Guilherme de Cássio Alves

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Guilherme Alves
Informações pessoais
Nome completo Guilherme de Cássio Alves
Data de nasc. 5 de agosto de 1974 (43 anos)
Local de nasc. Marília, São Paulo (SP),  Brasil
Nacionalidade brasileira
Altura 1, 83 m
Destro
Apelido Gui Alves
Matador
Informações profissionais
Período em atividade Como jogador: 19922005 (13 anos)
Como técnico: 2007presente (9 anos)
Equipa atual sem clube
Posição ex-Atacante
Função Técnico
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos)
1992
19931994
19941997
19971998
19981999
19992003
2002
2003
2004
2005
19922005
Brasil Marília
Brasil São Paulo
Espanha Rayo Vallecano
Brasil Grêmio
Brasil Vasco da Gama
Brasil Atlético Mineiro
Brasil Corinthians (emp.)
Arábia Saudita Al-Ittihad
Brasil Cruzeiro
Brasil Botafogo
Total
000? 000(12)
000? 000(18)
00089 00(37)
00046 00(38)
00028 00(14)
00205 0(139)
00019 00(13)
000? 000(6)
00039 00(14)
00021 000(6)
00437 0(270)
Seleção nacional
20002001 Brasil Brasil 00006 000(1)
Times/Equipas que treinou
2007
2010
2011
2012
20132016
2016
2017
Brasil Marília (auxiliar)
Brasil Atlético Mineiro (auxiliar)
Brasil Ipatinga
Brasil Marília
Brasil Grêmio Novorizontino
Brasil Vila Nova
Brasil Linense
0000 000
0000 000
0000 000
00001 000(0)
00017 000(7)
00028 00(12)
00006 000(2)
Última atualização: 22 de fevereiro de 2017.

Guilherme de Cássio Alves, mais conhecido como Guilherme Alves, ou simplesmente Guilherme (Marília, 5 de agosto de 1974), é um ex-futebolista e atual técnico brasileiro que atuava como atacante. Ficou famoso no Atlético Mineiro entre 1999 e 2003 e encerrou a carreira com apenas 31 anos, devido a problemas cardíacos e lesões. Atualmente está sem clube.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Começou a carreira profissional no Marília em 1992. O artilheiro despertou a atenção de Telê Santana, então técnico do São Paulo, e alguns dirigentes do clube, que o contrataram.

Acertou com o clube paulista em 1993. Logo no primeiro ano, foi campeão da Supercopa da Libertadores, Libertadores e da Copa Intercontinental. No ano seguinte, ajudou o tricolor em mais duas conquistas sul-americanas oficiais, a Copa Conmebol e a Recopa Sul-Americana.

Deixou o São Paulo em 1995, negociado com o Rayo Vallecano, da Espanha.

Em 1997 retornou ao Brasil para defender o Grêmio, onde permaneceu até o fim da Taça Libertadores da América de 1998.

No segundo semestre de 1998 foi defender o Vasco da Gama, mas por ter atuado pelo Grêmio, não pôde ser inscrito pelo clube cruzmaltino para a disputa do Campeonato Brasileiro do mesmo ano. Porém, em 1999, foi artilheiro do Torneio Rio-São Paulo, campeonato que o ajudou seu time a conquista.

Ainda em 1999, transferiu-se para o Atlético Mineiro. E foi lá, no time das Alterosas, que o centroavante viveu seu melhor momento na carreira. No Brasileirão daquele ano, Guilherme foi artilheiro e conduziu o time à final do campeonato. O Atlético Mineiro acabou com o vice-campeonato.

Em 2002, foi para o Corinthians. Emprestado pelo Galo, o atacante chegou ao clube do Parque São Jorge para a disputa do Brasileirão. Logo em sua estreia, em jogo contra o Internacional, no Pacaembu, Guilherme provou que continuava com faro de gol. Ele marcou dois contra o Colorado na vitória corintiana por 3 a 2.

No entanto, a passagem de Guilherme pelo Corinthians não ficou marcada apenas por gols. Em outubro, o jogador se envolveu, próximo à cidade de Marília, num grave acidente automobilístico que resultou na morte de duas pessoas.[1] Em fevereiro de 2005, por conta deste acidente, ele foi condenado por homicídio culposo (sem intenção de matar), lesões corporais e falsidade ideológica, a cinco anos e quatro meses de prisão em regime semi-aberto.[2] Psicologicamente abalado, não voltou a jogar o mesmo futebol no Corinthians, que acabou sendo vice-campeão brasileiro daquele ano.

Retornou ao clube mineiro e pouco tempo depois deixou o país mais uma vez para defender o Al-Ittihad, da Arábia, onde ficou por apenas uma temporada.

Declínio[editar | editar código-fonte]

Em 2004, já não conseguindo demonstrar o mesmo faro para gols, surpreendeu e foi para o maior rival do Atlético, o Cruzeiro, clube pelo qual voltou a ser campeão Mineiro e fez 13 gols em 39 partidas durante toda a temporada. Sofrendo por lesões naquela temporada deixou o clube azul e foi para o Botafogo em 2005.

Ao lado de Ramon Menezes, teve seu salário pago pela Kappa. Embora tenha sido o artilheiro do clube no Campeonato Carioca com 5 gols, Guilherme era perseguido pela torcida pela pouca mobilidade nos jogos do clube e pela ausência de gols no restante da temporada. Uma lesão o afastou do time e prejudicou ainda mais sua passagem pelo time. Voltou ao final daquele ano, mas não permaneceu para a temporada seguinte, pois encerrou sua carreira nos gramados após se contundir.

Auxiliar técnico e treinador[editar | editar código-fonte]

No começo de 2006, o atacante estava se recuperando no Corinthians, mas uma outra séria lesão na coxa o afastou de vez dos gramados. Guilherme então foi convidado pelo Marília, no início de 2007, para ocupar o cargo de auxiliar-técnico. Permaneceu no cargo até o término do Campeonato Brasileiro da Série B de 2007.

Em 2010 exerceu o cargo de auxiliar técnico do Atlético, juntamente com Nei Pandolfo e Freddy Rincón permanecendo no cargo até a saída do então treinador do clube Vanderlei Luxemburgo. No dia 15 de fevereiro de 2011, foi anunciado como treinador do Ipatinga, onde permaneceu até o termino do Mineiro de 2011. em 2012, retornou novamente ao Marília, só que como treinador principal

Grêmio Novorizontino[editar | editar código-fonte]

No final de 2013, Guilherme foi apresentado como novo treinador do Grêmio Novorizontino chegando como um dos principais responsáveis com a ascensão do Marília para a série A2 do Paulistão. Com sua chegada, houve grande reformulação no elenco do Tigre do Vale e Guilherme conquistou não só o acesso para a Série A2 como também conquistou o título da divisão sobre o Independente.

Guilherme renovou contrato com o clube e comandou a equipe durante a Série A2 de 2015.[3] Em 01 de junho de 2016, após quase três anos no comando do Grêmio Novorizontino, Guilherme Alves deixou o comando do clube, pois a equipe não teria calendário para o segundo semestre do ano. O treinador que completaria três anos de trabalho no Novorizontino, fez história no clube com seus belos trabalhos, conquistas, acessos e fidelidade à diretoria, pois durante competições tanto da Série A2 de 2015 e Paulistão de 2016 o treinador recebeu propostas de outros clubes, mas permaneceu.[4]

Vila Nova-GO[editar | editar código-fonte]

Guilherme Alves, não permaneceu sem clube por muito tempo, no mesmo mês de junho de 2016, ele foi confirmado como novo treinador do Vila Nova-GO, ele chega em momento conturbado, a equipe somou apenas sete pontos e está à beira da zona de rebaixamento após oito rodadas de Série B.[5] Ele fez boa campanha levando o clube a ser postulante à uma das vagas para a Série A do Campeonato Brasileiro 2017, conseguindo importantes pontos fora de casa com vitórias contra Vasco, Bahia e Paraná, mas perdendo pontos preciosos em seus domínios, contra CRB, Criciúma e Londrina, o que custou caro às pretensões do Tigrão na competição. Após receber uma proposta do futebol paulista em novembro, Guilherme Alves acabou deixando o comando do Vila Nova-GO.[6]

Linense[editar | editar código-fonte]

No dia 09 de novembro de 2016, o Linense confirmou Guilherme Alves como novo treinador da equipe para o Paulistão de 2017, o treinador irá cumprir o seu contrato com o clube anterior até o fim da Série B, e após o término da competição se apresentará no novo clube visando a próxima temporada.[7] Guilherme Alves deixou o comando do Linense em 20 de fevereiro de 2017, ele deixou o time com três pontos no Grupo B, apenas a um da Ferroviária, primeiro na zona de classificação à próxima fase do Paulistão.[8]

Seleção brasileira[editar | editar código-fonte]

Guilherme disputou seis partidas pela Seleção Brasileira em 2000 e 2001, marcando um gol, numa partida contra a Seleção Peruana, no dia 15 de julho de 2001.

Títulos[editar | editar código-fonte]

São Paulo
Vasco
Atlético Mineiro
Cruzeiro

Artilharias[editar | editar código-fonte]

Vasco
Atlético Mineiro
  • É o sétimo maior artilheiro da história do Clube Atlético Mineiro com 139 gols e foi recentemente homenageado junto a outros atletas que nesses 100 anos de história conquistaram títulos, artilharias, recordes de partidas, entre outros feitos.

Referências

  1. brasil.estadao.com.br/ Acidente com atacante Guilherme deixa dois mortos em Marília
  2. esporte.uol.com.br/ Guilherme é condenado a regime semi-aberto por acidente automobilístico
  3. «Novorizontino renova com técnico campeão». diarioweb.com.br 
  4. «Após fazer história no Novorizontino, Guilherme Alves procura novo clu». www.futebolinterior.com.br. Consultado em 22 de dezembro de 2016 
  5. «Guilherme Alves, ex-atacante do Atlético-MG, é o novo técnico do Vila». globoesporte.com 
  6. Pereira, Charlie. «Adeus! Proposta de São Paulo tira Guilherme Alves do Vila Nova». Diário de Goiás 
  7. «Linense confirma Guilherme Alves como técnico para o Paulistão 2017». globoesporte.com 
  8. «Guilherme Alves não é mais treinador do Linense para o Paulistão». www.futebolinterior.com.br. Consultado em 20 de fevereiro de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]