Wellington Aparecido Martins

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wellington
Informações pessoais
Nome completo Wellington Aparecido Martins
Data de nasc. 28 de janeiro de 1991 (26 anos)
Local de nasc. São Paulo (SP), Brasil
Nacionalidade brasileira
Altura 1,73 m
Destro
Apelido WellingToni Kroos[1]
Informações profissionais
Clube atual Vasco da Gama
Posição Volante
Clubes de juventude
2005–2008 São Paulo
Clubes profissionais2
Anos Clubes Jogos e gol(o)s
2008–
2014–2016
2017–
São Paulo
Internacional (emp.)
Vasco da Gama (emp.)
0172 0000(2)
0038 0000(1)
0026 0000(0)
Seleção nacional
2009
2010
Brasil Sub-18
Brasil Sub-19
0000 0000(0)
0007 0000(2)


2 Partidas e gols totais pelo
clube, atualizados até 3 de dezembro de 2017.

Wellington Aparecido Martins (São Paulo, 28 de janeiro de 1991) é um futebolista brasileiro que atua como volante. Defende atualmente o Vasco da Gama.[2]

Carreira[editar | editar código-fonte]

São Paulo[editar | editar código-fonte]

2008 - 2010[editar | editar código-fonte]

Revelado nas categorias de base do São Paulo, Wellington estreou pelo time principal com apenas 17 anos, em 18 de maio de 2008, no empate em 1–1 com o Atlético Paranaense na Arena da Baixada, válido pelo Brasileirão. Veio a atuar em apenas mais dois jogos no ano, por coincidência, ambos também contra o Furacão, só que dessa vez, válidos pela Copa Sul-Americana. Ao final do ano, conquistou seu primeiro título como profissional: o Campeonato Brasileiro.[3]

Entre 2009 e 2010, ainda em fase de amadurecimento, o volante permaneceu sendo preterido pelos treinadores da equipe principal, disputando apenas 16 partidas no período, sendo figura mais presente nas categorias inferiores do São Paulo e da Seleção Brasileira.[4][5]

2011[editar | editar código-fonte]

Após a eliminação para o Avaí na Copa do Brasil, o treinador Paulo César Carpegiani, efetuou mudanças na equipe para a estreia do Tricolor no Brasileirão, sendo uma delas a entrada de Wellington no time titular. Na estreia diante do Fluminense em São Januário, o volante atuou bem, conseguindo anular o meia argentino Darío Conca - melhor jogador do Campeonato Brasileiro anterior - o que ajudou o São Paulo a sair do Rio de Janeiro com a vitória por 2–0.[6] A partir de então, o jogador conquistou seu espaço na equipe titular do Soberano e não saiu mais. O primeiro gol de Wellington pelo São Paulo, foi um golaço, no embate diante do Bahia, em 5 de novembro, no Estádio de Pituaçu, pelo Campeonato Brasileiro. Ele recebeu a bola pela direita, deu um chapéu no adversário na entrada da área, e sem deixar a bola cair no chão, acertou um lindo chute. Porém, apesar do gol, sua equipe saiu derrotada pelo placar de 4–3 para equipe baiana. Ao todo, o volante atuou em 34 jogos no Campeonato Brasileiro, sendo o jogador de linha com mais jogos pelo São Paulo na competição.

2012[editar | editar código-fonte]

No dia 25 de janeiro, Wellington marcou seu segundo gol com a camisa tricolor, na vitória por 3–2 sobre o Oeste, no Prudentão. No mês seguinte, durante um treinamento, o volante rompeu o ligamento cruzado anterior do joelho esquerdo, ficando de fora dos gramados por mais de seis meses.[7] Retornou ao São Paulo, somente na 20ª rodada do Brasileirão, em uma goleada por 4–0 sobre o Botafogo, no Morumbi. Wellington deixou o gramado sendo ovacionado pela torcida são-paulina. A partir de então, o jogador recuperou a sua titularidade e foi importante na arrancada tricolor no returno do Campeonato Brasileiro - sendo o São Paulo campeão do segundo turno - além de ter ajudado o Soberano a conquistar o título inédito e invicto da Copa Sul-Americana, disputando todos os jogos da fase internacional da competição.

2013[editar | editar código-fonte]

Apesar de encerrar o ano de 2012 em boa fase, Wellington iniciou o ano de 2013 oscilando tecnicamente. O técnico Ney Franco, por sua vez, declarou que o jogador tinha um potencial enorme, e tudo pra fechar bem a temporada.[8] No mês de julho, com o time em má fase coletiva, o volante era um dos mais visados pela torcida, o que culminou com ofensas de sua esposa, via Twitter, à torcedores que criticavam as atuações do jogador.[9] No mesmo mês, após a troca de treinadores (Paulo Autuori substituiu Ney Franco no comando técnico da equipe), Wellington voltou a ser o ponto de equilíbrio do meio-campo são-paulino. Segundo o atleta, a chegada de Autuori foi fundamental para que ele recuperasse a confiança:[10]

"O Paulo (Autuori) me ajudou muito desde o dia em que chegou aqui. Conversou comigo e disse que queria contar com o meu futebol. Deu a confiança que eu precisava. Ele tem critério e isso facilita bastante para o atleta. Quando o time é bem treinado, você entra em campo sabendo o que tem que fazer."

2014[editar | editar código-fonte]

No início da temporada de 2014, Wellington celebrou uma marca histórica no clube: iniciar sua sétima temporada consecutiva com a camisa são-paulina, número não alcançado desde 2002, quando França completou o mesmo número de anos na agremiação paulistana. Em entrevista coletiva, Wellington se declarou feliz com a marca alcançada:[11]

"Fico feliz, porque isso marca a minha história no clube. Não é nada fácil, ainda mais em uma equipe grande como o São Paulo, para um jogador ficar tanto tempo no mesmo time. Os elencos estão sempre mudando, mas continuo aqui. É o time que eu gosto e cresci, por isso espero ficar por mais dez anos no São Paulo."

Apesar do feito alcançado, o volante acabou perdendo espaço na equipe titular de Muricy Ramalho, com a chegada de Souza.

Internacional[editar | editar código-fonte]

2014[editar | editar código-fonte]

Em maio de 2014, sem espaço no São Paulo, Wellington foi emprestado por um ano ao Internacional. Fez sua estreia no dia 18 do mesmo mês, no empate em 0–0 diante do Criciúma no Heriberto Hülse, válido pelo Brasileirão. A partir de então, foi titular absoluto da equipe colorada, marcando seu primeiro gol, já no seu terceiro jogo pelo Inter, diante do Cruzeiro, no Estádio Centenário em Caxias do Sul. Apesar de abrir o placar, sua equipe não conseguiu segurar o então líder e posterior campeão da competição, saindo de campo com um revés por 3–1. Ao longo do campeonato, o volante atravessava ótima fase no Colorado, sendo inclusive solicitada pela torcida, sua compra em definitivo pelo clube gaúcho, até que no dia 4 de outubro, novamente em uma derrota para o Cruzeiro, dessa vez no Mineirão por 2–1, o volante rompeu mais uma vez o ligamento cruzado anterior do joelho esquerdo, após dois anos e oito meses da mesma lesão sofrida no São Paulo; ficando de fora dos gramados por nove meses desta vez.[12]

2015[editar | editar código-fonte]

Retornou aos gramados, na 10ª rodada do Brasileirão, quando sua equipe foi derrotada por 3–0 pelo Sport na Ilha do Retiro. Após o longo tempo parado, Wellington não conseguiu repetir as boas atuações do ano anterior, alternando a titularidade com Nílton na maior parte do Campeonato Brasileiro.

Caso de Doping[editar | editar código-fonte]

No dia 9 de novembro de 2015, Wellington, juntamente com o seu colega de equipe: Nílton, foram suspensos preventivamente de qualquer jogo oficial, por trinta dias, em razão da detecção de hidroclorotiazida e clorotiazida (substâncias diuréticas proibidas no esporte), em seus exames antidopagem.[13] Ambos foram julgados em 4 de dezembro de 2015, quando foram suspensos de qualquer jogo oficial por cinco meses.[14]

Retorno ao São Paulo[editar | editar código-fonte]

No dia 2 de abril de 2016, ainda cumprindo suspensão por doping, Wellington sofreu um novo drama na carreira, ao romper novamente o ligamento cruzado anterior do joelho, dessa vez do joelho direito, durante um treinamento no CCT da Barra Funda, com previsão de retorno em até seis meses.[15] O volante retornou aos gramados somente em 22 de outubro de 2016, na vitória por 2–0 sobre a Ponte Preta, no Morumbi, válida pela 32ª rodada do Brasileirão. Somando-se a suspensão por doping e a lesão, o jogador ficou aproximadamente um ano de fora dos gramados. Assim que entrou em campo, Wellington recebeu a faixa de capitão de Rodrigo Caio, e após o apito final, não conteve a emoção e chorou no gramado do Morumbi:[16]

"É difícil falar, porque o que eu e minha família passamos em função de doping injusto, não foi fácil. Machucar o joelho de novo... Só tenho que agradecer Deus, esposa, pai, mãe e amigos. E agradecer muito ao São Paulo, que me deu muita força e ajudou na minha volta."

Após sua reestreia pelo Tricolor, o volante se disse "pronto" para ajudar o clube, afirmando ser seu torcedor:[17]

"Sou são-paulino, sempre quis subir de Cotia. Fui campeão aqui. Voltei porque amo muito esse clube. As pessoas que estão aqui sabem do meu carinho pelo clube. Por isso minha volta. Tenho contrato até 2018 com o São Paulo. O meu desejo é permanecer mais, cada dia escrever um capítulo novo da minha história. Não só nos jogos, nos treinos também. Vou procurar meu espaço nos treinamentos."

Apesar do empenho, o volante não obteve muito espaço com os treinadores Ricardo Gomes e Rogério Ceni. Atuando em apenas 7 partidas entre outubro de 2016 e abril de 2017, o volante foi emprestado ao Vasco da Gama para a disputa do Brasileirão, em busca da sequência que não ocorria em sua carreira desde 2014.

Vasco da Gama[editar | editar código-fonte]

Em maio de 2017, Wellington acertou empréstimo até o fim do ano com o Vasco da Gama para a disputa do Brasileirão.[18] Fez sua estreia pelo Cruzmaltino na derrota por 2–0 diante do Grêmio na Arena do Grêmio, válida pelo Brasileirão. A principio criticado pela torcida, e geralmente entrando no decorrer dos jogos, o volante viu sua situação mudar com a troca do comando técnico da equipe e a chegada de Zé Ricardo. O novo treinador lhe deu a sequencia que ele não tinha desde 2014, com liberdade nos jogos para se infiltrar no ataque como "elemento surpresa", e a evolução do futebol do jogador no Gigante da Colina ficou nítida, firmando-o na equipe titular do Vasco da Gama:[19]

"O Zé (Ricardo) tem um respeito por mim, e eu tenho por ele, sabe que não sou nenhum menino que está começando, tenho uma história. Gosto muito dele. Um dos treinadores que ele respeita e pôde admirar no início da carreira foi o Muricy (Ramalho), justamente o treinador que me subiu no São Paulo, com quem fui tricampeão brasileiro com 17 anos. A gente tem essa identificação até com isso. Podemos fazer um bom trabalho juntos."

Jogos pelo Vasco[editar | editar código-fonte]

Expanda a caixa de informações para conferir todos os jogos deste jogador pelo Vasco.

Seleção Brasileira[editar | editar código-fonte]

Wellington foi campeão com a Seleção Brasileira Sub-19 do Torneio Internacional do Mediterrâneo, realizado na Espanha em 2010, onde além de ser capitão da equipe, foi eleito o melhor jogador do torneio.

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Até 3 de dezembro de 2017.

Clube Temporada Campeonato
nacional
Copa
nacional[a]
Competições
internacionais[b]
Outros

torneios[c]

Total
Jogos Gols Jogos Gols Jogos Gols Jogos Gols Jogos Gols
São Paulo 2008 1 0 2 0 3 0
2009 6 0 1 0 2 0 9 0
2010 4 0 3 0 7 0
2011 34 1 4 0 3 0 41 1
2012 14 0 8 0 6 1 28 1
2013 29 0 16 0 16 0 61 0
2014 2 0 14 0 16 0
2016 3 0 3 0
2017 1 0 1 0 2 0 4 0
Total 91 1 3 0 32 0 46 1 172 2
Internacional 2014 19 1 2 0 21 1
2015 15 0 2 0 17 0
Total 34 1 2 0 2 0 38 1
Vasco da Gama 2017 26 0 26 0
Total 26 0 26 0
Total na carreira 151 2 5 0 34 0 46 1 236 3

Títulos[editar | editar código-fonte]

São Paulo
Seleção Brasileira - Sub-19
  • Torneio Internacional do Mediterrâneo: 2010

Prêmios Individuais[editar | editar código-fonte]

Seleção Brasileira - Sub-19
  • Torneio Internacional do Mediterrâneo: 2010 (Jogador do Torneio)

Referências

  1. [1]
  2. Esportes, Terra (26 de Maio de 2017). «São Paulo aceita empréstimo, e Wellington reforçará o Vasco». Terra. Consultado em 26 de Maio de 2017 
  3. «Wellington :: Wellington Aparecido Martins :: Vasco». www.ogol.com.br (em bretão). Consultado em 4 de novembro de 2017 
  4. «Wellington :: Wellington Aparecido Martins :: Vasco». www.ogol.com.br (em bretão). Consultado em 4 de novembro de 2017 
  5. «Wellington :: Wellington Aparecido Martins :: Vasco». www.ogol.com.br (em bretão). Consultado em 4 de novembro de 2017 
  6. Após anular Conca, Wellington avisa: "Mostrei meu valor"
  7. Lesão de Wellington é cirúrgica
  8. Fase de Wellington não agrada Ney no São Paulo: 'Teve erros decisivos'
  9. Esposa de Wellington xinga torcedores e confirma provável saída do volante
  10. Wellington celebra 'sintonia' com Autuori
  11. Wellington só perde de Ceni em longevidade no elenco do São Paulo
  12. «Wellington rompe ligamento do joelho e vive novo drama». Terra 
  13. «CBF suspende Wellington Martins e Nilton por doping». Zero Hora. 9 de novembro de 2015 
  14. «Após casos de doping, Nilton e Wellington são suspensos por cinco meses». Terra. 4 de dezembro de 2015 
  15. «Wellington sofre lesão no joelho e vai desfalcar o São Paulo por seis meses». globoesporte.com 
  16. «Wellington chora em retorno ao São Paulo após superar doping e lesões - Futebol - UOL Esporte». UOL Esporte 
  17. Após superações, Wellington quer espaço no São Paulo: "Estou pronto"
  18. Esportes, Terra (26 de Maio de 2017). «São Paulo aceita empréstimo, e Wellington reforçará o Vasco». Terra. Consultado em 26 de Maio de 2017 
  19. «"Wellington Kroos" cresce no Vasco e abraça status de xodó de Zé Ricardo». Globoesporte 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]