Associação Atlética Luziânia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Luziânia
AALuziania2020.png
Nome Associação Atlética Luziânia
Torcedor/Adepto Azulão
Mascote Igreja[1]
Fundação 13 de dezembro de 1926 (93 anos)
Estádio Zequinha Roriz
Capacidade 21 564
Localização Luziânia, GO, Brasil
Presidente José Egídio
Treinador Sebastião Rocha
Patrocinador Prefeitura de Luziânia
BRB
Material (d)esportivo Lider Sport
Competição Campeonato Brasiliense[nota 1]
Ranking nacional Baixa (22) 112º lugar, 523 pontos
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
titular
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
Temporada atual
editar

Associação Atlética Luziânia é um clube de futebol brasileiro, sediado em Luziânia, Goiás, mas filiado à Federação de Futebol do Distrito Federal devido à proximidade da cidade com a capital federal. Uma das equipes mais antigas da região, é a única que disputou a primeira edição do Candangão que ainda está em atividade.

História[editar | editar código-fonte]

Associação Atlética Luziana[editar | editar código-fonte]

A equipe foi fundada no dia 13 de dezembro de 1926, na cidade de Santa Luzia, atual Luziânia, pelo mineiro Manoel Gonçalves da Cruz, um desportista, comerciante, professor e pioneiro do automobilismo. O nome escolhido foi Associação Atlética Luziana.[nota 2]

A primeira diretoria do clube foi constituída pelo próprio Manoel Gonçalves, que teve como presidente Carlos Machado de Araújo e como outros membros da diretoria Delfino Meireles e Paulino Lobo Filho.[3]

No dia 13 de dezembro de 1945, a cidade de Santa Luzia adota oficialmente o nome atual, e com isso, o clube muda de nome, passando a se chamar Associação Atlética Luziânia.[3]

Luziânia Esporte Clube[editar | editar código-fonte]

Em reunião realizada no Clube Recreativo e Cultural de Luziânia, no dia 26 de julho de 1959, foi eleita a nova diretoria, tendo como presidente Francisco das Chagas Rocha. O presidente eleito mudou novamente a denominação do clube, passando a se chamar Luziânia Esporte Clube, e alterando o seu uniforme vermelho e branco para as cores preta e branca. O primeiro estatuto foi publicado no dia 10 de abril de 1960.[3]

A primeira competição em que o Luziânia EC disputou no Distrito Federal foi a Segunda Divisão do Campeonato Brasiliense de 1963, ficando com segunda colocação, atrás do Dínamo de Futebol e Regatas. Isso permitiu que a equipe se torna-se a primeira equipe do entorno a disputar a primeira divisão do Campeonato Brasiliense, em 1964. Fez uma excelente campanha, terminando com o vice-campeonato, atrás apenas do Rabello Futebol Clube.[3]

O clube ainda ficaria em terceiro do Torneio Prefeito Ivo Magalhães de 1964.

Sob esse nome, o clube disputaria o Campeonato Brasiliense quatro vezes, em 1964, 1966, 1973 e 1974.

Luziânia Futebol Clube[editar | editar código-fonte]

Em reunião, no Colégio Santa Luzia, no dia 9 de novembro de 1981, a denominação do clube foi alterada novamente, passando a se chamar Luziânia Futebol Clube. Os dirigentes resolveram se aventurar em participar do futebol goiano após a empolgação pelo acesso à primeira divisão em 1992. No entanto, teve fraco desempenho. O time caiu para a Divisão Intermediária e desistiu de participar do Campeonato Goiano pelas dificuldades financeiras das longas viagens e hospedagens.

O Luziânia ficou na divisão principal goiana até 1995.

Associação Atlética Luziânia[editar | editar código-fonte]

Em 1995, o torcedor José Egídio Pereira Lima procurou a Federação Metropolitana de Futebol para o retorno do Luziânia ao futebol de Brasília, mas a documentação do clube foi destruída em um incêndio no deposito do estádio Pelezão, sendo convidado pelos dirigentes da Federação Metropolitana de Futebol, Weber Magalhães e Tadeu Roriz, a participar novamente do campeonato brasiliense. No dia 20 de janeiro garantiu uma nova filiação. Adotou a igreja do Rosário no escudo, numa sugestão do desportista Albino Inácio Soares, e voltou a usar as cores originais no uniforme do clube, o azul celeste e o branco, além de retornar ao nome de fundação para Associação Atlética Luziânia.

O retorno ao campeonato do DF aconteceu em 1996, quando realizou uma grande campanha, chegando à segunda fase e sendo eliminado apenas nas semifinais pelo Guará, que viria a ser campeão. Foi bicampeão dos juniores em 1996 e 1997

No entanto, em 2000 foi rebaixado, voltando a disputar a Primeira Divisão em 2002. Fez uma boa campanha em 2006, classificando-se para a Série C nacional, mas acabou eliminado na primeira fase. Em 2007, foi novamente rebaixado.

Sagrou-se vice-campeão da segunda divisão do Distrito Federal em 2008, garantindo vaga na elite do ano seguinte. Teve também Chimba como artilheiro do campeonato, com 11 gols.

Em 2010, caiu para a 2ª Divisão do Campeonato Brasiliense, juntamente com o Dom Pedro. Além da lanterna, o Luziânia teve o pior ataque (dez gols) e a pior defesa (ao lado do Brasília).

Em 2012 conquistou o 1° turno do Campeonato Brasiliense com uma vitória por 3x2 sobre o Ceilândia no estádio Serra do Lago, garantindo uma vaga inédita na Copa do Brasil de 2013. Foram dois jogos contra a equipe do Fortaleza, e em ambos o placar foi o mesmo (0 a 0). O Luziânia acabou sendo eliminado nos pênaltis no jogo da volta, realizado na capital cearense, com destaque para o goleiro Edmar Sucuri, que defendeu duas cobranças naquela ocasião.

Em 2015, disputou pela segunda vez a Copa do Brasil, sendo eliminado em casa pelo América Mineiro (3 a 0).

Em 2017, disputou pela terceira vem a Copa do Brasil. O Luziânia acabou sendo eliminado em casa pelo Vitória pelo placar de 2 a 0.

Bicampeonato Brasiliense[editar | editar código-fonte]

Em 2014, o Luziânia começou o Campeonato Brasiliense com o pé direito, batendo a equipe do Gama por 1 a 0 em pleno Estádio Bezerrão. Pensando alto, a diretoria montou um elenco contando com alguns atletas conhecidos no cenário nacional e local, como o experiente atacante Lúcio Bala, o meia Rodriguinho (campeão brasiliense em outras nove oportunidades) e o atacante Vaguinho (ex-Ponte Preta e Portuguesa).

No dia 17 de maio de 2014, o Luziânia conquistou o Campeonato Candango de Futebol mesmo com a derrota por 1 a 0 frente ao Brasília (havia vencido o primeiro jogo por 3 a 2). Por ter feito melhor campanha no geral, fez história tornando-se a primeira equipe de outro estado a levar o título de uma competição regida por outra federação.

Na edição de 2016 sagrou-se campeão novamente, desta vez invicto. A final foi contra o Ceilândia.

Símbolos[editar | editar código-fonte]

Escudo[editar | editar código-fonte]

Evolução do Escudo do Luziânia
AA Luziana - 1926 – 1945 AA Luziânia - 1945 – 1949 Luziânia EC - 1959 – 1981 Luziânia FC - 1981 – 1995 AA Luziânia - 1995 – 2016 2016 2017 – 2020 2020 – Atual
Luziana-1926.png Luiziania-1945.png Luziânia EC.png Luziânia FC.png AA Luziânia.png Luziania-2016.png AALuziania.png AALuziania2020.png

As duas estrelas no escudo atual representam as duas conquistas do Campeonato Brasiliense (2014 e 2016). O Luziânia é o único time de fora do DF a conquistar o título.

Títulos[editar | editar código-fonte]

ESTADUAIS
Competição Títulos Temporadas
DFtrophy.png Campeonato Brasiliense 2 2014 e 2016
DFtrophy.png Taça JK 1 2012
GOtrophy.png Copa do Planalto 2 1929 e 62
MUNICIPAIS
Competição Títulos Temporadas
Goiás Taça Cidade de Planaltina 1 1956
Goiás Taça Centenário da Cidade de Planaltina 1 1956
TORNEIOS AMISTOSOS
Competição Títulos Temporadas
Distrito Federal (Brasil) Taça Álvaro de Morais 1 1958
Goiás Taça Zequinha Roriz 1 1992

Outros Títulos[editar | editar código-fonte]

Campeonato Brasiliense de Juniores - 1996 e 1997

Campeonato Brasiliense Feminino - 2006

Elenco[editar | editar código-fonte]

Goleiros
Jogador
Brasil Matheus Lorenzo
Brasil Vinicius
Brasil Douglas
Brasil Márcio
Defensores
Jogador Pos.
Brasil Santiago Z
Brasil Bruno Z
Brasil Maycon Z
Brasil Caio Z
Brasil João Pedro LD
Brasil Guduxo LE
Brasil Ramon LE
Meio-campistas
Jogador Pos.
Brasil Juninho V
Brasil Cleyton V
Brasil Gabriel Soares V
Brasil Anjinho M
Brasil Ferrugem M
Brasil Rodrigo Menezes M
Brasil Allanzinho M
Brasil Manu M
Brasil Vitin M
Atacantes
Jogador
Brasil Titico
Brasil Kelvin
Brasil G. Marreta
Brasil Yorras
Comissão técnica
Nome Pos.
Brasil Jairo Araújo T
Brasil Evilásio Almeida AS
Brasil Heitor AS
Brasil Pedro Hugo PF
Brasil Júnior TG
Brasil Haroldo MD
Brasil Igor Meireles Roriz FT
Brasil Leandro FT
Brasil Quarentinha MA


Notas e referências

Notas

  1. Apesar de ser goiano, disputa o Campeonato Brasiliense por fazer parte da Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal e Entorno. [2]
  2. Inicialmente, sem a letra I

Referências

  1. «Mascotes incríveis - Confira o antes e o depois dos símbolos de times brasileiro». Fox Sports. Consultado em 16 de abril de 2019 
  2. Emanuel Colombari. «A história dos times de Minas Gerais e Goiás no Campeonato Brasiliense». Última Divisão. Consultado em 16 de abril de 2019 
  3. a b c d «História». Brasiliafutebolclube.com.br. Consultado em 5 de maio de 2014 
Bandeira de BrasilSoccer icon Este artigo sobre clubes brasileiros de futebol é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.