Associação Atlética Aparecidense

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde setembro de 2013). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Aparecidense
AAAparecidense.png
Nome Associação Atlética Aparecidense
Alcunhas A.A.A.
Mascote Camaleão
Fundação 22 de outubro de 1985 (33 anos)
Estádio Estádio Anníbal Batista de Toledo
Capacidade 8.000 pessoas
Localização Aparecida de Goiânia, GO,  Brasil
Presidente Brasil Wilson Queiroz
Treinador Márcio Fernandes
Patrocinador Arroz Cristal
LAS do Brasil
Material (d)esportivo Embratex
Competição Campeonato Goiano
Campeonato Brasileiro
Copa do Brasil
Ranking nacional Baixa (4) 78º lugar, 904 pontos [1]
Website http://www.aparecidense.com.br/
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
titular
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
Temporada atual
editar

Associação Atlética Aparecidense é um clube brasileiro de futebol sediado na cidade de Aparecida de Goiânia, no estado de Goiás.

História[editar | editar código-fonte]

Apesar de ter sido fundado em 22 de outubro de 1985, o time azul e branco se profissionaliza apenas em 1992, disputando a Segunda Divisão Goiana. Em 1995, conquista o Vice-Campeonato Goiano da Segunda Divisão, vencido pelo Bom Jesus, conquistando assim a vaga na Primeira Divisão.

Penúltimo colocado no Estadual de 1997, o Aparecidense seria rebaixado para a Segunda Divisão, mas acaba não disputando.

Retorna à Segundona em 1999. Neste ano, foram promovidos 8 clubes, com o Aparecidense ficando em quinto, mas o clube pede licenciamento à FGF. Retorna em 2002, tornando-se o primeiro Campeão da Terceira Divisão Goiana. Logo após o término do torneio, o clube disputou a Segunda Divisão.

Novamente fica com o vice da Segundona em 2004 e conquista o acesso, em um quadrangular final conquistado pela Mineiros.

Em 2007, o time desiste da disputa do Campeonato Goiano, é rebaixado, e cede o lugar para a Canedense.

Em 2008, mais um acesso (e mais um vice campeonato), em quadrangular final vencido pelo Santa Helena.

Em 2009, a AAA fica em último lugar na competição e é novamente rebaixado.

Em 2010, juntamente com o apoio do prefeito Maguito Vilela, a AAA iniciou a disputa do Campeonato Goiano da Segunda Divisão e após o título conquistado voltou novamente fazer parte da elite do futebol goiano. Time Base: Flávio Mendes, Leonardy, João Paulo, Robson e Rodrigo Miranda; Giovane, Lusmar, Fabinho e Lindomar; Sandro Goiano e Diego Lira.

Em 2011, novamente com o apoio do empresariado local e da Prefeitura Municipal de Aparecida de Goiânia, a AAA no retorno a elite do futebol goiano fez bonito terminando na sexta colocação, tendo realizado grandes jogos. Time Base: Flávio Mendes; Leonardy, Preto Marabá, Martony, Robson e Xavier; Maurinho, Evandro e Washington; Diego Lira e Éder.

Em 2012, com um time que contava com os experientes Alex Dias (Ex- Vasco, São Paulo, PSG) e Ze Carlos (Ex Corinthians, Botafogo-RJ e Goiás), fez uma bela campanha no Campeonato Goiano, onde brigou até na última rodada por uma das quatro vagas do quadrangular final. O ano de 2012 foi um ano histórico para o clube, no qual pela primeira vez disputou um campeonato organizado pela Confederação Brasileira de Futebol, levando o nome da cidade de Aparecida de Goiânia por todo o Brasil na Série D do Campeonato Brasileiro.

Em 2013, o clube mantém parceria com o Goiás Esporte Clube, que vai ceder jogadores que não são aproveitados para que a Aparecidense possa formar seu elenco para a disputa do Campeonato Goiano e Campeonato Brasileiro da Série D.

O clube ganhou notoriedade nacional e internacional após lance polêmico durante o segundo jogo das oitavas-de-final do Brasileirão-Série D, contra o Tupi. A equipe do Aparecidense se classificava com o placar de 2 x 2 até os 44 minutos do segundo tempo, quando o jogador Ademilson do Tupi chuta bola ao gol. A bola já ia entrar, até que o massagista Esquerdinha invade o campo, e tira o gol. No rebote, nova chance pro Tupi, mas novamente o massagista salva.[2] O lance causou indignação no jogadores, comissão técnica e torcedores do Tupi, que correram atrás de Esquerdinha para linchá-lo. Ele conseguiu correr até o vestiário e se esconder. Após cerca de 20 minutos de paralisação, o jogo foi reiniciado. O jogo teve mais 5 minutos, e terminou em 2 x 2, classificando o Aparecidense. O resultado gerou revolta nos dirigentes do Tupi, que entraram com recurso para anulação da partida, e desclassificação do Aparecidense por conduta antidesportiva.[3]

No dia 16 de setembro, por 4 votos a 1, o STJD desclassificou o Aparecidense do campeonato, que recorreu, mas por unanimidade a apelação foi rejeitada 10 dias depois, sacramentando assim a classificação do Tupi e a eliminação da equipe. O massagista ainda foi multado em 500 reais e suspenso por 24 jogos.[4]

Em 2015, o Camaleão realiza a melhor campanha da história e é finalista do Campeonato Goiano, mas é derrotada pelo Goiás na decisão. Porém, o vice-campeonato da Aparecidense foi muito comemorado pelo clube e pela cidade de Aparecida de Goiânia.

Em 2016, fez uma campanha abaixo do esperado no Campeonato Goiano. Porém fez uma campanha notável na Copa do Brasil, sendo o melhor dos goianos que disputaram. Eliminou o Sport/PE na primeira fase, ganhando os dois jogos, mas parou no Ypiranga/RS na segunda fase, perdendo por 3 a 1 na ida em Erechim e vencendo em Aparecida por 2 a 1. Na Copa Verde de Futebol, terminou em 4° na competição. Na Série D, foi eliminado pelo Ceilândia na segunda fase, após empatar por 0 a 0 em casa e perder por 2 a 1 em território candango.

Em 2018, com jogo único em Aparecida, eliminou o Botafogo de virada por 2 a 1 na primeira fase da Copa do Brasil, mas acabou parando no Cuiabá na fase seguinte. Foi finalista do Campeonato Goiano, mas novamente perdeu para o Goiás na decisão, ficando com o vice. Na Série D, foi eliminado na primeira fase, após ser derrotado pelo Novoperário/MS em casa.

Títulos[editar | editar código-fonte]

Estaduais
Competição Títulos Temporadas
Goiás Campeonato Goiano - 2ª Divisão 1 2010
Goiás Campeonato Goiano - 3ª Divisão 1 2002

Campanhas de destaque[editar | editar código-fonte]

Base[editar | editar código-fonte]

Títulos[editar | editar código-fonte]

Estaduais
Competição Títulos Temporadas
Goiás Campeonato Goiano Sub-17 1 2014

Estádio[editar | editar código-fonte]

Manda seus jogos no Estádio Annibal Batista de Toledo, em Aparecida de Goiânia, com capacidade para abrigar 6.000 torcedores.

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Temporadas da Aparecidense

Participações[editar | editar código-fonte]

Participações em 2019
Competição Temporadas Melhor campanha Estreia Última P Aumento R Baixa
Goiás Campeonato Goiano 13 Vice-campeã (2015 e 2018) 1997 2019 2
2ª Divisão 9 Campeã (2010) 1992 2010 2 1
3ª Divisão 1 Campeã (2002) 2002 2002 1
Copa-Verde-de-Futebol-2016.gif Copa Verde 1 Semifinal (2016) 2016 2016
Brasil Série D 7 13ª colocada (2013) 2012 2019
Copa do Brasil 3 2ª fase (2016 e 2018) 2016 2019

Elenco atual[editar | editar código-fonte]

Goleiros
Jogador
Busatto
Pedro Henrique
Gabriel
Defensores
Jogador Pos.
Brasil Mirita Z
Brasil Filipe Z
Brasil Tiago Carvalho Z
Brasil Wagner Z
Brasil Rafael Cruz LD
Brasil Hélder LD
Brasil Gleidson LE
Meio-campistas
Jogador Pos.
Brasil Clécio V
Brasil Tiago Ulisses V
Brasil Lusmar V
Brasil Lucas V
Brasil Gustavo Ramos M
Brasil Washington M
Brasil Felipe M
Brasil Cristian M
Brasil Uederson M
Atacantes
Jogador
Brasil Nonato
Brasil Aleílson
Brasil Kadú
Brasil Gilvan
Comissão técnica
Nome Pos.
Brasil Márcio Goiano T

Referências

Bandeira de BrasilSoccer icon Este artigo sobre clubes brasileiros de futebol é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.