Copa CONMEBOL

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Copa Conmebol)
Copa Conmebol
Dados gerais
Organização CONMEBOL
Edições 8
Local de disputa América do Sul
Sistema Eliminatórias
editar

A Copa CONMEBOL ou Taça CONMEBOL foi uma competição sul-americana de futebol, organizada pela Confederação Sul-Americana de Futebol (CONMEBOL) e disputada entre 1992 a 1999 por 16 ou 18 equipes em sistema eliminatório. Embora de caráter terciário, é tido como precursora da Copa Sul-Americana.[1][2]

Histórico[editar | editar código-fonte]

Os melhores nos nacionais dentre os que não conseguiram vaga para a Libertadores foi o principal critério classificativo (similar ao formato adotado pela Copa da UEFA), apesar de outras formas de classificação, conforme decisão e interesse da confederação de cada país. Brasil e Argentina obtinham mais vagas na competição por serem os países mais bem colocados no ranking da CONMEBOL, assim como ocorre atualmente na Copa Libertadores da América e na Copa Sul-Americana.[3][4][5] Dado o número de vagas para a Libertadores na época ser expressivamente menor que o atual, ressalvando-se as duas últimas edições, possuía times melhores ranqueados e considerados mais tradicionais que os da atual Copa Sul-Americana, embora muitas vezes estes usassem elencos de jogadores mais jovens. O Botafogo, por exemplo, campeão de 1993, classificou-se por ser vice do Brasileirão de 1992. O São Paulo, por sua vez, foi campeão em 1994, com o "expressinho" (quadro de jovens promessas do clube),[6] menos de dois meses depois de ser vice-campeão da Libertadores e vindo de um bicampeonato na mesma (1992 e 1993). Durante sua vigência, a segunda competição em relevância da Conmebol era a Supercopa Sul-Americana (1988–1997) e, posteriormente, as copas Mercosul e Merconorte (1998–2001).

Com exceção de 1996 e 1997, que tiveram dezoito times (dois vencedores de confrontos preliminares integravam os 16 times da fase de oitavas), as demais edições foram (ou deveriam ser) disputadas por dezesseis clubes em jogos eliminatórios de ida e volta, sendo que a última sofreu duas desistências (os uruguaios River Plate e Rentistas). A partir de 1995 a CBF determinou que os clubes brasileiros não poderiam disputar a Copa CONMEBOL e a Supercopa Libertadores simultaneamente. Os clubes classificados para a Copa CONMEBOL e que fossem disputar a Supercopa no mesmo ano seriam substituídos pelos times de maior colocação no Campeonato Brasileiro.[7]

Os campeões da Copa CONMEBOL de 1992 até 1995 ganharam vaga para disputar a Copa Master da CONMEBOL, em 1996, tendo o São Paulo se saído melhor. O Botafogo, campeão de 1993, ganhou também uma vaga para disputar o título da Recopa Sul-Americana de 1994, contra o São Paulo (que viria a ser o vencedor do tira-teima), campeão da Libertadores e Supercopa Libertadores de 1993. Os campeões das edições de 1992, 1994 e 1995 ganharam vaga na Copa de Ouro Nicolás Leoz do respectivo ano seguinte: Atlético Mineiro e São Paulo ficaram com o vice (este segundo não disputou a semifinal) e na última edição o Rosário Central ficou nas semifinais.

A decisão de 1997, entre Atlético-MG e Lanús, ficou marcada pela batalha campal após o apito final do primeiro jogo, na Argentina. Emerson Leão, treinador da equipe brasileira, teve de fazer uma cirurgia na face em função dos golpes sofridos. Outros profissionais brasileiros também saíram machucados.[8][9]

Ofuscada pelas copas Mercosul e Merconorte (principalmente a primeira, por ter as grandes forças sul-americanas), o desinteresse do público, dos clubes e dos patrocinadores em suas últimas edições foram a causa da extinção da Copa CONMEBOL.[10]

A sua última edição contou com uma "final alternativa", entre CSA e Talleres, dois times sem títulos nacionais (aquele, nem de divisão inferior). O time argentino, campeão, entrou na lista de times que ganharam internacionalmente sem ser campeão nacional em primeiro nível (possuía uma segunda divisão).[11] Outro destaque foi a classificação (das oitavas para as quartas) do Paraná com um atacante, Flávio Guilherme, como goleiro na disputa de penalidades.[12]

Resultados[editar | editar código-fonte]

Ano Final Semifinalistas
Campeão Placares Vice Eliminado pelo
campeão
Eliminado pelo
vice-campeão
1992
Detalhes
Brasil
Atlético Mineiro
2 – 0
0 – 1
Paraguai
Olimpia
Equador
El Nacional
Argentina
Gimnasia y Esgrima
1993
Detalhes
Brasil
Botafogo
1 – 1
2 – 2
3 – 1 (pen)
Uruguai
Peñarol
Brasil
Atlético Mineiro
Argentina
San Lorenzo
1994
Detalhes
Brasil
São Paulo
6 – 1
0 – 3
Uruguai
Peñarol
Brasil
Corinthians
Chile
Universidad de Chile
1995
Detalhes
Argentina
Rosario Central
0 – 4
4 – 0
4 – 3 (pen)
Brasil
Atlético Mineiro
Paraguai
Atlético Colegiales
Colômbia
América de Cali
1996
Detalhes
Argentina
Lanús
2 – 0
0 – 1
Colômbia
Independiente Santa Fe
Argentina
Rosario Central
Brasil
Vasco da Gama
1997
Detalhes
Brasil
Atlético Mineiro
4 – 1
1 – 1
Argentina
Lanús
Peru
Universitario
Argentina
Colón
1998
Detalhes
Brasil
Santos
1 – 0
0 – 0
Argentina
Rosario Central
Brasil
Sampaio Corrêa
Brasil
Atlético Mineiro
1999
Detalhes
Argentina
Talleres
2 – 4
3 – 0
Brasil
CSA
Chile
Deportes Concepción
Brasil
São Raimundo

Títulos[editar | editar código-fonte]

Por clube[editar | editar código-fonte]

O Atlético-MG foi o primeiro campeão.
O Rosário Central é o vencedor da maior virada em uma final sul-americana.
O Botafogo é o único carioca a vencer um título internacional no Maracanã.
O Peñarol, pentacampeão uruguaio de 1993-1997, bateu na trave em 1993 e 1994.
O Olimpia, campeão automático da Recopa Sul-Americana de 1991, fez a primeira final em 1992.
O goleiro Rogério Ceni ficou famoso no Brasil e na América do Sul após a conquista da Copa Conmebol de 1994.
Carlos Alberto Torres, capitão da Copa do Mundo de 1970, comandou o Botafogo em 1993.
O ex-goleiro Taffarel jogou 3 edições da competição.
Marcelinho Carioca foi semifinalista em 1994.
Álvaro Recoba jogou as edições de 1993 e 1994 pelo Danubio.
Denilson e Túlio Maravilha também jogaram a competição.
Ézio representou o Fluminense e o Atlético-MG.
País Clube Títulos Vices Semifinais
 Brasil Atlético Mineiro 2 (1992 e 1997) 1 (1995) 2 (1993 e 1998)
 Argentina Rosario Central 1 (1995) 1 (1998) 1 (1996)
 Argentina Lanús 1 (1996) 1 (1997)
 Brasil Botafogo 1 (1993)
 Brasil São Paulo 1 (1994)
 Brasil Santos 1 (1998)
 Argentina Talleres 1 (1999)
Uruguai Peñarol 2 (1993 e 1994)
 Paraguai Olimpia 1 (1992)
 Colômbia Santa Fe 1 (1996)
 Brasil CSA 1 (1999)
Equador El Nacional 1 (1992)
 Argentina Gimnasia y Esgrima 1 (1992)
 Argentina San Lorenzo 1 (1993)
 Brasil Corinthians 1 (1994)
 Chile Universidad de Chile 1 (1994)
 Paraguai Atlético Colegiales 1 (1995)
 Colômbia América de Cali 1 (1995)
 Brasil Vasco da Gama 1 (1996)
 Peru Universitario 1 (1997)
 Argentina Colón 1 (1997)
 Brasil Sampaio Corrêa 1 (1998)
 Chile Deportes Concepción 1 (1999)
 Brasil São Raimundo 1 (1999)

Por país[editar | editar código-fonte]

País Títulos Vices Semifinais
 Brasil 5 2 6
 Argentina 3 2 4
Uruguai 2
 Paraguai 1 1
 Colômbia 1 1
 Chile 2
Equador 1
 Peru 1
 Bolívia
 Venezuela

Participantes[editar | editar código-fonte]

Entre os clubes do Brasil, 21 chegaram a disputar a Copa CONMEBOL, sendo que quatro conquistaram o título da competição sul-americana. Do grupo dos 12 mais tradicionais clubes brasileiros,[13][14][15] somente três não disputaram o torneio: Cruzeiro, Flamengo e Internacional. Os demais: Atlético Mineiro, Botafogo, Corinthians, Fluminense, Grêmio, Palmeiras, Santos, São Paulo e Vasco da Gama, se classificaram e jogaram pelo menos uma edição.

A competição contou também com outros clubes tradicionais do futebol sul-americano,[16] tais como:

Mais participações[editar | editar código-fonte]

Em negrito o ano em que a equipe conquistou o título.

País Clube Total Participações
 Brasil Atlético Mineiro 5 1992, 1993, 1995, 1997 e 1998
Uruguai Danubio 4 1992, 1993, 1994 e 1997
 Argentina Rosário Central 4 1995, 1996, 1998 e 1999
Uruguai Peñarol 3 1992, 1993 e 1994
 Brasil Bragantino 3 1992, 1993 e 1996
 Brasil Fluminense 3 1992, 1993 e 1996
 Venezuela Deportivo Táchira 3 1993, 1996 e 1997
 Argentina Lanús 3 1994, 1996 e 1997
 Argentina Gimnasia y Esgrima La Plata 3 1992, 1995 e 1998
 Argentina Deportivo Español 2 1992 e 1993
 Bolívia Deportivo Oriente Petrolero 2 1992 e 1994
 Brasil Grêmio 2 1992 e 1994
Equador El Nacional 2 1992 e 1994
 Argentina Huracán 2 1993 e 1994
 Argentina San Lorenzo 2 1993 e 1994
 Brasil Botafogo 2 1993 e 1994
 Brasil Corinthians 2 1994 e 1995
 Brasil Vasco da Gama 2 1993 e 1996
Equador Emelec 2 1993 e 1996
 Chile Cobreloa 2 1995 e 1996
 Peru Universitario 2 1992 e 1997
 Paraguai Sportivo Luqueño 2 1993 e 1997
 Brasil Vitória 2 1994 e 1997
 Chile Universidad de Chile 2 1994 e 1997
 Bolívia The Strongest 2 1995 e 1997
 Colômbia América de Cali 2 1995 e 1997
Uruguai Defensor Sporting 2 1995 e 1997
 Colômbia Deportes Tolima 2 1996 e 1997
 Paraguai Cerro Corá 2 1994 e 1998
Uruguai River Plate 2 1996 e 1998
 Venezuela Estudiantes de Mérida 2 1997 e 1999
 Colômbia Deportes Quindío 2 1998 e 1999
 Argentina Vélez Sársfield 1 1992
 Chile O'Higgins 1 1992
 Colômbia Junior Barranquilla 1 1992
 Paraguai Olimpia 1 1992
 Venezuela Marítimo 1 1992
 Chile Colo-Colo 1 1993
 Peru Deportivo Sipesa 1 1993
 Venezuela Caracas 1 1993
 Brasil São Paulo 1 1994
 Peru Sporting Cristal 1 1994
 Venezuela Minervén 1 1994
 Brasil Ceará 1 1995
 Brasil Guarani 1 1995
 Colômbia Independiente Medellín 1 1995
Equador Barcelona 1 1995
 Paraguai Atlético Colegiales 1 1995
 Peru Ciclista Lima 1 1995
Uruguai Sud América 1 1995
 Venezuela Mineros de Guayana 1 1995
 Bolívia Bolívar 1 1996
 Brasil Palmeiras 1 1996
 Colômbia Santa Fe 1 1996
 Paraguai Guaraní 1 1996
 Peru Alianza Lima 1 1996
Uruguai Porongos 1 1996
 Argentina Colón 1 1997
 Bolívia Real Santa Cruz 1 1997
 Brasil Portuguesa 1 1997
 Brasil Rio Branco 1 1997
Equador Técnico Universitario 1 1997
 Bolívia Jorge Wilstermann 1 1998
 Brasil América de Natal 1 1998
 Brasil Sampaio Corrêa 1 1998
 Brasil Santos 1 1998
 Chile Audax Italiano 1 1998
 Colômbia Once Caldas 1 1998
Equador LDU Quito 1 1998
 Peru Melgar 1 1998
Uruguai Huracán Buceo 1 1998
 Venezuela Deportivo Itália 1 1998
 Argentina Talleres 1 1999
 Bolívia Independiente Petrolero 1 1999
 Brasil CSA 1 1999
 Brasil Paraná 1 1999
 Brasil São Raimundo 1 1999
 Brasil Vila Nova 1 1999
 Chile Deportes Concepción 1 1999
 Colômbia Atlético Huila 1 1999
Equador Deportivo Cuenca 1 1999
 Paraguai San Lorenzo 1 1999
 Peru Sport Boys 1 1999

Artilheiros[editar | editar código-fonte]

Edição Futebolista(s) Clube Gols
1992 Brasil Aílton Brasil Atlético Mineiro 6
1993 Brasil Sinval Brasil Botafogo 8
1994 Brasil Tupãzinho Brasil Corinthians 5
Uruguai Martín Rodríguez Uruguai Peñarol
Brasil Juninho Paulista Brasil São Paulo
1995 Argentina Horacio Carbonari Argentina Rosario Central 4
Uruguai Rubén da Silva
1996 Argentina Óscar Mena Argentina Lanús 5
1997 Brasil Valdir Brasil Atlético Mineiro 7
1998 Equador Carlos Morales Equador LDU 4
Brasil Viola Brasil Santos
1999 Brasil Missinho Brasil CSA 4
Brasil Marcelo Araxá Brasil São Raimundo

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Em 94, Expressinho salvou temporada com precursora da Sul-Americana». Terra. 5 de dezembro de 2012. Consultado em 24 de fevereiro de 2022 
  2. «Muricy relembra Expressinho e título de 'precursora da Sul-Americana' em 94». ESPN. 26 de setembro de 2013. Consultado em 24 de fevereiro de 2022 
  3. Lanus Taça Sul-Americana Arquivado em 28 de dezembro de 2013, no Wayback Machine. iol.pt 14 de Dezembro de 2013
  4. RSSSF Copa Conmebol RSSSF. 15 de Dezembro de 1999
  5. Bola na Área Copa Conmebol BolanaArea.com. Página visitada em 25 de outubro de 2013.
  6. «Título do "Expressinho" do São Paulo com Ceni e Muricy completa 20 anos». globoesporte.com. Consultado em 24 de fevereiro de 2022 
  7. Brazilian clubs in Copa Conmebol RSSSFBRASIL. 2 de Novembro de 2010
  8. «Leão e Doriva lembram batalha campal no Lanús x Atlético-MG de 1997: "Eram 200 contra 30"». ge. Consultado em 18 de fevereiro de 2022 
  9. Peixoto, Paulo (7 de novembro de 1997). «Atlético-MG goleia Lanús e é surrado na Argentina». Folha de S. Paulo. Consultado em 18 de fevereiro de 2022 
  10. Anuário Placar 2003, página 617.
  11. trivela.com. «Futebol - iG Esporte - Os torneios 'defuntos' da Conmebol». esporte.ig.com.br. Consultado em 16 de junho de 2018 
  12. Wilinski, Marcelo (31 de março de 2016). «Sete jogos internacionais que você nunca imaginou que o Paraná Clube já fez | Última Divisão». Consultado em 19 de fevereiro de 2022 
  13. TARGINO, Maurício (18 de maio de 2012). «O G-12 brasileiro.». Site deprimeira. Consultado em 17 de outubro de 2016. Arquivado do original em 27 de outubro de 2016 
  14. RODRIGUES, Rodolfo e GINI, Paulo Villena (3 de agosto de 2009). «Livro A história das camisas dos 12 maiores times do Brasil». Panda Books. Consultado em 26 de dezembro de 2013. Arquivado do original em 2 de abril de 2014 
  15. Site da revista PLACAR - Livro sobre camisa dos 12 grandes clubes do Brasil ganha versão atualizada, página editada em 13 de dezembro de 2016 e disponível em 31 de dezembro de 2016.
  16. Tabela de pontos ganhos por times que jogaram a Copa Conmebol RSSSF, 4 de Janeiro de 2000

Ligações externas[editar | editar código-fonte]