Pouso Alegre Futebol Clube

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde fevereiro de 2010).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Pouso Alegre
Pouso Alegre Futebol Clube.png
Nome Pouso Alegre Futebol Clube
Alcunhas Pousão
Dragão das Alterosas
Dragões do Mandú
Mascote Dragão
Fundação 15 de novembro de 1913 (105 anos)
Estádio Manduzão
Capacidade 25 000[1]
Localização Pouso Alegre, Brasil
Presidente Paulo da Pinta
Treinador Rogério Henrique
Patrocinador BRZ
Hospital Renacentista
Nitida
Limpcom
Unimed
Material (d)esportivo Errea
Competição Minas Gerais Campeonato Mineiro - Segunda Divisão
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
titular
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
Temporada atual
editar

O Pouso Alegre Futebol Clube é um clube brasileiro de futebol, com sede na cidade de Pouso Alegre, no estado de Minas Gerais.[2][3]

História[editar | editar código-fonte]

Fundação[editar | editar código-fonte]

O Pouso Alegre Futebol Clube foi fundado no dia 15 de novembro de 1913, com o nome de "Pouso Alegre Football Club". Naquele dia foi realizada uma reunião na casa de Alfredo Ennes Baganha - primeiro presidente do PAFC - para fundar o clube e assim começar a escrever a história do futebol pousoalegrense.

No entanto, naquela época era difícil manter um clube em atividade por muito tempo. Devido a isso, no final da década de 1910, o PAFC caiu no ostracismo. Somente em 1928, o rubro-negro voltou a ter relevância. Ajudado por um grupo de diretores, o clube viria a conquistar a sua maior glória até aquele momento.

Estádio[editar | editar código-fonte]

No dia 28 de setembro de 1928, reunidos no Fórum de Pouso Alegre, Alfredo Baganha e José Nunes Rebello, lavraram a ata de compra de um terreno localizado no alto da Rua Comendador José Garcia. O valor da compra foi de 8 conto de réis. Ali, naquele terreno, seria construído o futuro estádio do Pouso Alegre Futebol Clube.

A partir disso, já na década de 1930, muitos times paulistas começaram a jogar no Campo do PAFC. Guarani, Ponte Preta e o extinto Ypiranga foram um dos exemplos de times que passaram por Pouso Alegre. Nessa mesma época, foram criados e disputados vários torneios intermunicipais.

Primeira interrupção[editar | editar código-fonte]

No final da década de 1940, mais precisamente no ano de 1947, foi fundada a Liga Espostiva Municipal de Amadores (LEMA). A entidade, que teve como primeiro presidente Pardal Vilhena de Alcântara, passou a organizar essas competições e muitos times amadores apareceram na cidade, fazendo frente do PAFC.

Com o fortalecimento de outros times na cidade, o Pouso Alegre FC acabou entrando em recesso das competições amadoras no início da década de 1950. Com isso, a Liga passou a administrar o Estádio do PAFC, o que levou a todos a chamarem de "Estádio da Lema". Nesse mesmo período, foram construídos os primeiros lances de arquibancada e o muro que cerca o gramado.

Profissionalismo[editar | editar código-fonte]

Pouco mais de uma década longe dos gramados, o PAFC resolveu voltar no ano de 1967. Voltou para disputar a sua primeira competição profissional. O rubro-negro disputou naquele ano a Segunda Divisão do Campeonato Mineiro. O Pouso Alegre FC foi o campeão da Chave Sul do torneio e classificou-se para as finais do torneio, mas acabou perdendo a vaga nos tribunais, por incluir um atleta em condição irregular.

O fato foi uma desilusão nas pretensões pouso-alegrenses. No ano seguinte, o time voltou a disputar a mesma competição, mas não contava com o mesmo interesse financeiro e foi eliminado logo na primeira fase do certame. Atolado em dívidas, o PAFC fechou' o seu breve retorno aos gramados em 1968.

Com o novo fechamento do PAFC, outro problema chegou a cidade. A LEMA, que comandava os torneios amadores no município, também foi sucumbida e encerrou suas atividades no final da década de 1960.

A persistência de alguns clubes amadores da cidade não permitiu que o futebol chegasse ao fim no município. A década de 1970 ficou marcada pelos torneios regionais que contavam com a participação de jogadores consagrados no futebol paulista, ou que viriam fazer sucesso nos gramados do Brasil.

Nomes como Jorge Mendonça, Oscar, Polossi, Odirlei, Estevão e Neto, sempre desfilavam pelo gramado do Alto da Comendador. Foi nesse tempo que surgiram famosos nomes no futebol pouso-alegrense. Nascia nesse período a nova geração do futebol da cidade. Zé Carlos "Espoleta", Paulo da Pinta, Betão, Hermínio, Juninho Coldibelli, Amarildo e Silvano, viriam futuramente elevar o nome de Pouso Alegre no cenário futebolístico.

No início da década de 1980, a Liga Municipal foi reativada. Com isso os torneios amadores da cidade - que não pararam de ser realizados - foram fortalecidos e boatos da volta do PAFC começaram a ser ouvidos pela cidade. A volta realmente ocorreu, em 1983. Ainda como time amador, o PAFC foi campeão da Copa Sul Mineira, jogando com atletas somente da cidade de Pouso Alegre.

Foi nesse mesmo ano, que o PAFC conquistou seu maior troféu. O rubro-negro foi Campeão Amador do Estado de Minas Gerais. O torneio que foi disputado por mais de 30 equipes, tendo em sua final PAFC e Curvelo.

No ano seguinte, o PAFC se profissionalizou novamente. Essa segunda fase profissional tinha como objetivo o retorno do rubro-negro a Segunda Divisão do Campeonato Mineiro e tentar e o acesso à elite do futebol estadual, o que veio a acontecer.

Em 1988, o PAFC alcançou o seu maior objetivo, que era o acesso à Primeira Divisão do Campeonato Mineiro. Essa conquista veio de forma sofrida contra o Atlético de Três Corações. A última partida daquele certame ficou conhecida como "A Batalha de Três Corações", pois o jogo não teve fim e o resultado - que favorecia o PAFC - só saiu meses depois, já em 1989, após intervenção judicial.

Com o acesso garantido na justiça, o Pouso Alegre Futebol Clube fez sua estreia na Primeira Divisão do Mineiro, com o campeonato já em andamento. Com isso o rubro-negro teve que fazer muitas partidas em pouco espaço de tempo - chegou a jogar 3 vezes por semana. Mesmo assim, conseguiu manter-se na elite do futebol mineiro.

Elite[editar | editar código-fonte]

O ano de 1990 foi do Pouso Alegre Futebol Clube, com o Dragão realizando o seu maior feito no futebol profissional. Disputando o Campeonato Mineiro da Primeira Divisão, com 18 equipes, alcançou a quinta colocação, com um time composto por Paulo César; Edvaldo, César, Zigomar e Nonato; Alcinei, Paulo da Pinta e Fernando Baiano; Heleno, Carlão e Anderson.

Entretanto, com a falta de apoio e estrutura, foi difícil o PAFC manter aquele elenco supervalorizado e o time foi se desfazendo. Nos campeonatos seguintes, o clube perdeu pouco a pouco a sua identidade e em 1992 despediu-se da elite do futebol mineiro. Disputou o Módulo II do Campeonato Mineiro até o ano de 1998 e foi nesse mesmo ano em que se licenciou da Federação Mineira de Futebol, ficando inativo até 2009, quando voltou à Segundona do Mineiro, onde realizou boa campanha, terminando o certame na quinta colocação.

O ano de 2018 marca o retorno do Pouso Alegre aos gramados após 9 anos licenciados, neste ano o Dragão do Mandú disputa a segunda divisão mineira, no entanto, não consegue avançar as semifinais e cai na primeira fase ficando na sétima posição, com uma campanha de 5 vitórias, 3 empates e 4 derrotas em 12 rodadas.

Já em 2019 o Pouso Alegre novamente disputa a segunda divisão mineira onde avança às quartas de final com a liderança do seu grupo que contava além do Pouso Alegre o Atlético de Três Corações, o Santaritense e o Figueirense. Em 6 partidas disputadas o Dragão venceu 5 e empatou 1 garantindo 16 pontos, a liderança do seu grupo e a primeira colocação geral. Nas quartas de final o Pousão eliminou o Boston City com 2 empates por 0×0 e 1×1 (o Pouso Alegre avançou, já que tinha a vantagem do empate). Com a vitória de 3×0 sobre Três Corações, o Pouso Alegre oficialmente está no Módulo II.


Ídolos[editar | editar código-fonte]

Torcida[editar | editar código-fonte]

  • Dragões do Mandu
  • Pouso Chopp
  • Gigantes do Mandu
  • PA Manguaça

Elenco Atual[editar | editar código-fonte]

Goleiros
Jogador
Brasil Cairo
Brasil Jeferson
Brasil Jefferson Ribeiro
Defensores
Jogador Pos.
Brasil Renan Carlos Z
Brasil Matheus Abreu Z
Brasil Pedrinho Z
Brasil Lucas Rocha Z
Brasil Leo Turbo Z
Brasil Léo Pereira LD
Brasil Elivelton Lima LE
Brasil Alan Rodrigues LE
Brasil Danilo Santos LE
Meio-campistas
Jogador Pos.
Brasil Bruno Menezes V
Brasil Adriel V
Brasil Wellyson V
Brasil Matheus Sousa M
Brasil Airan M
Brasil Mineiro M
Brasil Mauricio M
Brasil Roldan M
Brasil Alaor M
Brasil Jean Natal M
Atacantes
Jogador
Brasil Mascote
Brasil Daniel Silva
Brasil Thulio
Colômbia Néider Batalla
Brasil Felipe Alves
Brasil Genesis
Brasil Vitinho
Brasil Caio
Brasil Romarinho
Brasil Daniel Silva
Comissão técnica
Nome Pos.
Brasil Rogerio Henrique T
Brasil Diego Paulista AS


Referências

Lateral: Compri Meia: Clebson