Copa Conmebol de 1994

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Copa Conmebol 1994)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Copa Conmebol de 1994
III Copa Conmebol
Dados
Participantes 16
Organização Confederação Sul-Americana de Futebol
Local de disputa América do Sul
Período 1º de novembro21 de dezembro
Gol(o)s 99
Partidas 30
Média 3,3 gol(o)s por partida
Campeão Brasil São Paulo (1º título)
Vice-campeão Uruguai Peñarol
Melhor marcador 5 gols:
Maior goleada
(diferença)
Corinthians Brasil 6 – 0 Venezuela Minervén
Parque São JorgeSão Paulo
25 de novembro, Quartas-de-final
◄◄ 1993 Soccerball.svg 1995 ►►

A Copa Conmebol de 1994 foi um torneio oficial de futebol, organizado pela Confederação Sul-Americana de Futebol (CONMEBOL) e realizado nos meses de novembro e dezembro. Foi a terceira edição da Copa Conmebol, uma competição inaugurada em 1992. Disputaram-na dezesseis participantes, sendo cinco brasileiros: Botafogo, Corinthians, Grêmio, São Paulo e Vitória; três argentinos: Huracán, Lanús e San Lorenzo; dois uruguaios: Danubio e Peñarol; além dos demais participantes: Oriente Petrolero (Bolivia), Universidad de Chile (Chile), El Nacional (Equador), Cerro Corá (Paraguai), Sporting Cristal (Peru) e Minervén (Venezuela).

O regulamento foi semelhante às edições anteriores: as equipes participantes enfrentaram-se em sistema eliminatório até a final da competição, que foi disputada entre São Paulo e Peñarol. Cada confronto foi composto por dois jogos, com um time como mandante e outro como visitante. O São Paulo estreou na competição contra o Grêmio: após dois empates sem gols, eliminou o adversário nas penalidades. Na fase seguinte, o embate foi contra o Sporting Cristal, do Peru, classificando-se com uma vitória (3–1) e um empate sem gols. Em seguida, o duelo contra o rival Corinthians: vencido pelo São Paulo nas penalidades. O Peñarol, por sua vez, estreou na competição derrotando o compatriota Danubio (2–1 no agregado). Nas fases seguintes, a equipe uruguaia eliminou o Cerro Corá e a Universidad de Chile pelos agregados de 7–4 e 3–1, respectivamente.

No primeiro jogo da decisão, o São Paulo, que havia disputado a competição inteira com um time alternativo, goleou os uruguaios por 6–1 com três gols de Catê, dois de Caio Ribeiro e um de Toninho. Na partida de volta em Montevidéu, o Peñarol venceu por 3–0, mas o resultado foi insuficiente para reverter a desvantagem. Com os resultados, o São Paulo conquistou o primeiro título da competição e o elenco ficou conhecido como o "Expressinho".

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Inaugurada em 1992, a Copa Conmebol foi organizada pela Confederação Sul-Americana de Futebol (CONMEBOL), sendo considerada como de segundo nível sul-americano, abaixo da Copa Libertadores da América e uma das precursoras da Copa Sul-Americana.[1] Todas as edições da competição foram disputadas por dezesseis clubes em sistemas eliminatórios, eliminando-se diretamente até a final.[1] O Atlético Mineiro foi o primeiro campeão, derrotando o Olimpia do Paraguai.[2] Na segunda edição, o Botafogo conquistou o título, vencendo o Peñarol nas penalidades.[3]

Participantes[editar | editar código-fonte]

País Equipe Classificação
 Argentina
(3 vagas)[4]
San Lorenzo 3º colocado do Campeonato Argentino de 1993–94
Huracán 4º colocado do Campeonato Argentino de 1993–94
Lanús 7º colocado do Campeonato Argentino de 1993–94
 Bolívia
(1 vaga)[5]
Oriente Petrolero 4º colocado do Campeonato Boliviano de 1993
 Brasil
(5 vagas)[6]
Botafogo Campeão da Copa Conmebol de 1993
Vitória 2º colocado do Campeonato Brasileiro de 1993
Corinthians 3º colocado do Campeonato Brasileiro de 1993
São Paulo 4º colocado do Campeonato Brasileiro de 1993
Grêmio Vice-campeão da Copa do Brasil de 1993
 Chile
(1 vaga)[7]
Universidad de Chile Vice-campeão da Liguilla Copa Libertadores de 1993
Equador
(1 vaga)[8]
El Nacional 3º colocado do Campeonato Equatoriano de 1993
 Paraguai
(1 vaga)[9]
Cerro Porteño Perdedor no playoff do Campeonato Paraguaio de 1993
 Peru
(1 vaga)[10]
Sporting Cristal Vice-campeão da Liguilla Pre-Libertadores de 1993
Uruguai
(2 vagas)[11]
Peñarol 3º colocado da Liguilla Pre-Libertadores de 1993
Danubio 4º colocado da Liguilla Pre-Libertadores de 1993
 Venezuela
(1 vaga)[12]
Minervén Campeão do Campeonato Venezuelano de 1993–94

Resultados[editar | editar código-fonte]

Oitavas de final[editar | editar código-fonte]

A primeira partida desta edição ocorreu no dia 1 de novembro; na ocasião, Minervén e Botafogo enfrentaram-se na cidade de Puerto Ordaz, Juan García Rivas e Batata marcaram os gols do empate por 1–1.[13][14][15] Na partida de volta do confronto, as equipes ficaram num empate sem gols no estádio Caio Martins, em Niterói. Com o resultado, a vaga foi disputada nas penalidades, resultando na vitória da equipe venezuelana por 5–4.[15][16][17] Grêmio e São Paulo se enfrentaram em Porto Alegre, onde empataram sem gols. O mesmo placar se repetiu no jogo de volta em São Paulo, mas a equipe paulistana venceu nas penalidades, classificando-se.[18][19] O adversário do São Paulo na próxima fase foi o Sporting Cristal, que havia eliminado o El Nacional na primeira fase. A equipe peruana venceu ambos os jogos: 2–1 no primeiro jogo, gols de Flavio Maestri e Julinho, enquanto Cléver Chalá marcou para os equatorianos. No segundo jogo, vitória pelo placar mínimo com gol de Maestri. Corinthians e Vitória fizeram o outro confronto entre brasileiros: os paulistanos eliminaram a equipe baiana com uma vitória e um empate, com Viola sendo o responsável pelos três gols da vitória do Corinthians na primeira partida.[20]

Nos demais confrontos, o San Lorenzo eliminou o Lanús nas penalidades após dois empates. No primeiro embate, os gols foram marcados por Martín Gorozo para o Lanús e Fernando Batista para o San Lorenzo. No segundo jogo, os gols foram marcados por Claudio Biaggio e Claudio Rivadero (San Lorenzo); Rodolfo García e Ariel Ibagaza (Lanús). A Universidad de Chile, por sua vez, eliminou o Oriente Petrolero com um resultado agregado de 9–1.[20] O clube paraguaio Cerro Corá e o uruguaio Peñarol também se classificaram eliminando Huracán e Danubio, respectivamente.[20]

Time 1   Total   Time 2   1º jogo   2º jogo
Grêmio Brasil 0–0 (5–6 p) Brasil São Paulo 0–0 0–0
Sporting Cristal Peru 3–1 Equador El Nacional 2–1 1–0
Minervén Venezuela 1–1 (5–4 p) Brasil Botafogo 1–1 0–0
Corinthians Brasil 4–3 Brasil Vitória 3–2 1–1
Lanús Argentina 3–3 (2–4 p) Argentina San Lorenzo 1–1 2–2
Universidad de Chile Chile 9–1 Bolívia Oriente Petrolero 4–1 5–0
Huracán Argentina 3–5 Paraguai Cerro Corá 1–4 2–1
Peñarol Uruguai 2–1 Uruguai Danubio 2–0 0–1

Quartas de final[editar | editar código-fonte]

A primeira partida entre São Paulo e Sporting Cristal foi marcada por uma situação incomum, a equipe brasileira disputou dois jogos no mesmo dia. Naquela data, o São Paulo já havia enfrentado o Grêmio pelo campeonato nacional, saindo vitorioso em ambos os jogos (3–1). Na volta em Lima, um empate sem gols classificou a equipe brasileira.[18][19] O adversário na semifinal seria o Corinthians, o rival paulistano passeou diante do Minervén: 5–2 na Venezuela e 6–0 no Brasil.[17]

Na outra chave, San Lorenzo enfrentou a Universidad de Chile e triunfou na partida de ida com um gol de Claudio Biaggio. No entanto, terminou sendo eliminado após perder o segundo confronto no Chile (3–1). A exemplo dos chilenos, o Peñarol também reverteu o revés do jogo de ida e eliminou o Cerro Corá (7–4 no agregado).[20]

Time 1   Total   Time 2   1º jogo   2º jogo
São Paulo Brasil 3–1 Peru Sporting Cristal 3–1 0–0
Minervén Venezuela 2–11 Brasil Corinthians 2–5 0–6
San Lorenzo Argentina 2–3 Chile Universidad de Chile 1–0 1–3
Cerro Corá Paraguai 4–7 Uruguai Peñarol 3–1 1–6

Semifinais[editar | editar código-fonte]

No embate entre brasileiros, o clássico majestoso definiria um dos finalistas do torneio. Na primeira partida realizada no estádio do Pacaembu em 2 de dezembro, com três gols de Juninho Paulista e um de Catê, o São Paulo venceu por 4–3, enquanto os gols do Corinthians foram marcados por Walter Casagrande, Branco e Marques. Este duelo foi definido como "Show de gols" pelo jornal Gazeta Esportiva. No segundo jogo, realizado no estádio do Morumbi no dia 9 de dezembro, os visitantes terminaram os 90 minutos vitoriosos com gols de Daniel Franco, Tupãzinho e Viola, enquanto Caio Ribeiro e Juninho Paulista descontaram para os anfitriões. Nas disputas por pênaltis, Rogério Ceni defendeu duas cobranças e converteu a sua, tornando-se o herói daquele embate.[21]

Por sua vez, o Peñarol conquistou a vaga na final ao eliminar a Universidad de Chile. Na primeira partida, disputada no Uruguai, os anfitriões venceram por 2–0, com gols de Marcelo Otero e Darío Silva. Na partida de volta em Santiago, as equipes empataram por 1–1, com gols de Marcelo Salas (Universidad de Chile) e Pablo Bengoechea (Peñarol).[20][22]

Time 1   Total   Time 2   1º jogo   2º jogo
São Paulo Brasil 6–6 (5–4 p) Brasil Corinthians 4–3 2–3
Peñarol Uruguai 3–1 Chile Universidad de Chile 2–0 1–1

Final[editar | editar código-fonte]

O primeiro jogo da decisão foi realizado no estádio do Morumbi em 14 de dezembro. Logo aos quatro minutos, Carlos Alberto Aguilera abriu o placar para os uruguaios. Apesar do ímpeto inicial do adversário, o São Paulo retomou o controle da partida e conquistou o empate no final do primeiro tempo, quando Caio Ribeiro aproveitou-se da cobrança de escanteio para completar, oportunismo do são-paulino. Aos doze minutos do tempo complementar, Catê aproveitou-se de uma falha do goleiro para marcar o segundo e virar o placar para os anfitriões.[19] O terceiro gol foi considerado como a pérola da noite: Catê cruzou e Pereira finalizou, acertando o travessão; no rebote, Toninho marcou de bicicleta. Poucos minutos depois, Caio Ribeiro marcou mais um e Catê ainda faz mais dois outros gols, dando fim a goleada dos brasileiros.[19] O resultado é considerado a maior diferença de gols numa decisão de torneios sul-americanos.[19]

A finalíssima foi realizada em 21 de dezembro no estádio Centenario, em Montevidéu. Com a desvantagem, o Peñarol precisava ganhar por cinco gols de diferenças para provocar uma disputa por pênaltis. A equipe uruguaia venceu o confronto por 3–0, com dois gols de Martín Rodríguez e um de Darío Silva, mas não foi suficiente. O São Paulo, por sua vez, sagrou-se campeão do torneio.[19][20]

Time 1   Total   Time 2   1º jogo   2º jogo
São Paulo Brasil 6–4 Uruguai Peñarol 6–1 0–3

Esquema[editar | editar código-fonte]

Oitavas de final Quartas de final Semifinais Final
 1 a 11 de novembro  15 a 25 de novembro  29 de novembro a 9 de dezembro  14 e 21 de dezembro
                                                 
 Brasil Grêmio 0 0 0 (5)  
 Brasil São Paulo (pen) 0 0 0 (6)  
   Brasil São Paulo 3 0 3  
   Peru Sporting Cristal 1 0 1  
 Peru Sporting Cristal 2 1 3
 Equador El Nacional 1 0 1  
   Brasil São Paulo (pen) 4 2 6 (5)  
   Brasil Corinthians 3 3 6 (4)  
 Venezuela Minervén (pen) 1 0 1 (5)  
 Brasil Botafogo 1 0 1 (4)  
   Venezuela Minervén 0 2 2
   Brasil Corinthians 6 5 11  
 Brasil Corinthians 3 1 4
 Brasil Vitória 2 1 3  
   Brasil São Paulo 6 0 6
   Uruguai Peñarol 1 3 4
 Argentina Lanús 1 2 3 (2)  
 Argentina San Lorenzo (pen) 1 2 3 (4)  
   Argentina San Lorenzo 1 1 2
   Chile Universidad de Chile 0 3 3  
 Chile Universidad de Chile 4 5 9
 Bolívia Oriente Petrolero 1 0 1  
   Uruguai Peñarol 2 1 3
   Chile Universidad de Chile 0 1 1  
 Argentina Huracán 1 2 3  
 Paraguai Cerro Corá 4 1 5  
   Paraguai Cerro Corá 3 1 4
   Uruguai Peñarol 1 6 7  
 Uruguai Peñarol 2 0 2
 Uruguai Danubio 0 1 1  

Premiação[editar | editar código-fonte]

A Copa Conmebol de 1994 foi o primeiro título de Muricy Ramalho como treinador.

Na opinião dos dirigentes do São Paulo, a Copa Conmebol de 1994 foi vista como obstáculo no calendário do segundo semestre.[23] Naquele ano, a equipe realizou 92 jogos,[19] e por causa desse número excessivo de partidas, o São Paulo disputou a competição com uma equipe alternativa formada principalmente por jovens e alguns reservas. Comandada por Muricy Ramalho, na época auxiliar do treinador Telê Santana,[18] o elenco daquela equipe ficou conhecido como o "Expressinho Tricolor", uma homenagem ao "Expresso da Vitória", nome pelo qual o elenco do Vasco da Gama era denominado.[19]

Diferentemente dos demais adversários, que disputaram o torneio com afinco, o desacreditado São Paulo, que priorizava o campeonato Brasileiro, surpreendeu eliminando Grêmio, Sporting Cristal e Corinthians; Muricy recordou:[24]

"Não tínhamos nenhuma chance. Ninguém acreditava que a gente passaria da primeira fase. Aí foi dando liga, foi se encorpando. Em mata-mata, é assim. Deu no que deu. A gente foi campeão, uma surpresa muito boa. Era um título que o clube não tinha e não era esperado. O sabor foi muito bom."

Além de encerrar o ano com uma conquista importante, pois a equipe havia perdido o título da Libertadores e eliminada do campeonato nacional pelo o Guarani,[23] a Copa Conmebol ficou marcada como o primeiro título de Muricy Ramalho como treinador e o primeiro título de Rogério Ceni como titular da meta são-paulina. Posteriormente, ambos conquistariam outros títulos pelo clube.[18][24]

Copa Conmebol de 1994
Brasil
São Paulo
Campeão
(1º título)

Referências

  1. a b «Conmebol». Website oficial da Confederação Sul-Americana de Futebol. Consultado em 16 de setembro de 2018.. Arquivado do original em 18 de julho de 2013 
  2. «Lembra Dele? Negrini foi herói do Galo em título contra Olimpia, em 92». globoesporte.globo.com. 16 de julho de 2013. Consultado em 16 de setembro de 2018.. Cópia arquivada em 13 de dezembro de 2017 
  3. «Copa Conmebol 1993». rsssf.com. Consultado em 16 de setembro de 2018.. Cópia arquivada em 26 de junho de 2018 
  4. «Argentina 1993/94». rsssf.com. Consultado em 16 de setembro de 2018.. Cópia arquivada em 3 de março de 2018 
  5. «Bolivia 1993». rsssf.com. Consultado em 16 de setembro de 2018.. Cópia arquivada em 3 de março de 2018 
  6. «CAMPEONATO BRASILEIRO DE 1993». rsssf.com. Consultado em 16 de setembro de 2018.. Cópia arquivada em 3 de março de 2018 
  7. «Chile 1993». rsssf.com. Consultado em 16 de setembro de 2018.. Cópia arquivada em 3 de março de 2018 
  8. «Ecuador 1993». rsssf.com. Consultado em 16 de setembro de 2018.. Cópia arquivada em 3 de março de 2018 
  9. «Paraguay 1993». rsssf.com. Consultado em 16 de setembro de 2018.. Cópia arquivada em 21 de agosto de 2018 
  10. «Peru 1993». rsssf.com. Consultado em 16 de setembro de 2018.. Cópia arquivada em 8 de março de 2018 
  11. «Uruguay 1993». rsssf.com. Consultado em 16 de setembro de 2018.. Cópia arquivada em 3 de março de 2018 
  12. «Venezuela 1993/94». rsssf.com. Consultado em 16 de setembro de 2018.. Cópia arquivada em 9 de janeiro de 2018 
  13. «Botafogo empata com Minerven». Folha de S.Paulo. 3 de novembro de 1994. Consultado em 16 de setembro de 2018.. Cópia arquivada em 16 de setembro de 2018 
  14. «Minerven en la Copa Conmebol» (em espanhol). minervenfutbolclub.com. Consultado em 16 de setembro de 2018.. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  15. a b «Botafogo de Futebol e Regatas - Competições Internacionais». rsssfbrasil.com. Consultado em 16 de setembro de 2018.. Cópia arquivada em 23 de outubro de 2017 
  16. «Botafogo vai jogar Copa Sul-Americana pela segunda vez». O Globo. 22 de agosto de 2007. Consultado em 16 de setembro de 2018.. Cópia arquivada em 16 de setembro de 2018 
  17. a b Tomás Rosolino (14 de março de 2018). «Ileso em casa, Corinthians tem ótimo retrospecto contra venezuelanos». Gazeta Esportiva. Consultado em 16 de setembro de 2018.. Cópia arquivada em 16 de setembro de 2018 
  18. a b c d «Título do "Expressinho" do São Paulo com Ceni e Muricy completa 20 anos». globoesporte.globo.com. 21 de dezembro de 2014. Consultado em 16 de setembro de 2018.. Cópia arquivada em 28 de outubro de 2017 
  19. a b c d e f g h Michael Serra (14 de dezembro de 2016). «A maior goleada em uma final de torneio sul-americano em toda a história!». Website oficial do São Paulo. Consultado em 16 de setembro de 2018.. Cópia arquivada em 16 de setembro de 2018 
  20. a b c d e f «Copa Conmebol 1994». rsssf.com. Consultado em 16 de setembro de 2018.. Cópia arquivada em 23 de agosto de 2018 
  21. William Correia (18 de fevereiro de 2015). «Freguês em Majestosos internacionais, Tricolor já venceu com Expressinho». Gazeta Esportiva. Consultado em 16 de setembro de 2018.. Cópia arquivada em 16 de setembro de 2018 
  22. «U. de Chile vs Peñarol - Historial». taringa.net. 2015. Consultado em 16 de setembro de 2018.. Cópia arquivada em 16 de setembro de 2018 
  23. a b «EXPRESSINHO DO SÃO PAULO CONQUISTA A COPA CONMEBOL». efemeridesdoefemello.com. 21 de dezembro de 2014. Consultado em 16 de setembro de 2018.. Cópia arquivada em 16 de setembro de 2018 
  24. a b «Muricy relembra Expressinho e título de 'precursora da Sul-Americana' em 94». ESPN. 26 de setembro de 2013. Consultado em 16 de setembro de 2018.. Cópia arquivada em 23 de março de 2018