado pelo Nova Iguaçu Futebol Clube Lesionado
' Brasil Alemão Emprestado pelo Cruz Azul Fútbol Club

Jogadores afastados

Jogadores não aproveitados
Pos. Jogador
G Brasil Jean Drosny Prata da casa
Z Brasil Américo Prata da casa
Z Brasil Rafael Santaiana Prata da casa
LE Brasil Guilherme Lazaroni Prata da casa
M Brasil Jean Deretti Prata da casa
M Brasil Maicon Talhetti Prata da casa
A Brasil Jonatan Ponciano Prata da casa


Comissão técnica

Comissão técnica
Nome Função
Brasil Cleber Giglio Superintendente de futebol
Brasil Alex Tomita Superintendente administrativo
Brasil Rafael Rodinei Machado Supervisor de futebol
Brasil Diogo Martins Supervisor de futebol
Brasil Argel Fucks Treinador
Brasil Galego Auxiliar técnico
Brasil Hudson José Coutinho Auxiliar técnico
Brasil Antônio Manoel Peçanha Auxiliar técnico
Brasil Marquinhos Seixas Preparador físico
Brasil Norberto Cabral Preparador físico
Brasil Diogo Vieira Moura Preparador físico
Brasil Marco Aurélio Tedeschi Preparador de goleiros
Brasil Sérgio Eduardo Parucker Médico
Brasil Cassio Alves Konrath Médico
Brasil Marcos Pereira Dias Médico
Brasil Fernando de Lima Médico
Brasil Marcos Toshifumi Kimura Fisioterapeuta
Brasil Alessandro Hauphental Fisioterapeuta
Brasil Tiago Cetolin Fisiologista
Brasil Almir Schmitt Netto Fisiologista
Brasil Genivaldo Costa Massagista
Brasil Fabiano Barboza Massagista
Brasil Felipe Hostim Rabello Nutricionista
Brasil Manoel Paulino Neto Roupeiro
Brasil Júlio Cézar Matos Roupeiro
Brasil Enoy Martins Analista de desempenho e administração
Brasil Ronaldo P. Nascimento Jr. Coordenador da assessoria de comunicação
Brasil Luiz Henrique Fotógrafo


Transferências em 2015

Legenda

Fairytale right.png: Jogador chegando
Fairytale left red.png: Jogador saindo
Volta de Empréstimo: Jogadores que voltam de empréstimo
Emprestado: Jogadores emprestados

Outras modalidades esportivas

Olympic pictogram Football.png Futebol 7

Figueirense/Beira Rio de Futebol 7[8] [9]

A parceria entre Figueirense e a Associação Recreativa e Cultural Beira Rio acontece desde o ano de 2009. Neste período a equipe conquistou três títulos da Floripa Cup, mostrando a força da equipe na modalidade. Com a parceria, passarão também a ter o apoio da assessoria de marketing e de imprensa. O Futebol 7 Society é a categoria de futebol amador que mais cresce no Brasil e o Figueirense/Beira Rio é conhecido como um dos mais tradicionais clubes amadores Catarinenses.

Fundado em 1984 por um grupo de amigos, o Beira Rio pleiteou uma vaga junto à Liga Amadora de São José/SC, no início da década de 90, quando começou o projeto de forma oficial. A partir de 2008, o Beira Rio começou a representar o Figueirense Futebol Clube no Futebol 7, popularmente conhecido como Futebol Society e conquistava pela primeira vez o título da Série A da Floripa Cup, torneio mais importante da categoria na região da Grande Florianópolis e de Santa Catarina.

Em 2012, ganhou seu segundo título da Floripa Cup. Ainda em 2012, o Figueirense/Beira Rio participou de um torneio de Beach Soccer realizado em Florianópolis.

Em 2013, sagrou-se tri-campeão da Floripa Cup sobre o seu maior rival, o Avaí.[10]

Por três vezes o Figueirense/Beira Rio disputou a Copa do Brasil de Futebol 7, o torneio reuniu 32 equipes, em 2010 terminou na 8ª colocação e em 2011 na 16ª colocação.

Em 2014, venceu a equipe do Metropolitano/BMH em disputa de shoot out (uma espécie de pênaltis), e sagrou-se Campeão da Liga Metropolitana Borges de Mendonça de Futebol 7.[11]

Em Março de 2015, foi campeão da 3º edição da Copa Federação de Futebol 7[12]

Títulos

Curiosidades

Broom icon.svg
Seções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios (desde dezembro de 2009).
  • Nos anos dourados do Figueirense, na década de 1930, um atacante esteve presente em todas as conquistas do time. Carlos Moritz, o Calico, foi o jogador que mais vezes vestiu a camisa alvinegra e recordista de títulos pelo clube, além de um de seus maiores artilheiros.
  • Na final do estadual de 1939, na vitória por 5 a 3 sobre o Ferroviário, Calico teve a companhia de três irmãos: Décio, Nery e Sidney completavam a família Moritz no time do Figueirense, já que fora de campo Roberto Moritz e Charles Edgar Moritz presidiram o clube nos anos 1930.
  • O Figueirense venceu a primeira decisão de uma competição estadual (Torneio Início). Na partida, no dia primeiro de junho de 1924, o clube derrotou o Avaí por 1 a 0, com gol marcado por Kowalski.
  • O Figueirense foi um dos fundadores da extinta Liga Catharinense de Desportos Terrestres, organizada em 12 de abril de 1924.
  • Em 2002, o Figueirense conquistou todos os títulos estaduais em todas as categorias. Fora de campo o alvinegro conquistou o prêmio "Top of Mind", como a marca de clube de futebol mais lembrada de Santa Catarina e o título de "Caldeirão do Brasil", dado pela revista Placar ao Orlando Scarpelli, estádio com o maior índice de ocupação no Campeonato Brasileiro da Série A 2002, com uma média de 49%.
  • Em 2007 o Figueirense tornou-se o segundo clube catarinense a chegar a uma final da Copa do Brasil
  • Em 2008 o Figueirense torna-se o primeiro clube catarinense a conquistar a Copa São Paulo de Futebol Júnior
  • Ainda em 2008, o Figueirense tornou-se o maior vencedor de Campeonato Catarinense, com 15 conquistas
  • Em 2010, o Furacão do estreito enfim consegue subir para elite do brasileirão com uma bela campanha na Segunda Divisão, terminando em segundo lugar com 67 pontos.
  • Em 2011, o Figueirense bate o recorde do seu maior rival, Avaí, mantendo a invencibilidade por 14 jogos seguidos (com 6 vitórias consecutivas), sendo assim, o time catarinense com maior invencibilidade pela série A.
  • Em 2013, o Figueirense foi o primeiro clube fora do Clube dos 13, que subiu no ano seguinte em que foi rebaixado.
  • Em 2014, o Figueirense disputou a primeira partida oficial da Arena Corinthians, estádio que foi palco da abertura da Copa do Mundo de 2014 no Brasil. O jogo foi válido pela 5° rodada do Campeonato Brasileiro e terminou com o placar de 1 a 0 para o Figueirense sobre o Corinthians, com o primeiro gol da história do estádio sendo marcado pelo meia Giovanni Augusto, aos 2 minutos do segundo tempo.

As maiores goleadas em Brasileiros feitas pelo Figueirense:

  • 22/04/2006 - Figueirense 6 x 1 Palmeiras - Gols: Vinicius Fininho, Schwenck (2), Soares (2), Carlos Alberto (Figueirense) e Washington (Palmeiras)
  • 02/11/2003 - Figueirense 6 x 0 Paysandu - Gols: Fernandinho (2), Sandro Gaúcho, Edmilson, Cleber e William Fabro (Figueirense)

Clássicos

Figueirense x Avaí

Figueirense e Avaí fazem o clássico citadino mais antigo ainda em disputa no futebol catarinense, tendo sido jogado pela primeira vez em 13 de abril de 1924. A fonte mais tradicional e de maior confiabilidade para a contagem oficial do Clássico de Florianópolis é a do Jornal "A Notícia" 1 jornal "O Estado" e "Diário Catarinense" divulgada na década de 90, também utilizada pelo reconhecido portal RSSSF Brasil em suas publicações antigas. Esta fonte aponta em seus dados atualizados em 13 de maio de 2015, 410 jogos, 144 vitórias para o Figueirense e 139 vitórias para o Avaí, com 127 empates.

O primeiro clássico a decidir um título ocorreu em 1924, quando o Figueirense venceu o Avaí por 1 a 0 e sagrou-se Campeão do Torneio Início daquele ano¹.

Figueirense e Avaí decidiram o Campeonato Catarinense em três oportunidades: em 1975, quando o campeão foi o Avaí, e em 1999, quando o Figueirense levou o título e em 2012 quando o Avaí foi campeão. As duas equipes já se enfrentaram duas vezes pelo Série B do Campeonato Brasileiro e, em 2001, chegaram juntas ao quadrangular final da Série B. O Figueirense terminou em segundo lugar e conseguiu o acesso à Série A. O Avaí ficou em quarto. Em 2011, disputaram pela primeira vez juntos uma edição do Campeonato Brasileiro - Série A em pontos corridos, com o Figueirense terminando em 7º e o Avaí em 20º, na última colocação. Em 2013, pela Série B, foi vencendo um clássico contra o Avaí na Ressacada por 4 a 0 que o Figueirense iniciou uma arrancada rumo ao seu retorno à elite, tirando a vaga do rival, que na ocasião da partida estava no G-4.

Figueirense x Criciúma

Figueirense e Criciúma já realizaram quatro finais de Campeonato Catarinense. O Tigre levou a melhor em 1993, mas viu o Figueirense erguer à taça em 1994, 2002 e 2008.

São os dois clubes catarinenses que mais disputaram edições do Brasileirão de pontos corridos (10 participações do Figueirense e 4 do Criciúma). Se enfrentaram na elite em 2003, 2004 e 2014.

Figueirense x Joinville

Figueirense e Joinville decidiram o Campeonato Catarinense também por quatro vezes. O JEC venceu em 1983 e 1984, enquanto o Figueira deu o troco em 2006, 2014 e em 2015.

Torcida

O Figueirense ficou conhecido como "O mais querido de Santa Catarina", superando as torcidas de rivais como Avaí, Joinville e Criciúma nas principais enquetes e pesquisas populares. A preferencia pelo alvinegro também é percebida nas principais redes sociais, aonde o Figueirense possui um numero muito superior de seguidores que seus rivais Catarinenses.

Sócios

O Figueirense possui atualmente cerca de 10.000 sócios adimplentes.

Torcidas Atuais

Torcidas Extintas

  • Bobgueira
  • Jovem Alvinegra
  • Charanga do Paulinho

Outras Associações

  • Turma da Figueira
  • COFES - Comissão Organizadora de Festas e Eventos no Scarpelli
  • ASFIG - Associação Amigos do Figueirense

Ranking da CBF

  • Posição: 21º
  • Pontuação: 6.898 pontos

Ranking criado pela Confederação Brasileira de Futebol que pontua todos os times do Brasil.

Referências

Ver também

Ligações externas