Lago Paranoá

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Lago Paranoá
Vista do Lago Paranoá
Localização
Localização Brasília
País Brasil
Características
Tipo Lago artificial
Altitude 1 000 m
Área * 48 km²
Perímetro * 80 km
Profundidade média 12 m
Profundidade máxima 38 m
Bacia hidrográfica Bacia do Paranoá
Afluentes Ribeirão do Torto, Ribeirão do Gama, Ribeirão Riacho Fundo, Ribeirão Bananal
Ilhas Ilha do Paranoá
Ilha do Retiro
Ilha dos Clubes
* Os valores do perímetro, área e volume podem ser imprecisos devido às estimativas envolvidas, podendo não estar normalizadas.

O Lago Paranoá é um lago artificial localizado na cidade de Brasília, no Distrito Federal, capital do Brasil. Foi concebido em 1894 pela Missão Cruls[1] e concretizado com a construção da cidade, durante o governo do presidente Juscelino Kubitschek.

O lago é formado pelas águas represadas do Rio Paranoá. Tem 48 quilômetros quadrados de área, profundidade máxima de 38 metros e cerca de oitenta quilômetros de perímetro, com algumas praias artificiais, como a "Prainha" e o "Piscinão do Lago Norte". Localizado em Brasília, foi criado com o objetivo de aumentar a umidade em suas proximidades. Ao redor do lago, há vários bares e restaurantes. Os bairros Lago Sul e Lago Norte derivam seus nomes do lago. Cada uma ocupa uma das duas penínsulas.

Topônimo[editar | editar código-fonte]

"Paranoá" é um vocábulo de origem tupi. Significa "enseada de mar", através da junção dos termos paranã ("mar") e kûá ("enseada").[2][3]

Barragem[editar | editar código-fonte]

Com o represamento do Rio Paranoá em 12 de setembro de 1959, originou-se a usina que supria o Distrito Federal, mas que, atualmente, representa apenas 2,5 por cento de seu consumo energético.

História[editar | editar código-fonte]

No resumo do relatório da comissão de estudos da Nova Capital, apresentado por Luís Cruls em 1896, este transcreve trecho de sub-relatório feito pelo botânico Glaziou:[4]

Lago Paranoá na cidade de Brasília, Distrito Federal. Visão a partir do edifício sede do Tribunal Superior do Trabalho.

Fauna em suas margens[editar | editar código-fonte]

Uma das aves mais comuns do lago é o biguá. São também encontrados garças, águias-pescadoras, matracas, marrecas-pé-vermelho e marrecas-irerê. Entre mamíferos há a presença de lontras, capivaras, cuícas-d'água, ratos-d’água, micos-estrela, gambás-de-orelha-branca e ratos-do-campo.

Há também o jacaretinga, uma espécie nativa do lago que prefere as águas mais rasas e com mais vegetação e que não costuma atacar humanos.

Pesca[editar | editar código-fonte]

Desde o ano 2000, a pesca é permitida e incentivada no lago após sua despoluição,[5] onde são extraídos em sua maioria tilápias, espécie não nativa, assim como o tucunaré e a carpa, esta última introduzida especialmente como limpeza contra as algas. As espécies nativas são cará, lambari e traíra.

Navegação e Esportes Náuticos[editar | editar código-fonte]

O Distrito Federal possui mais de 50 000 embarcações registradas, sendo a quarta maior frota náutica do país. Entretanto, não há, em toda a orla do lago, qualquer píer ou marina públicos.

São praticados no lago vários esportes náuticos como canoagem, remo, iatismo, esqui aquático e até mergulho. Ali é realizada, desde 1994, a Regata JK, disputa com mais de duzentas embarcações.[6]

Naufrágio[editar | editar código-fonte]

No dia 22 de maio de 2011, um barco com pouco mais de cem pessoas naufragou no Lago Paranoá.[7] O acidente aconteceu por volta das vinte horas e trinta minutos, durante um evento que estava sendo realizado. A embarcação tinha licença para operar com noventa passageiros e dois tripulantes, mas o Corpo de Bombeiros diz que pelo menos 104 pessoas estavam a bordo. Porém não se tem certeza da quantidade exata no número de pessoas presentes no barco.[8]

A embarcação ficou inclinada e a 17 metros de profundidade.[9] Foi confirmado que pelo menos oito pessoas perderam a vida na tragédia.[10]

Projeto Na Praia[editar | editar código-fonte]

Em 2015 o projeto Na Praia criou uma praia artificial às margens do Lago Paranoá, novamente aberto em 2016 desde o dia 9 de Julho e terminará em 28 de Agosto de 2016.[11]

A área coberta pela areia da praia é de 6mil m², com o total de 400mil toneladas. O evento foi pensado de forma a reduzir impactos ambientais, utilizando de chamadas Bike Energy para recarregar aparelhos, e reutilização da água na ducha.[12] Nesse projeto, a dupla sertaneja Matheus & Kauan aproveitou para gravar seu terceiro álbum ao vivo.

Vila Aumary[editar | editar código-fonte]

Os operários que trabalhavam nas obras de construção civil de Brasília, em sua maioria vindos das regiões Nordeste e Norte do país, ocupavam as regiões de seu entorno em cidades, a princípio temporárias. Entretanto, a permanência nas acomodações e alojamentos oficiais das companhias era restrito aos seus funcionários e reservado somente aos solteiros. Dessa maneira, aqueles que vinham com suas famílias ou as constituam durante esse período precisavam encontrar outras alternativas e acabavam fundando vilas. É o caso da Vila Amaury.

“Muita gente não acredita, porque não está nos livros. Eu mesmo nem comento que cheguei aqui em 1958, porque não tenho documento provando. Muitos daquele tempo, e lá da Amaury, sentem isso. Estavam lá, viram e viveram tudo, mas é a palavra deles, sem comprovação. Quando as águas vieram, as pessoas corriam primeiro para salvar seus documentos, para adiante provar que existiam.”

Relato de Pedro Venzi, pescador.

“Ficamos na Vila Amaury até a água chegar, até eles passarem avisando que era pra sair todo mundo, que a água ia cobrir toda a cidade. Eu não me lembro muito desse dia quando a gente saiu da Vila Amaury. Eu era criança e não me lembro muito. Mas via meu pai contando que o povo não acreditava que a água ia chegar. Sei que nós saímos logo e meu pai fez um barraco na Vila Planalto...”

Relato de Maria de Lurdes Batista dos Santos, costureira.

“Quando começou a subir o Lago, muitos tiraram suas coisas. A Novacap ofereceu lotes em Taguatinga. Outros insistiram em ficar, falando que o Lago não ia chegar. [...] Ele foi enchendo aos poucos, não foi da noite para o dia. O pessoal viu chegando aos poucos, todo mundo sabia que ali seria um lago... Muitos, inclusive, trabalhavam nas obras do próprio lago. Ele não pegou ninguém de surpresa. Houve vários avisos para o pessoal sair”

Relato de Luiz Rufino Freitas

Os relatos dos ex-moradores da Vila, fontes orais de sua história, são, por vezes, paradoxais e expressam a dimensão subjetiva da memória e desse tipo de depoimento. Alguns afirmam que era sabido por todos, principalmente por aqueles moradores que trabalhavam nas obras da barragem, que a região seria inundada, mas também {é relatada} a surpresa em relação a velocidade com que as águas tomavam a Vila. Muitos ex-moradores afirmam não terem tido tempo para salvar muitos bens. A fala do pescador Pedro Venzi indica a tensão entre a oficialidade e a não-oficialidade, constitutivas da história dessa e de outras vilas do período, ao afirmar sua preocupação em salvar documentos para que conseguissem se reestabelecer em outros lugares. Diferentemente desses moradores, a Vila Amaury não havia deixado muitos indícios materiais de sua existência, apoiada nos relatos orais e na memória daqueles que a conheceram. Recentemente, o investimento de novas tecnologias de georreferenciamento na região do lago assinalam a possibilidade de recuperar as ruínas da Vila, processo que começou a ser realizado por mergulhadores que as tem fotografado.

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Lago Paranoá

Referências

  1. Luís Cruls (1957). Planalto Central do Brasil. Coleção Documentos Brasileiros 3 ed. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio. 333 páginas 
  2. [1]
  3. [2]
  4. Planalto Central do Brasil-Coleção Documentos Brasileiros-Livraria José Olympio Editora-1957, página 331
  5. Jornal Alô Brasília, 25/10/2009
  6. [Nosso Lago, por Isabel Vilela, Correio Braziliense, 20/3/2010]
  7. «Barco com mais de 90 pessoas a bordo vira no Lago Paranoá». 22 de maio de 2011 
  8. «Veja a cronologia do naufrágio em lago de Brasília». 23 de maio de 2011 
  9. «Barco naufragado em Brasília está a 17 metros de profundidade, dizem bombeiros». 23 de maio de 2011 
  10. «Bombeiros encontram sexto corpo do naufrágio no lago Paranoá». 24 de maio de 2011 
  11. Correio Braziliense - Programação do projeto Na Praia
  12. G1 - Brasília ganha praia artificial