Associação Atlética Aparecidense

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Aparecidense
Nome Associação Atlética Aparecidense
Alcunhas A.A.A.
Camaleão
Cidinha
A Maior do Interior
Mascote Camaleão
Principal rival Goiás
Atlético Goianiense
Vila Nova
Fundação 22 de outubro de 1985 (38 anos)
Estádio Anníbal Batista de Toledo
Capacidade 4.800 pessoas
Localização Aparecida de Goiânia, Goiás, Brasil
Presidente Wilson Queiroz Brasil
Treinador(a) Lucio Flavio
Patrocinador(a) Prefeitura de Aparecida
Cristal Alimentos
Costa Atacadista
LAS
Material (d)esportivo Super Bolla
Competição Goianão – Série A
Brasileirão – Série C
Ranking nacional Aumento 62 lugar, 1492 pontos [1]
Website aparecidense.com.br
Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
titular
Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo

A Associação Atlética Aparecidense é um clube de futebol brasileiro com sede na cidade de Aparecida de Goiânia, no estado de Goiás.[2]

Fundada em 22 de outubro de 1985, o time só foi profissionalizado em 1992, onde disputou a divisão de acesso. Popularmente chamada de Camaleão, a Aparecidense disputa os seus jogos no estádio Anníbal Batista de Toledo, onde divide com seu principal rival, a Aparecida Esporte Clube.

Em 17 de outubro de 2020, umas das figuras mais importantes da equipe, João Rodrigues, apelidado de Cocá, seu diretor de futebol, morreu de COVID-19, após um mês de luta contra a doença.[3]

História[editar | editar código-fonte]

Primeiros anos (1985 – 99)[editar | editar código-fonte]

Apesar de ter sido fundado em 22 de outubro de 1985,[2] o time azul e branco se profissionalizou apenas em 1992, disputando a Segunda Divisão Goiana.[4] Em 1995, conquistou um vice-campeonato Goiano da Segunda Divisão, vencido pelo Bom Jesus, conquistando assim a vaga na primeira divisão.[5]

Penúltimo colocado no Estadual de 1997, o Aparecidense seria rebaixado para a Segunda Divisão, mas acaba não disputando-o.

Retorna à Segunda Divisão Estadual em 1999. Neste ano, foram promovidos 8 clubes, com o Aparecidense ficando em quinto, mas o clube pede licenciamento à FGF. Retornou em 2002, tornando-se o primeiro campeão da Terceira Divisão Goiana. Logo após o término do torneio, o clube disputou a Segunda Divisão.

Acessos e rebaixamentos (2004 – 10)[editar | editar código-fonte]

Novamente ficou com o vice da Segunda Divisão Estadual em 2004 e conquistou o acesso, em um quadrangular final conquistado pelo Mineiros.

Em 2007, o time desistiu da disputa do Campeonato Goiano, foi rebaixado, e cedeu o lugar para a Canedense. Já em 2008, retornou à primeira divisão após o vice-campeonato na Divisão de Acesso.

Em 2009, o Camaleão terminou o Campeonato Goiano na última posição e foi novamente rebaixado.

Já em 2010, tendo Wilson Queiroz Brasil como presidente executivo e com o apoio do prefeito Maguito Vilela, o Camaleão conquistou o título da Divisão de Acesso e voltou novamente à elite do futebol goiano, sendo um dos três únicos clubes que não foram rebaixados nenhuma vez a partir de 2011.

Em 2011, terminou na sexta colocação do Campeonato Goiano, campanha considerada boa.

Primeira classificação à um campeonato nacional[editar | editar código-fonte]

Em 2012, com um time que contava com os experientes Alex Dias e Zé Carlos, fez uma bela campanha no Campeonato Goiano, onde brigou até na última rodada por uma das quatro vagas do quadrangular final. Foi um ano histórico para o clube, no qual, com a desistência do Itumbiara, pela primeira vez disputou um campeonato organizado pela CBF, levando o nome da cidade por todo o Brasil na Série D.

Punição do STJD na Série D[editar | editar código-fonte]

Em 2013, o clube mantém parceria do ano anterior com o Goiás, que cede jogadores não aproveitados no time principal. O clube ganhou notoriedade nacional e internacional após lance polêmico durante o segundo jogo das oitavas-de-final do Série D, contra o Tupi/MG. A equipe do Aparecidense se classificava com o placar de 2 a 2 até os 44 minutos do segundo tempo, quando o jogador Ademilson do Tupi chuta bola ao gol. A bola já ia entrar, até que o massagista Esquerdinha invade o campo, e tira o gol. No rebote, nova chance pro Tupi, mas novamente o massagista salva.[6] O lance causou indignação no jogadores, comissão técnica e torcedores do Tupi, que correram atrás de Esquerdinha para linchá-lo. Ele conseguiu correr até o vestiário e se esconder. Após cerca de 20 minutos de paralisação, o jogo foi reiniciado. O jogo teve mais 5 minutos, e terminou em 2 a 2, classificando o Aparecidense. O resultado gerou revolta nos dirigentes do Tupi, que entraram com recurso para anulação da partida, e desclassificação do Aparecidense por conduta antidesportiva.[7] No dia 16 de setembro, por 4 votos a 1, o STJD desclassificou o Aparecidense do campeonato, que recorreu, mas por unanimidade a apelação foi rejeitada 10 dias depois, sacramentando assim a classificação do Tupi e a eliminação da equipe. O massagista ainda foi multado em 500 reais e suspenso por 24 jogos.[8]

Ótimas campanhas no Campeonato Goiano e Copa do Brasil[editar | editar código-fonte]

Em 2014, faz uma campanha regular no Campeonato Goiano, terminando na sexta colocação.

Em 2015, a Cidinha realiza a melhor campanha da história e é finalista do Campeonato Goiano, mas é derrotada pelo Goiás na decisão, perdendo por 3 a 1 em Aparecida, e empatando em 1 a 1 em Goiânia. Porém, o vice-campeonato da Aparecidense foi muito comemorado pelo clube e pela cidade de Aparecida de Goiânia.

Em 2016, fez uma campanha abaixo do esperado no Campeonato Goiano. Porém fez uma campanha notável na Copa do Brasil, sendo o melhor dos goianos que disputaram. Eliminou o Sport/PE na primeira fase, ganhando os dois jogos, mas parou no Ypiranga/RS na segunda fase, perdendo por 3 a 1 na ida em Erechim e vencendo em Aparecida por 2 a 1. Na Copa Verde, terminou em 4° na competição. Na Série D, foi eliminado pelo Ceilândia na segunda fase, após empatar por 0 a 0 em casa e perder por 2 a 1 em território candango.

Em 2018, com jogo único em Aparecida, surpreendeu e eliminou o Botafogo de virada por 2 a 1 na primeira fase da Copa do Brasil, mas acabou parando no Cuiabá na fase seguinte. Foi finalista do Campeonato Goiano, mas novamente perdeu para o Goiás na decisão, empatando em 0 a 0 em Aparecida, e perdendo por 3 a 1 em Goiânia, ficando com o vice. Na Série D, foi eliminado na primeira fase, após ser derrotado pelo Novoperário/MS em casa.

Em 2019, não fez uma boa campanha no Campeonato Goiano, sendo eliminado pelo Goiás nas quartas de final. Foi protagonista de um grande imbróglio na Copa do Brasil, onde venceu a Ponte Preta no campo, porém, a partida acabou sendo anulada pelo STJD por suposta interferência externa[9]. Após 2 meses, Camaleão e Macaca voltaram a se enfrentar num Aníbal Toledo lotado (pelas torcidas dos times goianos) e a Aparecidense voltou a vencer o time paulista por 2 a 0.[10] Foi eliminada pelo Bragantino/PA, mantendo a sina de nunca passar da segunda fase da competição.

Quase acesso à Série C[editar | editar código-fonte]

Em 2020, fez uma boa campanha no Campeonato Goiano, classificando-se em 7º lugar na primeira fase. Na fase seguinte, a Aparecidense surpreendeu e eliminou o Goiás, vencendo por 2 a 0 em plena Serrinha, mas foi derrotada pelo Atlético-GO por 2 a 1 nas semifinais, sendo eliminada da competição e terminando em 4º lugar. Na Série D, classificou-se em 1º lugar no Grupo A5, com o segundo melhor ataque, marcando 31 gols em 14 jogos. Na segunda fase eliminou o Tupynambás/MG por 5 a 1, no placar agregado, e na terceira fase eliminou o São Luiz/RS por 5 a 2 no agregado. Já nas quartas de final, enfrentou o Mirassol e perdeu no jogo de ida, realizado no interior paulista, por 2 a 1. A Aparecidense perdeu novamente no jogo de volta, dessa vez por 3 a 2, e foi eliminada da competição.

Campeão da Série D de 2021[editar | editar código-fonte]

Em 2021, fez novamente uma boa campanha no Goianão, terminando em 1º lugar no seu grupo. Nas quartas de final eliminou a Jataiense por 5 a 1 no agregado, e nas semifinais perdeu para o Vila Nova por 2 a 1 no agregado, terminando a competição novamente na 4ª colocação. Na Série D, ficou em 1º lugar no seu grupo e classificou-se para a segunda fase, onde enfrentou a Caldense e perdeu por 1 a 0 na ida, em Poços de Caldas. No jogo de volta em Aparecida de Goiânia, a equipe buscou uma virada heroica, venceu por 3 a 1 e se classificou para as oitavas de final. Nessa fase eliminaram o Cianorte/PR, por 1 a 0 no agregado.[11] Já nas quartas de final, a Aparecidense encarou a equipe do Uberlândia, venceu por 1 a 0 fora, empatou por 1 a 1 em casa e avançou por 2 a 1 no placar agregado, conquistando finalmente o tão sonhado e inédito acesso para a Série C de 2022.[12] Nas semifinais venceu o ABC de Natal por 4 a 2 de virada, na ida em Aparecida, e na volta perdeu por 1 a 0 em Natal, mas se classificou para a final com um placar agregado de 4 a 3.[13] Na Grande Final da Série D, enfrenta o Campinense Clube/PB, na ida em Campina Grande vence por 1 a 0 com gol de David, e com uma grande atuação do goleiro Pedro Henrique. E na volta em Aparecida de Goiânia, o camaleão busca o empate, com um golaço de Samuel, empata em 1 a 1 (no agregado 2 a 1), e se torna a grande campeã da Série D, conquistando o seu primeiro título nacional.[14][15][16]

Elenco atual[editar | editar código-fonte]

Fonte: FGF[17] CBF[18]


Goleiros
N.º Jogador
12 Brasil Pedro Henrique
23 Brasil Weverton Vilela
1 Brasil Gabriel Luis Gonçalves Félix
24 Brasil Cleriston Daniel Ferraz
Defensores
N.º Jogador Pos.
14 Brasil Wesley Matos Z
3 Brasil Vanderley Ribeiro Z
15 Brasil Lucas Balardin Z
25 Brasil Felipe Kauan Z
4 Brasil Ricardo Lima Z
26 Brasil Luan Sales LD
13 Brasil Caio Callyman LD
27 Brasil Dyego Cavalcante LD
28 Brasil Breno Lorran LE
16 Brasil Matheus Leal LE
6 Brasil Rodrigues LE
Meio-campistas
N.º Jogador Pos.
29 M
10 Brasil Robert Geannine M
30 Brasil Daniel de Pauli Oliveira M
31 Brasil Gabriel Rodrigues M
22 Brasil Cebolinha M
32 Brasil Derli M
8 Brasil Renato Alves M
Atacantes
N.º Jogador
33 Brasil Cardoso
34 Brasil Diogo Luiggi
21 Brasil Luiz Paulo
Comissão técnica
Nome Pos.
Brasil Lucio Flavio T
Brasil Altair Coimbra AS
Brasil Lusmar Bahia AS
Brasil Talles Garcia PF
Brasil Leonardo Raul PF
Brasil Agnelo Vaz Silva TG
Brasil Guilherme Magrão TG
Brasil Rodolfo Rovagnol Cambota MD
Brasil Romildo Colherinhas FT

Títulos[editar | editar código-fonte]

NACIONAIS
Competição Títulos Temporadas
Campeonato Brasileiro - Série D 1 2021
ESTADUAIS
Competição Títulos Temporadas
Campeonato Goiano - 2ª Divisão 1 2010
Campeonato Goiano - 3ª Divisão 1 2002
Notas

Campeão Invicto

Torneio com chancela da CBD/CBF.

Categorias de Base[editar | editar código-fonte]

  • Categoria SUB-13
  • Categoria SUB-15
  • Categoria SUB-17
  • Categoria SUB-20

Atualmente todas as categorias de base disputam o campeonato goiano de base, copa goiás e torneio FGF. Em janeiro de 2021 a categoria SUB-20 chegou ate as SEMI-FINAIS do campeonato goiano de base, deixando pelo caminho equipes como Atlético Clube Goianiense, garantindo sua 1° participação para a Copa São Paulo de Futebol Júnior.

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Participações[editar | editar código-fonte]

Participações em 2024
Competição Temporadas Melhor campanha Estreia Última P Aumento R Baixa
Goiás Campeonato Goiano 17 Vice-campeã (2015 e 2018) 1997 2024 2
2ª Divisão 9 Campeã (2010) 1992 2010 2 1
3ª Divisão 1 Campeã (2002) 2002 1
Copa Verde 2 Semifinal (2016) 2016 2020
Brasil Série C 3 8° colocada (2022) 2022 2024
Série D 9 Campeã (2021) 2012 2021 1
Copa do Brasil 4 2ª fase (3 vezes) 2016 2024

Temporadas[editar | editar código-fonte]

Brasil Nacional Centro-Oeste Goiás Goiás
Ano Campeonato Brasileiro Copa do Brasil Copa Verde Campeonato Goiano
Div. Pos. Pts J V E D GP GC Fase Máxima Fase Máxima Div. Pos.
2011 D Desistência 1D
2012 D 22º 10 8 3 1 4 11 15 1D
2013 D 13º 17 * 10 4 5 1 14 7 1D
2014 D Não classificado 1D
2015 D 18º 13 8 3 4 1 9 5 1D
2016 D 19º 14 8 4 2 2 10 9 2F SF 1D
2017 D 23º 11 8 3 2 3 10 9 1D
2018 D 34º 8 6 2 2 2 11 10 2F 1D
2019 D 33º 9 6 3 0 3 8 5 2F 1D
2020 D 35 20 10 5 5 44 22 2F 1D
2021 D 46 24 12 7 4 31 15 1D
2022 C 36 25 10 6 9 31 28 1D
2023 C 15º 22 19 6 4 9 17 20 1D

* Excluído da competição após decisão do pleno do STJD.

Legenda:

     Campeão
     Vice-campeão
     Eliminado na semifinal.
     Rebaixado à divisão inferior.
     Campeão e promovido à divisão superior
     Promovido à divisão superior.

Retrospecto em competições oficiais[editar | editar código-fonte]

Última atualização: Série D de 2021.

Competição Temporadas Títulos Pts. J V E D GP GC SG Aprov.%
Brasil Série D 9 1 163 98 45 28 25 148 97 51 55,4%

Referências

  1. «RANKING NACIONAL DOS CLUBES 2019» (PDF). CBF 
  2. a b Página da Aparecidense no site da FGF
  3. «Diretor da Aparecidense morre vítima de Covid-19, em Goiânia». ge.globo. 18 de outubro de 2020. Consultado em 18 de outubro de 2020. João Rodrigues, o Cocá, tinha 54 anos e lutava contra a doença há cerca de um mês 
  4. [1]Campeonato Goiano de Futebol de 1992 - Segunda Divisão
  5. [2]Campeonato Goiano de Futebol de 1995 - Segunda Divisão
  6. «Na Série D, massagista invade campo e impede gol do Tupi contra Aparecidense». Consultado em 8 de setembro de 2013 
  7. «Após invasão de massagista, Tupi pede a exclusão do Aparecidense da Série D». Consultado em 8 de setembro de 2013 
  8. «STJD acata recurso e mantém exclusão da Aparecidense da Série D». Consultado em 6 de outubro de 2013 
  9. «STJD cancela julgamento e CBF remarca Aparecidense x Ponte Preta» 
  10. «Com casa cheia, Aparecidense decide em campo e elimina a Ponte Preta na Copa do Brasil» 
  11. «Série D: CBF divulga tabela detalhada das quartas de final». Agência Brasil. 5 de outubro de 2021. Consultado em 1 de março de 2024 
  12. «Campinense e Aparecidense garantem vaga na semi da Série D e acesso à Série C em 2022». ESPN Brasil. 16 de outubro de 2021. Consultado em 1 de março de 2024 
  13. Mesmo com derrota, Aparecidense chega à final da Série D
  14. Aparecidense-GO empata com o Campinense-PB e conquista a Série D do Brasileirão
  15. Aparecidense conquista o primeiro título do Centro-Oeste na história da Série D
  16. «Inédito! Aparecidense empata com o Campinense e conquista título da Série D do Brasileirão». CBF. 13 de novembro de 2021. Consultado em 13 de novembro de 2021. Diante de sua torcida, Camaleão saiu atrás no marcador e buscou o empate por 1 a 1 contra a Raposa e soltou o grito de campeão da competição 
  17. http://www.fgf.esp.br/media/downloads/sumulas/423190.pdf
  18. http://www.cbf.com.br/futebol-brasileiro/competicoes/campeonato-brasileiro-serie-c/2022/188?ref=linha#documentos