Jacaretinga

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Jacaretinga
Intervalo temporal: PleistocenoPresente
2,58–0 Ma[1]
Caiman crocodilus llanos.JPG
CITES Appendix II (CITES)[3]
Classificação científica edit
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Reptilia
Ordem: Crocodilia
Família: Alligatoridae
Subfamília: Caimaninae
Clado: Jacarea
Gênero: Caiman
Espécies:
C. crocodilus
Nome binomial
Caiman crocodilus
Linnaeus, 1758
Caiman crocodylus Distribution.png
Sinónimos[5]
  • Jacaretinga crocodilus Linnaeus, 1758
  • Lacerta crocodilus Linnaeus, 1758
  • Caiman sclerops Schneider, 1801
  • Crocodilus sclerops Schneider, 1801
  • Caiman yacare Daudin, 1802
  • Crocodilus caiman Daudin, 1802
  • Jacare hirticollis Gray, 1867
  • ?Caiman venezuelensis Fortier & Rincón, 2013[4]
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Jacaretinga

O jacaretinga (nome científico: Caiman crocodilus), jacaré-tinga, jacaré-de-óculos, também conhecido em Portugal como caimão-de-lunetas, ou caimão-almiscarado, é um réptil carnívoro que habita diferentes tipos de rios e lagos de água doce ao sul do México, América Central e noroeste da América do Sul.

No Brasil, recebeu o nome de jacaretinga por causa de seu dorso branco (tinga significa "branco" em língua tupi[6]).

Os machos chegam a medir entre 1,8 e 2,5 metros de comprimento e as fêmeas, 1,4 metros. Alimentam-se de diferentes espécies de animais: crustáceos, peixes, anfíbios, répteis, aves e pequenos mamíferos.

O acasalamento ocorre na estação chuvosa. A fêmea faz um ninho aglomerando pequenas quantidades de vegetação seca e terra e põe ali de catorze a quarenta ovos que demoram, em média, sessenta dias para eclodir. Ao nascer, medem cerca de vinte centímetros.

Subespécies[editar | editar código-fonte]

  • Caiman crocodilus apaporiensis (Medem, 1955)
  • C. c. chiapasius (Bocourt, 1876)
  • C. c. crocodilus (Linnaeus, 1758)
  • C. c. fuscus (Cope, 1868)
Caiman crocodylus crocodylus

Referências

  1. Rio, Jonathan P.; Mannion, Philip D. (6 de setembro de 2021). «Phylogenetic analysis of a new morphological dataset elucidates the evolutionary history of Crocodylia and resolves the long-standing gharial problem». PeerJ. 9: e12094. PMC 8428266Acessível livremente Verifique |pmc= (ajuda). PMID 34567843 Verifique |pmid= (ajuda). doi:10.7717/peerj.12094Acessível livremente 
  2. Balaguera-Reina, S.A.; Velasco, A. (2019). «Caiman crocodilus». Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas. 2019: e.T46584A3009688. doi:10.2305/IUCN.UK.2019-1.RLTS.T46584A3009688.enAcessível livremente. Consultado em 19 de novembro de 2021 
  3. «Appendices | CITES». cites.org. Consultado em 14 de janeiro de 2022 
  4. Giovanne M. Cidade; Daniel Fortier; Ascanio Daniel Rincón; Annie Schmaltz Hsiou (2019). «Taxonomic review of two fossil crocodylians from the Cenozoic of South America and its implications for the crocodylian fauna of the continent». Zootaxa. 4656 (3): 475–486. PMID 31716812. doi:10.11646/zootaxa.4656.3.5 
  5. «Caiman crocodilus crocodilus». CITES. Consultado em 30 de março de 2019 
  6. http://www.fflch.usp.br/dlcv/tupi/vocabulario.htm

Veja também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

«Caiman crocodilus». Lista Vermelha da IUCN de espécies ameaçadas da UICN 2022 (em inglês). ISSN 2307-8235. Consultado em 2 de Abril de 2008 

Ícone de esboço Este artigo sobre répteis, integrado ao Projeto Herpetológico, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.