Claudemir Vítor

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Vítor
Informações pessoais
Nome completo Claudemir Vítor Marques
Data de nasc. 28 de setembro de 1972 (46 anos)
Local de nasc. Mogi Guaçu, SP,  Brasil
Nacionalidade brasileiro(a)
Altura 1,77 m
Destro
Informações profissionais
Posição Lateral-direito
Clubes de juventude


–1990
Guarani
Ponte Preta
São Paulo
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos e gol(o)s
1990–1993
1993
1994
1995
1996–1999
1998
2000–2001
2002
2002
2003
2003–2004
2004
2005
2006
2007
2009
Brasil São Paulo
Espanha Real Madrid
Brasil São Paulo
Brasil Corinthians
Brasil Cruzeiro
Brasil Vasco da Gama (emp.)
Brasil Botafogo
Turquia Kocaelispor
Brasil Inter de Limeira
Brasil Osasco
Brasil Ceará
Brasil Mogi Mirim
Brasil Juventus
Brasil Inter de Limeira
Brasil Primavera
Brasil Guaçuano
0143 000(3)


0050 000(2)

0040 000(2)









Seleção nacional
1992–1993 Brasil Brasil 00002 000(0)

Claudemir Vítor Marques, mais conhecido como Vítor (Mogi Guaçu, 28 de setembro de 1972), é um ex-futebolista brasileiro.[1] É um dos jogadores brasileiros que participaram de mais conquistas de Libertadores, com três, defendendo São Paulo, Cruzeiro e Vasco[2] — ele não estava inscrito na edição de 1992[3][4], embora já fizesse parte do elenco profissional.

A principal característica de Vítor era sua velocidade.[5] Ele surgiu no São Paulo pouco depois de Cafu, também lateral-direito. Com dois jovens promissores para a mesma posição, Cafu acabaria deslocado para a meia direita.[5] Vítor marcou um dos cinco gols são-paulinos na goleada por 5 a 1 sobre a Universidad Católica, do Chile, na primeira partida da decisão da Libertadores de 1993. Essa época coincidiu com uma grande fase em sua carreira, incluindo suas duas única partidas com a camisa da seleção brasileira, em novembro de 1992, contra a Polônia, e em março de 1993, contra o Uruguai.

Pouco depois foi emprestado ao Real Madrid, que só o teria aceitado por não conseguir trazer Cafu. Anos mais tarde, a imprensa que cobre o clube madridista consideraria Vítor a quinta pior contratação da história do clube.[2] O próprio Vítor admite que não passou por boa fase na Espanha. Em entrevista ao Uol Esporte em 2011 declarou: "Eu estava muito bem no São Paulo e fui para o Real. Cheguei lá no início da temporada deles. Colocaram-me para fazer só treino físico. Mas eu já estava voando. Isso me prejudicou. Eu entendo que foi o momento errado de ir para o Real. Fiz poucos jogos, sofri lesão e praticamente não teve ninguém para me tratar. Me recordo de fazer sozinho exercício de recuperação na academia sem nenhum médico do clube por perto. O Cerezo tinha até me aconselhado: 'Fica até o fim do ano no São Paulo e vai para o Real só depois.' Mas não me arrependo. Foi muito positivo para mim."[2]

Menos de seis meses depois estava de volta ao Morumbi, onde disputou a temporada de 1994, mas no início do ano seguinte foi emprestado ao Corinthians, onde foi saudado por causa da semelhança física com o ex-lateral-direito corintiano Zé Maria.[6] No Parque São Jorge conquistou os títulos paulista e da Copa do Brasil daquele ano.[6] De lá foi para o Cruzeiro, onde sagrou-se campeão da Libertadores de 1997. No ano seguinte, em novo clube, o Vasco, novamente foi campeão da Libertadores. Ficou marcado com a torcida vascaína pelo drible que levou de Raúl, do Real Madrid, no lance gol que deu aos espanhóis o título da Copa Intercontinental. Acabou voltando ao Cruzeiro na temporada seguinte.

Depois de uma passagem pelo Botafogo em 2000 e de uma temporada no Kocaelispor, da Turquia, nos seus últimos anos de carreira Vítor atuou em times menores, como Inter de Limeira, Osasco, Ceará, Mogi Mirim, Juventus e Primavera. Seu último clube foi o Guaçuano, equipe de sua cidade natal, onde encerrou sua carreira, em 2010, quando seu contrato não foi renovado.

Depois de parar de jogar, Vítor passou a trabalhar em projetos sociais voltados a crianças carentes da cidade de Artur Nogueira, no interior do estado de São Paulo.[7]

Títulos[editar | editar código-fonte]

São Paulo
[4]
  • Campeonato Paulista: 1991 e 1992
  • Campeonato Brasileiro: 1991
  • Libertadores: 1993
  • Copa Europeia/Sul-Americana: 1992
  • Recopa Sul-Americana: 1994
  • Copa Conmebol: 1994
Corinthians
  • Campeonato Paulista: 1995
  • Copa do Brasil: 1995
Cruzeiro
Vasco da Gama
  • Campeonato Carioca: 1998
  • Libertadores: 1998

Referências

  1. - Perfil do ex-lateral Vítor
  2. a b c Bruno Thadeu (22 de agosto de 2011). «Ex-lateral Vitor recorda briga com Tonhão e diz ter ido ao Real Madrid em fase errada». Uol Esporte. Consultado em 22 de agosto de 2011. 
  3. «S. Paulo, favorito, teme surpresa no Equador». São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. O Estado de S. Paulo: Esportes, p. 1. 3 de junho de 1992 
  4. a b Michael Serra (23 de dezembro de 2014). «Ranking histórico: Todos os campeões». São Paulo F.C. Consultado em 26 de dezembro de 2014. 
  5. a b Alexandre da Costa (2005). Almanaque do São Paulo Placar. [S.l.]: Editora Abril. 450 páginas 
  6. a b Celso Dario Unzelte (2005). Almanaque do Corinthians Placar. [S.l.]: Editora Abril. 726 páginas 
  7. - Que fim levou? - Vítor (ex-lateral de São Paulo, Vasco, Cruzeiro e Corinthians

Ligações externas[editar | editar código-fonte]