Mona (futebolista)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Mona
Informações pessoais
Nome completo Marcelo Alexandre Pires Correia
Data de nasc. 4 de junho de 1974 (45 anos)
Local de nasc. Sorocaba, SP,  Brasil
Altura 1,73 m
Informações profissionais
Clube atual Aposentado
Posição Volante
Clubes de juventude
São Paulo Grêmio Sorocabano
São Paulo São Bento
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos e gol(o)s
1991–1996
1997–1998
1998
1999





2004
São Paulo São Paulo
São Paulo Araçatuba
Goiás Vila Nova
São Paulo Botafogo-SP
São Paulo Comercial
Goiás Goiânia
São Paulo XV de Piracicaba
Paraná Prudentópolis
Paraná Francisco Beltrão
Santa Catarina Operário-SC
64 (-)


1 (0)





Marcelo Alexandre Pires Correia, mais conhecido como Mona (Votorantim, 4 de junho de 1973), é um ex-futebolista brasileiro, que atuava como volante. Seu apelido foi inspirado em uma canção da banda Village People.[1]

Começou no Grêmio Sorocabano e, depois de uma passagem pelo São Bento, foi levado para o São Paulo, em 1987.[1] Um dos destaques das categorias de base do Tricolor,[2] foi considerado um dos melhores jogadores da Copa São Paulo de Futebol Júnior de 1992, quando seu time conquistou o vice-campeonato. Teve sua primeira oportunidade como titular em fevereiro daquele ano, contra o Bragantino, devido à suspensão do titular, Sídnei, expulso na partida anterior.[3] "É claro que eu fico um pouco nervoso", declarou. "Porque será a primeira vez que vou começar jogando."[1] Segundo o jornal Diário Popular, ele demonstrou nervosismo em campo e errou muitos passes.[4] Ele voltou à reserva para o jogo seguinte, mas foi escalado na estreia na Libertadores, contra o Criciúma, quando o técnico Telê Santana mandou a campo um time misto. O técnico elogiava sua eficiência: "O futebol dele aparece pouco para a torcida, mas é muito eficiente."[1]

Sem espaço para manter a titularidade, fez parte do chamado "Expressinho", em 1994, time reserva formado pelo clube, para enfrentar a grande quantidade de jogos. O "Expressinho" acabaria por conquistar a Copa Conmebol daquele ano. Mona foi o titular em sete das oito partidas da competição.[2] No ano seguinte, foi alçado ao time titular, mas acabaria por perder espaço e, em 1996, foi dispensado, na reformulação promovida pelo técnico Carlos Alberto Parreira.[2]

Teve passagens, ainda, por Vila Nova, Araçatuba, Botafogo-SP, Comercial, Goiânia, XV de Piracicaba, Prudentópolis, Francisco Beltrão e Operário-SC, encerrando a carreira em 2004. Em 2008, candidatou-se a vereador em sua cidade natal,[5] mas não foi eleito.

Referências

  1. a b c d «Mona faz o primeiro jogo como titular». São Paulo. Diário Popular: Esportes, p. 3. 2 de fevereiro de 1992 
  2. a b c Alexandre da Costa (2005). Almanaque do São Paulo Placar. [S.l.]: Abril. pp. 282–283 e 419 
  3. «Bragantino e São Paulo revivem a decisão de 91». São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. O Estado de S. Paulo: Esportes, p. 1. 2 de fevereiro de 1992 
  4. «Antonio Carlos foi o melhor». São Paulo. Diário Popular: Esportes, p. 2. 3 de fevereiro de 1992 
  5. Fernando Rodrigues (2008). «Mona (2008)». Uol Notícias — Políticos do Brasil