Elivélton

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Elivélton
Informações pessoais
Nome completo Elivélton Alves Rufino
Data de nasc. 31 de julho de 1971 (47 anos)
Local de nasc. Serrania (MG),  Brasil
Nacionalidade brasileiro
Altura 1,72 m
Canhoto
Informações profissionais
Clube atual Aposentado
Posição Atacante
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos e gol(o)s
1990–1993
1993–1994
1995
1996
1997–1998
1998
1999–2000
2001–2003
2003–2004
2004–2005
2006
2006
2006–2007
2007
2009
2010
Brasil São Paulo
Japão Nagoya Grampus
Brasil Corinthians
Brasil Palmeiras
Brasil Cruzeiro
Brasil Vitória-BA
Brasil Internacional
Brasil Ponte Preta
Brasil São Caetano
Brasil Bahia
Brasil Uberlândia
Brasil Vitória-ES
Brasil União de Rondonópolis
Brasil Alfenense
Brasil Francana
Brasil Mixto
4900(02)
4600(00)
6100(06)
2600(02)
2000(05)
2000(02)
3200(05)
4500(06)
0800(00)
0000(00)
0000(00)
0000(00)
0000(00)
0000(00)
0000(00)
0000(00)
Seleção nacional
1991–1993 Brasil Brasil 1300(01)

Elivélton Alves Rufino (Serrania, 31 de julho de 1971) é um ex futebolista brasileiro. Atuou por vários times, como São Paulo (foi campeão da Libertadores de 1992), Cruzeiro (venceu a Libertadores de 1997, no qual ele fez o gol do título), Corinthians, entre outros.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Tendo começado a carreira como atacante, Elivélton começou a atuar profissionalmente em 1990, aos dezenove anos, pelo São Paulo. Atuou na decisão do Brasileirão daquele ano, mas o tricolor saiu de campo derrotado pelo Corinthians.

Permaneceu no São Paulo até 1993, tendo feito parte do elenco que venceu dois Campeonatos Mundiais, contra Milan e Barcelona. Acabou sendo contratado pelo Nagoya Grampus do Japão, mas não brihou tanto na Terra do Sol Nascente. Regressou ao Brasil em 1995 para assinar com o Corinthians, e foi dele o gol do título do Campeonato Paulista deste ano contra o Palmeiras, que, ironicamente, foi o próximo clube defendido pelo atleta. Ele fez parte do famoso "time dos 100 gols", mas destes, Elivélton marcou apenas dois.

Elivélton assinou com o Cruzeiro em 1997, e mais uma vez comprovou a fama de ser pé-quente: marcou o gol do título da Libertadores contra os peruanos do Sporting Cristal.

Depois da conquista, ele começou sua trajetória de "cigano" do futebol: após passagens malsucedidas por Vitória, Internacional, Ponte Preta, São Caetano, Bahia, Uberlândia e Vitória-ES, Elivélton chegou a anunciar seu abandono dos gramados, após o fim de seu contrato com o União de Rondonópolis.

Retorno aos gramados[editar | editar código-fonte]

Enquanto mantinha a forma treinando no Alfenense, Elivélton mantinha a sua academia de futebol, ainda situada em Alfenas. Mas, persuadido por Wantuil Rodrigues, Elivélton topou o desafio de regressar à carreira de jogador, agora pela modesta equipe da Francana. Teve também uma passagem meteórica pelo Mixto até retornar de vez à Veterana.

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Durante a carreira, Elivélton carregava a fama de ser extremamente sortudo nas decisões: além de ter marcado os gols do título do Paulistão de 1995 e da Libertadores de 1997, marcou, de pênalti, o último gol da vitória da Ponte Preta no Derby Campineiro de 28 de outubro de 2002. Nesse jogo, parte da arquibancada onde estava a torcida da Ponte cedeu, e dezenas de torcedores ficaram feridos.

Seleção[editar | editar código-fonte]

A primeira convocação de Elivélton para a Seleção Brasileira aconteceu em 1991, numa partida contra os EUA. Jogou a Copa América de 1993, e foi neste ano que disputou sua última partida pela Seleção Canarinho, contra a ex-Iugoslávia.

Pela Seleção, Elivélton disputou treze jogos, e marcou um gol, contra a Tchecoslováquia, em 1991.

Títulos[editar | editar código-fonte]

São Paulo
Corinthians
Palmeiras
Cruzeiro
Vitória-ES