Alexsandro de Souza

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre o treinador e ex-futebolista. Para o carnavalesco brasileiro, veja Alex de Souza.
Alex
Alex
Alex atuando pelo Fenerbahçe em 2011
Informações pessoais
Nome completo Alexsandro de Souza
Data de nasc. 14 de setembro de 1977 (44 anos)
Local de nasc. Curitiba, Paraná, Brasil
Nacionalidade brasileiro
Altura 1,76 m
canhoto
Apelido Menino de Ouro[1]
Talento Azul[2]
Alex Cabeção[3]
Professor[4]
Doutor[5]
Informações profissionais
Equipa atual São Paulo Sub-20
Posição ex-meio-campista
Função treinador
Site oficial www.alex10.com.br
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos)
1995–1997
1997–2000
2000–2002
2000
2001
2001
2002
2002–2004
2004–2012
2013–2014
Coritiba
Palmeiras
Parma
Flamengo (emp.)
Palmeiras (emp.)
Cruzeiro (emp.)
Palmeiras (emp.)
Cruzeiro
Fenerbahçe
Coritiba
jogos (golos)
Seleção nacional
1995–1998
1999–2000
1998–2005
Brasil Sub-20
Brasil Sub-23
Brasil
Times/Equipas que treinou
2021– São Paulo Sub-20
Última atualização: 12 de fevereiro de 2022

Alexsandro de Souza (Curitiba,[6] 14 de setembro de 1977), mais conhecido como Alex ou Alex de Souza, é um treinador e ex-futebolista brasileiro que atuava como meio-campista. Atualmente treina o time Sub-20 do São Paulo.

Ídolo do Coritiba, Palmeiras, Cruzeiro e Fenerbahçe[7] (clube onde o jogador possui uma estátua[8]), foi um dos jogadores mais talentosos de sua geração. O meia possui mais de 400 gols na carreira.[9][10] Também defendeu a Seleção Brasileira em 51 oportunidades, balançando as redes 12 vezes.[10]

Carreira como jogador[editar | editar código-fonte]

Coritiba[editar | editar código-fonte]

Iniciou sua carreira nas categorias de base do Coritiba, clube pelo qual tornou-se jogador profissional em 1995. Estreou no dia 2 de abril de 1995 na vitória por 3 a 1 diante do Iraty pelo Campeonato Paranaense, dando a primeira assistência das 356 da carreira. Marcou seu primeiro gol no dia 7 de junho de 1995, na goleada por 4 a 0 diante do Matsubara, também no Estadual. Neste ano o clube foi vice-campeão da competição, tendo Alex, aos 17 anos, como destaque do campeonato.[11] Também foi fundamental para a subida do coxa branca para a primeira divisão, quando no dia 13 de dezembro marcou um belo gol e deu assistência na vitória por 3 a 0 diante do rival Atlético Paranaense, na partida que garantiu o acesso a elite.[12]

O "Menino de Ouro" (alcunha que ganhou por suas atuações destacadas) permaneceu no clube até 1997, quando chamou a atenção do Palmeiras. Pelo Coritiba, disputou 123 partidas, marcando 32 gols e deu 38 assistências.[11]

Palmeiras[editar | editar código-fonte]

Em julho de 1997 transferiu-se para o Palmeiras.[13] O clube viu se desfazer um de seus elencos mais celebrados e com o apoio da parceira Parmalat, montaria um novo grupo que também faria história.[14]

No Alviverde, Alex obteve grande destaque e se tornou ídolo da torcida, pela sua categoria e profissionalismo. Ao lado de grandes jogadores que também marcaram época no clube, o camisa 10 enfileirou títulos.

Na sua primeira temporada pelo clube, foi vice-campeão brasileiro, perdendo o título para o Vasco da Gama.[15]

Começou com as conquistas da Copa do Brasil de 1998 e da Copa Mercosul de 1998, ambas em cima do Cruzeiro. Alex brilhou na Mercosul ao marcar em todas as fases da competição, exceto na final. Após marcar três gols na fase de grupos, fez de cabeça o gol do empate por 1 a 1 na partida de volta das quartas de final contra o Boca Juniors da Argentina garantindo a semifinal (haviam vencido a ida por 3 a 1).[16] Na semifinal, fez os dois gols da vitória por 2 a 0 sobre o Olimpia, do Paraguai, na partida de ida[17] (o Palmeiras venceu a volta por 1 a 0 e foi campeão na final diante do Cruzeiro). Alex foi artilheiro da competição com seis gols.[18] Foi neste ano também que veio a sua primeira convocação para a Seleção Brasileira, pelo técnico Vanderlei Luxemburgo.[19]

No ano seguinte, veio a glória maior. Com grande destaque, Alex foi campeão da Copa Libertadores da América de 1999, diante do Deportivo Cali, em disputa de pênaltis.[20] O camisa 10 foi fundamental na conquista palmeirense, com assistências e gols importantes durante a competição, como os dois marcados na vitória por 4 a 2, diante do Vasco, pela segunda partida das oitavas de final.[21] Mas como momento áureo, destaca-se a semifinal diante do River Plate da Argentina, onde Alex fez os argentinos terem pesadelos com uma estupenda partida, marcando dois belos gols na vitória por 3 a 0 (haviam perdido a partida de ida por 1 a 0) e classificando a equipe para a final.[22] Ao fim da competição e com o título assegurado, o meia foi eleito para o onze ideal da América do Sul pelo jornal uruguaio El País.[23] Quatro dias depois, o Palmeiras faria a segunda partida da decisão do Campeonato Paulista de 1999 contra o rival Corinthians. Os jogadores do Palmeiras entraram em campo em ritmo de festa, muitos com os cabelos pintados de verde, em provocação ao rival pela conquista recente da Libertadores (O Palmeiras eliminou o Corinthians nas quartas-de-final em disputa de pênaltis antes de ser campeão). A decisão terminou empatada por 2 a 2, confirmando o título do Corinthians, que havia ganhado o primeiro jogo por 3 a 0. A partida ficou marcada bela briga generalizada, quando faltando poucos minutos para o fim, o atacante Edílson, do Corinthians, fez embaixadinhas respondendo a provocação da equipe palmeirense e ocasionando uma verdadeira batalha campal entre as equipes.[24] Alex terminou aquele campeonato como artilheiro com 12 gols marcados.[25]

Em virtude de suas atuações, Alex foi convocado para a Seleção Brasileira, disputando a Copa América de 1999 onde sagrou-se campeão e também a Copa das Confederações FIFA de 1999, onde foi vice-campeão e vice artilheiro.[26][27] Em dezembro, disputou o Mundial de Clubes de 1999 contra o Manchester United, em Tóquio e mesmo Alex tendo uma atuação destacada (teve um gol mal anulado na partida[28]) e o Palmeiras sendo melhor que o adversário, os ingleses venceram por 1 a 0.[29]

Em 2000, iniciou a temporada com a Seleção Sub-23 e venceu o Pré-Olímpico de Londrina (classificando a equipe para as Olimpíadas de Sydney em 2000), sendo o capitão e regente da conquista ao lado de Ronaldinho Gaúcho.[30] Pelo clube, conquistou seu último título logo depois, o do Torneio Rio-São Paulo de 2000, em final diante do Vasco. Foi o principal nome daquela conquista. Primeiro, eliminou o rival Corinthians da competição marcando os três gols da vitória por 3 a 1.[31] Depois, marcou um belo gol de cobertura na semifinal diante do Botafogo.[32] Nas finais, deu três assistências nas duas partidas e ainda fez a jogada do pênalti, convertido por Francisco Arce, na goleada por 4 a 0 sobre o Vasco.[33][34] O meia também teve a chance de vencer mais uma vez a Copa Libertadores da América, na qual contribuiu com assistências em todas as fases do mata-mata. Após o Palmeiras vencer o Peñarol e o Atlas, nas oitavas e quartas de final, respectivamente, o clube enfrentou mais uma vez o rival Corinthians em partida decisiva na competição. Alex se destacou nas duas partidas dessa semifinal, marcando um gol e dando uma assistência na derrota na primeira partida por 4 a 3 e mais uma vez, marcando um gol e dando uma assistência na vitória por 3 a 2 na segunda partida. O Palmeiras eliminou mais uma vez o rival da competição continental em disputa de pênaltis[35] (repetindo feito do ano anterior).[36][37] No jogo de ida da final, diante do Boca Juniors, Alex deu uma assistência no empate por 2 a 2 fora de casa. Após o 0 a 0 no Morumbi pelo jogo da volta, o Palmeiras foi derrotado nos pênaltis, ficando com o vice-campeonato continental.[38]

Após a competição, o meia pertencente a parceria Palmeiras/Parmalat (que estava chegando ao fim) foi negociado com o Parma, que pertencia a uma empresa de laticínios, por US$ 16 milhões de dólares.[39] Somando todas as passagens pelo alviverde, Alex disputou 241 partidas, marcou 78 gols e distribuiu 56 assistências.[11]

Parma[editar | editar código-fonte]

Empréstimos[editar | editar código-fonte]

Flamengo[editar | editar código-fonte]

No dia 30 de junho de 2000, Alex foi anunciado pelo Parma, da Itália.[40] Logo que chegou ao país, foi informado pelo técnico Alberto Malesani que não fazia parte dos planos dele[41], sendo imediatamente emprestado ao Flamengo. Entretanto, o péssimo momento político e financeiro do clube não ajudou e Alex permaneceu cerca de dois meses apenas na Gávea. Sem receber salários, atuou apenas em 12 partidas e marcou três gols, sendo devolvido.[42]

Palmeiras[editar | editar código-fonte]

Sem intenção de utiliza-lo, o Parma cedeu empréstimo novamente e Alex regressou ao Palmeiras. Disputou o Campeonato Paulista de 2001 e foi o artilheiro da equipe na competição com oito gols.[43] Contudo, o Palmeiras sequer se classificou para a fase final. Na Copa Libertadores da América de 2001, caiu na semifinal diante do Boca Juniors. O camisa 10 marcou um gol no empate por 2 a 2 na partida de ida no La Bombonera[44] e após a repetição do placar no Parque Antártica, o Palmeiras saiu derrotado na disputa de pênaltis, mais uma vez.[45] No jogo de ida houve um pênalti não marcado a favor do Palmeiras e no jogo de volta um gol do Palmeiras foi mal anulado.[46]

Seu empréstimo se encerrou no fim de junho e Alex deixou o clube.[47] Quando iria se reapresentar ao Parma novamente, descobriu que não receberia os 15% que lhe era de direito sobre a transferência e resolveu entrar na justiça.[41]

Em seguida, foi convocado para a disputa da Copa América de 2001 com a Seleção Brasileira. Durante a competição, assinou com o Cruzeiro através de uma liminar conseguida na Justiça do Trabalho que o desvinculava do clube italiano.[48]

Cruzeiro[editar | editar código-fonte]

Pelo Cruzeiro, disputou, sem destaque, o Campeonato Brasileiro de 2001. Além de Alex, o clube contava com outras estrelas como Edmundo e Freddy Rincón, contudo não atingiu o objetivo da temporada e quase foi rebaixado.[49] Durante a disputa do campeonato, teve sua liminar cassada em ação de advogados do Parma algumas vezes[50][51], fato que prejudicou seu rendimento em campo. Numa partida contra o Bahia, o meia, já uniformizado no vestiário, ficou sabendo que não poderia jogar. Alex afirmaria: "Isso tudo atrapalhou bastante. Eu perdi o sono por várias noites".[41] Ao fim daquele ano, Alex foi surpreendido com uma decisão da FIFA que o suspendia do futebol. A entidade não reconhecia a ação conseguida pelo meia, acusando-o de possuir contrato duplo e o Parma exigia a sua reapresentação.[52] Após a fraca temporada e a suspensão pela FIFA, Alex foi dispensado do Cruzeiro no primeiro dia de reapresentação do grupo, pelo técnico Marco Aurélio, via telefone celular.[53]

O imbróglio entre Alex e Parma passava pela família de Calisto Tanzi (fundador da Parmalat) em um caso de falsificação da assinatura do meia em um documento onde ele abriria mão de receber o que tinha direito. Aos 23 anos, Alex entrou numa verdadeira batalha com a Parmalat e com o clube na justiça italiana para receber o que tinha direito bem como para apurar sobre a falsa assinatura na documentação. Alex afirmou que por diversas vezes houve ameaças de advogados da Parmalat contra ele.[54][55]

Palmeiras[editar | editar código-fonte]

Após ir até à FIFA e entrar em acordo com o clube, que reconhecera a dívida com ele, Alex foi emprestado novamente ao Palmeiras. Foi naquele ano que o meia faz o gol mais bonito de sua carreira. No clássico contra o São Paulo em partida válida pelo Torneio Rio-São Paulo de 2002, aplicou com o lado externo do pé dois chapéus consecutivos nos defensores adversários, o último deles no goleiro Rogério Ceni, antes de completar de primeira para o gol, definido naquela noite pelo locutor José Silvério, como "de placa", na vitória por 4 a 2 do Palmeiras no Morumbi.[56][57][58]

O momento conturbado de Alex com o Parma e os sucessivos empréstimos que não lhe permitiram ter sequências no clubes, lhe custaram a ausência na Copa do Mundo FIFA de 2002. O meia não foi convocado pelo treinador Luiz Felipe Scolari, o que fora considerado, na opinião popular e midiática, uma das maiores injustiças do futebol.[59][60][61][62] Mesmo com todos os problemas recentes, Alex sempre estivera presente na Seleção Brasileira, disputando sucessivas competições e atuando nas eliminatórias da Copa do Mundo FIFA. Além disso, no Palmeiras, sempre foi o homem de confiança e parte efetiva nas conquistas do treinador Felipão, com o Palmeiras. Anos depois daria declarações sobre a ausência como: "Para mim foi péssimo, porque eu tinha absoluta certeza que iria" e "Eu joguei a maioria dos jogos, era um treinador que me conhecia, que em várias conversas deixou sempre a entender que eu participaria. Em um amistoso no Mato Grosso contra a Islândia, tive uma conversa com o Felipão no corredor, e aquela conversa me dava mais certeza de que eu jogaria o Mundial".[63]

Com a decepção da não convocação, Alex, que tinha no Palmeiras a vitrine para evidenciar o seu futebol na expectativa de disputar a Copa, se despediu do clube e retornou ao Parma.[64] Porém, com todo o desgaste envolvendo os donos do clube, o diretor Arrigo Sacchi com o qual não tinha relação e o treinador Cesare Prandelli que não reconhecia sua presença no elenco, Alex atuou em apenas cinco partidas, marcando dois gols.[65][66] Após resolver sua situação extracampo, enfim teve o direito de deixar o clube italiano. Com o meia livre, o treinador do Cruzeiro, Vanderlei Luxemburgo, contrariando a diretoria e a torcida que não queriam o jogador, banca o seu retorno à Toca da Raposa.[67]

Ida em definitivo Cruzeiro[editar | editar código-fonte]

Alex chegou ao Cruzeiro para a reta final do Campeonato Brasileiro de 2002,[68][69] tendo sua renovação de contrato bancada pelo treinador Vanderlei Luxemburgo, que tamanha a confiança, chegou a afirmar que pagaria o salário do jogador do próprio bolso e devolveria o dinheiro investido pelo clube, caso Alex não emplacasse.[70][71][72] No Cruzeiro o meia viveria a fase mais espetacular de sua carreira, no ano seguinte.[73][74]

Começou o ano de 2003 com o título do Campeonato Mineiro. Alex foi o artilheiro da equipe com nove gols, teve o maior número de assistências e foi o destaque do campeonato.[75] Teve atuações destacadas, como na goleada por 4 a 2, diante do rival Atlético Mineiro, onde fez dois gols e deu duas assistências, sendo uma delas de calcanhar.[76] Na goleada sobre o URT, partida que consagrou o time como campeão antecipadamente, fez gol e deu assistência.[77] E no jogo da entrega das faixas, marcou três gols, sendo um de letra, na goleada por 4 a 0 sobre o Tupi.[78] Em seguida, foi o nome da conquista do título da Copa do Brasil. O meia foi decisivo, marcando gols e dando assistências, praticamente em toda competição. Nas quartas de final, diante do Vasco, Alex fez gol e deu assistência na vitória por 2 a 1, no Mineirão e garantiu o empate por 1 a 1, em São Januário.[79] Na decisão diante do Flamengo, o meia faz história. Alex marcou um lindo gol de letra no empate por 1 a 1, na partida de ida, no Maracanã[80][81][82] e na partida de volta deu três assistências na vitória por 3 a 1 no Mineirão.[83][84] Alex foi o vice artilheiro da equipe com 6 gols e maior assistente da competição.[75] Neste ano, foi convocado pela Seleção Brasileira para a disputa da Copa das Confederações FIFA de 2003.[85] No Campeonato Brasileiro, Alex foi o grande responsável pela primeira conquista do clube na era de pontos corridos.[86][87] Foi também o artilheiro da equipe, marcando 23 gols e o maior assistente do campeonato, com 15 assistências.[75][88] Durante a competição, marcou gols antológicos como um na primeira rodada contra o São Caetano, dominando na entrada da área, com o peito, entre dois adversários, driblando o marcador e encobrindo o goleiro (ganhando inclusive uma placa no hall de entrada do Mineirão pelo feito)[89] e outro na penúltima rodada contra o Fluminense, no Mineirão, dominando na área, fingindo que soltaria uma pancada e de costas dando um toque espetacular por cima do goleiro.[90] Fez partidas magnificas, como a que marcou cinco gols contra o Bahia na vitória por 7 a 0 na Fonte Nova.[91] Ao fim do campeonato, foi premiado com a Bola de Prata da Revista Placar como melhor meia do campeonato e também com a Bola de Ouro como melhor jogador.[92][93] Além disso, foi eleito mais uma vez pelo jornal uruguaio El País para o onze ideal da América do Sul.[94] Para muitos, Alex não foi somente o melhor jogador do Brasil naquela temporada, mas um dos melhores do mundo.

Além do capitão e camisa 10, Alex, a equipe cruzeirense contava com grandes jogadores como Gomes, Maicon, Luisão, Cris, Claudio Maldonado, Deivid e Víctor Aristizábal, dentre outros jogadores de muita qualidade, comandados pelo técnico Vanderlei Luxemburgo[95]. Ao fim da temporada, se tornou ídolo da torcida cruzeirense. O "Talento Azul", como era chamado pelos torcedores do Cruzeiro, deu uma entrevista dizendo que "quando o time entrava em campo já sabia que ia ganhar. Não era salto alto e sim confiança, devido ao empenho e qualidade de todos.",[96] além de ter escolhido o time como o melhor em que já atuou na carreira.[97][98]

Em 2004, iniciou a temporada levantando mais uma taça pelo Cruzeiro. O bicampeonato estadual veio diante do rival Atlético Mineiro.[99] Alex marcou um dos gols da vitória por 3 a 1 na partida de ida da final[100] (perderam a volta por 1 a 0), foi artilheiro do campeonato com 14 gols e mais uma vez responsável por uma conquista do clube.[101][102] Contudo, o time falhou no grande objetivo da temporada, a Copa Libertadores da América de 2004. A equipe foi eliminada nas oitavas de final, numa disputa por pênaltis contra o Deportivo Cali. Alex, que marcou um gol de pênalti na vitória no tempo regular por 2 a 1 (haviam perdido a ida por 1 a 0), desperdiçou sua cobrança nas penalidades decisivas (Edu Dracena e Dudu também perderiam).[103][104] O ídolo cruzeirense entraria em campo apenas mais uma vez para defender as cores do clube, na partida seguinte, fazendo o gol da vitória por 2 a 1 sobre o Palmeiras pelo Campeonato Brasileiro,[105] antes de ser negociado com o Fenerbahçe, da Turquia.[106][107]

Naquele ano, Alex seria convocado para a disputa da Copa América de 2004 pelo técnico Carlos Alberto Parreira. Foi capitão da Seleção Brasileira na competição e levantou a taça após a conquista sobre a Seleção Argentina na disputa por pênaltis.[108]

Fenerbahçe[editar | editar código-fonte]

Estátua de Alex no Fenerbahçe

Em 5 de junho de 2004 foi anunciado como novo reforço do Fenerbahçe, da Turquia.[106][109] Começava naquele ano, a trajetória de uma das maiores idolatrias do futebol mundial. Logo em sua primeira temporada, foi campeão da Süper Lig de 2004–05, sendo vice artilheiro do campeonato com 24 gols e apontado como o principal jogador da equipe.[110]

Na temporada 2006–07, sua terceira no clube, sob o comando do então treinador Zico, que lhe transformou em capitão,[111] conquistou novamente a Süper Lig, sendo dessa vez artilheiro do campeonato com 19 gols marcados e maior assistente.[112][113] Na mesma temporada, também conquistou a Supercopa da Turquia de 2007 dando uma assistência na vitória por 2 a 1 sobre o Besiktas.[114] Ainda em 2007, Alex acertou com o Borussia Dortmund, mas houve uma mudança e a negociação foi cancelada. O brasileiro também recebeu uma proposta do Birmingham City, mas preferiu continuar no Fenerbahçe.[115]

Já na temporada 2007–08, Alex ajudou o clube turco a fazer sua melhor campanha na história da Liga dos Campeões da UEFA, chegando as quartas de final da competição.[116] Após a equipe vencer o Chelsea na partida de ida por 2 a 1, foi eliminada ao perder por 2 a 0 na partida de volta.[117][118] O meia foi o maior assistente da competição, com seis assistências distribuídas.[119]

Em 2009, mais uma conquista. Alex é decisivo mais uma vez ao marcar os dois gols da vitória por 2 a 0 sobre o Besiktas, conquistando o título da Supercopa Turca.[120]

Na temporada 2010–11, sua sétima pelo clube turco, conquistou pela terceira vez a Süper Lig, sendo o artilheiro do campeonato com uma grande marca: Alex marcou 28 gols em 33 partidas e também foi o maior assistente da competição.[113][121]

Em 2012 foi peça fundamental na conquista da Copa da Turquia, título que o Fenerbahçe não ganhava há 30 anos. No jogo da final, contra o Bursaspor, Alex foi responsável por três assistências, além de marcar um gol no segundo tempo, fechando uma goleada de 4 a 0.[122]

Em agosto de 2012, após marcar 136 gols com a camisa do Fenerbahçe pela Liga Turca, reclamou que seu técnico Aykut Kocaman estava tirando-o dos jogos para que não se tornasse o maior artilheiro da equipe na história da Liga, superando a marca de 140 gols, estabelecida por Aykut quando este era jogador do clube.[123]

No dia 15 de setembro de 2012, o ápice da sua representatividade para a torcida ganhou forma: foi inaugurada uma estátua em homenagem ao camisa 10, em frente ao estádio da equipe, eternizando-o como um dos maiores ídolos da história do clube. A estátua, que tem o tamanho real do jogador, levou dois anos para ser concluída.[124] Ao receber a homenagem, Alex chorou e questionou: "o que eu fiz para isso?", agradecendo a torcida em seu discurso.[8][125]

Mas com todo o imbróglio envolvendo o treinador Aykut que pouco vinha aproveitando o meia, no dia 1 de outubro de 2012, após oito anos atuando pela equipe turca, Alex foi dispensado pela diretoria do clube.[126][127][128] Sua saída causou grande revolta e comoção na torcida que fez vigília em frente a casa do jogador pela madrugada e queimou foto do presidente do clube.[129][130]

Pelo Fener, disputou 378 jogos e marcou 185 gols, com 162 assistências.[131] O meia é um dos dez maiores artilheiros da história do clube.

Retorno ao Coritiba[editar | editar código-fonte]

No dia 13 de outubro de 2012, após ser recebido com festa pela torcida do Coxa no Aeroporto Internacional de Curitiba, Alex afirmou que definiria seu futuro dentro dos próximos dez dias.[132][133] No dia 17 de outubro, confirmou o acerto por dois anos com o Coritiba, clube pelo qual se declara torcedor e que o revelara para o futebol, colocando fim na novela.[134] No dia 18 de outubro, o meia de 35 anos, foi oficialmente apresentado à torcida coxa-branca no Estádio Couto Pereira. Com muita festa e comemorações, mais de 5 mil torcedores compareceram para prestigiar o regresso do ídolo, que chegou de helicóptero, em plena tarde de quinta-feira.[135]

No dia 12 de maio de 2013, após o Coritiba bater por 3 a 1 o rival Atlético Paranaense, Alex, autor de dois gols no confronto, conquistou seu primeiro título com a camisa do clube: o Campeonato Paranaense.[136][137] O meia, que fora o grande nome da conquista, terminou o campeonato isolado na artilharia com 15 gols.[138]

No Campeonato Brasileiro de 2013, foi o destaque e artilheiro da equipe coxa branca com 12 gols.[139] Dentre esses, destacam-se o marcado na vitória por 2 a 1 contra o Fluminense, no Couto Pereira, pela 4ª rodada do Brasileirão. Alex acertou um belo chute de fora da área e marcou o 400º gol em sua carreira.[140][141] O gol marcado com um leve toque, encobrindo o goleiro, no empate contra o Santos, na Vila Belmiro, por 2 a 2[142] e por fim, o gol de bicicleta marcado contra o Bahia, salvando o Coritiba da derrota no Couto Pereira, no empate por 2 a 2.[143]

Em 2014, ajudou o Coritiba a escapar do rebaixamento no Campeonato Brasileiro. Após a vitória sobre o Atlético Mineiro pela 37ª rodada do Brasileirão, que salvou a equipe da degola,[144] o jogador anunciou o fim da carreira em sua conta pessoal no Twitter.[145] Aos 37 anos, Alex se despediu do futebol, atuando pela última vez na vitória por 3 a 2 diante do Bahia, no Couto Pereira.[146]

Aposentadoria[editar | editar código-fonte]

Alex fez o anúncio oficial de sua aposentadoria no dia 1 de dezembro de 2014. O meio-campista postou uma montagem vestindo as camisas de todos os clubes que defendeu e agradeceu aos times, torcedores e especialmente ao futebol.

Diante de um Couto Pereira lotado, contra a equipe do Bahia, o camisa 10 foi substituído aos 41 minutos do segundo tempo para receber as honrarias. Com o jogo paralisado, o capitão e ídolo Alex, foi abraçado um a um por todos os companheiros e desabou em lágrimas. Extremamente ovacionado pela torcida, dando volta no campo após o apito final, encerrou sua carreira. Com o estádio vazio, voltou ao gramado acompanhado do filho e se sentou no campo em ato de despedida.[147]

Seleção Nacional[editar | editar código-fonte]

Após ter defendido a Seleção Brasileira Sub-20 entre 1995 e 1998, Alex foi convocado pela primeira vez para a Seleção Brasileira principal pelo técnico Vanderlei Luxemburgo em 1998.[19] Fez a sua estreia no dia 24 de setembro, num amistoso diante da Iugoslávia.[148]

Marcou seu primeiro gol em 1999, num amistoso contra a Letônia.[149] No mesmo ano foi convocado para a disputa da Copa América de 1999 onde sagrou-se campeão[150]. Também foi convocado para a Copa das Confederações FIFA de 1999, na qual o Brasil foi vice-campeão para a Seleção Mexicana e vice artilheiro da competição com quatro gols.[27]

Em 2000, iniciou a temporada a serviço da Seleção Olímpica. Como capitão, foi o destaque da campanha ao lado de Ronaldinho Gaúcho e levantou a taça de campeão do Torneio Pré-Olímpico Sul-Americano Sub-23.[30][151] No entanto, nos Jogos Olímpicos daquele ano, disputados em Sydney, a Seleção decepcionou e foi eliminada por Camarões nas quartas de final, no sistema de "morte súbita".[152]

No mesmo ano, disputou as eliminatórias da Copa do Mundo FIFA de 2002 e se destacou ao marcar seu único gol na competição classificatória contra a Argentina, na vitória por 3 a 1 no Morumbi.[153]

No ano seguinte, Alex foi convocado para a disputa da Copa América de 2001, realizada na Colômbia.[154] Contudo, sem brilhar e de forma desastrosa,[155] a Seleção Brasileira perdeu por 2 a 0 e foi eliminada nas quartas de final pela inexpressiva Seleção Hondurenha.[156] Os hondurenhos, por sinal, aceitaram disputar o torneio na véspera de seu início, no lugar da Seleção Argentina, que não aceitou jogar a competição por conta da onda de violência no país.[157]

Em 2002, Alex foi surpreendido com a ausência na lista de convocados para a Copa do Mundo FIFA de 2002. O momento conturbado que vivia com o Parma da Itália e os constantes empréstimos consecutivos que não lhe permitiam ter sequência, lhe custaram a não convocação pelo técnico Luiz Felipe Scolari. Deu declarações sobre a ausência como: "Para mim foi péssimo, porque eu tinha absoluta certeza que iria" e "Eu joguei a maioria dos jogos, era um treinador que me conhecia, que em várias conversas deixou sempre a entender que eu participaria. Em um amistoso no Mato Grosso contra a Islândia, tive uma conversa com o Felipão no corredor, e aquela conversa me dava mais certeza de que eu jogaria o Mundial".[63] Na opinião popular e midiática, o fato de Alex nunca ter disputado uma Copa do Mundo, é tido como uma das grandes injustiças do futebol.[62][61][60][59]

Em 2003, retornou à Seleção Brasileira para a disputa da Copa das Confederações FIFA na França.[158] No entanto, a Seleção fez a sua pior campanha na história da competição e foi eliminada na fase de grupos.[159]

Em 2004, após momento espetacular vivido no Cruzeiro, foi convocado pelo técnico Carlos Alberto Parreira para a disputa da Copa América de 2004.[160] Alex foi o capitão da campanha e levantou a taça de campeão na final diante da Argentina, vencida nos pênaltis.[161]

No ano seguinte, foi convocado para disputar a Copa das Confederações FIFA de 2005. Entretanto, após sofrer uma lesão atuando pelo Fenerbahçe, foi cortado da Seleção, com o volante Edu sendo chamado no seu lugar.[162] Alex fez sua última partida pela Seleção Brasileira na vitória por 3 a 0 sobre a Venezuela, pela última rodada das eliminatórias da Copa do Mundo FIFA de 2006.[163] Novamente, mesmo participando das eliminatórias, não foi convocado para a Copa do Mundo FIFA de 2006.[164]

Pela Seleção Brasileira principal, Alex disputou 51 partidas, marcou 12 gols e deu 11 assistências.[11]

Despedida[editar | editar código-fonte]

Em março de 2015, Alex anunciou que faria seu jogo de despedida entre amigos no Allianz Parque, estádio do Palmeiras, no dia 28 de março.[165] No dia da entrevista coletiva a respeito do jogo, Alex recebeu uma placa do Palmeiras, agradecendo por seus serviços. Repleto de ídolos históricos, o jogo foi dividido entre os times Palmeiras de 1999 e Amigos do Alex. O jogo foi 5 a 3 para o Palmeiras de 99, com Alex marcando dois gols.[166]

Em maio do mesmo ano, o Cruzeiro confirmou que também realizaria partida de despedida de Alex do clube, no Mineirão, em 27 de junho.[167] Na data da partida festiva, antes de entrar em campo, Alex foi homenageado pelo clube e eternizou a marca dos pés no Hall da Fama do Mineirão.[168] Com a presença de vários ídolos celestes, a partida foi realizada entre os campeões da tríplice coroa (2003) e os ídolos eternos. Alex marcou um gol e os campeões da tríplice coroa venceram por 6 a 2.[169]

Engajamento[editar | editar código-fonte]

O ex-jogador apoiou e liderou o movimento Bom Senso F.C.[170]

Comentarista[editar | editar código-fonte]

No dia de sua aposentadoria, Alex passou a participar de um canal humorístico do YouTube, Desimpedidos.[171] Após gravar um vídeo de apresentação pelo canal, revelou que Marco Aurélio foi o o pior técnico com quem já trabalhou e Vanderlei Luxemburgo foi "o técnico mais gente boa". Disse também que nunca jogaria pelo Atlético Paranaense.

Em 12 de janeiro de 2015, Alex foi contratado pela ESPN para ser comentarista do programa esportivo, Linha de Passe.[172]

No dia 22 de dezembro de 2020, após quase seis anos como comentarista, Alex saiu da ESPN Brasil[173] para dar início a carreira como treinador.[174][175]

Carreira como treinador[editar | editar código-fonte]

No começo de 2021, Alex anunciou o início de sua carreira como técnico. O ex-jogador foi contratado pelo São Paulo no dia 27 de março, sendo anunciado para o comando da equipe Sub-20 do clube.[176]

No comando dos "Made in Cotia", Alex fez um ótimo trabalho em sua primeira temporada, chegando a final do Campeonato Brasileiro Sub-20. O São Paulo perdeu para o Internacional no jogo de ida por 2 a 0, no Beira-Rio, e empatou na volta por 1 a 1 no Morumbi, terminando com o vice da competição.[177]

A temporada de 2022 começou com a Copa São Paulo de Futebol Júnior (popularmente conhecida como Copinha).[178] O São Paulo acabou caindo no grupo 21, com os adversários CSE, Perilima e São Caetano. A equipe terminou ficando em primeiro lugar vencendo todos os jogos, com nove gols marcados e apenas um gol sofrido. Na segunda fase o time enfrentou o São Bernardo e acabou vencendo por 3 a 0, classificando-se para a próxima fase.[179] Já na terceira fase, a equipe enfrentou novamente o São Caetano e mais uma vez saiu vitoriosa por 3 a 0.[180][181] Após passar pelo Vasco da Gama com uma goleada de 4 a 2 nas oitavas de final,[182] o tricolor paulista venceu o Cruzeiro por 2 a 1 nas quartas.[183] O São Paulo de Alex foi eliminado da competição no dia 22 de janeiro, sendo derrotado pelo Palmeiras por 1 a 0 na semifinal.[184]

Títulos[editar | editar código-fonte]

Como jogador[editar | editar código-fonte]

Palmeiras
Cruzeiro
Fenerbahçe
Coritiba
Seleção Brasileira Sub-20
Seleção Brasileira Sub-23
Seleção Brasileira

Prêmios individuais[editar | editar código-fonte]

Coritiba
  • 1995 - Revelação do Campeonato Paranaense
  • 1997 - Melhor meia do Campeonato Paranaense
  • 2013 - Chuteira de Ouro do Campeonato Paranaense
  • 2013 - Craque do Campeonato Paranaense
  • 2013 - Melhor meia do Campeonato Paranaense
Palmeiras
  • 1998 - Artilheiro da Copa Mercosul - 6 gols
  • 2002 - Placa pelo gol marcado contra o São Paulo, após aplicar dois chapéus, sendo um no zagueiro e um no goleiro Rogério Ceni, na vitória do Palmeiras por 4 a 2 pelo Rio São Paulo de 2002[185][186]
Cruzeiro
  • 2002 - Melhor meia de Minas Gerais - Troféu Telê Santana
  • 2003 - Melhor meia de Minas Gerais - Troféu Guará (Rádio Itatiaia)
  • 2003 - Melhor jogador de Minas Gerais - Troféu Guará (Rádio Itatiaia)
  • 2003 - Bola de Prata (Revista Placar) - Melhor meia do Brasileiro
  • 2003 - Bola de Ouro (Revista Placar) - Melhor jogador do Brasileiro
  • 2003 - Jogador com mais assistências do Campeonato Brasileiro
  • 2003 - Melhor jogador de Minas Gerais - Troféu Telê Santana
  • 2003 - Placa no Mineirão, após gol por cobertura contra o São Caetano, na 1ª rodada do Brasileirão de 2003. O goleiro da equipe paulista era Silvio Luiz. A partida terminou em 2 a 2.[187]
  • 2009 - Calçada da Fama do Mineirão[188]
Fenerbahçe
  • 2005 - Melhor jogador do Campeonato Turco
  • 2007 - Artilheiro do Campeonato Turco com 19 gols
  • 2007 - Melhor jogador do Campeonato Turco
  • 2008 - Jogador com mais assistências da Liga dos Campeões da UEFA
  • 2010 - Melhor jogador do Campeonato Turco
  • 2012 - Melhor jogador da final da Copa da Turquia, com 1 gol e 3 assistências

Referências

  1. Gabriel Hamilko (18 de outubro de 2012). «Após 15 anos, 'Menino de Ouro' Alex é recebido com festa na volta ao Coxa». GloboEsporte.com. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  2. «Alex, o talento azul, comparece à Bienal do Livro, em BH». TV Alterosa. 21 de abril de 2016. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  3. «Alex 'Cabeção' ganha estátua no Fenerbahçe». Rede TV!. 15 de setembro de 2012. Consultado em 27 de maio de 2016 
  4. «Profesör sözü biraz abartı» (em turco). Fanatik. 6 de novembro de 2009. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  5. «Kariyerinden 17 Madde ile Alex de Souza Efsanesi» (em turco). Onedio.com. Consultado em 20 de janeiro de 2022 
  6. «Intimidade de Alex». Cultura Mix. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  7. «Ídolo em 3 clubes e 'Deus' na Turquia mesmo sem ir a uma Copa: o que o futebol perde sem Alex». ESPN Brasil. 8 de dezembro de 2014. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  8. a b «Alex ganha estátua do Fenerbahçe e se emociona: 'O que eu fiz para isso?'». GloboEsporte.com. 15 de setembro de 2012. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  9. Leandro Beguoci (7 de dezembro de 2014). «O incrível número que coloca Alex à frente de Ronaldo Fenômeno». Trivela. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  10. a b «Os números da carreira de Alex: 999 jogos, 412 gols, 18 títulos... Veja todos!». Extra. 19 de fevereiro de 2014. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  11. a b c d «Os números da carreira de Alex: 999 jogos, 412 gols, 18 títulos... Veja todos!». Terra. 19 de fevereiro de 2014. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  12. «"Alex, o Menino de Ouro do Alto da Glória"». Gazeta do Povo. 29 de outubro de 2012. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  13. «Palmeiras apresenta reforços». Folha de S.Paulo. 5 de julho de 1997. Consultado em 10 de maio de 2020 
  14. Diego Garcia (21 de maio de 2010). «A Era Parmalat, época mais vitoriosa da história palmeirense». Terra. Consultado em 10 de maio de 2020 
  15. Wemerson Ribeiro (23 de novembro de 2018). «Palmeiras de Felipão perdeu o título do Brasileiro contra o Vasco em 1997». R7. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  16. «Palmeiras empata com Boca e passa à semifinal da Mercosul». Folha de S.Paulo. 5 de novembro de 1998. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  17. «Alex dá nova vitória ao Palmeiras». UOL. Consultado em 14 de junho de 2020 
  18. «Copa Mercosul Curiosidades». Folha de S.Paulo. Consultado em 11 de maio de 2020 
  19. a b «Convocação para seleção impulsiona palmeirenses». Folha de S.Paulo. 13 de setembro de 1998. Consultado em 10 de maio de 2020 
  20. «Palmeiras conquista a Libertadores pela primeira vez e vai a Tóquio». Folha de S.Paulo. Consultado em 11 de maio de 2020 
  21. «Palmeiras vence e faz decisão caseira». Folha de S.Paulo. Consultado em 14 de junho de 2020 
  22. «Especial Libertadores-99: Palmeiras 3 x 0 River Plate, em 26/05/1999». Nosso Palestra. Consultado em 11 de maio de 2020 
  23. «Palmeiras é 2º brasileiro mais premiado na história da seleção da América». UOL. Consultado em 11 de maio de 2020 
  24. Diego Salgado e Leandro Miranda (30 de março de 2018). «Há 19 anos, última final Corinthians x Palmeiras acabou em briga histórica». UOL. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  25. «Há 20 anos, Alex estreava pelo Palmeiras». Verdão Web. Consultado em 17 de junho de 2020 
  26. «Luxemburgo convoca para copa das confederações». Folha de Londrina. Consultado em 11 de maio de 2020 
  27. a b «'Laboratório' com poucas novidade em 1999». O Globo. Consultado em 11 de maio de 2020 
  28. Francisco De Laurentiis (29 de novembro de 2019). «Mark Bosnich, ex-goleiro do Manchested United: 'Palmeiras merecia ter vencido Mundial de 1999'». ESPN Brasil. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  29. «Futebol brasileiro tomba de novo». Folha de S.Paulo. Consultado em 11 de maio de 2020 
  30. a b «Há 20 anos, Brasil vencia pré olímpico de futebol em Londrina». Folha de Londrina. Consultado em 11 de maio de 2020 
  31. «Alex retorna e elimina o Corinthians». Folha de S.Paulo. 10 de fevereiro de 2000. Consultado em 11 de maio de 2020 
  32. «Palmeiras vence Botafogo e é finalista do Rio-SP». Folha de Londrina. 22 de fevereiro de 2000. Consultado em 11 de maio de 2020 
  33. «Alex constrói vitória sobre Vasco, e Palmeiras ganha o Rio-SP». Folha de S.Paulo. 2 de março de 2000. Consultado em 11 de maio de 2020 
  34. Fernão Ketelhuth (1 de março de 2020). «Campeões do Rio-São Paulo relembram conquista do penta interestadual há 20 anos». Site oficial do Palmeiras. Consultado em 14 de maio de 2020 
  35. «Palmeiras elimina Corinthians da Libertadores nos pênaltis». UOL. 6 de junho de 2000. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  36. «Há 20 anos, Palmeiras eliminava o Corinthians nos pênaltis e chegava à final da Libertadores». Gazeta Esportiva. 6 de junho de 2020. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  37. «Há 16 anos, Marcos eliminou o Corinthians pela primeira vez na Libertadores». UOL. 12 de maio de 2015. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  38. «Boca quebra hegemonia brasileira na Libertadores». Folha Online. 21 de junho de 2000. Consultado em 15 de junho de 2020 
  39. «Alex é só alegria». Placar Magazine. Consultado em 11 de maio de 2020 
  40. Marco Borba (30 de junho de 2000). «Alex fecha acordo com o Parma». Diário do Grande ABC. Consultado em 7 de maio de 2020 
  41. a b c «Sonho, sono ou pesadelo?». Placar Magazine. Consultado em 10 de maio de 2020 
  42. «Alex recorda passagem pelo Flamengo: 'Não recebi e ainda saí pagando». Esporte Interativo. Consultado em 8 de maio de 2020 
  43. «Campeonato Paulista 2001». BOLA N@ ÁREA. Consultado em 15 de junho de 2020 
  44. «Palmeiras garante empate de 2 a 2 com Boca no La Bombonera». Folha de S.Paulo. Consultado em 15 de junho de 2020 
  45. «Boca Juniors repete 2000 e elimina o Palmeiras nos pênaltis». Folha de S.Paulo. Consultado em 15 de junho de 2020 
  46. Thiago Ferri (25 de abril de 2018). «'Vítima' de Ubaldo Aquino, ex-volante relembra jogo de 2001: 'Um absurdo'». LANCE!. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  47. João Carlos Botelho (28 de junho de 2001). «Parma define a saída de Alex do Palmeiras para retornar à Europa». Folha de S.Paulo. Consultado em 7 de maio de 2020 
  48. Ranier Bragon (9 de agosto de 2001). «Cruzeiro desiste de vez de Marcelinho e contrata por um ano Alex, ex-Palmeiras». Folha de S.Paulo. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  49. «Alex, o craque que brilhou e fez história com a camisa do Cruzeiro». ND+. Consultado em 8 de maio de 2020 
  50. «Alex começa a briga para cassar liminar do Parma». Terra. Consultado em 10 de maio de 2020 
  51. «Alex ganha o direito de voltar a jogar». NSC Total. Consultado em 10 de maio de 2020 
  52. «Alex é suspenso por tempo indeterminado». Folha de S.Paulo. 7 de dezembro de 2001. Consultado em 7 de junho de 2022 
  53. Filipe Rodrigues (8 de dezembro de 2014). «Treinador lembra dispensa de Alex do Cruzeiro em 2001: "Mal entendido"». GloboEsporte.com. Consultado em 7 de junho de 2022 
  54. «A complicada passagem de Alex pelo Parma». O Curioso do futebol. 15 de setembro de 2017. Consultado em 8 de maio de 2020 
  55. Bruno Bonsanti (26 de maio de 2016). «Alex lembra calvário no Parma: "Tentaram destruir minha carreira de qualquer maneira"». Trivela. Consultado em 7 de junho de 2022 
  56. «"Noite histórica para mim": Alex e Palmeiras lembram aniversário de gol de placa em Rogério Ceni». GloboEsporte.com. 20 de março de 2020. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  57. Gabriel Amorim (20 de março de 2018). «Gol antológico de Alex contra o São Paulo completa 16 anos». Nosso Palestra. Consultado em 22 de fevereiro de 2020 
  58. «José Silvério revela qual gol mais bonito que narrou na carreira». Torcedores.com. 20 de agosto de 2015. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  59. a b Daniel Almeida (24 de julho de 2018). «Opinião: Alex foi o jogador mais injustiçado na seleção brasileira». Torcedores.com. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  60. a b Guilherme Moreira (7 de dezembro de 2014). «Adeus, Alex - Parte 8: assim como Zico, azar da Copa». Terra. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  61. a b Ana Helena Goebel (5 de dezembro de 2014). «Craques do futebol lamentam fim dos camisas 10: "A fábrica de Alex fechou"». GloboEsporte.com. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  62. a b «Alex: injustiçado e iluminado». Gazeta do Povo. 25 de janeiro de 2013. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  63. a b «Professor Alex Ídolo do Palmeiras fala de passado (quase) corintiano, briga com CBF e certeza de que disputaria a Copa-2002». UOL. 12 de abril de 2019. Consultado em 7 de junho de 2022 
  64. «Triste, meia Alex se despede do Palmeiras». Folha de S.Paulo. 10 de maio de 2002. Consultado em 7 de junho de 2022 
  65. «A complicada passagem de Alex pelo Parma». O Curioso do Futebol. 15 de setembro de 2017. Consultado em 7 de maio de 2020 
  66. Bruno Bonsanti (26 de maio de 2016). «Alex lembra calvário no Parma: "Tentaram destruir minha carreira de qualquer maneira"». Trivela. Consultado em 7 de maio de 2020 
  67. «Alex nas cabeças (Pág 36)». Placar Magazine. Consultado em 8 de maio de 2020 
  68. «Luxemburgo ganha reforço de Alex no Cruzeiro». Folha de S.Paulo. 12 de setembro de 2002. Consultado em 7 de junho de 2022 
  69. «Cruzeiro contrata Alex». Tribuna do Paraná. 13 de setembro de 2002. Consultado em 7 de junho de 2022 
  70. «Como se faz um campeão (Alex 2, a missão) - Pág 23». Placar Magazine. Consultado em 12 de maio de 2020 
  71. «Alex se despede do Cruzeiro com jogo entre Tríplice Coroa e Ídolos Eternos». Gazeta Esportiva. 27 de junho de 2015. Consultado em 7 de junho de 2022 
  72. Henrique André (9 de março de 2018). «Vanderlei Luxemburgo aposta em Brasil, Argentina e França na Copa do Mundo». Hoje em Dia. Consultado em 7 de junho de 2022 
  73. «Zinho relembra liderança e exalta auge de Alex no Brasileiro de 2003». ESPN Brasil. 30 de novembro de 2013. Consultado em 7 de junho de 2022 
  74. «Luxemburgo, Alex e diretoria do Cruzeiro dão a volta por cima». Folha de S.Paulo. 1 de dezembro de 2003. Consultado em 7 de junho de 2022 
  75. a b c «Veja a participação de Alex na conquista da Tríplice Coroa pelo Cruzeiro». Felleger. Consultado em 12 de maio de 2020 
  76. «Golaço de cobertura, rebote e assistência de letra; Alex foi o craque do Cruzeiro x Atlético de 2003». ESPN Brasil. 30 de março de 2017. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  77. «Primeiro título da Tríplice Coroa completa dez anos neste sábado». Site oficial do Cruzeiro. 16 de março de 2013. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  78. «Cruzeiro 4 x 0 Tupi». Cruzeiro.org. Consultado em 12 de maio de 2020 
  79. «Cruzeiro empata com o Vasco e está nas semifinais da Copa do Brasil». UOL. 14 de maio de 2003. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  80. «Atlético-MG e Cruzeiro duelam em clássico histórico na Copa do Brasil». Confederação Brasileira de Futebol. 11 de julho de 2019. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  81. «Flamengo e Cruzeiro empatam em 1 a 1 no primeiro jogo da decisão». NSC Total. Consultado em 12 de maio de 2020 
  82. Felipe David e Vinicius Faustini (6 de setembro de 2017). «LANCE! relembra histórico de Fla e Cruzeiro na Copa do Brasil. É hora do tira-teima». LANCE!. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  83. «Cruzeiro vence Copa do Brasil de 2003 sobre o Flamengo com show de Alex; relembre!». ESPN Brasil. 12 de outubro de 2012. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  84. «Cruzeiro bate Flamengo e conquista o tetracampeonato». NSC Total. 11 de junho de 2003. Consultado em 7 de junho de 2022 
  85. «Parreira completa lista de jogadores para a Copa das Confederações». Imirante Esporte. Consultado em 12 de maio de 2020 
  86. «Cruzeiro é o campeão Brasileiro em 2003». Imirante Esporte. 1 de dezembro de 2003. Consultado em 7 de junho de 2022 
  87. «Cruzeiro é campeão Brasileiro de 2003». Estadão. 30 de novembro de 2003. Consultado em 7 de junho de 2022 
  88. «Alex, o craque que brilhou e fez história com a camisa do Cruzeiro». Terra. 7 de dezembro de 2014. Consultado em 7 de junho de 2022 
  89. «Relembre os gols de cobertura que Alex fez no Cruzeiro». Globoplay. 14 de novembro de 2013. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  90. «Alex relembra golaço contra o Fluminense feito em 2003». Hoje em Dia. Consultado em 12 de maio de 2020 
  91. «Centenário, Cruzeiro goleia Bahia por 7 a 0 com cinco de Alex». Folha de S.Paulo. 14 de dezembro de 2003. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  92. «Bola de Prata Placar 2003». Placar. 7 de agosto de 2015. Consultado em 12 de maio de 2020 
  93. Henrique Munhos (4 de dezembro de 2015). «Por sonho de criança, Alex comprava revista no aeroporto em ano que ganhou Bola de Ouro». ESPN Brasil. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  94. «Valeu, Alex! CONFIRA os números da carreira do jogador». Terra. 7 de dezembro de 2014. Consultado em 12 de maio de 2020 
  95. «Times históricos: Cruzeiro de 2003». VEJA. 4 de janeiro de 2017. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  96. Marcelo de Paula Dieguez. «Entrevista Exclusiva de Alex para O Historiador Marcelo Dieguez». www.marcelodieguez.com.br. Consultado em 19 de dezembro de 2014 
  97. «Alex não se "esquiva" e elege o melhor time em que jogou: "Se identificava com a minha forma de entender e jogar futebol"». Fox Sports. Consultado em 12 de maio de 2020 
  98. «'O Cruzeiro de 2003 foi o melhor time que eu joguei', recorda Alex». O Tempo. 9 de abril de 2020. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  99. «Em 2004, Cruzeiro é campeão Mineiro mesmo perdendo o segundo jogo para o Atlético MG». GloboEsporte.com. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  100. «Cruzeiro vence e inverte vantagem na decisão do Mineiro». UOL. 11 de abril de 2004. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  101. «Alex fará sua despedida no Cruzeiro. Confira seus números.». Felleger. Consultado em 12 de maio de 2020 
  102. Josias Pereira (18 de abril de 2019). «Com Fred, Cruzeiro pode ter dobradinha no Mineiro que não vem desde Alex». O Tempo. Consultado em 12 de maio de 2020 
  103. «Cruzeiro perde três pênaltis e está fora da Copa Libertadores». UOL. 13 de maio de 2004. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  104. «Nos pênaltis, Cruzeiro é eliminado da Libertadores em pleno Mineirão». Folha de S.Paulo. 13 de maio de 2004. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  105. «Na despedida de Gusmão, Cruzeiro bate o Palmeiras». UOL. 16 de maio de 2004. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  106. a b Daniel Tozzi (5 de junho de 2004). «Alex confirma acordo com o Fenerbahçe , da Turquia». UOL. Consultado em 7 de junho de 2022 
  107. «Alex se despede do Cruzeiro para jogar na Turquia». UOL. 7 de junho de 2004. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  108. «Brasil consegue empate no final e vence Copa América nos pênaltis». Folha de S.Paulo. 25 de julho de 2004. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  109. «Alex deixa o Cruzeiro e acerta com o Fenerbahce». Terra. 4 de junho de 2004. Consultado em 4 de março de 2020 
  110. «Com gol de Márcio Nobre, Fenerbahçe, de Alex, é campeão turco». UOL. 22 de maio de 2005. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  111. «Em ritmo de despedida, Alex se rende ao ídolo Zico: 'É uma lenda viva'». ESPN Brasil. 3 de dezembro de 2014. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  112. «Campeonato Turco: história, maiores campeões e artilheiros». Esportelândia. Consultado em 12 de maio de 2020 
  113. a b Thiago Barros (18 de maio de 2011). «Apesar dos números 'absurdos', Alex rejeita rótulo de ídolo no Fenerbahçe». GloboEsporte.com. Consultado em 13 de maio de 2020 
  114. «Fenerbahçe conquista a Supercopa turca». Trivela. 5 de agosto de 2007. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  115. Menon (18 de janeiro de 2013). «Alex: "Quem me viu aos 23 anos não vai notar que tenho 35″». Trivela. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  116. Márvio dos Anjos (8 de abril de 2008). «Fenerbahce, de Zico, busca semifinal da Liga dos Campeões». UOL. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  117. «Chelsea acaba com sonho do Fenerbahçe». GloboEsporte.com. 8 de abril de 2008. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  118. «Chelsea elimina o Fenerbahce, de Zico, e chega à semifinal da Liga». UOL. 8 de abril de 2008. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  119. «Liga dos Campeões 2007/08». oGol. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  120. «Alex brilha, marca duas vezes e ajuda o Fener a ser campeão da Supercopa». GloboEsporte.com. 2 de agosto de 2009. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  121. «Alex, ex-Coritiba, é artilheiro e campeão turco». Gazeta do Povo. 23 de maio de 2011. Consultado em 12 de maio de 2020 
  122. «Com show de Alex e gol de ex-corintiano, Fenerbahce conquista título da Copa da Turquia». UOL. 16 de maio de 2012. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  123. «Perto de ser o maior artilheiro na Turquia, Alex é barrado por ex-jogador dono do recorde». UOL. 25 de agosto de 2012. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  124. «Em cerimônia neste sábado, Alex ganha estátua no Fenerbahce». Terra. 15 de setembro de 2012. Consultado em 22 de fevereiro de 2020 
  125. «Homenageado com estátua na Turquia, Alex chora e agradece à torcida do Fenerbahçe». UOL. 15 de setembro de 2012. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  126. «Após ser afastado do Fenerbahçe, Alex rescinde contrato com o clube». GloboEsporte.com. 1 de outubro de 2012. Consultado em 7 de junho de 2022 
  127. «Após 8 anos, Alex é dispensado do Fenerbahçe». Placar. 1 de outubro de 2012. Consultado em 7 de junho de 2022 
  128. «Através do Twitter, Alex anuncia rescisão de contrato com o Fenerbahce». iG. 1 de outubro de 2012. Consultado em 4 de março de 2020 
  129. «Torcida se revolta com a saída de Alex do Fenerbahçe». Gazeta do Povo. 2 de outubro de 2012. Consultado em 4 de março de 2020 
  130. «Torcida do Fener vira noite na porta de Alex e queima foto de presidente». GloboEsporte.com. 2 de outubro de 2012. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  131. «Valeu, Alex! Confira os número da carreira do jogador». O Globo. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  132. Fernando Freire (13 de outubro de 2012). «Torcida do Coritiba recebe Alex, que promete anunciar futuro em dez dias». GloboEsporte.com. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  133. «Em Curitiba, Alex é recebido com festa e revela decisão em dez dias». CidadeVerde.com. 13 de outubro de 2012. Consultado em 22 de fevereiro de 2020 
  134. «Alex acerta retorno ao Coritiba e será apresentado nesta quinta». iG. 17 de outubro de 2012. Consultado em 7 de maio de 2020 
  135. «Alex chega de helicóptero e é recepcionado por 5 mil no Coritiba». Terra. 18 de outubro de 2012. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  136. Gabriel Hamilko (12 de maio de 2013). «Alex faz dois, e Coritiba leva o quarto estadual seguido sobre o Atlético-PR». GloboEsporte.com. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  137. «Alex faz dois e Coxa conquista o tetra estadual diante do Furacão». Superesportes. 12 de maio de 2013. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  138. Gabriel Hamilko (12 de maio de 2013). «Alex marca dois gols, chega a 15 e fecha Estadual na artilharia isolada». GloboEsporte.com. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  139. «Ídolo do Coxa, Alex contruiu lenda rara no futebol». Tribuna PR. Consultado em 12 de maio de 2020 
  140. «Caneta, passe e gol: Alex comanda vitória do líder Coritiba sobre o Flu». GloboEsporte.com. 6 de junho de 2013. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  141. «Com gol histórico de Alex, Coritiba vence Fluminense e assume ponta do Brasileiro». Superesportes. 6 de junho de 2013. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  142. Lincoln Chaves (21 de julho de 2013). «Em tarde inspirada, Alex marca dois, e Coritiba empata com Santos na Vila». GloboEsporte.com. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  143. «Alex marca golaço de bicicleta no fim e evita derrota do Coritiba contra o Bahia». iG. Consultado em 12 de maio de 2020 
  144. «Coritiba 'atrapalha festa', vence Atlético e garante permanência na Série A». UOL. 30 de novembro de 2014. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  145. «Nas redes sociais, Alex afirma que vai se aposentar e agradece clubes». O Tempo. 1 de dezembro de 2014. Consultado em 19 de dezembro de 2014 
  146. «Coritiba vira no fim, 'salva' despedida de Alex e confirma queda do Bahia». UOL. Consultado em 12 de maio de 2020 
  147. Monique Silva (8 de dezembro de 2014). «Homenagens e lágrimas: veja os detalhes do adeus de Alex ao futebol». GloboEsporte.com. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  148. João Carlos Assumpção (24 de setembro de 1998). «Luxemburgo faz sua estréia sob vaias». Folha de S.Paulo. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  149. «Brasil joga bem e vence Letônia por 3 a 0». Folha de Londrina. 25 de junho de 1999. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  150. «Brasil é bi na Copa América; Luxemburgo ganha 1º título». Folha de S.Paulo. 19 de julho de 1999. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  151. «Campeão com empate». UOL. 6 de fevereiro de 2000. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  152. «Brasil perde na morte súbita e está fora da Olimpíada». Folha de S.Paulo. 23 de setembro de 2000. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  153. «Brasil surpreende, vence Argentina e dá "respiro" a Luxemburgo». Folha de S.Paulo. 26 de julho de 2000. Consultado em 7 de junho de 2022 
  154. «Felipão muda lista e chama Mauro Silva para Copa América». Terra. 6 de julho de 2001. Consultado em 7 de junho de 2022 
  155. Guilherme Azevedo (3 de junho de 2021). «Há 20 anos, Copa América conturbada teve vexame da seleção brasileira». Placar. Consultado em 7 de junho de 2022 
  156. Lello Lopes (23 de julho de 2001). «Brasil perde para Honduras e é eliminado da Copa América». UOL. Consultado em 13 de maio de 2020 
  157. «Argentina confirma boicote à Copa América». Folha de S.Paulo. 10 de julho de 2001. Consultado em 7 de junho de 2022 
  158. «Parreira anuncia lista de convocados para Copa das Confederações». Agência Brasil. 3 de junho de 2003. Consultado em 7 de junho de 2022 
  159. «Brasil empata e está eliminado da Copa das Confederações». UOL. 23 de junho de 2003. Consultado em 7 de junho de 2022 
  160. «Parreira deixa estrelas de fora na convocação para a Copa América». UOL. 9 de junho de 2004. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  161. «Nos pênaltis, Brasil vence Argentina e conquista Copa América». GloboEsporte.com. 25 de julho de 2004. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  162. «Machucado, Alex é cortado da Copa das Confederações». Folha de S.Paulo. 31 de maio de 2005. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  163. Evandro César Lopes (12 de outubro de 2005). «Brasil vence no adeus e fecha eliminatórias com ego no alto». UOL. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  164. Flávio Augusto Laginski (15 de maio de 2006). «Parreira divulga lista dos convocados para Copa». Tribuna PR. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  165. Ana Luzia Mikos (9 de março de 2015). «Alex fará jogo de despedida pelo Palmeiras». Gazeta do Povo. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  166. «Alex dá show em despedida e Palmeiras de 99 vence jogo-homenagem». UOL. 28 de março de 2015. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  167. Marco Antônio Astoni e Tayrane Corrêa (29 de maio de 2015). «Cruzeiro e Alex confirmam jogo de despedida do grande ídolo de 2003». GloboEsporte.com. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  168. «Alex se despede do Cruzeiro e é eternizado no Hall da Fama do Mineirão». UOL. 27 de junho de 2015. Consultado em 14 de maio de 2020 
  169. «Craques de várias gerações do Cruzeiro entraram no gramado do Mineirão, na tarde deste sábado, em jogo festivo que marcou a despedida do ex-jogador Alex com a camisa celeste.». Itatiaia. 9 de agosto de 2016. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  170. Ana Helena Goebel (28 de maio de 2015). «Líder do Bom Senso FC, Alex espera que investigações mudem a CBF». GloboEsporte.com. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  171. «ALEX ASSINA COM DESIMPEDIDOS #ALEXDAZUEIRA». Trendolizer. 12 de dezembro de 2014. Consultado em 19 de dezembro de 2014 
  172. «Comentarista Alex agradece ESPN Brasil e diz: 'Espero aprender'». ESPN Brasil. 12 de janeiro de 2015. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  173. «Alex se despede da ESPN no 'Resenha' para começar carreira de treinador de futebol». LANCE!. 22 de dezembro de 2020. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  174. «Ídolo do Cruzeiro, Alex anuncia que será técnico a partir de 2021». Superesportes. 23 de novembro de 2020. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  175. Leonardo Miranda (1 de dezembro de 2020). «Resgate das triangulações e olhar para o ser humano: as ideias de Alex como treinador». GloboEsporte.com. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  176. Gabriel Santos (20 de março de 2021). «São Paulo fecha contratação de Alex para ser técnico do Sub-20». LANCE!. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  177. «Campeão! Internacional empata com o São Paulo e conquista o Brasileiro Sub-20». Gazeta Esportiva. 28 de novembro de 2021. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  178. «Copa São Paulo de Futebol Júnior volta em 2022 e estreia com quatro jogos neste domingo (2)». TV Cultura. 2 de janeiro de 2022. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  179. Rafaela Cardoso (13 de janeiro de 2022). «São Paulo vence o EC São Bernardo e avança à terceira fase da Copinha». LANCE!. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  180. Rafaela Cardoso (15 de janeiro de 2022). «São Paulo vence o São Caetano por 3 a 0 e garante vaga nas oitavas de final da Copinha». LANCE!. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  181. «São Paulo bate São Caetano e encara Vasco nas oitavas de final da Copinha». Terra. 16 de janeiro de 2022. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  182. «São Paulo toma susto, mas vence Vasco nas oitavas da Copinha». Terra. 17 de janeiro de 2022. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  183. «Copinha: São Paulo vence o Cruzeiro e avança para semifinal». Terra. 20 de janeiro de 2022. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  184. «Palmeiras derrota São Paulo e vai à final da Copinha em jogo com invasão de torcida com faca». Terra. 22 de janeiro de 2022. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  185. Daniel Batista (27 de março de 2015). «Palmeiras premia golaços de Robinho e Alex com placa». Estadão. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  186. «Em dia de homenagens, Alex e Robinho ganham placas por golaços sobre Ceni». ESPN Brasil. 27 de março de 2015. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 
  187. Anderson Olivieri (18 de abril de 2014). «Alex, o último gênio celeste». Blog do Olivieri. Consultado em 19 de dezembro de 2014. Arquivado do original em 19 de dezembro de 2014 
  188. «Alex, ainda ídolo, coloca pés na calçada da fama do Mineirão». UOL. 24 de junho de 2009. Consultado em 12 de fevereiro de 2022 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Alexsandro de Souza