Manaus Futebol Clube

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Manaus
Manausfc.png
Nome Manaus Futebol Clube
Alcunhas Manaus FC
Gavião do Norte
Gavião Real
MFC
Esmeraldino
Time de Índios
Torcedor(a)/Adepto(a) Manauense
Esmeraldino
Mascote Gavião-real
Principal rival Fast Clube
Nacional
Fundação 5 de maio de 2013 (9 anos)
Localização Manaus, Brasil
Mando de jogo em Estádio Ismael Benigno
Arena da Amazônia
Capacidade (mando) 10.000 pessoas
44.000 pessoas
Presidente Giovani Alves e Luís Mitoso
Treinador(a) Evaristo Piza
Patrocinador(a) Bemol
ATEM
Ovos São Pedro
Guaraná Tuchaua
Samel
V.V. Refeições
Novotel
FAAR
Governo do Estado do Amazonas
Prefeitura de Manaus
Eucatur
Material (d)esportivo Icone Sports
Competição Campeonato Amazonense
Copa do Brasil
Brasileirão - Série C
Copa Verde
Ranking nacional Aumento 55º lugar, 1 981 pontos[1]
Website manausfc.com.br
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
titular
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
Temporada atual

O Manaus Futebol Clube (mais conhecido como Manaus FC ou simplesmente Manaus) é um clube de futebol brasileiro da cidade de Manaus, capital do estado do Amazonas. Foi fundado em 5 de maio de 2013, sendo o verde, o preto e o branco suas cores oficiais.[2]

Atualmente manda seus jogos no Estádio Arena da Amazônia em jogos de competições estaduais, regionais e nacionais, e em jogos de menor apelo de publico ou quando está impossibilitado de mandar jogos na Arena da Amazônia, manda no Estádio Ismael Benigno( Colina).

Participou do campeonato profissional do Amazonas pela primeira vez em 2013, sagrando-se campeão da segunda divisão e subindo para a primeira. O clube foi campeão estadual por 5 ocasiões, conquistando três edições consecutivas, entre 2017 e 2019, e seu ultimo titulo até então em 2022, diante do Princesa do Solimões.

Em nível nacional, o clube possui a melhor campanha do Amazonas na Copa Verde, chegando à semifinal duas vezes (2018 - 2020), e no Campeonato Brasileiro de Futebol - Série D chegando à final em 2019 e conquistando o acesso à terceira divisão nacional e o vice - campeonato da competição. Avançou também 2 vezes da 1° fase da Copa do Brasil de Futebol em 2020 eliminando o Coritiba Foot Ball Club, que estava na Serie A do Campeonato Brasileiro. Em 2021 no Campeonato Brasileiro de Futebol - Série C brigou pelo acesso a Serie B se classificando para o quadrangular final, porém não conseguiu. Além disso, o Manaus também faz parte da lista de clubes de futebol que nunca foram rebaixados em competições nacionais.[3]

História[editar | editar código-fonte]

Fundação[editar | editar código-fonte]

O Manaus Futebol Clube foi fundado em 5 de maio de 2013 por ex-dirigentes do Nacional Futebol Clube (Amazonas). Surgiu como projeto do então vereador de Manaus, Luís Mitoso (ex-presidente do Nacional), após o seu desligamento voluntário da presidência do Nacional depois de quatro anos a frente do clube, em Março de 2013, por questões particulares, tendo conquistado o Campeonato Amazonense em 2012, ao lado do Diretor de Futebol Giovane Alves.

O clube foi fundado oficialmente no dia 5 de Maio de 2013[4] e no mesmo ano disputou a Segunda Divisão do Amazonense, onde sagrou-se campeão dos dois turnos e entrou para a lista de participantes da Primeira Divisão do Campeonato Amazonense de Futebol de 2014.

Desde sua primeira participação na Primeira Divisão do Amazonense, em 2014, sempre se destacou entre os clubes regulares da temporada, nunca obtendo um decesso, mas também nunca figurando entre os primeiros colocados. Subiu de nível durante os anos até, finalmente, em 2017, sagrar-se campeão amazonense pela primeira vez.

Em 2018 o Manaus teve calendário cheio: Copa Verde, Copa do Brasil e Série D, além do estadual, pela primeira vez. No estadual, o Gavião sagrou-se bi-campeão em cima do Fast, após uma campanha mediana no primeiro turno e de conquistar o segundo. Na Copa do Brasil, o Esmeraldino encarou o CSA de Alagoas, empatou em 2–2 e foi eliminado ainda na primeira fase pelo critério de gols fora de casa. Já na Copa Verde, o clube manauara parou apenas nas semifinais, contra o Paysandu, perdendo os dois jogos por 2–1. Na Série D, ficou a um jogo de subir de divisão, perdendo para o Imperatriz nos pênaltis no jogo do acesso.

Em 2019 o clube conquistou o inédito acesso à Série C do Campeonato Brasileiro em frente a um público de 44 121 pessoas na Arena da Amazônia diante da Sociedade Esportiva e Recreativa Caxias do Sul.

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

A primeira competição do clube foi a Segunda Divisão do Campeonato Amazonense de Futebol de 2013, mandando seus jogos no Estádio Francisco Garcia (Chicão), em Rio Preto da Eva.

Ao contrário de todos os outros clubes amazonenses, o Manaus teve o primeiro jogo de sua história já como um time profissional. Ocorreu no dia 14 de setembro de 2013, no Estádio Bacurauzão, em Manicoré: CDC Manicoré 1–2 Manaus. Tornou-se campeão do primeiro e do segundo turno da Segunda Divisão do Campeonato Amazonense de Futebol de 2013, se classificando para a Primeira Divisão do Campeonato Amazonense de Futebol em 2014, sem necessidade de disputar a final geral.

Na divisão principal, em 2014, 2015 e em 2016 conseguiu a mesma posição final, o 6.º lugar, com uma campanha razoável nos três anos. Ainda em 2015, ocorreu a disputa da primeira Copa Amazonas de Futebol, na qual o time Esmeraldino teve uma campanha impecável, com 5 vitórias em 5 jogos, e enfrentou o Fast Clube na final, perdendo por 5–2 e ficando com a vice-colocação,[5] adquirindo assim sua primeira espécie de rivalidade estadual.

2017: Primeiro título amazonense[editar | editar código-fonte]

Em 2017 deu esperanças à torcida anunciando estrelas no elenco, como o campeão mundial pelo Internacional, Ediglê.[6] Começou o campeonato bem instável, terminando o primeiro turno da fase de pontos corridos em sexto lugar, fora da zona de classificação. Após isso, a diretoria do clube anuncia a contratação da Velha Raposa, Aderbal Lana, treinador multicampeão no estado, que já possuía 8 títulos estaduais.[7]

Após a posse do treinador, o clube subiu de rendimento e, com uma vitória fora de casa contra o Princesa do Solimões, assumiu a terceira colocação e, consequentemente, classificou-se para a próxima fase. Na fase de semifinais, enfrentou o Fast Clube, em dois jogos, realizados no Estádio Carlos Zamith e na Arena da Amazônia, respectivamente.[8]

O primeiro jogo da semifinal foi marcado por equilíbrio dos dois lados, com poucas chances para os times. Foi também manchado por uma briga generalizada na arquibancada e no campo de jogo, o que paralisou a partida por cerca de 20 minutos. Em campo, o resultado ficou em 2–0 para o Gavião da Capital, que deu um grande passo em direção à sua primeira final estadual. No segundo jogo, realizado com portões fechados por conta da confusão ocorrida no primeiro, o Tricolor partiu pra cima do Gavião, porém o resultado de 1–1 classificou o último para a primeira final estadual da sua história.[9]

Naquele ano, o Esmeraldino tinha a grande dificuldade de enfrentar, em sua primeira vez como finalista, o maior campeão estadual, o Nacional, que possui 43 títulos amazonenses, e classificou-se após um empate em 2–2 e uma vitória por 2–0 contra o Princesa do Solimões. Os dois jogos, realizados na Arena da Amazônia, foram com torcidas divididas, por conta do episódio de brigas no primeiro jogo da semifinal, e com muito equilíbrio em campo, e, após uma vitória por 1–0, com gol aos 46' do 2.º tempo, e um empate por 1–1, com Gavião do Norte sagrou-se campeão pela primeira vez em seus 4 anos de história.[10]

2018: Bicampeão estadual[editar | editar código-fonte]

Com comemorações rápidas, o segundo semestre do Gavião do Norte foi focado principalmente em montar uma equipe párea para a disputa das competições nacionais em 2018. Após todas as conversas e acertos, no final do ano a diretoria apresentou o elenco e o técnico Wladimir Araújo, contratado com a saída de Aderbal Lana.[11]

No estadual, o Manaus fez uma campanha mediana no primeiro turno, sendo eliminado pelo Penarol por 3–2 nas semifinais. Ao mesmo tempo, o clube fez suas estreias na Copa do brasil e na Copa Verde. Na primeira a história não foi boa. O clube esmeraldino chegou a vencer a partida contra o CSA de Alagoas por 2–1, mas levou um gol e perdeu um pênalti nos minutos finais da partida, sendo eliminado por conta do regulamento da competição.[12] Esses resultados geraram o desligamento do técnico Wladimir Araújo, que alegou decepção por não ter conseguido as metas. Já na segunda competição foi melhor e a meta de passar de fase foi cumprida, vencendo o Remo no primeiro jogo em Manaus por 2–0 e empatando em Belém por 1–1.[13] O auxiliar, Igor Cearense, assumiu interinamente mas acabou efetivado mais tarde.[14]

Sob o novo comando, o clube manauara manteve o bom rendimento no regional e eliminou o Rio Branco nos pênaltis (4–3) após dois empates por 1x1 no Acre, mas parou nas semifinais contra o Paysandu, perdendo os dois jogos por 2–1. Ao mesmo tempo, recuperou-se e venceu o segundo turno do estadual, sobre o Princesa do Solimões, pelo placar de 3–1 e, na finalíssima, o Gavião Esmeraldino faturou o bi-campeonato, goleando o Fast Clube por 4–0 na Arena da Amazônia.

No final de Abril, começou a batalha pelo acesso no Campeonato Brasileiro, maior objetivo do clube na temporada. O Manaus estreou contra a equipe do Baré, em Boa Vista, vencendo por 1–0. Na fase de grupos, conseguiu uma campanha regular, vencendo 4 dos 6 jogos e conseguindo a classificação para a segunda fase para enfrentar o Santos do Amapá. Além disso, o clube anunciou o retorno de Aderbal Lana, técnico campeão em 2017.[15] Com jogos difíceis, o time esmeraldino avançou após empatar em Macapá por 1–1 e vencer em Manaus por 1–0. Na terceira fase o adversário foi o já conhecido Rio Branco, do qual o Manaus já havia avançado na Copa Verde e enfrentado na fase de grupos do Brasileirão. Os jogos, como já era costume, foram difíceis, com a parte técnica pesando bastante. O Manaus conseguiu vencer por 2–1 em Rio Branco e trouxe uma vantagem para casa, mas o clube alvirrubro do Acre não deixou fácil e venceu em Manaus por 1–0, levando a decisão para as penalidades. Nos pênaltis, o goleiro Jonathan pegou 3 cobranças e levou o esmeraldino da capital para a próxima e decisiva fase.[16]

Nas quartas de final, fase em que os times que iriam subir para a Série C seriam decididos e, portando, os jogos mais importantes na temporada do Gavião, o adversário foi o Imperatriz, do Maranhão, com o Manaus decidindo em casa. O primeiro jogo, no Frei Epifânio, foi sob muita pressão da torcida do Cavalo de Aço e o Manaus acabou derrotado por 1–0, portanto precisava vencer por dois ou mais gols de diferença em casa para subir, ou com apenas um gol para levar para as penalidades.[17] Após intensa convocação para o jogo em Manaus, um público de cerca de 7 mil pessoas estiveram no Estádio da Colina para a partida decisiva. Em campo, o Gavião começou pressionando, mas foi o Cavalo que abriu o placar com Eloir (o mesmo que marcou no primeiro jogo). Nena, de cabeça, diminuiu para o Manaus, e assim o jogo foi para o intervalo. No segundo tempo, o Manaus chegou melhor e, aos 21 minutos, Nena cabeceou e o goleiro salvou. No rebote, Derlan soltou um balaço na diagonal e virou para o Gavião. Nos minutos seguintes, nem a pressão da torcida deu jeito, e o jogo foi para as penalidades. Nestas, o Manaus acabou perdendo três cobranças e deu adeus ao acesso em casa.[18]

2019: Tricampeão amazonense e vice-campeão brasileiro na Série D[editar | editar código-fonte]

Para o ano de 2019, o Manaus renovou com boa parte do elenco que bateu na trave em 2018, e trouxe algumas peças para somar ao grupo e à comissão técnica. No final de dezembro de 2018, o time já estava iniciando as preparações físicas e no dia 3 de Janeiro apresentou à imprensa e à torcida o elenco que disputaria o estadual, a Copa Verde, Copa do Brasil e o Campeonato Brasileiro - Série D, além do novo técnico, João Carlos Cavalo. No dia seguinte já iniciou os trabalhos com a bola para a busca do seu principal objetivo: O acesso à Série C do Campeonato Brasileiro.

Depois de um fraco desempenho no primeiro turno do Campeonato Amazonense e da desclassificação para o Vila Nova na primeira fase da Copa do Brasil,[19] a diretoria do Manaus anunciou a contratação do técnico Wellington Fajardo[20] para manter os planos do título no segundo turno do campeonato estadual e garantir calendário para o ano de 2020. Não demorou muito para que o novo técnico colocasse em prática sua filosofia de jogo, e, apesar da estreia com derrota, depois manteve o time invicto por 21 jogos, sendo até então o time de maior invencibilidade no Brasil.[21] Conquistou o segundo turno e o tricampeonato amazonense, feito que não acontecia desde a década de noventa, com o São Raimundo.

As comparações com o São Raimundo não terminaram por aí. Após uma ótima campanha na fase de grupos da Sério D do campeonato Brasileiro, o Manaus eliminou o Real Ariquemes-RO na segunda fase e o São Raimundo-PA nas oitavas de final. Nas quartas de final, fase que garante o acesso à Série C do Campeonato Brasileiro, o Gavião do Norte encarou o Caxias-RS, realizando o primeiro jogo em Caxias do Sul e a partida de volta em na cidade de Manaus. Derrotado no primeiro jogo pelo placar mínimo, o Manaus precisava de uma vitória por dois gols de diferença para conseguir o tão sonhado acesso. Depois de forte mobilização para o jogo e venda de mais de 20.000 ingressos antecipados, o Manaus derrotou o Caxias por 3 a 0 na Arena da Amazônia, diante de um público recorde de 44.121 pagantes e renda de R$ 635.020,00, conquistando o acesso para a Série C do Campeonato Brasileiro.[22] Este feito não era alcançado por um clube amazonense desde o acesso do São Raimundo em 1999, encerrando um jejum de 20 anos e colocando o Amazonas novamente no mapa nacional do futebol.[23][24][25] No dia 3 de agosto de 2019, acabou conquistando a vaga para a final da Série D. Após um jogo de ida ante o Esporte Clube Jacuipense em 1x1 em Riachão do Jacuípe, e um jogo de volta terminado em 1–0 para o Gavião do Norte na Arena da Amazônia. O adversário da grande final foi o Brusque-SC, sendo o primeiro jogo em Santa Catarina e o segundo na Arena da Amazônia, chamada carinhosamente de "Maloca" pela torcida esmeraldina. O primeiro jogo realizado na casa do time sulista terminou com o placar de 2x2. A segunda partida, em Manaus, repetiu o resultado do jogo de ida, o que levou a disputa para os pênaltis. O Brusque levou a melhor pelo placar de 6x5 sobre time da casa e recebendo os aplausos da torcida rival.

2019: Quebra de recorde e maior público da Arena da Amazônia[editar | editar código-fonte]

A grande final do Campeonato Brasileiro - Série D de 2019 se tornou a final com o maior público e a maior bilheteria da historia da competição, e este feito se mantem até os dias atuais. Os números superam a decisão de 2015, em Teresina, quando a final entre River-PI x Botafogo-SP levou ao estádio 42.004 torcedores e teve uma renda de R$ 1.060.000,00, enquanto a grande final de 2019, em Manaus, entre Manaus FC x Brusque-SC levou ao estádio 44.896 torcedores e teve uma bilheteria de R$ 1.192.010,00.

Vale destacar que, mesmo a Arena da Amazônia tendo recebido jogos da Copa do Mundo de Seleções de 2014 e jogos de grandes clubes do cenário nacional, como Flamengo-RJ e Vasco da Gama-RJ, o recorde de publico da final do Campeonato Brasileiro - Série D 2019 persiste até o presente momento.

Rivalidades[editar | editar código-fonte]

Os grandes rivais do Manaus FC são o Fast Clube e o Nacional. Com o primeiro, clube com quem compartilha uma história parecida, o Manaus decidiu dois estaduais: 2018 e 2019, levando a melhor nas duas ocasiões. Foi com o Fast Clube também que o Manaus fez sua primeira final a nível de primeira divisão quando decidiram a Copa Amazonas de Futebol de 2015.

Com o Nacional a rivalidade é ainda mais intensa, já que com este o clube esmeraldino decidiu sua primeira final de estadual, em 2017, e disputou também diversas edições de semifinais. O Nacional é o único clube da cidade Manaus contra o qual o Gavião ainda possui retrospecto negativo[26].

Títulos[editar | editar código-fonte]

ESTADUAIS
Competição Títulos Temporadas
AMtrophy.png Campeonato Amazonense 5 2017, 2018, 2019, 2021, 2022
AMtrophy.png Taça Estado do Amazonas
(1º Turno do Campeonato Amazonense)
1 2020 Cscr-featured.png
AMtrophy.png Taça Cidade de Manaus
(2º Turno do Campeonato Amazonense)
2 2018, 2019
2DivisaoAM.png Campeonato Amazonense - 2ª divisão 1 2013 Cscr-featured.png

Cscr-featured.png - Campeão invicto

Campanhas de destaque[editar | editar código-fonte]

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Participações[editar | editar código-fonte]

Participações em 2021
Competição Temporadas Melhor campanha Anos A Aumento R Baixa
Amazonas Campeonato Amazonense 9 Campeão (5 vezes) 2014-2022
Segunda Divisão 1 Campeão (2013) 2013 1
Copa Amazonas 1 Vice-campeão (2015) 2015
Copa-Verde-de-Futebol-2016.gif Copa Verde 5 Semifinal (2018 e 2020) 2018-2022
Brasil Série C 3 7º colocado (2021) 2020-2022
Série D 2 Vice-campeão (2019) 2018-2019 1
Copa do Brasil 5 2ª fase (2020 e 2021) 2018-2022

Temporadas[editar | editar código-fonte]

Brasil Brasil BandeirasNorteBrasil.gif Norte Amazonas Amazonas
Ano Campeonato Brasileiro Copa do Brasil Copa Verde Campeonato Amazonense
Div. Pos. Pts J V E D GP GC Fase Máxima Fase Máxima Div. Pos.
2013 D Não classificado 2D Cscr-featured.png
2014 D Não classificado 1D
2015 D Não classificado 1D
2016 D Não classificado 1D
2017 D Não classificado 1D
2018 D 22 12 7 1 4 20 13 1F SF 1D
2019 D 32 16 9 5 2 32 16 1F 1F 1D
2020 C 10º 26 18 6 8 4 19 18 2F SF 1D
2021 C 32 24 8 8 8 31 33 2F QF 1D
2022 C 13º 25 19 6 7 6 16 21 2F 1D


Legenda:
     Campeão.
     Vice-campeão.
     Eliminado na semifinal.
     Classificado à Copa Libertadores da América pela campanha no Campeonato Brasileiro.
     Classificado à Copa Libertadores da América pelo título da Copa do Brasil ou Copa Libertadores.
     Classificado à Copa Sul-Americana.
     Rebaixado à divisão inferior.
     Campeão e promovido à divisão superior.
     Promovido à divisão superior.

Retrospecto em competições oficiais[editar | editar código-fonte]

Última atualização: Série C de 2020.

Competição Temporadas Títulos Pts. J V E D GP GC
Brasil Série D 2 54 28 16 6 6 52 29
Série C 2 32 24 8 8 8 31 33

Elenco Atual[editar | editar código-fonte]

Goleiros
N.º Jogador
1 Brasil Reynaldo
12 Brasil Pedro
87 Brasil Mathias Tieppo
12 Brasil Neto
Defensores
N.º Jogador Pos.
4 Brasil Paulo Sergio Z
3 Brasil Claudinho Z
5 Brasil Gutierrez Z
24 Brasil Jefferson Z
2 Brasil Felipe Cordeiro LD
22 Brasil Israel LD
6 Brasil Rafael Rosa LE
Meio-campistas
N.º Jogador Pos.
8 Brasil Márcio Passos V
17 Brasil Gilson Alves V
Brasil João Denoni V
21 Brasil Junior Palmares M
30 Brasil Lucas Paranhos M
Atacantes
N.º Jogador
96 Brasil Jackie Chan
9 Brasil Alvinho
7 Brasil Silvano
21 Brasil Toninho
99 Brasil Rafael Ibiapino
11 Brasil Vitinho
Comissão técnica
Nome Pos.
Brasil João Brigatti T

Símbolos[editar | editar código-fonte]

Nome[editar | editar código-fonte]

A escolha do nome se deu pela falta de um clube que homenageasse a cidade de Manaus, uma das capitais a não possuir um clube homônimo.

Cores[editar | editar código-fonte]

As cores do Manaus são o verde, preto e branco. A escolha, segundo seus fundadores, deu-se pelos seguintes fatores: as cores simbolizam a Floresta Amazônica e a paz e tranquilidade de espírito, e a ausência da combinação entre os clubes da cidade.

Uniformes[editar | editar código-fonte]

Fornecedores de material esportivo
Anos Fornecedor
2013–2014 Inglaterra Umbro
2015–2017 Brasil Scoring
2018 Brasil Embratex
2018–2020 Brasil Soft Malhas
2021 - 2022 Brasil Icone Sports

Mascote[editar | editar código-fonte]

O mascote do Manaus é a harpia, mais conhecida na região Norte como gavião-real. Apesar de ser uma ave presente em muitas regiões do Brasil, é mais encontrada na Região Amazônica.[27]

Maiores públicos[editar | editar código-fonte]

5 maiores públicos[editar | editar código-fonte]

Manaus (5) 2–2 (6) Brusque - SC - Final - Campeonato Brasileiro de Futebol - Série D 2019 - 44 896

Manaus 3–0 Caxias - RS - Quartas de final - Campeonato Brasileiro de Futebol - Série D 2019 - 44 121

Manaus 1–2 Paysandu - PA - Semifinal - Copa Verde de Futebol 2018 - 22 485

Manaus 1–0 Coritiba - PR - Primeira fase - Copa do Brasil de Futebol 2020 - 17 123

Manaus 1–0 Jacuipense - BA - Semifinal - Campeonato Brasileiro de Futebol - Série D - 15 586

Categoria de base[editar | editar código-fonte]

Na categoria de base o Manaus Futebol Clube possui os seguintes títulos.

Títulos
Título Ano
AMtrophy.png
Campeonato Amazonense - Sub 20 2016
AMtrophy.png
Campeonato Amazonense Juvenil 2017

Torcida[editar | editar código-fonte]

Com as boas campanhas do clube em competições estaduais, regionais, e nacionais, o clube ganhou muitos adeptos e simpatizantes, tendo bons públicos ao nível do Campeonato Amazonense e boa média de público a nível nacional. O clube em 2019 teve a maior média de público do Campeonato Brasileiro de Futebol - Série D com cerca de 10.000 de média de público. E em 2021 teve os dois maiores públicos do Campeonato Brasileiro de Futebol - Série C, na volta do publico na Serie C durante a pandemia da COVID-19. Foram 12.000 torcedores diante do Ypiranga-RS e 8.000 diante da Tombense, ambos na Arena da Amazônia

Invencibilidades[editar | editar código-fonte]

Maior serie invicta do Brasil no ano de 2019[editar | editar código-fonte]

Invencibilidade que durou por 21 jogos, sendo a maior do Brasil de Fevereiro a Junho de 2019. Sendo 15 Vitórias e 6 Empates. Se iniciou no empate com o Penarol no dia 27 de fevereiro de 2019 pelo Campeonato Amazonense e se encerrou diante do São Raimundo-PA no dia 30 de Junho de 2019 pelo Campeonato Brasileiro Série D.

Invencibilidade na Arena da Amazônia[editar | editar código-fonte]

No dia 13 de maio de 2020 o Manaus completou 2 anos de invencibilidade jogando na Arena da Amazônia. A invencibilidade foi quebrada no dia 28 de Novembro de 2020 diante do Clube do Remo com derrota por 2-0 pelo Campeonato Brasileiro Série C.

Invencibilidade de 25 jogos no Campeonato Amazonense[editar | editar código-fonte]

O Manaus possuiu invencibilidade de 25 jogos no Campeonato Amazonense, por mais de 2 anos. A última derrota antes do período invictofoi para o Princesa por 2–1 na casa do adversário no dia 24 de fevereiro de 2019. Foram a partir de então 16 vitórias e 9 empates.

Referências

  1. CBF (16 de dezembro de 2021). «RNC - Ranking Nacional dos Clubes 2021» (PDF) 
  2. «História». Manaus Futebol Clube. Consultado em 12 de junho de 2020 
  3. globoesporte.globo.com/ Com quedas inéditas, veja como ficou o ranking de rebaixamentos no futebol brasileiro
  4. «Mitoso confirma 'legalização' do Manaus F.C e sonha alto para o futuro». globoesporte.com 
  5. http://acritica.uol.com.br/craque/profissional-Fast-Campeao-Copa-Amazonas_0_1458454199.html
  6. «Com nomes renomados e promessas, Manaus apresenta elenco para 2017». globoesporte.com 
  7. http://www.acritica.com/channels/esportes/news/manaus-muda-comando-do-time-lana-assume-como-tecnico-e-igor-cearense-vira-assistente
  8. tempo, Em (14 de maio de 2017). «Manaus FC vence Princesa e garante vaga nas semifinais do Estadual». Em tempo 
  9. http://globoesporte.globo.com/am/futebol/campeonato-amazonense/noticia/manaus-empata-com-fast-e-garante-vaga-inedita-a-final-do-amazonense-2017.ghtml
  10. Simplício, Denir (7 de fevereiro de 2018). «Manaus FC perde pênalti no fim, empata com CSA-AL e é eliminado da Copa do Brasil». A Crítica. Consultado em 8 de janeiro de 2019 
  11. «Com homenagens a campeões de 2017, Manaus FC apresenta elenco». Globoesporte 
  12. «Manaus FC perde pênalti no fim, empata com CSA-AL e é eliminado da Copa do Brasil | Esportes». A Crítica. Consultado em 8 de janeiro de 2019 
  13. «Manaus FC perde pênalti no fim, empata com CSA-AL e é eliminado da Copa do Brasil | Esportes». A Crítica. Consultado em 8 de janeiro de 2019 
  14. «Wladimir Araújo deixa o comando do Manaus; Igor assume interinamente». Globoesporte. Consultado em 8 de janeiro de 2019 
  15. «Aderbal Lana reassume comando do Manaus FC. Igor Cearense é auxiliar». Portal do Marcos Santos. 15 de maio de 2018. Consultado em 8 de janeiro de 2019 
  16. «Manaus 0 x 1 Rio Branco-AC - Campeonato Brasileiro Série D 2018 Oitavas de final - Tempo Real - Globo Esporte». globoesporte.com. Consultado em 8 de janeiro de 2019 
  17. «Na luta pelo acesso, Manaus é derrotado pelo Imperatriz :: Futebol do Norte». www.futeboldonorte.com. Consultado em 8 de janeiro de 2019 
  18. «Goleiro pega três pênaltis e Imperatriz impede acesso do Manaus na Colina | Esportes». A Crítica. Consultado em 8 de janeiro de 2019 
  19. «Manaus 1 x 1 Vila Nova - Copa do Brasil 2019 Primeira fase - Tempo Real - Globo Esporte». globoesporte.com. Consultado em 22 de julho de 2019 
  20. «Welington Fajardo é anunciado como novo técnico do Manaus FC». Globoesporte. Consultado em 22 de julho de 2019 
  21. «Manaus FC chega com moral para oitavas de final da Série D». todahora.com (em inglês). Consultado em 22 de julho de 2019 
  22. «Manaus 3 x 0 Caxias - Campeonato Brasileiro Série D 2019 Quartas de final - Tempo Real - Globo Esporte». globoesporte.com. Consultado em 22 de julho de 2019 
  23. «Com 26 atletas e "sem deixar a peteca cair", Manaus apresenta elenco para 2019». Globoesporte. Consultado em 8 de janeiro de 2019 
  24. «Primeira atividade em campo e com bola». Manaus Futebol Clube. Consultado em 8 de janeiro de 2019 
  25. Hol, Portal do; a. «Manaus garante o acesso para a Série C de 2020». portaldoholanda.com.br. Consultado em 20 de julho de 2019 
  26. https://emtempo.com.br/20383/esporte/semifinais-do-campeonato-amazonense-2022-estao-definidas/
  27. Frazão, Luciana (16 de junho de 2020). «Conheça o gavião-real: A maior águia das Américas e que desfila sua realeza pela floresta amazônica». Portal Amazônia. Consultado em 15 de novembro de 2020 

26 .Manaus já teve a maior invencibilidade do Brasil.

Copa do Brasil de Futebol