Brasiliense Futebol Clube

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Brasiliense
Brasiliense Futebol Clube.png
Nome Brasiliense Futebol Clube
Alcunhas Ense
Jacaré
Esquadrão Amarelo
Jacaré Bolado
Torcedor/Adepto Brasiliense
Mascote Jacaré
Principal rival Gama
Fundação 1 de agosto de 2000 (20 anos)
Estádio Boca do Jacaré
Capacidade 27 000[1]
Localização Taguatinga, Brasil
Presidente Brasil Luiza Estevão
Treinador Brasil Mauro Fernandes
Patrocinador Brasil Grupo Ok
Brasil Metrópoles
Material (d)esportivo Brasil Líder
Competição Campeonato Brasiliense
Copa do Brasil
Brasileirão - Série D
Copa Verde
Ranking nacional Aumento (44) 94º lugar, 638 pontos
Website [1]
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
titular
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
editar

O Brasiliense Futebol Clube é um clube de futebol brasileiro, sediado em Taguatinga, no Distrito Federal. Atualmente, joga o Campeonato brasiliense e a Série D do Campeonato Brasileiro de Futebol. O clube é conhecido pelo seu apelido de Jacaré e suas cores são o amarelo e o branco, em referência às cores da bandeira do Distrito Federal.

O Brasiliense foi fundado em 2000 pelo ex-senador Luiz Estevão, teve uma acensão rápida dentro do cenário do futebol nacional. Antes de completar 2 anos de existência, o clube conseguiu chegar à final da Copa do Brasil de 2002, sendo derrotado para o Corinthians na decisão.[2]

É o detentor da maior sequência de títulos estaduais consecutivos no Distrito Federal com 6 títulos ganhos entre 2004 e 2009.

História[editar | editar código-fonte]

Antecendentes[editar | editar código-fonte]

O Atlântida Esporte Clube foi criado em 8 de julho de 1986 em Taguatinga, por trabalhadores da Atlântida Móveis, uma loja de móveis na capital brasileira. Profissionalizou-se em 1997, quando disputou o Campeonato Brasiliense da Segunda Divisão. No seu jogo de estreia, venceu o Cristalinense por 2x1.[3]

Em 1 de agosto de 2000, Atlântida cedeu o direito de participar na Segunda Divisão Candanga para o político Luís Estêvão, que funda o Brasiliense Futebol Clube para substituir o Atlântida.

Primeiro título e acesso à principal divisão do Distrito Federal[editar | editar código-fonte]

Em 2000, menos de 5 meses após a sua fundação, o clube conquista o seu primeiro título, o Campeonato Brasiliense da 2ª Divisão de 2000, após derrotar o ARUC por 2 x 0 no Estádio Mané Garrincha.[4]

No ano seguinte, o clube chega a final do Campeonato Brasiliense, sendo derrotado por aquele que se tornaria o seu arquirrival, a Sociedade Esportiva do Gama. [5] O atacante do Brasiliense Weldon foi o artilheiro da competição, com 13 gols.[5]

Com o segundo lugar no Candangão de 2001 o Jacaré garantiu vaga na Copa do Brasil, Campeonato Brasileiro da Série C e na Copa Centro-Oeste em 2002.[5]

Finalista da Copa do Brasil 2002[editar | editar código-fonte]

Com apenas dois anos de história, o Jacaré conseguiu um feito inédito para um time do Distrito Federal. O clube se tornou a primeira equipe do distrito a chegar até a decisão de um campeonato nacional.[6] Em sua primeira participação na Copa do Brasil de Futebol, o clube chegou até a decisão, se tornando o mais novo finalista de uma Copa do Brasil.

Antes de chegar a final, o clube eliminou adversários tradicionais como o Náutico, o Fluminense e o Atlético Mineiro, decidindo o título contra o Corinthians.[7]

A primeira partida foi realizada no Estádio Morumbi, tendo como mandante o Corinthians. O Brasiliense saiu derrotado por 3x2.[7] Na segunda partida na Boca do Jacaré, o Brasiliense empatou por 1 x 1 com o Corinthians, com um gol de falta de Wellington Dias, ficando com o vice-campeonato da Copa do Brasil de 2002.[7]

Campeão Brasileiro da Série C 2002[editar | editar código-fonte]

O Brasiliense e o CFZ foram os representantes do futebol do Distrito Federal no Campeonato Brasileiro Série C em 2002.

Os clubes do Distrito Federal fizeram parte do Grupo 9, juntamente com Anápolis, de Anápolis (GO) e o Grêmio Esportivo Inhumense, de Inhumas (GO).

Por causa de uma briga no Estádio Boca do Jacaré o Brasiliense perdeu o mando de campo tendo que mandar o jogo da decisão no Estádio Serra Dourada em Goiânia.

Apenas o Brasiliense passou para a Segunda Fase, quando as 32 equipes classificadas da 1ª fase formaram 16 novos grupos de dois clubes cada. Ao levar a melhor sobre o CENA, de Nova Andradina (MS), o Brasiliense classificou-se para a Terceira Fase.

Na Terceira Fase, as 16 equipes classificadas foram divididas em 8 novos grupos, com dois clubes cada. O Brasiliense voltou a enfrentar o Anápolis e superou novamente o clube goiano, classificando para a Quarta Fase.

Na Quarta Fase, as 8 equipes classificadas foram divididas em 4 novos grupos, com dois clubes cada. O Brasiliense enfrentou o Villa Nova, de Minas Gerais, ao qual venceu duas vezes e se qualificou para a Fase Final do campeonato.

Os quatro clubes que chegaram à Fase Final foram Brasiliense, Ipatinga, Marília e Nacional Futebol Clube (Amazonas).

Esses quatro clubes se enfrentaram em jogos de ida e volta. O Brasiliense somou mais pontos, tornou-se Campeão Brasileiro da Série C e garantiu uma das duas vagas para a Série B de 2003. Brasiliense e Marília chegaram à última rodada com chances de serem campeões, o Brasiliense com 11 pontos e o Marília, com 10. O empate deu o título ao Brasiliense.

O clube ainda teve os dois artilheiros da competição, com 11 gols, Túlio Maravilha e Wellington Dias.

Primeiro título regional e campeão brasileiro da Série B[editar | editar código-fonte]

No campeonato brasiliense de 2004, o Brasiliense antecipou o inédito título no campeonato com uma vitória de 1 x 0 sobre o Gama, na decisão do returno.

Campeão Brasileiro da Série B em 2004[editar | editar código-fonte]

Em um campeonato disputado por diversas equipes tradicionais do futebol brasileiro, o Brasiliense se classificou com folga à segunda fase do torneio após liderar a primeira fase.

Na segunda fase o time caiu no grupo com Santa Cruz, Ituano e Fortaleza, e o Brasiliense teve muito trabalho nessa fase, classificando-se após um empate em 1 x 1 com o Santa Cruz na última rodada.

No quadrangular final, o time teria que encarar os outros três melhores clubes da competição que eram Bahia, Avaí e Fortaleza.

O jogo do acesso do time do Distrito Federal à elite brasileira foi contra o Fortaleza. Com gol do zagueiro Durval, o Brasiliense conquistou pela primeira vez o acesso.

O Brasiliense sagrou-se campeão do Campeonato Brasileiro Série B de 2004 derrotando o Bahia por 3x2.

Rebaixamento e semifinalista da Copa do Brasil de 2007[editar | editar código-fonte]

Depois do rebaixamento no Campeonato Brasileiro da Série A de 2005 o Brasiliense teve muitos altos e baixos ficando 5 anos na Série B.

Teve grande destaque na Copa do Brasil de Futebol de 2007 chegando às semifinais, quando foi eliminado pelo Fluminense em jogo muito polêmico,[carece de fontes?] com grande falha do zagueiro Thiago Martins, que mais tarde viria a abandonar a carreira futebolística para investir no ramo alimentício.

Nessa época a rivalidade com o Gama ganhou dimensão nacional. Os dois times se enfrentaram sete vezes pela Série B, com três vitórias para cada um e ficaram bem equilibrados os duelos a nível nacional.

O "Esquadrão Amarelo" completou a sua partida de número 600 no dia 14 de maio de 2011, ao empatar em 0x0 com o rival Gama diante de 15.645 torcedores na Boca do Jacaré pelo Campeonato Brasiliense. Neste jogo, o clube conquistou Heptacampeão do Campeonato Brasiliense. O Brasiliense levou o título por ter feito melhor campanha do campeonato.

Rebaixamentos[editar | editar código-fonte]

Depois de ter sido rebaixado para Série B de 2010 , o clube viveu em 2013 o momento mais melancólico de sua história, mesmo conquistando o Octacampeonato Brasiliense na vitórias de 3 x 0 em cima do Brasília no Estádio Mané Garrincha - primeiro título do estádio pós reforma para a Copa do Mundo FIFA de 2014.

Uma derrota por 2 a 1 para o Cuiabá em plena Boca do Jacaré, em jogo que poderia valer sua classificação para a segunda fase da Série C, acabou rebaixando o clube para a Série D, a mais baixa divisão do campeonato brasileiro de futebol.

O clube começou o ano de 2014 tentando se recuperar, mas a má fase se estendeu e, ainda no primeiro semestre, o Brasiliense amargou eliminações na Copa do Brasil e no Campeonato Brasiliense, onde nem sequer chegou a disputar a final. Disputou a Série D, mas mesmo se reanimando após uma boa campanha na Primeira Fase da competição, o Jacaré caiu nas Quartas-de-Final para o Brasil de Pelotas, novamente em plena Boca do Jacaré, nos pênaltis, por 4 a 3.

Prisão de Luiz Estevão e nova diretoria[editar | editar código-fonte]

Em 7 de março de 2016, 10 anos após ser condenado a 31 anos de prisão por crimes cometidos no desvio de verbas na obra Fórum Trabalhista de São Paulo,[8] Luiz Estevão teve o pedido de prisão imediata determinada pela 1º vara da Justiça Federal de São Paulo, a partir do entendimento do STF para a prisão em segunda instância.[9]

Sem poder dirigir a equipe, ele coloca a filha, Luiza Estevão, para o cargo de diretora, se tornado a mais jovem dirigente de futebol do país.[10]

Em sua gestão, depois de ficar três anos sem ganhar títulos, o Brasiliense enfim foi campeão do Campeonato Brasiliense de 2017, ao derrotar o Ceilândia Esporte Clube por 3 x 2 no Estádio Mané Garrincha. Com a conquista do Eneacampeonato Brasiliense, o Brasiliense conquistou a vaga para a Copa do Brasil 2018, Copa Verde 2018 e Série D do Campeonato Brasileiro 2018.

Nos últimos anos (2018 e 2019) o time se sagrou vice-campeão brasiliense, tendo disputado a Copa do Brasil 2019, Copa Verde 2019 e Série D do Campeonato Brasileiro 2019. No campeonato brasileiro, acabou sendo eliminado na fase eliminatória pelo Vitória-ES.

Estrutura[editar | editar código-fonte]

Estádios[editar | editar código-fonte]

Centro de treinamento do Brasiliense, localizado no Setor de Clubes Esportivos Sul
Centro de Treinamento as margens do Lago Paranoá.
Nome Localização Anos de Uso
Boca do Jacaré Taguatinga 2001–presente
Mané Garrincha Brasília 2013–presente (Diversos jogos)

Historicamente, o Brasiliense manda seus jogos no Estádio Elmo Serejo Farias, na região administrativa de Taguatinga. Apelidado de Serejão, os torcedores apelidaram o estádio de Boca do Jacaré, por ser a casa do Brasiliense.O estádio recebe o nome do ex-governador do Distrito Federal, Elmo Serejo Farias, que governou o Distrito Federal entre os anos de 1974 e 1979. A primeira partida do Brasiliense na Boca do Jacaré, foi na vitória sobre o tradicional Brasília 3 x 1 com dois gols marcados por Weldon e outro pelo então capitão Darci.[11] Anteriormente o estádio era utilizado pelo Taguatinga Esporte Clube.

Em 2016 o Serejão começou a passar por uma grande reforma no gramado, o que fez com que o Brasiliense mudasse de lugar temporariamente migrando para o Abadião em Ceilândia. A argumentação do Brasiliense foi que, além da obra, o gramado do estádio Abadião estava melhor do que o de Taguatinga.[12]

Centro de Treinamento[editar | editar código-fonte]

Em 2010, ano em que completou dez anos, o presidente do clube, Luís Estêvão, promoveu mudanças estruturais no clube, com o início da construção do Centro de Treinamentos do clube, localizado no Setor de Clubes Sul nas margens do Lago Paranoá.[13]

Rivalidade[editar | editar código-fonte]

Brasiliense x Gama[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Clássico Verde-Amarelo

Tornou-se o grande rival de outro clube do Distrito Federal, o Gama, a qual duela desde 2001. São os clubes do Distrito Federal que alcançaram as maiores conquistas a nível nacional para o DF, ambos conquistaram o Brasileirão da Série B, além disso são também os clubes de maior torcida entre os candangos. O clássico Verde-Amarelo, como é chamado, é um jogo de grande rivalidade e que sempre atrai bons públicos. No confronto geral, o Jacaré possui 21 vitórias contra 19 do rival alviverde. A rivalidade com o Brasília cresceu muito.

Brasiliense x Brasília[editar | editar código-fonte]

Com a má fase do Gama, Brasília e Brasiliense tomaram o posto de dois maiores do Distrito Federal e estão figurando como dois grande rivais. A rivalidade é perceptível, já que enquanto os candangos que não torcem para o jacaré apoiam o bom momento vivido pelo colorado. Os torcedores do Brasiliense cada vez mais estão torcendo contra, visto que o clube está perdendo o posto que foi dele por muito tempo como o maior do DF. Se em 2009 e 2013 o Brasiliense ganhou o título candango em cima do Brasília, o colorado deu o troco e eliminou o Brasiliense duas vezes só em 2014, pela Copa Verde e pelo Campeonato Brasiliense.[14]

Brasiliense x Taguatinga[editar | editar código-fonte]

Com o ressurgimento do Taguatinga Esporte Clube em 2018 e o acesso a primeira divisão em 2019,[15] as duas equipes começaram uma rivalidade, por se tratarem de duas equipes de Taguatinga.[16][17][18]

Símbolos[editar | editar código-fonte]

Escudo[editar | editar código-fonte]

Evolução do Escudo do Brasiliense
2000 – 2001 2001 – 2002 2007 2002 – 2007 2008 – 2009 2009 – 2010 2011 – Atual
Brasiliense (2000-2001).png Brasiliense (2001-2002).png Brasiliense (2007).png Brasiliense (2002-2007).png Brasiliense (2008-2009).png Brasiliense (2009-2010).png Brasiliense Futebol Clube.png

Camisa[editar | editar código-fonte]

O primeiro uniforme do Brasiliense sempre composto de camisas, calções e meiões amarelos, no ano de 2008 foi introduzida no uniforme uma cruz também em referência à bandeira do Distrito Federal que se manteve até 2016.

O segundo uniforme do Brasilense e sempre composto de camisas, calções e meiões Brancos, em 2006 o Brasilense não utilizou o escudo do time e sim a bandeira do Distrito Federal no primeiro e no segundo uniforme.

O terceiro uniforme do Brasilense causou um pouco de polêmica, em 2010 foi lançada a camisa em homenagem ao rock,[19] causou muita repercussão nas mídias, alguns torcedores não gostaram, por uma parte foi bem aceita, sendo umas das camisas mais vendidas da história do clube. Já em 2013 foi lançada a mais polêmica de todas, a camisa verde[20][21] que causou muita polêmica, por ter a cor do arquirrival, embora a cor seja uma das três do Brasiliense desde a fundação do clube, a camisa só foi usada em 1 jogo apenas e logo descartada.[21]

Uniformes atuais

  • 1º - Camisa amarela com calção e meias amarelas;
  • 2º - Camisa branca com gola amarela, calção e meias brancas;
  • 3° - Camisa preto com listras e gola amarela, calção e meias pretas;

Modelo 2017

Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1° Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme

Modelo 2018

Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1° Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
3° Uniforme

Uniformes dos goleiros

  • Cinza com detalhes pretos;
  • Preto com detalhes cinzas.
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
'
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
'

Cores[editar | editar código-fonte]

As cores do Brasiliense são referência as cores da bandeira do Distrito Federal.

Suas cores são o verde, o amarelo e o branco, em referência às cores da bandeira do Distrito Federal.

Mascote[editar | editar código-fonte]

Em 2000, durante a disputa da segundona candanga, no programa de rádio A Grande Jogada, que ia ao ar diariamente na 104 OKFM, o apresentador Bruno Mendes se referia ao clube como Tourão do Planalto. A partir de 2001 o Jacaré do Papo Amarelo foi adotado como mascote oficial por ser um animal típico da região Centro-Oeste.

Títulos[editar | editar código-fonte]

Profissional[editar | editar código-fonte]

NACIONAIS
Competição Vezes Ano
B Series Brazilian Championship Trophy.png Campeonato Brasileiro - Série B 1 2004
Trofeu Camp Brasileiro serie C.jpg Campeonato Brasileiro - Série C 1 2002
DISTRITAIS
Competição Vezes Ano
DFtrophy.png Campeonato Brasiliense de Futebol 9 2004, 2005, 2006, 2007, 2008, 2009, 2011, 2013 e 2017
DFtrophy.png Campeonato Brasiliense de Futebol Segunda Divisão 1 2000
DFtrophy.png Taça Mané Garrincha 1 2013 Cscr-featured.png
DFtrophy.png Taça Dr. Sócrates 1 2012 Cscr-featured.png

Cscr-featured.png Campeão invicto

Campanhas de destaque[editar | editar código-fonte]

Torneio Campeão Vice-campeão Terceiro colocado Quarto colocado
Brasil Copa do Brasil 0 (não possui) 1 (2002) 0 (não possui) 1 (2007)
Brasil Campeonato Brasileiro - Série B 1 (2004) 0 (não possui) 0 (não possui) 0 (não possui)
Brasil Campeonato Brasileiro - Série C 1 (2002) 0 (não possui) 0 (não possui) 0 (não possui)
Distrito Federal (Brasil) Campeonato Brasiliense 9 (2004, 2005, 2006, 2007, 2008, 2009, 2011, 2013, 2017) 5 (2001, 2003, 2010, 2018, 2019) 4 (2002, 2014, 2015 e 2016) 1 (2012)

Categorias de base[editar | editar código-fonte]

DISTRITAIS
Competição Vezes Ano
Distrito Federal (Brasil) Campeonato Brasiliense de Juniores 7 2003, 2004, 2005, 2006, 2007, 2008 e 2009
Distrito Federal (Brasil) Copa de Futebol Sub 20 1 2004

Elenco atual[editar | editar código-fonte]

Soccerball current event.svg Última atualização: 29 de janeiro de 2020.

Elenco atual do Brasiliense Futebol Clube[22]
N.º Pos. Nome N.º Pos. Nome N.º Pos. Nome
G Brasil Edmar Sucuri Z Brasil Badhuga A Brasil Alex
G Brasil Nikael Fernandes Z Brasil Thomas A Brasil Gustavo
G Brasil Elisson V Brasil Fernando Pires A Brasil Romarinho
LD Brasil Alex Murici V Brasil Radamés A Brasil Edno
LD Brasil Carlinhos V Brasil Aldo A Brasil Lorran
LD Brasil Guilherme V Brasil Romário A Brasil Manoel
LE Brasil Gleicinho M Brasil Esquerdinha A Brasil Neto Baiano
LE Brasil Charles M Brasil Fabinho A Brasil Mirandinha
LE Brasil China M Brasil Julio A Brasil Wallace
Z Brasil Bruno Oliveira M Brasil Peninha A Brasil Vitor Mariano
Z Brasil Preto Costa M Brasil Marcos Aurélio A Brasil Zé Love
Z Brasil Rafael Donato M Brasil Sandy

Técnico: Brasil Mauro Fernandes


Notáveis jogadores[editar | editar código-fonte]

O meia Wellington Dias é oriundo do futebol goiano e chegou ao Brasiliense no ano de 2001. Foi autor de 8 gols na campanha do vice-campeonato da Copa do Brasil 2002, posteriormente foi artilheiro do Brasileirão da série C 2002 com 11 gols, atuou também na conquista do primeiro Campeonato Brasiliense em 2004 e na conquista do Brasileirão da série B 2004. Ganhou seis títulos: Série C 2002 e a Série B 2004 e quatro Campeonato Brasilienses (2004,2005,2006 e 2009).

O meia Iranildo, revelado pelo Madureira e com passagens marcantes pelo Botafogo e pelo Flamengo, chegou ao Jacaré pela primeira vez em 2001, quando disputou as finais do campeonato candango, com o vice-campeonato. Voltou em 2003 para a Série B. Um ano depois, comandou o Brasiliense em sua maior conquista, o Brasileirão da série B 2004, o que carimbou o passaporte para o cobiçado acesso para a elite. Mesmo com a queda na Série A de 2005, Iranildo ficou no elenco até meados de 2006, quando foi cumprir um ano de contrato no Al Hazm, da Arábia Saudita. Voltou na metade de 2007 e posteriormente encerrou seu ciclo no Brasiliense com o título do Campeonato Brasiliense de 2011, Retornou 2013 faturando mais um Campeonato Brasiliense 2013. Iranildo se despediu como recordista de atuações (291) e gols (71) do clube de Taguatinga em suas quatro passagens. Ganhou sete títulos: a Série B de 2004 e seis Campeonato Brasilienses (2005, 2006, 2008, 2009, 2011 e 2013).

O meio campista Gustavo Saraiva, conhecido como Jamalvadeza ou Jamal, ganhou atenção do clube após realizar uma campanha de financiamento para conseguir jogar nos Estados Unidos. Gustavo chegou a ser cotado para jogar em diversos times como Joinville e o Gama-DF. Porém, o jogador optou por jogar no time do Brasiliense.

Túlio Maravilha foi, ao lado de Wellington Dias, artilheiro da Série C de 2002, cada um com 11 gols e ajudando o Brasiliense subir para a Série B de 2004.

Outros jogadores notórios incluem Igor, Weldon, Jóbson que foi a maior revelação das categorias de base do clube, Adrianinho, Deda, Ailson, Val Baiano, Fábio Júnior o meia Tiano, o meia Gil Baiano o meia Fabrícioo atacante Josiel, os zagueiros Durval e Leonardo Silva  os goleiros Guto e Donizetti.

Soccer Field Transparant.svg

Iranildo
Adrianinho
Val Baiano
Wellington Dias
Deda
Pituca
Gérson
Possato
Guto
Jamur
Jairo
Técnico: Péricles Chamusca

Time dos sonhos[editar | editar código-fonte]

Recentemente, em 10 enquetes realizadas no site oficial do Brasiliense, a torcida escolheu os 11 jogadores e o técnico que compuseram o "Dream team", esquadrão dos melhores da história do Brasiliense, os jogadores eleitos foram o goleiro Guto, os zagueiros Gérson e Jairo, os laterais Jamur e Possato, os volantes Deda e Pituca, o meia Adrianinho e os atacantes Val Baiano e Wellington Dias, o meia Iranildo foi hors-concours e o melhor técnico foi Péricles Chamusca.[23]

Notáveis treinadores[editar | editar código-fonte]

Ricardo Freitas foi o primeiro, ele treinou o Brasiliense no ano de 2000 na Segundona Candanga, sagrou-se campeão e colocou o Brasiliense no cenário do futebol do DF, já no ano de 2002 foi a vez de Péricles Chamusca ele armou o time que levou o Jacaré até a final da Copa do Brasil de 2002, concretizando uma das maiores campanhas do clube que tornou o Jacaré conhecido no cenário futebolístico nacional, posteriormente no mesmo ano Gérson Andreotti, levou o clube ao título do Brasileirão da série C 2002, o primeiro título nacional do Brasiliense. Em 2004, Mauro Fernandes levou o Brasiliense ao seu primeiro título do Estadual e armou o time que levaria o Brasiliense á sua maior glória, o título da Série B de 2004, título esse que foi conquistado pelo treinador Edinho, que colocou o Brasiliense pela primeira vez na Elite.

No ano de 2007 foi a vez de Roberto Fernandes, além de ter ganho o Campeonato Brasiliense daquele ano, ele armou o time que levaria o Brasiliense à sua segunda Semifinal de Copa do Brasil de Futebol, merece destaque também Reinaldo Gueldini que livrou o Brasiliense do rebaixamento na Série B de 2008 de forma surpreendente quando ninguém mais acreditava, ele também armou os times que levariam o Brasiliense aos títulos do Campeonato Brasiliense em 2009 e em 2011, além de ser o técnico com mais jogos pelo clube, com 99 jogos oficiais.

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Temporadas do Brasiliense

Participações

Participações em 2020
Competição Temporadas Melhor campanha Estreia Última P Aumento R Baixa
Distrito Federal (Brasil) Campeonato Brasiliense 20 Campeão (9 vezes) 2001 2020
Copa Verde de Futebol Copa Verde 4 Semifinal (2014) 2014 2020
Brasil Campeonato Brasileiro 1 22º colocado (2005) 2005 1
Série B 7 Campeão (2004) 2003 2010 1 1
Série C 5 Campeão (2002) 2001 2013 1 1
Série D 4 5º colocado (2014) 2014 2020
Copa do Brasil 14 Vice-campeão (2002) 2002 2020

Referências

  1. «CNEF - Cadastro Nacional de Estádios de Futebol (Rev. 6)» (PDF). CBF. 18 de janeiro de 2016. Consultado em 2 de junho de 2016 
  2. Lucas Paes (8 de janeiro de 2019). «A campanha do Brasiliense na Copa do Brasil de 2002». O curioso. Consultado em 29 de junho de 2020 
  3. Gerson Rodrigues Magalhães. «Atlântida/DF». Futebol Nacional. Consultado em 29 de junho de 2020 
  4. Natanael Duarte Neto (17 de janeiro de 2001). «Distrito Federal Championship - Second Level 2000 (Divisão de Acesso)» (em inglês). RSSSF. Consultado em 29 de junho de 2020 
  5. a b c Ricardo Pontes (5 de junho de 2001). «Distrito Federal League 2001» (em inglês). RSSSF. Consultado em 29 de junho de 2020 
  6. Sidney Barbosa da Silva (22 de junho de 2011). «HISTÓRIA DO FUTEBOL NO DISTRITO FEDERAL». Campeões do Futebol. Consultado em 29 de junho de 2020 
  7. a b c «Copa do Brasil de 2002». Bola na Área. Consultado em 29 de junho de 2020 
  8. «Condenado a 31 anos de prisão, ex-senador Luiz Estevão se entrega à polícia». Época. Globo.com. 8 de março de 2016 
  9. Mariana Oliveira (7 de março de 2016). «Justiça Federal determina prisão imediata de ex-senador Luiz Estevão». G1. Consultado em 7 de março de 2016 
  10. Bernardo Pombo (30 de maio de 2017). «Aos 20 anos, diretora de futebol: Luiza Estevão, filha do ex-senador preso, é a dirigente mais jovem de clubes brasileiros». Globoesporte.com. Consultado em 29 de junho de 2020 
  11. «Erro - brasiliensefc.com.br». Brasiliense FC. Consultado em 12 de agosto de 2017 
  12. name="abadião"
  13. «O Clube - Centro de Treinamento - brasiliensefc.com.br». Brasiliense FC. Consultado em 12 de agosto de 2017 
  14. Brasilia x Brasiliense Esporte Calango
  15. DF Sports. «Taguatinga Esporte Clube está próximo de retornar ao futebol». dfsports.com.br. Consultado em 9 de junho de 2018 
  16. Gabriel Lima (2 de fevereiro de 2020). «Em clássico regional, Brasiliense e Taguatinga ficam no empate». Esportes Brasília. Consultado em 29 de junho de 2020 
  17. Bruno Henrique de Moura (2 de fevereiro de 2020). «No clássico da rodada, Brasiliense e Taguatinga empatam sob sol escaldante». Distrito do Esporte. Consultado em 29 de junho de 2020 
  18. LUCAS BOLZAN (2 de fevereiro de 2020). «Zé Love marca no final e Brasiliense empata com o Taguatinga». Metrópoles. Consultado em 29 de junho de 2020 
  19. «Brasiliense: identificação com o Distrito Federal ao homenagear o rock na camisa». globoesporte.com 
  20. «Com Romarinho como modelo, Brasiliense apresenta nova camisa». globoesporte.com 
  21. a b «brasiliensefc.com.br». Brasiliense FC. Consultado em 25 de agosto de 2017 
  22. «Elenco atual de Futebol». Site oficial do Brasiliense 
  23. «Time dos sonhos da história do Brasiliense». Site oficial do Brasiliense Futebol Clube. Consultado em 13 de junho de 2011 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Brasiliense Futebol Clube
Precedido por
São Paulo Paulista
Brasil
Campeão da Série C

2002
Sucedido por
São Paulo Ituano
Precedido por
São Paulo Palmeiras
Brasil
Campeão da Série B

2004
Sucedido por
Rio Grande do Sul Grêmio